A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
53 pág.
TCC Tereza Rachel 2020 formatado-convertido

Pré-visualização | Página 12 de 13

dessa prática estendendo-se a todas as pessoas diagnosticadas com 
hanseníase, não somente aquelas que apresentam fragilidade e angustia face ao 
diagnóstico. Considera-se que a doença é crônica e ocorre de forma lenta, podendo 
sim, desestabilizar todo e qualquer usuário que receba tal diagnóstico. 
 Ressalta-se que o acolhimento deve continuar ocorrendo por meio de práticas 
humanizadas, seguindo o processo da escuta e identificação adequada do 
problema. A proposta segue o seguinte procedimento para acolhimento no Centro 
de Saúde Dr. Genésio Rêgo: 
1. Acolhimento Inicial: receber todos os pacientes diagnosticados com 
hanseníase; prestar os cuidados necessários, propiciar segurança e tranquilidade ao 
paciente; fortalecer os vínculos com os familiares do paciente, confortando-os e 
esclarecendo sobre as formas de tratamento da hanseníase; adequação do 
ambiente de forma que os familiares tenham conforto enquanto aguardam por mais 
informações. 
48 
 
2. Escuta: promoção da escuta qualificada do paciente e seus familiares, 
atenção as suas dúvidas, medos e angústias. 
3. Apoio: oferecimento de apoio e conforto aos pacientes e familiares, 
identificação de necessidades e avaliação das demandas de encaminhamento para 
outros setores da rede de prestação de serviço. 
 
7.4 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 
 
Diante dos fatos expostos foi possível chegar ao resultado final ressaltando 
aquilo que foi proposto no objetivo geral desta pesquisa, sendo que o acolhimento a 
pacientes diagnosticados com hanseníase no Centro Dr. Genésio Rêgo demonstrou 
ser de suma importância para o fortalecimento emocional e social do usuário. 
Observa-se que em seu sentido amplo, o acolhimento significa facilitar o acesso das 
pessoas a tudo o que ela precisa e responsabilizar-se pelo acompanhamento dessa 
pessoa durante e após o tratamento e cura da doença. 
A prática do acolhimento traz muitos benefícios, contribui para a melhora da 
autoestima do paciente, fortalecem as relações familiares, a promoção do diálogo 
aberto e a adesão ao tratamento de forma ininterrupta, ressaltando que esse 
acolhimento vai muito além da atenção básica e exige do profissional o 
entendimento sobre a rede para facilitação do atendimento de demandas 
diferenciadas. 
Considera-se que o acolhimento é uma relação que ocorre entre o profissional 
e o usuário, baseando-se em princípios de humanização traçados pela PNH. É 
possível verificar a importância dessa prática quando se observa a postura dos 
pacientes ao demonstrarem o respeito pelo profissional, à forma de olhar, falar e 
escutar o outro. Segundo dados do Ministério da Saúde, “o acolhimento como 
postura e prática nas ações de atenção e gestão nas unidades de saúde favorece a 
construção de uma relação de confiança e compromisso dos usuários”. (BRASIL, 
2010). 
No Centro de Saúde Dr. Genésio Rêgo preza-se pela integralidade do 
indivíduo, a valorização do mesmo como sujeito de direito e como ser humano, que 
mesmo fragilizado pela doença continua responsável por sua vida. 
Tem-se em mente em primeiro lugar, por parte dos assistentes sociais, a 
perspectiva em meio ao cuidado, não somente na cura, mas não totalidade do ser. 
49 
 
Tal forma de cuidado baseia-se no compromisso ético e responsável do profissional 
que segue suas atividades pautadas nas dimensões teórico-metodológica, ético-
político e técnico-operativo da profissão. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
50 
 
8 CONCLUSÕES 
 
O período de estágio obrigatório, realizado no Centro de Saúde Dr. Genésio 
Rêgo foi crucial para a escolha do tema, sendo proposta uma análise sobre o 
Serviço Social e o acolhimento do usuário com hanseníase. 
O estudo considerou a relevância do fazer profissional do assistente social 
traçando-se uma trajetória do quadro da saúde pública no Brasil destacando-se os 
impactos trazidos pela colonização portuguesa na formação da sociedade brasileira. 
Foram trabalhados pontos sobre os desafios enfrentados pela população da 
época da colonização, analisando-se o aparecimento de epidemias e a falta de 
acesso à saúde, uma vez que os cuidados médicos eram exclusividade da classe 
dominante enquanto que aos pobres restava a solidariedade dos cuidados 
oferecidos por religiosos e as práticas desenvolvidas por curandeiros. 
Com os avanços constitucionais, a exemplo, da promulgação da Constituição 
Federal de 1988 e logo após com a implantação do Sistema Único de Saúde (SUS) 
tem-se uma nova concepção de saúde pública com acesso universal e sem custos 
para população que dela necessita. 
A implantação do SUS possibilitou uma visão ampliada para o coletivo, 
mudando a concepção quanto às ações e práticas e os serviços até então 
oferecidos à população. 
Também foi considerado o panorama atual da saúde pública do Brasil, 
fazendo um aporte sobre as condições econômicas do país frente ao combate e 
enfrentamento de epidemias e pandemia que tem assolado o sistema de saúde e a 
sociedade como um todo. 
Considerou-se ainda, o trabalho do assistente social na saúde, trançando-se 
uma trajetória de inserção e atuação na área, expondo seus desafios e conquistas 
até a atualidade, bem como a importância do domínio das dimensões teórico-
metodológica, ético-política e técnica-operativa da profissão. O trabalho desse 
profissional tem sua base legal nas legislações especificas da profissão dando 
destaque ao Código de Ética Profissional e os Parâmetros de Atuação do Assistente 
Social na área da saúde. 
O estudo teve como meta responder a questão problema que deu margem 
para a pesquisa, analisando-se os impactos após o diagnóstico de hanseníase para 
o usuário, bem como os benefícios do acolhimento, tem-se, portanto, que tal 
51 
 
problema está diretamente relacionado ao choque do diagnóstico, uma vez que o 
usuário apresenta comportamento de fragilidade, tristeza, medo, receio quanto ao 
tratamento, desejo de isolamento, entre outros, sendo que a prática do acolhimento 
propõe justamente a busca pela minimização desses impactos através de uma 
abordagem humanizada pautada na PNH e visão de cuidado como o outro. 
Destacou-se sobre a prestação de serviço no Centro de Saúde Dr. Genésio 
Rêgo, que dentre tantos outros serviços é referência no estado do Maranhão no 
tratamento da hanseníase. 
Os resultados apontaram para o alto índice de casos de hanseníase no 
Maranhão e destacou as campanhas realizadas com adesão ao janeiro Roxo como 
estratégia para o combate a doença. 
Também se ressalta a importância do acolhimento realizado pelo Serviço 
Social na unidade, sendo que a prática é considerada como fator determinante para 
a adesão ao tratamento. Destacam-se ainda, as propostas de continuidade do 
acolhimento, incluindo nesse rol todos os pacientes diagnosticados com hanseníase 
e não somente aqueles com sinais de vulnerabilidade social. 
Sendo assim, reforça-se a importância do acolhimento para pacientes com 
hanseníase após o diagnóstico da doença, haja vista ser uma prática que 
proporciona bem-estar, tranquilidade e confiança ao usuário, bem como o trabalho 
ético e competente do profissional de Serviço Social. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
52 
 
REFERÊNCIAS 
 
_____LEI Nº 9.010/1995. Dispõe sobre a terminologia oficial relativa à hanseníase e 
dá outras providências. Disponível em: 
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9010.htm. Acesso em: 02 de mar. 2020. 
 
ALBONETTE, Eliana Aparecida Gonçalez. Serviço social no Brasil: panorama 
histórico e desafios. Curitiba: InterSaberes, 2017. 
 
ALMEIDA, Flávio Rodrigues de. Humanização da Assistência na Atenção 
Primária de Saúde. Trabalho de Conclusão de Curso. Belo Horizonte, 2015. 
Disponível em: 
https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/Humaniza%C3%A7ao_assi
stencia_aten%C3%A7ao_primaria_saude.pdf. Acesso em 20 de fev. 2020. 
 
ALMEIDA,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.