A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
21 pág.
Anatomia do Braço, antebraço e mão

Pré-visualização | Página 1 de 5

Extremidade inferior do úmero 
Na extremidade inferior do corpo do úmero, há um 
alargamento ao formar as ​cristas supraepicondilares 
medial e lateral​, terminando no epicôndilo medial e 
no​ epicôndilo lateral​. 
A extremidade distal do úmero forma o 
côndilo do úmero​, o qual apresenta um capítulo lateral 
(articulação com a cabeça do rádio), uma ​tróclea 
medial (polia para a articulação), a fossa coronóidea 
(fossa anterior entre acima da tróclea - recebe o 
processo coronoide da ulna durante a flexão do 
cotovelo), a ​fossa olécrano (posterior entre os 
epicôndilos - recebe o olécrano da ulna durante a 
extensão do cotovelo) e a ​fossa radial (acima do 
capítulo anteriormente - recebe a margem da cabeça 
do rádio na flexão de cotovelo) 
 
OBS! ​A cavidade glenoide ocupa ⅓ da cabeça do 
úmero - articulação de grande amplitude, mas 
instável. 
 
OSSOS DO ANTEBRAÇO 
Os ossos do antebraço formam a 2º unidade de 
um suporte móvel articulado (supinação e pronação). 
 
Ulna 
É o osso mais medial do antebraço e o mais 
longo; obtém duas extremidades articuladas. 
A articulação proximal apresenta duas 
projeções proeminentes: o ​olécrano (em direção 
proximal a partir de sua face posterior - forma a ponta 
do cotovelo) e o ​processo coronoide (se projeta 
anteriormente). Essas duas estruturas formam as 
paredes da ​incisura troclear (“dente de uma chave 
inglesa”), que permite os movimentos de flexão e 
extensão do antebraço. Inferiormente ao processo 
coronoide está a ​tuberosidade da ulna para a fixação 
do tendão do mm. braquial. 
Na face lateral do processo coronoide há uma 
concavidade lisa e arredondada, a incisura radial​, que 
recebe a parte periférica larga da cabeça do rádio. 
Inferiormente à incisura radial há a ​crista do músculo 
supinador, que, por sua vez, apresenta no seu lado 
distal a ​fossa do músculo supinador (parte profunda 
do mm. supinador fixa-se à crista e à fossa do mm 
supinador). 
Na extremidade distal da ulna há um 
alargamento pequeno, mas abrupto, a ​cabeça da ulna​, 
que se assemelha a um disco, com um pequeno 
processo estiloide da ulna​ cônico. 
O corpo da ulna é espesso e cilíndrico na 
região proximal, afiliando-se distalmente. 
 
Rádio 
Mais curto dos ossos do antebraço. 
Sua extremidade proximal apresenta: 
● Cabeça do rádio: ​A face superior lisa da cabeça do 
rádio discoide é côncava para a articulação com o 
capítulo do úmero durante a flexão e extensão do 
cotovelo, bem como cabeça também se articula 
perifericamente com a incisura radial da ulna; 
assim, ela é coberta por cartilagem articular. 
● Colo​: O colo do rádio é uma constrição distal à 
cabeça 
● Tuberosidade do rádio: voltada medialmente e 
situa-se distalmente à parte medial do colo e separa 
a extremidade proximal (cabeça e colo) do corpo 
 
O corpo do rádio aumenta no sentido distal, 
sendo que essa extremidade, na sua face medial, 
forma uma concavidade, a incisura ulnar ​, que 
acomoda a cabeça da ulna; a face lateral do rádio 
termina distalmente no ​processo estiloide do rádio​. 
Projetando-se dorsalmente, há o ​tubérculo dorsal do 
rádio situa-se entre sulcos superficiais destinados à 
passagem dos tendões dos músculos do antebraço. 
 
Associando a ulna e o rádio há a membrana 
interóssea do antebraço. A maioria das fibras da 
membrana interóssea segue um trajeto oblíquo, 
passando inferiormente ao rádio enquanto se estende 
medialmente até a ulna. Assim, são posicionadas para 
transferir forças recebidas pelo rádio (através das 
mãos) para a ulna, que depois são transmitidas ao 
úmero. 
 
 
 
 
 
 
 
 
Movimentação do cotovelo 
● Flexão ativa: 145º 
● Flexão passiva: 160º - flexão do antebraço 
com uma força externa 
● Extensão: 0º 
● Prono-supinação: 90º cada 
 
Ligamentos do cotovelo 
● Lig. colateral da ulna ​(parte posterior, anterior e 
oblíqua): se liga do epicôndilo medial ao olécrano 
da ulna; evita a movimentação lateral dessa 
articulação 
● Lig anular do rádio​: mantém a cabeça do rádio e a 
incisura do rádio juntas 
 
● Lig. colateral do rádio​: sai do epicôndilo lateral e 
se liga ao rádio 
● Cápsula articular 
 
 
OBS! ​A membrana interóssea serve para estabilizar 
os dois ossos do antebraço e bem como fazer 
dispersão das forças mecânicas aplicadas ao 
antebraço. 
 
FÁSCIA E MMs DO MEMBRO SUPERIOR 
 
Fáscia do MS 
Abaixo da tela subcutânea (abaixo da pele) 
está a fáscia muscular. 
A fáscia peitoral está fixada à clavícula e ao 
esterno; ela reveste o músculo peitoral maior e é 
contínua inferiormente com a fáscia da parede 
anterior do abdome. Essa fáscia deixa a margem 
lateral do mm peitoral maior e dá origem à fáscia da 
axila, que forma o assoalho da axila. Profundamente 
ào mm peitoral maior, há a fáscia clavipeitoral, que 
desce a partir da clavícula, envolvendo o mm 
subclávio e o peitoral menor, tornando-se contínua 
inferiormente com a fáscia da axila. 
A fáscia do braço envolve o braço sob a tela 
subcutânea. É contínua superiormente com as fáscias 
dos músculos deltoide, peitoral, axilar e infraespinal. 
A fáscia do braço está fixada inferiormente aos 
epicôndilos do úmero e ao olécrano da ulna, sendo 
contínua com a fáscia do antebraço. Existem dois 
septos intermusculares (medial e lateral) que se 
estendem da face profunda da fáscia do braço até as 
cristas supraepicondilares do úmero; esses septos 
dividem o braço em compartimentos fasciais anterior 
(flexor) e posterior (extensor). 
No antebraço, os seus compartimentos são 
circundados pela fáscia do antebraço. Essa fáscia 
apresenta dois espessamentos nas suas regiões mais 
distais: 
● Espessamento posterior: forma o retináculo dos 
mms extensores, que mantém os tendões dos 
músculos extensores em posição 
● Espessamento anterior: contínuo com o retináculo 
dos mms extensores, chamado de ligamento carpal 
palmar 
Em um nível ainda mais profundo no 
antebraço, a fáscia do antebraço continua como o 
retináculo dos mms flexores (ligamento carpal 
transverso). Essa faixa fibrosa estende-se entre as 
proeminências anteriores dos ossos carpais externos e 
transforma a concavidade anterior do carpo em um 
túnel do carpo, através do qual passam os tendões dos 
músculos flexores e o nervo mediano. 
Na mão, a fáscia do antebraço é contínua com 
a fáscia da mão. A parte central da fáscia palmar, a 
aponeurose palmar, é espessa, tendínea e triangular e 
se superpõe ao compartimento central da palma da 
mão. A aponeurose forma quatro espessamentos 
distintos que irradiam para as bases dos dedos e 
tornam-se contínuos com as bainhas tendíneas 
fibrosas dos dedos. As faixas são atravessadas 
distalmente pelo ligamento metacarpal transverso 
superficial, que forma a base da aponeurose palmar. 
 
Músculos de Flexão do antebraço 
 
Bíceps braquial 
Músculo fusiforme, que apresenta duas 
cabeças, as quais fundem-se e se ligam na 
tuberosidade do rádio pelo tendão do mm bíceps 
braquial; entretanto, uma faixa membranosa, a 
aponeurose do mm bíceps braquial, parte desse 
tendão, atravessa a fossa cubital e funde-se à fáscia do 
antebraço, ajudando na fixação desse mm. A função 
desse músculo é fazer a flexão do antebraço, quando 
este está em supinação, e fazer a supinação