A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
13 pág.
04629dd1-aef0-4752-a487-21743afced58-1

Pré-visualização | Página 2 de 2

temos a 
municipal, a estadual e da união. A vigilância em saúde compreende a vigilância sanitária e a epidemiológica basicamente. 
A vigilância em saúde pública é a coleta, análise, interpretação e 
disseminação contínua e sistemática de dados de saúde para ajudar a orientar a tomada de decisões e ações de saúde pública. Vigilância equivale a monitorar o pulso da comunidade. O objetivo da vigilância em saúde pública, às vezes chamada de “informação para ação”, é retratar os padrões contínuos de ocorrência e potencial da doença, para que medidas de investigação, controle e prevenção possam ser aplicadas de maneira eficiente e eficaz. Isso é realizado por meio da coleta e avaliação sistemáticas de relatórios de morbimortalidade e outras informações relevantes em saúde, e da disseminação desses dados e sua interpretação para os envolvidos no controle de doenças e na tomada de decisões em saúde pública. 
Embora a vigilância da saúde pública tradicionalmente se concentre 
nas doenças transmissíveis, agora existem sistemas de vigilância que visam lesões, doenças crônicas, defeitos genéticos e congênitos, doenças ocupacionais e potencialmente relacionadas ao meio ambiente e comportamentos de saúde. Desde 11 de setembro de 2001, uma variedade de sistemas que dependem de relatórios eletrônicos foi desenvolvida, incluindo aqueles que relatam visitas diárias ao departamento de emergência, vendas de medicamentos de venda livre e absenteísmo de funcionários. Porque os epidemiologistas são prováveis para ser chamado a projetar e usar esses e outros novos sistemas de vigilância, as competências básicas de um epidemiologista devem incluir o projeto de instrumentos de coleta de dados, gerenciamento de dados, métodos descritivos e gráficos, interpretação de dados e redação e apresentação científica. 
Os objetivos de tais investigações também variam. As investigações 
frequentemente levam à identificação de outras pessoas doentes não relatadas ou não reconhecidas que, de outra forma, poderiam continuar a espalhar a infecção para outras pessoas. Por exemplo, uma das marcas registradas das investigações de pessoas com doenças sexualmente transmissíveis é a identificação de parceiros sexuais ou contatos de pacientes. Quando entrevistados, muitos desses contatos estão infectados sem saber e recebem tratamento de que não sabiam que precisavam. A identificação e o tratamento desses contatos evitam uma maior disseminação. 
Para algumas doenças, as investigações podem identificar uma 
fonte ou veículo de infecção que pode ser controlado ou eliminado. Por exemplo, a investigação de um caso de infecção por Escherichia coli O157: H7 geralmente se concentra na tentativa de identificar o veículo, geralmente carne moída, mas às vezes algo mais incomum, como suco de fruta. Ao identificar o veículo, os investigadores podem determinar quantas outras pessoas já podem ter sido expostas e quantas continuam em risco. Quando um produto comercial acaba sendo o culpado, anúncios públicos e recall do produto podem evitar muitos casos adicionais. 
Já a vigilância sanitária permite a identificação precoce de 
problemas de saúde e ajuda a identificar qualquer ação corretiva necessária. A vigilância da saúde é exigida pela Seção 22 da Lei de Segurança, Saúde e Bem-Estar no Trabalho de 2005 se uma avaliação de risco identificar que os funcionários estão expostos a ruído ou vibração, solventes, fumos, poeiras, agentes biológicos e outras substâncias perigosas para a saúde. O Regulamento 63 dos Regulamentos de Segurança, Saúde e Bem-Estar no Trabalho (Pedreiras) de 2008 exige que a Vigilância Sanitária seja disponibilizada antes que as pessoas sejam designadas para atividades de trabalho específicas na pedreira onde uma Avaliação de Risco identifica que a Vigilância Sanitária é necessária. A indústria de pedreiras tradicionalmente tem problemas com ruído, poeira e distúrbios muscoesqueléticos. 
Técnicas de vigilância sanitária devem ser usadas para estabelecer 
uma linha de base como parte de um exame médico pré-contratação. O empregador deve identificar se um funcionário potencial tem condições existentes, como asma ou dermatite, que poderiam ser agravadas por suas atividades de trabalho potenciais, como contato com sensibilizadores, ou se tem um nível pré-existente identificável de perda auditiva ou problema respiratório. 
A vigilância da saúde é um sistema de verificações de saúde 
contínuas. Essas verificações de saúde podem ser exigidas por lei para funcionários expostos a ruído ou vibração, radiação ionizante, solventes, fumos, poeiras, agentes biológicos e outras substâncias perigosas para a saúde, ou que trabalham com ar comprimido. 
 
CONSIDERAÇÕES FINAIS 
 
 
Neste estudo foi possível ver mais a participação do SUS frente a 
pandemia e ver o quanto ela tem sido importante. Mesmo com muitas críticas ao sistema único de saúde, ainda contamos com um grande apoio que tem ajudado muito durante a pandemia. Além de recursos financeiros o sus tem estruturado toda a rede de atenção possibilitando assim o atendimento rápido e contenção da doença com ajuda da atenção básica e também da vigilância em saúde. 
 
REFERÊNCIAS 
 
OLIVEIRA, N. R. C. Redes​ de atenção à saúde: a atenção à saúde organizada em redes. São Luís, 2016. Disponível em: 
<https://www.unasus.ufma.br/wp-content/uploads/2019/12/isbn_redes01.pdf>. 
Acesso em: 19 ago. 2020. 
COSTA, A. A. Z.; HIGA, C. B. O. Vigilância​	 em saúde.​ Porto alegre: SAGAH, 2018. 
E-book. 	Disponível 	em: 	MINHA 	BIBLIOTECA. 
<https://integrada.minhabiblioteca.com.br/books/9788595027831>. Acesso em: 19 ago. 2020. 
 
DAMACENO, A. N.; LIMA, M. A. D. S.; PUCCI, V. R.; WEILLER, T. H. Redes​ de atenção à saúde: uma estratégia para integração dos sistemas de saúde.​ Rev. 
Enferm. 	UFSM. 	2020, 	v.10, 	n.14: 	p.1-14. 	Disponível 	em: 
<https://doi.org/10.5902/2179769236832>. Acesso em: 19 ago. 2020. 
 
MATTOS, R. A. Princípios​ do Sistema Único de Saúde (SUS) e a humanização das práticas de saúde.​ Revista Interface. v.13, supl.1, p.771-80, 2009. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/icse/v13s1/a28v13s1.pdf> Acesso em: 19 ago. 2020. 
 
CORONEL, A. L.C.; BONAMIGO, A. W.; AZAMBUJA, M. S.; et al. Sistema​ Único de Saúde (SUS): quando vai começar? Interdisciplinary Journal of Health Education. v. 2, n. 1, p. 83-90, 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.4322/ijhe.2016.016>. 
Acesso em: 19 ago. 2020.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.