A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes

Pré-visualização | Página 4 de 7

com sua esposa. Você pode dizer a seu de chefe que não poderá ficar, e levá-la ao concerto, esforçando-se para agradá-la. Mesmo que você sinta que precisa ficar, para garantir seu emprego, sabe que só faria isso de má vontade, tentando justificar sua decisão e se proteger do desapontamento e da raiva dela.
Se você olhar a questão a partir das lentes centradas no dinheiro, sua principal preocupação será com as horas extras que receberá, ou a influência que isso terá em um possível aumento. Talvez simplesmente telefone para sua esposa e diga a ela que precisa ficar, presumindo que ela entenda que as questões econômicas devem ser prioritárias.
Se você é uma pessoa centrada no trabalho, pode ficar pensando na oportunidade. Vai aprender coisas novas sobre o serviço. Terá oportunidade de marcar pontos com o chefe e aumentar suas chances na empresa. Pode até se parabenizar por trabalhar muito mais do que é necessário, prova do quanto você é esforçado. Sua mulher deveria sentir orgulho do marido!
Se você tem o centro nos bens, pode pensar nas coisas que o dinheiro das horas extras vai permitir comprar. Ou considerar um fato positivo para sua reputação no escritório esta oportunidade de ficar até mais tarde. Todos saberão amanhã o quanto você é nobre, disposto e dedicado.
Se você centra sua vida no prazer, provavelmente dispensará o trabalho e irá ao concerto, mesmo que sua esposa fique contente se você trabalhar até mais tarde. Você merece uma noite de divertimento!
Se estiver centrado nos amigos, sua decisão será influenciada pela presença ou não dos amigos no concerto. Ou pela atitude dos amigos no trabalho: Eles ficam ou não até mais tarde?
Se você tem o centro nos inimigos, pode ficar até tarde porque isso vai lhe dar uma grande vantagem sobre aquela pessoa no escritório que se acha o maioral da empresa. Enquanto ele sai para passear, você estará trabalhando como escravo, fazendo o seu trabalho ou o dele, sacrificando seu prazer pessoal pelo bem da companhia, enquanto ele se dá ao luxo de ignorar com tanta tranqüilidade.
Se você é centrado no eu, estará preocupado com o que será melhor para sua pessoa. Será melhor sair à noite? Ou quem sabe para você seja mais vantajoso marcar alguns pontos com o chefe? A maneira como você será afetado pela escolha é o que importa.
Você consegue ver como os centros nos afetam profundamente? Até em nossas motivações, decisões diárias (ou, em muitos casos, nossas reações), nossa interpretação dos fatos. Por este motivo, a compreensão do seu próprio centro é importante. E se o centro não o torna uma pessoa proativa, torna-se fundamental, para sua eficácia, realizar as mudanças de paradigma necessárias para criar um centro que o faça.
Como uma pessoa centrada nos princípios, você tenta ficar afastado das emoções do momento, ou de outros fatores que podem influenciá-lo, e analisar as opções. Ao olhar para o todo, equilibradamente - as necessidades do trabalho, da família, outros fatores que possam estar envolvidos e possíveis implicações das diversas decisões alternativas -, você tentará encontrar a melhor solução, levando todos os aspectos em consideração. Na condição de uma pessoa centrada nos princípios, você vê as coisas diferentemente, age diferentemente, pensa diferentemente.
Novamente uso palavras de Frankl: "No fundo, o homem não deve perguntar qual o sentido de sua vida, mas na verdade perceber que ela é quem pergunta. Em outras palavras, cada homem é questionado pela vida; e ele só pode responder à vida respondendo por sua própria vida; à vida ele só pode responder sendo responsável”.
O Dr. Charles Garfield realizou uma pesquisa abrangente sobre pessoas capazes de performances excepcionais, tanto no atletismo quanto no mundo dos negócios. Um dos fatos principais revelados por sua pesquisa é que praticamente todos os atletas de nível internacional e outras pessoas capazes de performances admiráveis são visualizadoras. Eles vêem, eles sentem, eles experimentam antes o que farão depois. Eles começam com o objetivo na mente.
Hábito 3: Primeiro o mais importante “O gerenciamento eficaz é fazer primeiro a mais importante, ele é disciplina, vontade de fazer direito. Você se torna um discípulo, um seguidor de seus próprios valores fundamentais e de sua fonte. E possui a vontade e a integridade para subordinar os sentimentos e humores a estes valores.”
O Hábito 3, então, é a segunda criação, a elaboração física. É a realização, a transformação em realidade, a emergência natural dos Hábitos 1 e 2. É o exercício da vontade soberana para que a pessoa se torne centrada nos princípios. É uma atuação no dia-a-dia, a cada segundo. A vontade humana é algo espantoso. Repetidas vezes, ela triunfou contra prognósticos desfavoráveis. Ele é um dom, seu fortalecimento vem de aprender a usar nas decisões que tomamos todos os dias. 
O gerenciamento eficaz é fazer primeiro a mais importante, ele é disciplina, vontade de fazer direito. Você se torna um discípulo, um seguidor de seus próprios valores fundamentais e de sua fonte. E possui a vontade e a integridade para subordinar os sentimentos e humores a estes valores.
The Common Denominator of Success (O Denominador Comum do Sucesso), escrito por E. M. Gray. "A pessoa bem-sucedida tem o hábito de fazer coisas que os fracassados não gostam de fazer. Elas não gostam de fazê-las, tampouco. Mas sua contrariedade se subordina à força de seus propósitos”.
Assuntos urgentes normalmente são óbvios. Eles nos pressionam; insistem para que alguma providência seja tomada. A importância, por outro lado, tem a ver com resultados. Se algo é importante, contribui para nossa missão, nossos valores e metas prioritárias. Nós reagimos a questões urgentes. As questões importantes que não são tão urgentes exigem mais iniciativa, mais proatividade.
As coisas importantes, mas não urgentes estão no centro da administração pessoal eficaz. Ele lida com coisas como melhorar relacionamentos, redigir uma declaração de missão pessoal, planejamento a longo prazo, exercícios, manutenção preventiva, preparação - todas estas coisas que sabemos que precisamos fazer, mas às quais raramente nos dedicamos, pois sabemos que não são urgentes.
Você precisa resolver quais são suas prioridades maiores, e ter a coragem - de um modo educado, sorridente, mas sem se desculpar - para dizer não às outras coisas. Tenha em mente que você está sempre dizendo "não" a alguma coisa.
Se uma das seguintes áreas estivesse deficiente, qual seria: (1) A incapacidade de estabelecer prioridades; (2) A incapacidade ou falta de vontade para organizar a vida a partir destas prioridades; ou (3) falta de disciplina para executá-las. A maioria das pessoas diz que sua principal falha é a falta de disciplina. Mas, sem se centrarem nos princípios, e sem uma declaração de missão pessoal, elas não possuem a base necessária para sustentar seus esforços.
O modo como você passa seu tempo é resultado do modo como você vê seu tempo, e da maneira como encara suas prioridades.
Você precisa de um instrumento que o encoraje, que o motive, que realmente o ajude a dedicar o tempo necessário às coisas importantes e não-urgentes, de forma que você lide com a prevenção, em vez de dar prioridade às crises. Em minha opinião, a melhor maneira de fazer isso é organizar sua vida em uma base semanal. O segredo não é valorizar o que está no planejamento, mas determinar as prioridades. E isso pode ser feito melhor no contexto da semana. O instrumento de planejamento deve ser seu escravo (flexível), nunca seu senhor.
Existem basicamente dois tipos de delegação: "delegação restrita" e "delegação administrativa". A delegação restrita ordena: "Faça isso faça aquilo, vá até ali, volte e diga o que foi feito" o lema da delegação restrita: "Diga o que é para fazer que eu faço". A delegação administrativa está focalizada nos resultados, e não nos métodos. Ela dá às pessoas uma oportunidade de escolher o método, e as torna responsáveis pelos resultados.
Ao fazer uma delegação administrativa, Estabeleça os parâmetros dentro