A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
382 pág.
alaiande_xire

Pré-visualização | Página 1 de 50

ORGANIZAÇÃO
VAGNER GONÇALVES DA SILVA
ROSENILTON SILVA DE OLIVEIRA
JOSÉ PEDRO DA SILVA NETO
DESAFIOS DA CULTURA RELIGIOSA
AFRO-AMERICANA NO SÉCULO XXI
DESAFIOS DA CULTURA RELIGIOSA
AFRO-AMERICANA NO SÉCULO XXI
ALAIANDÊ XirÊALAIANDÊ XirÊ
 ALAIANDÊ XIRÊ
 DESAFIOS DA CULTURA RELIGIOSA
 AFRO-AMERICANA NO SÉCULO XXI
ORGANIZAÇÃO
VAGNER GONÇALVES DA SILVA
ROSENILTON SILVA DE OLIVEIRA
JOSÉ PEDRO DA SILVA NETO
São Paulo
2019
 ALAIANDÊ XIRÊ
 DESAFIOS DA CULTURA RELIGIOSA
 AFRO-AMERICANA NO SÉCULO XXI
ORGANIZAÇÃO
VAGNER GONÇALVES DA SILVA
ROSENILTON SILVA DE OLIVEIRA
JOSÉ PEDRO DA SILVA NETO
DOI: 10.11606/9786550130060
Os autores autorizam a reprodução e divulgação total ou parcial deste trabalho, por qualquer 
meio convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte.
A316 Alaiandê Xirê: desafios da cultura religiosa afro-americana no Século XXI / 
Vagner Gonçalves da Silva, Rosenilton Silva de Oliveira, José Pedro da Silva 
Neto (Organizadores). São Paulo: FEUSP, 2019.
382 p.
Vários autores
ISBN: 978-65-5013-006-0 (E-book)
DOI: 10.11606/9786550130060
1. Candomblé. 2. Cultura afro. 3. Religião. 4. Religiões africanas. 
I. Silva, Vagner Gonçalves da. II. Oliveira, Rosenilton Silva de. III. Silva Neto, 
José Pedro. IV. Título.
CDD 22ª ed. 299.6
Ficha elaborada por: José Aguinaldo da Silva CRB8a: 7532
 Universidade de São Paulo
Reitor: Vahan Agopyan
Vice-reitor: Antonio Carlos Hernandes
Faculdade de Educação
Diretor: Prof. Dr. Marcos Garcia Neira
Vice-Diretor: Prof. Dr. Vinicio de Macedo Santos
Direitos desta edição reservados à FEUSP
Avenida da Universidade, 308
Cidade Universitária – Butantã
05508-040 – São Paulo – Brasil
(11) 3091-2360
e-mail: spdfe@usp.br
http://www4.fe.usp.br/
Catalogação na Publicação
Serviço de Biblioteca e Documentação
Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo
COMISSÃO EDITORIAL
Vagner Gonçalves da Silva (FFLCH)
Rosenilton Silva de Oliveira (FE)
José Pedro da Silva Neto (CERNe-USP)
CONSELHO CIENTÍFICO
Carlos Yoba
Universidade Lueji A᾽Nkonde (Angola)
Denise Dias Barros
Universidade de São Paulo (Brasil)
Dilma de Melo Silva
Universidade de São Paulo (Brasil)
Ileana Hodge Limonta
Centro de Investigações Psicológicas e Sociológicas (Cuba)
James Lorandy Matory
Universidade Duke (Estados Unidos) 
Jean-Pierre Dozon
Fundação Casa das Ciências do Homem (França)
Ligia Ferreira
Universidade Federal do Estado de São Paulo (Brasil)
Mundicarmo Ferretti
Universidade Federal do Maranhão (Brasil)
Nilma Lino Gomes
Universidade Federal de Minas Gerais (Brasil)
Niyi Afolabi
Universidade de Texas (Estados Unidos)
Ricardo Alexino Ferreira
Universidade de São Paulo (Brasil) 
 
Revisão: Juliana Yumi Faria Imamura
Diagramação: Luciano Alves
Ilustração: Inátóbí (José Pedro da Silva Neto)
“PORQUE O TAMBOR BATA NÃO PODE DEIXAR SÀNGÓ1
Ejila Asebora diz: ‘Comer e beber são um assunto vital’.
Onde vemos doze anciãos, ‘Vivido adivinho na terra e paciente 
adivinho no céu’. 
Bata e Sàngó eram amigos desde a infância.
Foi adivinhado para o tambor Bata no dia que ele seria o 
representante de Sàngó.
Sàngó pergunta o que deveria fazer para ser próspero.
Ejila responde que um de seus amigos lhe fará próspero.
Sàngó pergunta o que ele deveria fazer para seu amigo lhe fazer rico.
Ejila responde que ele deveria oferecer o tambor Bata como sacrifício.
Sàngó pergunta o que ele deveria oferecer mais.
Ejila responde que deveria oferecer búzios, galos, pombos e porretes.
Ejila devolve a Sàngó um porrete.
Quando acabaram de oferecer o sacrifício, 
Ejila disse ao tambor Bata que ele deveria sair
 e saudar Sàngó além dos muros da cidade.
E quando o tambor Bata saiu ele percutiu:
 ‘Comer, comer, comer é um assunto vital’.
O tambor Bata disse ainda:
 ‘Se Sàngó estivesse aqui ele diria para trazerem búzios, roupas e galinhas’.
Eles trouxeram e deram a Sàngó.
Sàngó prosperou, tornou-se Rei.
Sàngó dançava e ria, louvava Ejila e os adivinhos porque diziam a verdade.
‘Ter o que comer e beber é um assunto vital’.
Foi o que adivinharam para Bata o representante de Sàngó.
E por isso Bata não pode deixar Sàngó hoje em dia.
Aonde vemos Ejila, Vossa Majestade, é em Sàngó que devemos confiar.”
1 BASCOM, William. Sixteen Cowries: Yoruba Divination from Africa to the 
New World. Bloomington: Indiana University Press, 1980 (tradução nossa).
SUMÁRIO
Prefácio | 13 
Vagner Gonçalves da Silva, Rosenilton Silva de Oliveira e 
José Pedro da Silva Neto
Rememorando o Alaiandê Xirê | 20 
Roberval José Marinho 
PARTE 1 – ORIXÁ: LÁ E CÁ
Logunedé na África | 48 
Omoriyeba Silifatu Lasisi & Mopelola Osunfumike Oladejo
Logunedé no Brasil | 60 
Bàbá Ògúndáre 
Ifá na África | 68 
Ayoade Kazeem Adeleke 
Ifá no Brasil | 76 
Bàbá Ògúndáre
Ilé Tuntun, nuevo movimiento religioso en Cuba | 82 
Julio Ismael Martinez Betancourt & Ileana Hodge Limonta
Òrìsàísmo: Um novo conceito de identidade
religiosa globalizada | 100 
Aulo Barretti Filho 
PARTE 2 – RELIGIÃO, POLÍTICAS E 
PATRIMÔNIOS PÚBLICOS 
Do terreiro para a escola: algumas reflexões sobre 
ensino de história e cultura afro-brasileira após 
a lei 10.639 e a intolerância religiosa | 114 
Rachel Rua Baptista Bakke 
Cultura e religião nas questões de saúde | 139 
Antônio Maia 
O imaginário nacional e o patrimonial | 160 
Emanuelle Kadya Tall 
Falando sobre o I Plano Nacional de Desenvolvimento Sustentável 
dos Povos e Comunidades Tradicionais de Matriz Africana | 171 
Regina Nogueira 
Interfaces da Cultura Negra e os Povos Tradicionais
de Matriz Africana | 185 
José Pedro da Silva Neto, Arthur Leandro & 
Paulo Cesar Pereira de Oliveira 
Terreiros de candomblé como comunidades
tradicionais africanas | 198 
Rosenilton Silva de Oliveira 
Religião e identidade cultural negra: católicos, 
afro-brasileiros e neopentecostais | 224 
Vagner Gonçalves da Silva 
PARTE 3 – RELIGIÃO, CONSUMO E ARTE
Artistas afro-brasileiros | 280 
Dilma de Melo e Silva
A estética afro-brasileira de Carybé | 287 
Marcelo Mendes 
Candomblé na rua: contexto ou liberdade poética | 301 
José Pedro da Silva Neto 
A cultura material da Santería cubana, 
um estudo de suas formas de consumo | 308 
Yumei I. Morales Labañino
Cantar para Subir - A música ritual no
candomblé paulista | 327 
Vagner Gonçalves da Silva & Rita Amaral
O Dobra Couro - Homenagem aos antepassados | 374 
 | 13 
PREFÁCIO
Este livro apresenta um conjunto de reflexões sobre as 
culturas religiosas africanas e afro-americanas em seus aspectos 
etnográficos, históricos, artísticos e políticos. Trata-se de 
entender os modos pelos quais as redes de práticas tradicionais 
religiosas na África e na Afro-América vêm se estabelecendo em 
um mundo globalizado e hierarquizado do ponto de vista social 
e étnico-racial. Para tanto, reuniu pesquisadores, intelectuais, 
acadêmicos e lideranças tradicionais de matriz africana do 
Brasil e do exterior.
Essas reflexões foram organizadas em três partes. A Parte 1 
– Orixá: Lá e Cá apresenta as características de um orixá, Lógunède 
tomado como exemplo, na tradição africana e afro-brasileira e 
de que forma suas origens e ressignificações podem contribuir 
para entendermos as continuidades e rupturas entre as culturas 
negras na África e na diáspora americana. O mesmo ocorre com o 
sistema oracular de Ifá. Esse sistema apresenta o principal corpus 
sobre a cosmologia, cosmogonia, valores religiosos, etc. que 
embasa a prática do culto aos orixás na África e em sua diáspora. 
Além disso, a ênfase de cultos afro-americanos no retorno às suas 
origens africanas, seja em Cuba, no Brasil ou nos Estados Unidos, 
mostra a necessidade de avaliarmos o quanto o conceito de orixá 
14 | 
vem, paradoxalmente, se consolidando e se transformando pela 
ação da globalização ioruba. 
A Parte 2 – Religião, Políticas e Patrimônios Públicos 
apresenta reflexões sobre a presença dos valores culturais 
e religiosos afro-brasileiros dentro e fora dos templos. A 
implementação das leis 10.639/2003 e 11.645/2008, por exemplo,