A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
ANESTESIO - mpa, indução, inalatória e dissociativa

Pré-visualização | Página 1 de 1

MEDICAÇÃO PRÉ ANESTÉSICA E INDUÇÃO
ANESTÉSICA
➢ MPA:
1. ANTICOLINÉRGICOS:
a. taquicardia, taquirritmia, broncodilatação, reduz secreção pulmonar e
salivação, midríase, evita vômito e diarréia, reduz motilidade intestinal
(EVITAR EM EQUINOS)
b. atropina, escopolamina e glicopirrolato
c. antagonista: neostigmina
2. BENZODIAZEPÍNICOS:
a. ansiolítico e anticonvulsivante, miorrelaxante, pouca alteração nos
parâmetros, metabolização hepática e bradipnéia fetal
b. midazolam e diazepam
c. antagonista: flumazenil
3. FENOTIAZÍNICOS:
a. tranquiliza, diminui os parâmetros (NÃO USAR EM GARANHÕES E
BRAQUICEFÁLICOS)
b. acepromazina/acepran, clorpromazina, levomepromazina, prometazina
(fenergan - anti histamínico)
4. AGONISTAS α-2 ADRENÉRGICOS:
a. bradicardia, vasodilatação, miorrelaxamento, analgésico, usado na anestesia
geral
b. medetomidina, xilazina, clonidina, dexmedetomidina
c. antagonista: ioimbina, atipamezol
5. OPIÁCEOS:
a. analgésico, bradicardia, estimula vômito e diminui peristaltismo intestinal
b. meperidina/petidina: libera histamina, miose, reduz secreções, vasodilatação
periférica. Potência analgésica: 0,125
c. fentanil: analgésico, pouca bradicardia, causa relaxamento do esfíncter e IV
causa estímulo vagal (dura 30 minutos e tem morfina como antagonista).
Potência analgésica: 50
d. tramadol: queda da PA, latência de 30 minutos, é eliminado no leite. Potência
analgésica: 0,2
e. butorfanol: mais usado em equinos, antitussígeno, não libera histamina,
eficiente em cólicas e não altera peristaltismo intestinal, age por 3 a 5 horas.
Potência analgésica: 5 a 7
f. metadona: causa náusea e vômitos, ptialismo e defecação. Potência
analgésica: 2
➢ INDUÇÃO:
1. efeitos: sono, analgesia, corte de reflexos de defesa ( oculopalpebrais,
faringe e língua)
2. etomidatos: potencializa fenotiazínicos e benzodiazepínicos; ação curta e
hipnótica, com poucas alterações nos parâmetros
3. propofol: tem biotransformação hepática, plasmática e renal; é hidrossolúvel
e tem ação rápida, pode causar apnéia transitória, diminui DC e pressão
venosa central, causa depressão cerebral. Potencializa arritmia, bradipnéia e
hipotermia
ANESTESIA INALATÓRIA
❖ características:
➢ manter a manutenção de oxigênio nas vias de administração
➢ rápida indução e recuperação
➢ taxa de biotransformação menor que IV (de forma hepática)
➢ excreção pulmonar
➢ maior facilidade dos planos anestésicos (muito profundo)
❖ CAM:
➢ concentração alveolar mínima
➢ quantidade mínima necessária para fazer efeito
➢ quanto menor, melhor e mais potente (em porcentagem)
➢ na cirurgia, é necessário ao menos 1,5
❖ ativação dos parâmetros:
➢ cardíaco:
■ arritmia, complexo ventricular (halotano e NO3)
■ sensibilização do miocárdio às catecolaminas
➢ respiratório:
■ isoflurano: diminui frequência e amplitude, irritação das vias aéreas
➢ miorrelaxamento
➢ potencializa bloqueadores neuromusculares
➢ hipertermia maligna: (halotano)
❖ principais agentes:
➢ óxido nitroso - NO3 (não halogenado):
■ CAM: 0,87%
■ reduz PAS e DC, maior efeito no coração
■ diminui metabolismo hepático e renal, depressão generalizada no
SNC, vasodilatação, aumento da PIC, pode causar hipertermia
maligna em suínos
➢ isoflurano (halogenado):
■ CAM: 1,3%
■ menor alteração fisiológica
■ depressão respiratória maior em relação ao halotano
■ SNC deprimido, com pouca alteração na PIC
➢ sevoflurano (halogenado):
■ CAM 2,36%
■ pouco efeito cardiovascular, com moderada depressão respiratória,
com aumento PIC
■ recuperação rápida
■ pode causar hipertermia maligna
➢ sevoflurano (halogenado):
■ precisa de aparelho calibrado
■ irrita as mucosas
■ causa hipotensão, depressão respiratória e do SNC
■ não causa convulsão, não produz lesão renal ou hepática
❖ aparelho de anestesia inalatória:
➢ ciclo: oxigênio → mangueira de entrada comum dos gases → fluxômetro →
vaporizador → válvula inspiratória → traquéia → válvula expiratória → POP
OF → canister → balão de reinalação → válvula inspiratória
ANESTESIA DISSOCIATIVA
É utilizada no lugar da anestesia geral, promove depressão do tálamo e excita o sistema
límbico > não há perda de consciência
● Como atua: antagonista não competitivo dos receptores NMDA (analgesia),
estimula receptor opioide e monoaminérgico (analgesia), inibe receptor muscarínico
e gabaérgico
● Farmacodinâmica nervosa: maior fluxo sanguíneo cerebral, metabolismo celular,
consumo de O2, vasodilatação cerebral, pressão intracraniana (PIC), pressão do
líquido cefalorraquidiano (LCR), possibilidade de convulsão, analgesia, atua nos
receptores NMDA, AMPA, e opioides, serve como adjuvante em dor crônica
● Farmacodinâmica cardíaca: estimulação simpática, inibe recaptação das
catecolaminas (aumenta a PA e FC), taquicardia, aumenta consumo de O2,
hipertensão, vasopressão, regula a produção de citocinas pró inflamatórias
● Farmacodinâmica geral: mantém reflexo óculo palpebral auditivo e olfativo,
pressão intra-ocular (PIO), aumenta tônus da musculatura extra ocular, em felinos
90% é excretado via renal
● Quando usar: contenção química, exames de imagem, suturas, procedimentos
minimamente invasivos
● Representantes: cetamina, tiletamina, clonidina
● Associações: analgesia em dor crônica ou no pós operatório em infusão, sedação
com alfa2 agonista e benzodiazepínicos (nunca usar sozinho), indução, é um dos 5
pilares da anestesia
○ opióides
○ dissociativos
○ sulfato de magnésio
○ benzodiazepínicos
○ alfa2 agonistas