Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Anatomia do Sistema Respiratório

Pré-visualização | Página 1 de 3

Mariana Marques – T29 
Sistema Respiratório 
Conceito: Conjunto de órgãos responsáveis pela respiração humana que consiste em inspiração (ar entrando), 
expiração (ar saindo) e a hematose (troca gasosa entre sangue e o ar) 
 
 Estruturas do sistema respiratório 
Nariz, cavidade nasal, seios paranasais, faringe, laringe, traqueia, 
brônquios (principais, lobares e segmentares), bronquíolos (respiratórios 
e terminais), ductos alveolares, alvéolos (troca de oxigênio por gás 
carbônico - parte respiratória do sistema), pulmões e pleuras 
(membrana mesotelial dupla que reveste o pulmão) 
Obs: pulmão é a junção de brônquios, bronquíolos, ductos alveolares e alvéolos 
 
 Divisão anatômica 
• Vias aéreas superiores: 
- Nariz, cavidade nasal, faringe e laringe 
 
• Vias aéreas inferiores: 
- Traqueia, brônquios, bronquíolos, ductos alveolares, alvéolos pulmonares e 
pulmões 
Aplicação clínica: traqueostomia é usada pra minimizar esforço do paciente 
 
 Divisão funcional 
• Porção condutora: ar conduzido até bronquíolos terminais (órgãos tubulares) 
• Porção respiratória: bronquíolos respiratórios e alvéolos pulmonares (unidade funcional- trocas gasosas) 
 
NARIZ 
• Conceito: órgão piramidal ósteofibrocartilaginoso e muscular revestido por pele. 
• Está localizado na região anterior da face à frente da abertura piriforme 
• Tem como função captar o ar 
• Anatomia externa 
- na onde nasce chama-se raiz 
- em seguida há o dorso (liga a raiz ao ápice) 
- ápice (ponta do nariz) 
- a partir do dorso há duas asas (direita e esquerda) 
- a parte de baixo chama-se base do nariz 
- as duas aberturas chamadas narinas 
A laringe é o órgão 
que separa as vias 
aéreas superiores 
das vias aéreas 
inferiores, dessa 
forma, está 
presente nas duas 
vias 
Mariana Marques – T29 
• Anatomia interna: 
- ossos: dois ossos nasais, osso maxila (delimitam a abertura 
piriforme) 
- Cartilagem: cartilagem alar maior e cartilagem alar menor, 
cartilagem do septo, duas cartilagens laterais do septo (ponto 
de fixação do septo- espinha nasal anterior) 
- músculos: músculo da asa do nariz e do lábio superior 
(abertura das narinas) e músculo nasal (parte transversa e 
parte alar- narina) 
• Funções: olfação, respiração, filtração do ar, aquecimento do 
ar, umidificação do ar, recepção e eliminação de secreções da 
túnica mucosa da cavidade nasal, dos seios paranasais e dos 
ductos lacrimoniais. 
 
CAVIDADE NASAL 
• Topografia: 
- Limites 
▪ Anterior: narinas 
▪ Posterior: cóanos (abertura) 
▪ Superior (teto): cartilagens alar maior e menor e principalmente ossos nasais, frontal, etmóide e 
esfenoide 
▪ Inferior: osso maxila e osso palatino (lâmina horizontal) 
▪ Limites laterais: estruturas ósseas salientes denominadas conchas nasais e meatos (espaço entre 
conchas ou estruturas) 
 
Conchas e meatos 
• Conceitos: 
- Conchas: estruturas ósseas salientes (possuem três: superior, 
media e inferior) 
- Meatos: espaços/corredores entre conchas ou estruturas 
• Funções: umedecer e aquecer o ar (através do revestimento mucoso 
presente neles) para que seja realizada uma respiração eficiente 
• Constituição óssea das conchas nasais 
- Conchas nasais superior e média (1 e 2): acidentes ósseos do osso 
etmoide 
- Conchas nasais inferiores (3): osso chamado concha nasal inferior 
 
 
Septo nasal: 
• Conceito: separa a cavidade nasal em dois compartimentos (direito e 
esquerdo) 
• Constituído por: lâmina perpendicular do osso etmóide, lâmina do osso 
vômer e cartilagem do septo revestido por mucosa respiratória 
 
 
 
Obs: Clínica: quando o septo está torto, é chamado de desvio de septo (dificulta a passagem do ar em uma das 
narinas, ou seja, o ar fica turbulento - causando vibração das estruturas moles que podem acarretar em ronco) 
Mariana Marques – T29 
Outras informações: 
Narina: abertura 
Vestíbulo nasal: local onde se encontram os 
pelos - vibrissas (primeiras barreiras filtrantes 
do ar) 
Limiar nasal: limite entre vestíbulo nasal e 
cavidade nasal (não pode ser facilmente 
acessada) 
 
SEIOS PARANASAIS 
Conceito: são espaços preenchidos de ar localizados no interior dos ossos do crânio e face, que se comunicam 
com a cavidade nasal. São denominados seios paranasais pois estão paralelos a cavidade nasal, se relacionam 
a cavidade através de ligações, drenando o muco para a cavidade nasal 
Ossos do crânio são pneumáticos (ocos): dentro possui ar, há um revestimento na cavidade, feito por mucosa, 
que produz muco. O ar que está nos seios paranasais é o ar que respiramos (contaminados) o muco funciona 
como lavagem que aderem a parede. Os ossos são ocos para conferir leveza e para ajudar na ressonância do 
som. 
Obs: se há inflamação na mucosa do seio paranasal, causada pelo aumento donumeor de bactérias, ocorre 
um aumento na produção de muco, que entope o canal de drenagem, acumulando ar e muco, fazendo com 
que a pressão aumente, causando dor → SINUSITE Tratamento: 
anti-inflamatório e antibiótico 
 
1. Osso frontal → possui o seio frontal 
2. Osso etmoide → possui seio etmoidal (composto por várias células etmoidais) 
3. Osso esfenoide → possui o seio esfenoidal 
4. Osso maxila → possui o seio maxilar 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Comunicações: Ductos e drenagem 
• Seio frontal → drena sua secreção para o meato nasal médio 
• Seio etmoidal (células etmoidais anteriores e médias) → 
drenam para o meato nasal médio 
Retirada da concha nasal média: meato 
nasal médio 
Bulha etmoidal: saliência osso etmoide 
revestida por mucosa 
Hiato semilunar: abertura em forma de 
meia lua, que chegam vários ductos 
 
Mariana Marques – T29 
• Seio etmoidal (células etmoidais posteriores) → 
drenam para o meato nasal médio superior 
• Seio esfenoidal → drena sua secreção para o 
recesso esfenoetmoidal 
• Seios maxilares → drena sua secreção para o 
meato nasal médio 
Ducto lacrimal: drena a lagrima para o meato inferior 
que ajuda na limpeza da cavidade nasal pois a 
lagrima tem propriedades bactericidas, quando em 
excesso, a lagrima acaba saindo pelos olhos. 
 
 
 Área hemorrágica (kiesselbach) 
• Irrigação da cavidade nasal: artéria esflenopalatina 
+ artérias etmoidais (anterior e posterior) + artéria 
palatina maior + artéria labial superior 
- No septo nasal todas as artérias se encontram: área ou 
plexo de kiesselbach (área hemorrágica) 
- Nessa área ocorre a epistaxe: sangramento nasal 
- Principais motivos da epistaxe: hipertensão, fratura ou 
pequenos traumas 
 
 
 Drenagem da cavidade nasal 
• Plexo venoso submucoso: drena para as veias etmoidais (anterior e posterior), veia esflenopalatina, veia 
labial superior e veia palatina maior 
- todas essas veias drenam para as veias jugulares 
 
 
 Inervação 
• Especial sensitiva (relacionada com o olfato) 
- I par nervo craniano: nervo olfatório 
- Faz capitação de odores no terço superior da cavidade nasal 
 
• Geral (relacionada com dor, temperatura, pressão, tato) 
- V par de nervo craniano: trigêmeo 
- Possui três ramos: ramo mandibular, ramo oftálmico (1) e ramo maxilar (2) 
▪ (1) parte superior da cavidade nasal 
▪ (2) parte inferior da cavidade nasal 
 
 
 
Mariana Marques – T29 
FARINGE 
• Definição: Tubo muscular, posterior à cavidade nasal, 
bucal e laringe 
 
 
• Divisão da faringe: 
- Parte nasal: localizada posteriormente às cavidades nasais e 
superiormente ao palato mole 
- Parte oral: do palato mole à margem superior da epiglote, 
localizada posteriormente à cavidade oral 
- Parte laríngea: estende-se da margem superior da epiglote 
até a margem inferior da cartilagem cricóidea (hipofaringe). 
Obs: As partes oral e laríngea da faringe permitem a passagem de ar e alimento (sólido e liquido), e constituem 
basicamente um tubo fibromuscular. 
 
• Anatomia externa: 
- rafe da faringe: órgão nefromuscular, que divide, no plano
Página123