A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
106 pág.
caderno_MSE_0712

Pré-visualização | Página 1 de 39

Brasília, 2016
Esta é uma publicação do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário
Dados Internacionais de Catalogação na Publicação(CIP)
Agrário, Ministério do Desenvolvimento Social
Caderno de Orientações Técnicas: Serviço de Medidas Socioeducativas em 
Meio Aberto. Secretaria Nacional de Assistência Social. 
Brasília, Distrito Federal: 2016
106 p.
1ª Edição - Novembro de 2016
1. Medidas Socioeducativas, Brasil. 2. Políticas Públicas, Brasil. 
3. Política de Assistência Social
Projeto gráfico e diagramação - Sâmia Collodetti
Sumário
Lista de Siglas ........................................................................................................ 6
Prefácio ................................................................................................................. 7
Apresentação .......................................................................................................... 9
Introdução ............................................................................................................ 12
CAPÍTULO 1
1. Marcos conceituais e legais das medidas socioeducativas ......................................... 14
1.1 Adolescência, família e sociedade ........................................................................ 14
1.1.1 Da Adolescência ............................................................................................... 14
1.1.2 Da maioridade penal ........................................................................................ 17
1.1.3 Da Família ...................................................................................................... 18
1.2 Violências e adolescência no Brasil contemporâneo .............................................. 18
1.3 Ato Infracional e medidas socioeducativas no contexto do ECA ..............................22
CAPÍTULO 2
2. A interface do Suas com o SINASE ........................................................................28
2.1 Instrumentos Reguladores..................................................................................28
2.1.1 Normativas da Política de Assistência Social e medidas socioeducativas ................28
2.1.2 Normativas do SINASE e medidas em meio aberto ............................................. 31
CAPÍTULO 3
3. O Serviço de Proteção Social a Adolescente em Cumprimento de Medidas Socioeducativas 
em Meio Aberto de Liberdade Assistida e de Prestação de Serviço à Comunidade ...........36
3.1. O Serviço de Serviço de MSE em Meio Aberto na Política de Assistência Social .......36
3.1.1 A relação do órgão gestor da Assistência Social com o Sistema de Justiça ..............36
3.1.2. O Serviço de MSE em Meio Aberto e sua relação com os demais serviços socioas-
sistenciais .............................................................................................................37
3.1.2.1. Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos – SCFV ...........................39
3.1.2.2. O trabalho social com famílias no Serviço de Proteção e Atendimento Especializado 
a Famílias e Indivíduos – PAEFI e o Serviço de Proteção e Atendimento Integral à Família- 
PAIF .............................................................................................................. 40
3.1.2.3. Programa Nacional de Promoção do Acesso ao Mundo do Trabalho - Acessuas 
Trabalho .........................................................................................................41
3.1.3. A Vigilância Socioassistencial e o Serviço de MSE em Meio Aberto ......................42
3.1.4. A constituição da intersetorialidade para a do Serviço de MSE em Meio Aberto ........44
3.1.4.1 Desafios da atuação intersetorial ....................................................................46
3.1.5 Orientações para a implementação do Serviço de MSE em Meio Aberto ................46
CAPÍTULO 4
4. Metodologia de trabalho......................................................................................49
4.1 Orientações gerais para a atuação técnica ............................................................49
4.1.1 O exercício da alteridade ..................................................................................49
4.1.2 A defesa de direitos e a responsabilização no atendimento socioeducativo ............50
4.1.3. A territorialização .........................................................................................52
4.1.4 O incentivo à postura crítica e ao protagonismo ................................................. 53
4.1.5 Matricialidade sociofamiliar ............................................................................ 53
4.1.6 A qualificação do trabalho técnico e da oferta do serviço ....................................54
4.1.7 O compromisso com o resultado .......................................................................54
4.2 Equipe técnica e o Serviço de MSE em Meio Aberto .............................................. 55
4.2.1 Composição da Equipe de Referência do CREAS e o Serviço de MSE em Meio Aberto ........55
4.3 Etapas e procedimentos metodológicos do atendimento socioeducativo ..................56
4.3.1 Acolhida ........................................................................................................57
4.3.2 Plano Individual de Atendimento – PIA .............................................................59
4.3.3 Planejamento de atividades de acompanhamento individuais e coletivas ............. 61
4.3.4 Relatórios de Acompanhamento ......................................................................64
4.3.5 Registros de Atendimento – Monitoramento e Avaliação .....................................66
4.3.5.1 O Registro Mensal de Atendimentos ...............................................................68
4.3.5.2 Prontuário Eletrônico Simplificado ................................................................68
4.3.5.2 Prontuário SUAS ..........................................................................................68
4.3.6 Avaliação do Trabalho Desenvolvido ................................................................69
4.4 Fluxo do atendimento aos adolescentes no Serviço de MSE em Meio Aberto ........... 71
Anexos ..................................................................................................................... 72
Referências bibliográficas ........................................................................................... 100
Ficha Técnica ............................................................................................................ 105
CNAS Conselho Nacional de Assistência Social 
CONANDA Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente 
CONGEMAS Colegiado Nacional de Gestores Municipais de Assistência Social 
CREAS Centro de Referência Especializado de Assistência Social 
CRAS Centro de Referência de Assistência Social
ECA Estatuto da Criança e do Adolescente 
FONACRIAD Fórum Nacional de Dirigentes Governamentais de Entidades Executoras da Política de Promoção e 
Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente 
FONAJUV Fórum Nacional da Justiça Juvenil
FONSEAS Fórum Nacional de Secretários Estaduais de Assistência Social
MDSA Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário 
MSE Medidas Socioeducativas 
PNAS Política Nacional de Assistência Social 
SEDH/MJ Secretaria Especial de Direitos Humanos do Ministério da Justiça 
SNAS Secretaria Nacional de Assistência Social
SGD Sistema de Garantia de Direitos 
SINASE Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo 
SUAS Sistema Único de Assistência Social 
LA Liberdade Assistida
PSC Prestação de Serviços à Comunidade
CF Constituição Federal
NOB/SUAS Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social
NOB-RH/ SUAS Norma Operacional Básica de Recursos Humanos do SUAS
CIT Comissão Intergestores Tripartite
PFMC Piso Fixo de

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.