A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
TED TECIDO NERVOSO

Pré-visualização | Página 1 de 1

TED: TECIDO NERVOSO
1. Um pesquisador realizou um experimento para verificar a influência da bainha de mielina na velocidade de condução do impulso nervoso nas fibras nervosas. O gráfico abaixo representa os resultados obtidos nos dois tipos diferentes de fibras nervosas analisadas, denominadas Tipo 1 e Tipo 2.
 
 
Com base no gráfico, responda: 
a) Quanto à presença de mielina, como se classificam as fibras de tipo 1 e tipo 2? Justifique.
As fibras de tipo 1 são mielinizadas, essa afirmação pode ser justificada por conta de dois fatores apresentados no gráfico, são esses: o diâmetro da fibra, fato que pode ser claramente associado à porção de mielina circundante na fibra nervosa analisada, e a velocidade do impulso, sendo esse o fator principal que determina a fibra tipo 1 como mielinizada. Já a fibra tipo 2 não é mielinizada pelos exatos motivos opostos.
b) A velocidade de condução é maior em que tipo de fibra? Por quê?
As fibras nervosas tipo 1 analisadas e representadas no gráfico são as de capacidade de condução mais rápida do impulso nervoso por conta da presença de mielina em sua composição. 
2. Um paciente foi internado na Clínica Escola Faculdade Christus com suspeita de meningite. Sabe-se que a meningite consiste na inflamação das meninges, resultando na permeação da barreira hematoencefálica, causando o edema cerebral. A respeito desse fato, responsa corretamente: 
a) Cite os tipos celulares encontrados no tecido nervoso do S.N.C. e suas respectivas funções. 
Neurônios: São os principais tipos celulares do tecido nervoso. São células excitáveis especializadas em transmitir estímulos nervosos graças a uma série complexa de atividades físico-químicas da sua membrana (bainha de mielina). Apresentam três componentes: 
- Dendritos: extensões citoplasmáticas numerosas, especializadas na função de receber os estímulos do meio ambiente, de células epiteliais sensoriais ou de outros neurônios. Possuem múltiplas ramificações, podendo receber estímulos de vários neurônios simultaneamente. 
- Corpo celular: centro trófico da célula, que aloja todas as funções celulares. Também é capaz de receber estímulos. Nesta estrutura ocorre a síntese proteica e a convergência das correntes elétricas geradas nos dendritos. Cada corpo celular neuronal contém apenas um núcleo que se encontra no centro da célula.
- Axônio: prolongamento único de calibre regular, especializado na condução de impulsos que transmitem informações do neurônio a outras células (musculares ou glandulares). Sua porção final é muito ramificada e termina na célula seguinte do circuito, por meio de botões terminais, que fazem parte da sinapse.
Células da glia: As células da glia (neuroglia), também presentes no tecido nervoso, exercem a função de sustentar e nutrir os neurônios, além de auxiliar seu funcionamento. Constituem cerca de metade do volume do encéfalo humano.
Astrócitos: maiores células da glia, com grande número de prolongamentos, cujas extremidades podem espessar-se e envolver a parede de capilares sanguíneos. Participam do processo de cicatrização do tecido nervoso, preenchendo áreas lesadas. Possuem receptores para neurotransmissores podendo realizar sinapses com neurônios ou grupos neuronais específicos. São classificados como protoplasmáticos (presentes na substância cinzenta) ou fibrosos (presentes na substância branca).
Oligodendrócitos: células responsáveis pela formação e manutenção das bainhas de mielina dos axônios, no sistema nervoso central, função em que no sistema nervoso periférico é executada pelas células de Schwann. Apresentam menor número de prolongamentos, podendo ocorrer associados ao corpo celular ou ao axônio. Neste, os prolongamentos enrolam-se, formando uma bainha de mielina do SNC. Ocorrem tanto na substância branca como na cinzenta.
Ependimárias: células que envolvem o canal medular e os ventrículos encefálicos, preenchidos por liquor. Atapetam os ventrículos cerebrais.
Micróglia: células macrofágicas que apresentam região central alongada e pequena, de onde partem muitas ramificações curtas, com numerosas saliências, o que lhe dá aspecto espinhoso. São células responsáveis pela fagocitose no tecido nervoso, ocorrendo tanto na substância branca como na cinzenta.
b) Qual é a importância da barreira hematoencefálica? Qual das células neurogliais é a mais representativa da manutenção da barreira hematoencefálica? 
A barreira hematoencefálica é uma estrutura de permeabilidade altamente seletiva que protege o sistema nervoso central de substâncias potencialmente neurotóxicas presentes no sangue e é essencial para manter a função metabólica do cérebro. Ela também protege o cérebro contra bactérias, fungos, parasitas, animais, vírus e reações autoimunes.
As células neurogliais presentes em maior quantidade e importância na barreira hematoencefálica são as células endoteliais que estão estreitamente unidas à astrócitos e se posicionam de maneira a permitir que apenas as menores substâncias possam penetrar no sistema nervoso central, moléculas maiores, como a glicose, embora altamente necessárias só podem penetrar o SNC através de mecanismos específicos para elas.
c) O que são meninges? Qual sua função? 
São as três membranas de tecido conjuntivo que revestem o encéfalo e a medula espinhal, tendo como objetivo protegê-los. Nós possuímos três meninges: a dura-máter, a aracnoide e a pia-máter.
As meninges têm várias funções importantes para o sistema nervoso central. Que são principalmente: proteção do sistema nervoso, carrear o liquor, absorver impactos, impedir a entrada de patógenos, entre outras funções importantes.