A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
6 pág.
Nacionalidade

Pré-visualização | Página 2 de 2

naturalização ordinária em três partes: 
 
¨ Estrangeiros, excluídos os originários de países de língua portuguesa: 
 
São, portanto, estrangeiros de outras nacionalidades ou os apátridas. Deve ser seguido o Estatuto dos 
Estrangeiros (Lei nº 8.815, de 19-8-1980), que em seu art. 112 prevê os seguintes requisitos: 
 
1. Capacidade civil segundo a lei brasileira; 
2. Ser registrado como permanente no Brasil (visto permanente) 
3. Residência contínua pelo prazo de quatro anos 
4. Ler e escrever em português 
5. Boa conduta e boa saúde 
6. Exercício de profissão ou posse de bens suficientes à manutenção própria e da família 
7. Bom procedimento 
8. Inexistência de denúncia, pronúncia ou condenação no Brasil ou no exterior por crime doloso. 
 
¨ Estrangeiros originários de países de língua portuguesa, exceto os portugueses residentes no Brasil 
 
A constituição prevê somente dois requisitos: 
1. Residência por um ano ininterrupto 
2. Idoneidade moral 
 
O fato de os requisitos serem previstos constitucionalmente, não afasta a natureza discricionária do Poder 
Executivo. 
 
¨ Os portugueses residentes no Brasil 
 São aqueles “quase brasileiros” 
 
Além dos requisitos listados anteriormente para a aquisição da nacionalidade, a CF também prevê a possibilidade 
de aos portugueses com residência permanente no país, desde que haja RECIPROCIDADE em favor de brasileiros. 
Há duas hipóteses previstas aos portugueses: 
 
 1º Aquisição da nacionalidade brasileira derivada: neste caso seguirá todos os requisitos da naturalização 
para originários de países de língua portuguesa. 
 
 2º Aquisição da equiparação com brasileiro naturalizado, sem perder a nacionalidade portuguesa (é uma 
quase nacionalidade). Hipótese prevista no art. 12, § 1 da CF. 
 
Para os portugueses, é possível não requererem a nacionalidade brasileira (continuam com a nacionalidade 
portuguesa), mas podem ter os mesmos direitos que os brasileiros, ou seja, se tornar cidadão brasileiro. 
Previsto no art. 12, II, a da CF 
Direito Constitucional II| Maria Eduarda Q. Andrade 
 
 5 
 
Mas para que essa hipótese aconteça, é necessário haver a RECIPROCIDADE, isto é, a CF também exige que 
Portugal também dê esse direito aos brasileiros. 
 
NATURALIZAÇÃO EXTRAORDINÁRIA OU QINZENÁRIA 
 
Se refere a qualquer estrangeiro. O art. 12, II, b da CF exige os seguintes requisitos: 
 
1. Residência fixa no país há mais de 15 anos; 
2. Ausência de condenação penal 
3. Requerimento do interessado. 
 
TRATAMENTO DIFERENCIADO ENTRE BRASILEIRO NATO E NATURALIZADO 
 
A CF, em virtude do princípio da igualdade, determina que a lei não pode estabelecer distinção entre brasileiros 
natos e naturalizados. Mas há algumas exceções, sendo elas: 
 
® Cargos – Art. 12, §3º 
® Função – Art. 89, VII 
® Extradição - Art. 5º, LI 
® Direito de propriedade - Art. 222 
 
Þ Cargos 
 
A Constituição estabelece alguns cargos privativos aos Brasileiros Natos, fixando dois critérios: linha sucessória e 
a segurança nacional. 
 
® Em relação a linha sucessória, temos o art. 79 e 80 da CF que dizem a respeito da substituição do 
presidente e vice presidente no caso de impedimento. 
 
 
São os cargos privativos de brasileiro Nato – art. 12, §3: 
 
® Presidente e vice-presidente da república 
® Presidente da câmara dos Deputados 
® Presidente do Senado Federal 
® Ministro do Supremo Tribunal Federal 
® Carreira diplomática 
® Oficial das forças armadas. 
 
Þ Função 
 
A CF, igualmente diferenciando o brasileiro nato do naturalizado, reserva aos brasileiros natos 6 assentos no 
Conselho da República. 
Presidente Vice- Presidente 
Presidente da 
Câmara dos 
Deputados 
Presidente do 
Senado Federal 
Supremo Tribunal 
Federal
Direito Constitucional II| Maria Eduarda Q. Andrade 
 
 6 
 
Conselho da República é um órgão superior de consulta do Presidente da República e dele participam: 
® Vice- Presidente 
® Presidente da Câmara dos Deputados 
® Presidente do Senado Federal 
® Líderes da maioria e da minoria na Câmara dos Deputados 
® Lideres da maioria e minoria do Senado Federal 
® Ministro da justiça 
® 6 cidadãos brasileiros natos, com mais de 35 anos de idade, sendo 2 nomeados pelo Presidente, 2 eleitos 
pelo Senado e 2 eleitos pela Câmara dos deputados. 
 
PERDA DO DIREITO DE NACIONALIDADE 
 
A perda de nacionalidade só pode ocorrer nas hipóteses taxativamente previstas na CF, sendo apresentadas no 
art. 12, § 4º. A perda de nacionalidade será declarada quando: 
 
® Tiver cancelada sua naturalização, por sentença judicial, em virtude de atividade nociva ao interesse 
nacional (ação de cancelamento de naturalização). 
 
É conhecida como perda-punição aos brasileiros naturalizados. Ocorre pela pratica de atividade nociva ao 
interesse nacional ou cancelamento por sentença judicial com trânsito em julgado. 
Vale destacar que uma vez perdida a nacionalidade só poderá readquiri-la por meio de uma ação rescisória. 
 
® Adquirir outra nacionalidade (naturalização voluntária), salvo nesses casos: 
 
1. De reconhecimento de nacionalidade originária pela lei estrangeira 
 
Esta primeira exceção diz que aquele que optar por outra nacionalidade deixa de ser brasileiro, salvo se a lei 
estrangeira permitir a esse brasileiro nato, a NACIONALIDADE ORIGINÁRIA também desse país. Isto é, o brasileiro 
não perde a nacionalidade brasileira uma vez que ele não se submeteu a um processo de NATURALIZAÇÃO de 
outro país, ele ganhou uma nacionalidade originária, passa a ser também NATO daquele país, por critérios 
sanguíneos (pode ser um descendente de outro país). 
¨ Dupla Nacionalidade 
¨ Exemplo: Brasileiro Nato, nascido no Brasil pode ser descendente da Alemão. Portanto será BRASILEIRO 
NATO E ALEMÃO NATO. 
 
Mas, caso o brasileiro nato não possua vínculo sanguíneo com descendentes de outro país, ele se submeterá ao 
processo de naturalização, perdendo assim a sua nacionalidade brasileira. 
 
2. De imposição de naturalização, pela norma estrangeira, ao brasileiro residente em Estado 
estrangeiro, como condição para permanência em seu território ou para o exercício de direitos 
civis. 
 
A regra é clara: escolheu ter outra nacionalidade, perdeu a nacionalidade brasileira. A não são ser que: o país 
obrigue o brasileiro a se submeter ao processo de naturalização, como condição de permanência naquele país.