A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
25 pág.
Radioisótopos/ Radiofármacos: apostila completa

Pré-visualização | Página 7 de 8

pois a radiação ionizante não 
tem poder residual. 
 
 
 
 
19 
Natalia Petry 
Finalidade 
 Possui atividade bactericida e matam os 
insetos. 
 Aumenta a vida de prateleira (mantém 
textura, sabor e valor nutritivo por maior 
tempo em relação aos pausterizados, 
esterilizados e enlatados, facilitando 
transporte). 
 Diminui o tempo de cozimento em alguns 
alimentos (desidratados). 
 Proteção contra a salmonelose e 
campilobacteriose (aves), atuando nos 
ovos e larvas de insetos. 
 Diminui desperdício de alimentos 
 Processo é a frio: permita irradiação de 
produtos resfriados e congelados. 
 Substitui produtos químicos sem deixar 
resíduo. 
 
Cobalto-60 
Tempo de ½ vida: 5,3 anos 
Beta-Gama emissor 
Isótopo-filho: Ni-60 
 
Vantagens 
Alta disponibilidade 
Baixo custo 
Apresenta-se de forma metálica 
Insolúvel em água 
 
Irradiador industrial 
 
 
Níveis de tratamento e dose absorvida 
(Gy/ Rad – 1Gy = 100rads) 
1. Radurização – irradiação com dose baixa 
(<1kGy). Inibe brotamentos, retarda o 
período de maturação ocasionado por 
fungos, redução na contagem de 
microrganismos deterioradores viáveis, 
do etileno. 
2. Radiciação – Doses de 1kGy a 10kGy; 
Redução do número de bactérias 
patogênicas e parasitas, pasteurização de 
sucos, retardo da deterioração de carnes, 
controle de Salmonella. 
3. Radapertização – Doses altas (10-45Kgy). 
Esterilização de carnes e outros produtos 
processados, destruindo inclusive esporos 
(Clostridium botulinum). Ex: Carnes da 
NASA sem prazo de validade. 
 
Efeito nos alimentos 
 Os efeitos dependem do tipo do alimento, 
dose de radiação e tipo de radiação. Qualquer 
alimento que for irradiado deve passar por 
controle de qualidade para avaliar aspectos 
físicos, químicos e sensoriais para verificar 
alterações pós irradiação. 
 
 
Características da irradiação de alimentos 
 Não requer manipulação pós-tratamento 
 Sem elevação de temperatura 
 Penetração através da embalagem 
 Rápido 
 Econômico 
 
20 
Natalia Petry 
 Não contamina o meio ambiente 
 Não deixa resíduo 
 Sem alterações visuais. 
 
Efeitos nos alimentos 
Carboidratos: quebra de ligações glicosídicas 
entre monossacarídeos, quebra da pectina 
(parece celular de tecido vegetal), o que leva ao 
amolecimento e redução de viscosidade de 
frutas, é interessante para aumentar a o 
rendimento na produção de sucos. 
Proteínas: quebra de cadeias peptídicas e 
alterações nos aminoácidos, podendo levar a 
alteração na textura do alimento. 
Vitaminas: vitaminas sensíveis a radiação (A. B1. 
C. E) são danificadas irreversivelmente pela 
radiação, o que diminui o valor nutricional do 
alimento. Existem também vitaminas de média 
sensibilidade (Beta caroteno, K) e de baixa 
sensibilidade (B2. B3, B5, B6, B12, D, K, biotina, 
colina e ácido fólico). 
 
Efeito nos organismos 
 A resistência dos organismos é inversamente 
proporcional ao seu tamanho, ou seja, vírus são 
muito mais resistentes à radiação que mamíferos. 
A composição do meio (água, componentes, pH e 
composição atmosférica) pode afetar a 
radiossensibilidade do microrganismo. 
Valor D10: Dose necessária para eliminar 90% dos 
microrganismos. Depende da composição do 
meio onde o microrganismo se encontra. 
 
Desvantagens da irradiação 
 Alterações nos alimentos: sabor 
desagradável e mudança de cor (aumenta 
a chance de oxidação lipídica nas carnes e 
peixes). 
 Perda de nutrientes, devido à quebra de 
proteínas, amido, celulose e vitaminas. 
 Produção de radicais livres: oxidação das 
gorduras (sabor rançoso). 
Controvérsias 
Ciclobutanona: produção pela irradiação de 
alimentos ricos em gordura, essa substância 
causa efeitos genotóxicos e citotóxicos. Porém, 
para que ocorram efeitos tóxicos seria necessária 
uma quantidade mil vezes mais alta do que 
aquelas encontradas em produtos irradiados. 
Redução do valor nutricional: eliminação de até 
80% da vitamina A dos ovos, e metade do beta-
caroteno do suco de laranja. Este problema é 
potencializado pelo tempo de armazenamento. 
Eliminação de microrganismos que fazem parte 
da flora intestinal 
 
Regulamentação 
 No Brasil é permitida a irradiação de 
alimentos pela RDC 21/2001 da ANVISA, mas 
todos os alimentos deverão ser sinalizados 
com a seguinte informação “alimento tratado 
por irradiação”. 
 
 
Considerações 
 A irradiação não substitui as boas práticas 
de fabricação. 
 O processo não inativa toxinas pré-
formadas no alimento. 
 Os métodos laboratoriais para identificar 
se o alimento foi irradiado não estão 
suficientemente disponíveis nos 
laboratórios oficiais de saúde pública. 
 No Brasil as empresas que realizam a 
irradiação são a EMBRARAD e CBE. 
 
 
21 
Natalia Petry 
Irradiação de medicamentos, drogas 
vegetais, cosméticos e outros 
produtos da área de saúde 
 Esterilização: Exterminar completamente a carga 
microbiana. 
Descontaminação: redução na carga microbiana, 
produto não estéril. 
Métodos de esterilização 
1. Calor seco ou úmido – rápido e 
econômico, mas não pode ser utilizado 
em uma variedade muito grande de 
produto, pois pode causar alterações nos 
produtos. 
2. Filtração esterilizante – só pode ser feito 
com líquidos, retém microrganismos no 
filtro. 
3. Agentes esterilizantes gasosos 
4. Radiação ionizante 
Esterilização de medicamentos 
 A esterilização de medicamentos pode 
ser feita mediante a aplicação de calor seco ou 
úmido, por irradiação com radiação ionizante, por 
outros agentes esterilizantes gasosos, ou por 
filtração esterilizante. Alguns fármacos possuem 
moléculas que reagem muito facilmente com 
radicais livres, portanto nem todos os 
medicamentos podem ser esterilizados por 
irradiação. 
 Para esterilizar os medicamentos é 
necessário validar a dose de esterilidade, para isso 
é necessário conhecer a contaminação inicial 
(bioburden), e escolher método de esterilidade, 
determinar a dose máxima aceitável, fazer o 
relatório de validação contendo os projetos feitos, 
e monitorar todos os lotes produzidos. 
Esterilização de drogas vegetais 
 A esterilização de drogas vegetais em 
geral deve ser feita com radiação ionizante pois o 
calor poder levar a perda da estrutura da planta, e 
os agentes esterilizantes gasosos foram proibidos 
pela ANVISA. Drogas vegetais requerem estudos 
relacionados à estabilidade dos princípios ativos 
após exposição ao agente selecionado. Quanto 
menor a dose de radiação, menor será a 
probabilidade de ocorrer alteração no princípio 
ativo. 
Limites 
 10² UFC/ g bactérias totais 
10³ UFC/ g de fungos 
Ausência de m.o patogênicos 
 
Irradiação de cosméticos 
 A irradiação de cosméticos não é tão 
comum devido ao cosmético possuir uma 
composição bastante complexa. Na maioria das 
vezes irradia-se a matéria-prima isolada de forma 
preventiva. 
Limites em geral 
300 UFC/mL bactérias totais 
100 UFC/mL para fungos 
 
Outros usos da radiação ionizante na área da 
saúde 
 Córneas para transplante 
 Ossos para enxerto 
 Irradiação de pele 
 Vestimentas para salas limpas 
 Bolsas de sangue 
 Soros e vacinas 
Radioimunoensaios 
Imunodiagnóstico: diagnostico laboratorial por 
meio de técnicas imunológicas. Nessas técnicas 
ocorre a busca pelo antígeno ou anticorpo no 
organismo do paciente por meio de ensaios de 
precipitação, aglutinação, fixação de 
complemento, neutralização ou imunoensaios 
que utilizam sinalizadores da interação Ag-Ac com 
conjugados ligantes, como imunofluorescência, 
 
22 
Natalia Petry 
radioimunoensaio, imunoenzimático, 
imunofluorimétricos, e quimioluminescência. 
 A interação entre um único epitopo 
antigênico é composta por várias interações 
fracas (ligação reversível), e possui alta 
especificidade. 
 Os radioimunoensaios surgiram em 1959 
quando Berson e Yalow marcaram insulina com I-
131 para quantifica-la.