A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Resumo Hipotireoidismo

Pré-visualização | Página 1 de 1

CONCEITOS IMPORTANTES 
Hormônios T3 e T4 são insuficientes para suprir normalmente a tireoide, independente •
se de origem primária ou secundária da patologia. 
A principal causa de hipotireoidismo no Brasil é a doença autoimune Doença de •
Hashimoto. 
A função principal da tireoide é o controle metabólico em geral. •
Com o envelhecimento, há uma tendencia de diminuição na produção de T3 e T4. •
 
FATORES DE RISCO 
Sexo Feminino •
Idade > 65 •
Presença de anticorpos contra o tecido tireoidiano, como anti TPO e anti TG. •
Histórico familiar •
HPP de radioterapia para cabeça e pescoço (radiação externa e iodo radioativo). •
Doença autoimune tireoidiana. •
Síndrome de Down e de Turner. •
Baixa ingestão de iodo. •
Utilização de fármacos (amiodarona, lítio, tionamidas, interferon-alfa). •
 
TIPOS DE HIPOTIREOIDISMO 
Primário: origem do problema é na tireoide, com níveis de TSH normais e baixo T4 livre. •
Central: pela dificuldade de diagnóstico, classifica-se assim. Níveis de T4 baixos e TSH •
baixos ou normais. 
Secundário: origem do problema na hipófise. ◦
Terciário: no hipotálamo. ◦
 
ETIOLOGIA 
Adquirido: oriundo de qualquer processo neoplásico, inflamatório, infiltrai-vos, 1.
isquêmico ou traumática que comprometa a capacidade secretória da hipófise ou 
hipotálamo. 
Congênito: defeitos congênitos na estimulação ou síntese de TSH e lesões estruturais. 2.
Doença de Graves na mãe também pode ter efeito delet´rio sobre a hipófise fetal e 
causar HCC. 
 
CAUSAS DO HIPOTIREOIDISMO 
Tireoidite de Hashimoto (HT) 1.
Há uma autolerância ao T3 e T4, produzindo o Anti-TPO e Anti-TG. A.
Mulheres pós-parto até 5 anos 2.
Substituição do tecido tireoidiano por tecido fibroso (Tireoidite de Riedel) 3.
Tratamento de Hipertireoidismo 4.
Terapia com iodo A.
Tionamidas (metimazol e propiltiouracil) B.
Radioterapia externa 5.
Irradiação corporal total ou da cabeça e pescoço. A.
Transplante de medula para casos de leucemia e anemia (HSubclínico) B.
 
QUADRO CLÍNICO 
Gerais: fadiga, ganho de peso, rouquidão. •
Tireoide: bócio. •
Pele: seca, descamaria e áspera que pode ficar amarelada devido ao caroteno. Cabelos •
secos, quebradiços e em queda. 
Cardiovascular: derrame pericárdico, HÁS secundária, bradicardia. •
Gastrointestinal: anorexia, ascite, hipomotilidade, constipação. •
Respiratório: respirações lentas e rasas, bem como respostas ventilatórias alteradas. •
Reprodutor: menstruação irregular, amenorreia, redução de libido. •
Renal: taxa de filtração glomerular reduzida, creatinina aumentada, hiponatronia •
(acúmulo de sódio). 
 
ALTERAÇÕES METABÓLICAS 
Elevação do LDL, com HDL suprimido. •
Elevação da PCR. •
 
COMA MIXEDEMATOSO 
Complicação grave do hipotireoidismo, após longa duração e sem tratamento. •
Causa inchaço nas pálpebras, ascite, derrame pleural e pericárdico. •
 
TRATAMENTO 
Levotoxina-T4 em dose diária com retorno em 6 semanas (45 dias) e, se estável, •
retornar a cada 6 meses. Depois semestral ou anual. 
MEV •
OBS: vários medicamentos prejudicam a absorção da L-T4, além do envelhecimento.