A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
Avaliação 1 TECNOLOGIA NA EDUCAÇÃO, ENSINO HIBRIDO E INOVAÇÃO PEDAGÓGICA

Pré-visualização | Página 4 de 9

13/35
📚 QUESTÃO 4: A história da formação docente no Brasil, de acordo com Gatti (2010), começa com a formação de docentes para o
ensino das “primeiras letras” em cursos específicos, que foi proposta no final do século XIX, com a criação das escolas normais, que
correspondiam, na época, ao nível secundário e, posteriormente, ao Ensino Médio, a partir de meados do século XX. Continuaram,
segundo a autora, a promover a formação de professores para os primeiros anos do Ensino Fundamental e a Educação Infantil até
recentemente, quando, a partir da Lei nº 9.394/96, estabelece-se a formação desses docentes em nível superior. Para essa autora, “é no
início do século XX que se dá o aparecimento manifesto da preocupação com a formação de professores para o secundário,
correspondendo hoje aos atuais anos finais do Ensino Fundamental e do Ensino Médio, em cursos regulares e específicos”. Até então,
esse trabalho era exercido por profissionais liberais ou autodidatas, mas, como esclarece a autora, há que se considerar que o número
de escolas era bem pequeno, assim como o número de alunos.
Fonte do texto: https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/19/15/reflexoes-sobre-a-formacao-de-professores-caracteristicas-historico-e-perspectivas 
Considere agora o seguinte vídeo:
https://www.google.com/url?q=https://educacaopublica.cecierj.edu.br/artigos/19/15/reflexoes-sobre-a-formacao-de-professores-caracteristicas-historico-e-perspectivas&sa=D&source=editors&ust=1616446259066000&usg=AFQjCNE5281PyZ8tBpWX1HUMuoCsZ9FZcA
22/03/2021 📑 Avaliação 1
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScIu7lLg3npxOJU-64Sf61__bSpS4FhOnRVnmofbw7nYjt76w/viewscore?viewscore=AE0zAgANd7SEN6qdnp4JfzjXpcsHAyMqIcnLxEwWDb58DRYmskQM… 14/35
1/1
📍 A preocupação com a formação de professores no Brasil não é recente, pois
Borges et al. (2011) esclarecem que, já em 1882, Ruy Barbosa fez uma análise da
educação imperial, criticando a situação em que se encontrava o ensino superior
brasileiro, especialmente em Direito. Em um parecer de 1882, explicitava a coerência
“de uma reforma completa dos métodos e dos mestres” (Ribeiro Júnior, 2001, p. 29,
apud Borges et al., 2011). Contudo, segundo esses autores, no Brasil tal
preocupação surge de forma explícita após a independência, quando se começou a
discutir a abertura e a organização da instrução popular.
📍 O professor apenas transmite uma informação ou faz perguntas; ele não
contempla todas as indagações dos alunos, tomando sempre uma postura
conservadora ou tradicional. Ele não deve dispor de toda a atenção e cuidar para que
os alunos aprendam a expressar-se, a expor suas opiniões e dar respostas, visando
sempre à correção de possíveis erros, pois, ainda de acordo com Libâneo (2016), “o
trabalho docente é unidirecional”. As respostas e opiniões dos alunos não são de
vital importância para o professor e mostram como eles estão reagindo às atuações
em sala de aula, às dificuldades que encontram na assimilação dos conhecimentos e
na metodologia aplicada. Servem também para diagnosticar as causas que dão
origem a essas dificuldades, servindo de estratégia para o professor traçar planos de
ação didática para evitar os obstáculos que possam interferir na assimilação da
matéria (Libâneo, 2016). O aspecto socioemocional não refere-se aos vínculos
afetivos entre professor e alunos e às normas, leis e exigências objetivas que regem
a conduta dos alunos na aula (disciplina).
📍 Com a publicação da Lei nº 9.394/96 – Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Nacional, alterações foram propostas tanto para as instituições formadoras como
para os cursos de formação de professores, tendo sido definido um período de
transição para a sua efetivação e implantação. Em 2002, as Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Formação de Professores foram promulgadas; nos anos
subsequentes, as Diretrizes Curriculares para cada curso de licenciatura passaram a
ser aprovadas pelo Conselho Nacional de Educação. Mesmo com os ajustes parciais
ã d di t i ifi li i t d f
✅ Baseado na Aula 4 sobre Política de Desenvolvimento Profissional
Docente, e considerando o VÍDEO e a FONTE do texto acima, assinale a
alternativa INCORRETA: *
👉 Assinale apenas uma das opções abaixo (Vale: 1 ponto).
22/03/2021 📑 Avaliação 1
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScIu7lLg3npxOJU-64Sf61__bSpS4FhOnRVnmofbw7nYjt76w/viewscore?viewscore=AE0zAgANd7SEN6qdnp4JfzjXpcsHAyMqIcnLxEwWDb58DRYmskQM… 15/35
em razão das novas diretrizes, verifica-se nas licenciaturas dos professores
especialistas a prevalência da histórica ideia de oferecimento de formação com foco
na área disciplinar específica, com pequeno espaço para a formação pedagógica.
📍 O verdadeiro educador (professor), segundo Freire, atua numa linha de educação
problematizadora, visando superar a relação opressor-oprimido. Essa educação
problematizadora e/ou conscientizadora objetiva o desenvolvimento da consciência
crítica e da liberdade. Professores e alunos são, portanto, sujeitos de um processo
em que crescem juntos, porque, nas palavras de Freire (2016), “ninguém educa
ninguém, ninguém se educa, os homens se educam entre si, mediatizados pelo
mundo”. Para que isso aconteça, segundo esse autor, um professor que esteja
engajado nessa prática transformadora procurará desmistificar e questionar, com o
aluno, a cultura dominante e autoritária, valorizando a linguagem e a cultura dele,
criando condições para que cada aluno analise seu contexto social e produza os
seus conhecimentos (Freire, 2016).
📍 As Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de professores da Educação
Básica instituídas em 2002 orientam ainda que a “prática deverá estar presente
desde o início do curso e permear toda a formação do professor”, em qualquer
especialidade (Art. 12) e explicitam “a flexibilidade necessária, de modo que, cada
instituição formadora, construa projetos inovadores e próprios, integrando os eixos
articuladores nelas mencionadas” (Art. 14). Apontam também os seis eixos
articuladores dos cursos de licenciatura: 1) Os diferentes âmbitos de conhecimento
profissional; 2) Interação e comunicação, bem como desenvolvimento da autonomia
intelectual e profissional; 3) Relação entre disciplinaridade e interdisciplinaridade; 4)
Formação comum e formação específica; 5) Conhecimentos a serem ensinados e
conhecimentos filosóficos e pedagógicos que fundamentam a ação educativa; 6)
Dimensões teóricas e práticas.
Feedback
✅ RESPOSTA CORRETA: 
✅ ITEM CORRETO PARA A QUESTÃO:
📍 ( ) O professor apenas transmite uma informação ou faz perguntas; ele não contempla todas as indagações dos alunos, tomando sempre uma postura
conservadora ou tradicional. Ele não deve dispor de toda a atenção e cuidar para que os alunos aprendam a expressar-se, a expor suas opiniões e dar
respostas, visando sempre à correção de possíveis erros, pois, ainda de acordo com Libâneo (2016), “o trabalho docente é unidirecional”. As respostas
e opiniões dos alunos não são de vital importância para o professor e mostram como eles estão reagindo às atuações em sala de aula, às dificuldades
22/03/2021 📑 Avaliação 1
https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLScIu7lLg3npxOJU-64Sf61__bSpS4FhOnRVnmofbw7nYjt76w/viewscore?viewscore=AE0zAgANd7SEN6qdnp4JfzjXpcsHAyMqIcnLxEwWDb58DRYmskQM… 16/35
que encontram na assimilação dos conhecimentos e na metodologia aplicada. Servem também para diagnosticar as causas que dão origem a essas
dificuldades, servindo de estratégia para o professor traçar planos de ação didática para evitar os obstáculos que possam interferir na assimilação da
matéria (Libâneo, 2016). O aspecto socioemocional não refere-se aos vínculos afetivos entre professor e alunos e às normas, leis e exigências objetivas
que regem a conduta dos alunos na aula (disciplina). 
📚 QUESTÃO 5: A tecnologia está em todos os lugares e faz parte das nossas vidas. Ela influencia na forma como nos relacionamos,
como compramos ou pagamos e, principalmente, como aprendemos algo novo. E quando pensamos nas novas gerações ela se faz
ainda mais presente.