A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
32 pág.
Resvisão turbo

Pré-visualização | Página 6 de 9

anticrime) 
3. Estrito cumprimento do dever legal – alcança um agente público que pratica um 
fato típico num cumprimento de um dever legal (oficial de justiça que ingressa em 
uma residência contra a vontade do morador para executar o mandato de busca e 
apreensão) (policial que faz uso moderado da força para fazer cessar a resistência 
de uma pessoa) 
4. Exercício regular do direito – cidadão comum que está autorizado pelo Direito 
consuetudinário a praticar um fato típico exercendo o direito regular (violência 
desportiva – Pedro está praticando esporte e lesiona o adversário, dentro das regras 
do jogo – existe um fato típico = lesão corporal, mas não é ilícito por conta do 
exercício regular do direito) (manifestação de opinião – livre manifestação do 
pensamento = exercício regular do direito) 
Art. 301 CPP. Qualquer do povo poderá (flagrante facultativo) (pode ou não 
efetuar a prisão) (exercício regular do direito) e as autoridades policiais (são 
obrigadas a prender alguém) (flagrante obrigatório) (se o policial prender 
alguém e causar uma lesão a pessoa no ato da prisão = estrito cumprimento 
 
Sd JurisAdvogando 
Sandra Mara Dobjenski 
 
 
do dever legal) e seus agentes deverão prender quem quer que seja encontrado 
em flagrante delito. (prisão em flagrante) 
Art. 23CP - Não há crime quando o agente pratica o fato: (Redação dada pela Lei nº 
7.209, de 11.7.1984) 
I - em estado de necessidade; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
II - em legítima defesa; (Incluído pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) (Vide ADPF 779) 
III - em estrito cumprimento de dever legal ou no exercício regular de direito. 
(Incluído pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
Excesso punível (Incluído pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
Parágrafo único - O agente, em qualquer das hipóteses deste artigo, responderá 
pelo excesso doloso ou culposo. (Incluído pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
CULPABILIDADE 
*Juízo de reprovação que recai sobre a conduta do sujeito – se o sujeito for 
imputável, tiver potencial consciência da ilicitude e exigibilidade de conduta diversa 
(elementos da culpabilidade) ele está apto a suportar um juízo de reprovação (uma 
pena) consistente na aplicação de uma pena – se o sujeito praticou um fato típico, 
ilícito, mas ele for um inimputável, ou faltar a ele potencial consciência da ilicitude ou 
for inexigível a conduta diversa o sujeito não estará apto a sofrer uma pena – ele 
será absolvido. Uma das causas da exclusão da culpabilidade é a inimputabilidade 
que pode ser por doença mental ou desenvolvimento mental incompleto ou 
retardado – sujeito tem que ser inteiramente incapaz de entender o caráter o caráter 
ilícito da sua conduta e de se comportar de acordo com esse entendimento. Em 
decorrência da doença mental o sujeito não tem a capacidade de discernir entre o 
certo e o errado – não entendendo que o fato que está praticando é ilícito. O sujeito 
é um doente, para tanto não se aplica uma pena – a sanção aplicada a ele é ima 
MEDIDA DE SEGURANÇA – A natureza jurídica na sentença que reconhece a 
inimputabilidade é uma SENTENÇA ABSOLUTÓRIA IMPRÓPRIA. A medida de 
segurança pode ser de internação no hospital de custódia ou tratamento 
ambulatorial. 
 
Sd JurisAdvogando 
Sandra Mara Dobjenski 
 
 
XI Exame da Ordem – 2013 – FGV - Para aferição da inimputabilidade por doença 
mental ou desenvolvimento mental incompleto ou retardado, assinale a alternativa 
que indica o critério adotado pelo Código Penal vigente. 
A Biológico. 
B Psicológico. 
C Psiquiátrico. 
D Biopsicológico. 
 
Inimputabilidade pela embriaguez completa e acidental 
Art. 28 CP - Não excluem a imputabilidade penal: (Redação dada pela Lei nº 7.209, 
de 11.7.1984) 
I - a emoção ou a paixão; (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
Embriaguez 
II - a embriaguez, voluntária ou culposa, pelo álcool ou substância de efeitos 
análogos. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
§ 1 º - É isento de pena o agente que, por embriaguez completa, proveniente de 
caso fortuito ou força maior, era, ao tempo da ação ou da omissão, inteiramente 
incapaz de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-se de acordo com esse 
entendimento. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
§ 2 º - A pena pode ser reduzida de um a dois terços, se o agente, por embriaguez, 
proveniente de caso fortuito ou força maior, não possuía, ao tempo da ação ou da 
omissão, a plena capacidade de entender o caráter ilícito do fato ou de determinar-
se de acordo com esse entendimento. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 
11.7.1984) 
*Embriaguez acidental decorrente de força maior ou de caso fortuito – sujeito foi 
forçado a beber, sem saber o efeito inebriante que a bebida pode ocasionar – 
sabendo que isso poderá potencializar no organismo até o sujeito ficar incapaz. 
*INIMPUTABILIDADE COMPLETA EMBRIAGUEZ COMPLETA E ACIDENTAL. 
Coação moral irresistível no contexto de inegibilidade de conduta diversa – 
excludente de culpabilidade 
 
Sd JurisAdvogando 
Sandra Mara Dobjenski 
 
 
Art. 22 CP - Se o fato é cometido sob coação irresistível ou em estrita obediência a 
ordem, não manifestamente ilegal, de superior hierárquico, só é punível o autor da 
coação ou da ordem. (Redação dada pela Lei nº 7.209, de 11.7.1984) 
*Coator que por meio de uma grave ameaça faz com que o coagido pratique um fato 
típico e ilícito (Traficante chega para um morador de uma determinada comunidade 
e faz com que esse morador venha a guardar drogas na sua residência e que este 
não guardar o entorpecente matará seu filho – grave ameaça – guardar drogas na 
residência é crime de tráfico (Art. 33 da lei 11343/2006) – só que o cidadão guardou 
a droga mediante a grave ameaça – coação moral irresistível – nesse caso só é 
punível o autor da coação, o coagido será isento de pena – não responderá por 
crime algum, pois só desenvolveu a conduta por conta da coação) 
Coação física irresistível – exclusão da tipicidade 
*Coator que irá empregar força física sobre o coagido (para se estar presente diante 
de uma conduta punível o cidadão tem que agir com consciência e vontade) – 
conduta é um elemento do fato típico (Pedro obriga Débora a assinar um documento 
– falsificação de um documento – Débora praticou a falsificação porque foi coagida 
por meio de força física) (não existindo vontade o fato é atípico) 
CONCURSO DE PESSOAS 
Requisitos: 
1. Pluralidade de condutas – um autor está contribuindo para a prática de um 
delito assim como o partícipe. (Um induz e o outro executa) 
2. Relevância causal das condutas – a conduta tem que ser minimamente 
relevante para caracterizar o concurso de pessoas – se a conduta for 
irrelevante não ocorre concurso de pessoas (Uma empregada doméstica 
depois de ter levado uma bronca da patroa, ela querendo se vingar, ela 
percebe que existe alguém se movimentando em frente da residência de uma 
forma suspeita, a empregada com a intenção de que venha a ocorrer um furto 
na residência ela deixa a porta da frente aberta, na expectativa de que esse 
suspeito ingresse por ali e subtrai os objetos – o suspeito entra pela porta dos 
fundos – a conduta da emprega não foi relevante para que ocorresse a 
 
Sd JurisAdvogando 
Sandra Mara Dobjenski 
 
 
subtração – a emprega não responderá pelo furto – entretanto se o suspeito 
vier a entrar pela porta da frente, e vindo a praticar a subtração – agora existe 
conduta relevante – de algum modo a conduta da empregada contribuiu para 
o resultado – subtração – existe um liame subjetivo entre a empregada 
doméstica e o suspeito, ambos agiram voltados por uma mesma finalidade – 
a subtração – NÃO EXIGE AJUSTE PRÉVIO – basta que ambos conduzam 
sua conduta voltados para uma mesma finalidade, ainda que o sujeito não 
soubesse que estava sendo auxiliado. 
3. Liame subjetivo - basta que ambos conduzam a conduta voltados para uma 
mesma finalidade, ainda que o sujeito não soubesse