A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
60 pág.
04_Nocoes_de_Criminalistica

Pré-visualização | Página 24 de 27

(E) Classificam-se como vestígios de situação aqueles de geração espontânea, como o formato 
deixado por uma mancha de sangue quando cai de determinada altura, ou ainda quando o corpo está em 
movimento; trata-se de um tipo de vestígio relativo. 
 
02. (PERITO CRIMINAL - POLÍCIA CIVIL/RS). Para o leigo em Criminalística, e na linguagem 
destituída de características jurídicas, depreende-se que vestígios e indícios praticamente se constituem 
de sinônimos. Assinale a alternativa que melhor exprime o conceito jurídico de vestígio ou indício sob o 
enfoque criminalístico. 
(A) O indício tem importante valor probatório, não havendo necessidade da avaliação do caráter 
de autenticidade. 
(B) O indício prova necessariamente a autoria material de um fato delituoso. 
(C) Os indícios podem ser próximos, manifestos ou distantes. 
(D) O vestígio é todo e qualquer sinal, marca ou outro elemento material, conhecido e provado, que, 
por sua relação necessária ou possível com outro fato, que se desconhece, prova ou leva a presumir a 
existência deste último. 
(E) O vestígio aponta, o indício encaminha. 
 
03. Dos itens abaixo, qual deles não faz parte dos tipos de vestígios: 
(A) Vestígio verdadeiro 
(B) Vestígio independente 
(C) Vestígio forjado 
(D) Vestígio ilusório 
 
Respostas 
 
01. Resposta: C 
Os latentes reclamam a utilização de técnicas ou aparelhos especiais para serem observados e 
aproveitados. Nesta categoria temos as manchas de esperma, os microrresíduos que são deixados pelo 
disparo de arma de fogo. 
 
02. Resposta: C 
 
03. Resposta: B 
 
 
 
Para tratar do sistema datiloscópico, é importante, por primeiro, tecer breves comentários acerca de 
toda a questão que envolve a identificação criminal pelo sistema datiloscópico. Nos basearemos no texto 
“O uso da Datiloscopia na Medicina Forense”.9 
O ramo da medicina legal que se ocupa com as questões concernentes à identificação criminal é a 
antropologia forense. 
A identidade é o conjunto de características que torna o indivíduo único, podendo separa-lo facilmente 
dos demais. Trata-se da soma de sinais, marcas e caracteres que, em conjunto, individualizam 
determinada, pessoa, coisa ou animal, diferenciando-o dos demais que o rodeiam. 
A identificação, nas palavras de Eduardo Roberto Alcântara Del-Campo, é “o processo através do qual 
se determina a identidade de uma pessoa ou coisa”.10 
 
A identificação diferencia-se do reconhecimento: 
 
 
 
 
9 ZANELLA, Fernanda. O uso da Datiloscopia na Medicina Forense. Disponível em: http://fezanella.jusbrasil.com.br/artigos/151084988/o-uso-da-datiloscopia-na-
medicina-forense. Acesso em: Agosto/2015. 
10 DEL-CAMPO. Eduardo Roberto Alcântara. Medicina Legal. Coordenação Edilson Mougenot Bonfim. Editora Saraiva; 4ª edição. 2007. 
7. Levantamento papiloscópico. 
1374611 E-book gerado especialmente para PETRUCCIO TENORIO MEDEIROS
 
. 54 
Identificação Reconhecimento 
Tem como base o 
auxílio científico. 
Constrói-se embasado em um processo empírico, sem empregar qualquer 
grau de conhecimento, de baixo grau de precisão, podendo ser feito por uma 
pessoa leiga. 
 
Papiloscopia: 
 
É a ciência responsável pela identificação humana através das papilas térmicas encontradas nas 
palmas das mãos e dos pés. 
Encontra-se dentro do estudo de identificação, pois consiste em um método de identificação 
empregado sobre impressões papiloscópicas. 
A Papiloscopia divide-se em: 
 
Quiroscopia: 
 
É o processo de identificação humana por meio das impressões da palma da mão, classificada em 
três regiões: tênar, hipotênar e superior. 
 
Podoscopia: 
 
É o processo de identificação humana através das impressões das solas dos pés. Esse tipo é mais 
utilizado em maternidades, na identificação de recém nascidos. 
 
Datiloscopia: 
 
E, por fim, o sistema datiloscópico, criado em 1891 por Juan Vucetich, o qual estudava as impressões 
digitais ou vestígios deixados pelas polpas dos dedos em objetos ou quaisquer outros lugares em 
que fosse possível observar tal sinal. 
O sistema datiloscópico de Vucetich foi introduzido na medicina legal brasileira por volta de 1903, 
representando uma verdadeira mudança nos métodos de identificação, ante sua praticidade, 
simplicidade, eficiência e segurança nos resultados. 
 
A eficiência do sistema datiloscópico está intimamente ligada a três fundamentais características: 
 
a) Perenidade: os desenhos formados nas polpas dos dedos são formados no sexto mês de vida ultra 
uterina e perduram até a destruição do ser humano. 
 
b) Imutabilidade: mesmo diante de queimaduras ou cortes, as cristas papilares não desaparecem, se 
regenerando sem apresentar qualquer mudança em sua forma. 
 
c) Variedade: o desenho da polpa dos dedos é diferente em cada ser humano. Até hoje não foram 
encontradas duas impressões idênticas. 
Tais características foram apresentadas por Edmond Locard. 
No tocante a terceira característica, variedade, há quem diga não tratar-se de uma característica 
verdadeira. Ainda que não tenha sido encontrada uma crista papilar semelhante a outra, existem autores 
que dizem não haver base cientifica para que assim se afirme, sendo os desenhos papilares diferentes 
em virtude de outras características biológicas também diferentes. 
Não são apenas as pontas dos dedos que apresentam desenhos. As palmas das mãos e dos pés 
também possuem desenhos característicos com origem na derme, imutáveis e permanentes. 
Assim, as impressões digitais podem ser tanto de palmas das mãos quanto dos dedos e dos pés. 
 
Datiloscopia 
 
Datiloscopia trata – se da identificação e exame das impressões digitais. 
 
Divide-se em datiloscopia civil, responsável pela identificação de pessoas para fins civis, como 
expedição de documentos, por exemplo; e datiloscopia criminal, que identifica pessoas indiciadas em 
inquéritos, acusadas em processos ou em crimes. 
1374611 E-book gerado especialmente para PETRUCCIO TENORIO MEDEIROS
 
. 55 
Atualmente, as impressões digitais são os métodos papiloscópicos mais utilizados no meio policial. 
Estima-se, de acordo com o entendimento de Ricardo Bina em seu livro Medicina Legal, que a 
probabilidade de uma impressão digital ser idêntica a outra é de 1 em 17.000.000 milhões de pessoas.11 
Tendo em vista que os desenhos da crista papilar se formam na derme, a simples remoção da 
epiderme não descaracteriza o desenho formado na ponta dos dedos, em alguns casos poderá apenas 
dificultar a colheita para confronto. 
No caso de cadáveres, a impressão digital dura até a fase coliquativa, ou seja, quando a derme passa 
a ser destruída pela putrefação do corpo. 
Somente torna-se impossível a percepção dos desenhos das polpas dos dedos no caso de 
queimaduras de 3º grau, onde há total destruição de tecidos internos e mais profundos, não havendo 
qualquer possibilidade de identificação datiloscópica. 
Mesmo no caso de gêmeos univitelinos o desenho formado na polpa dos dedos é diferente. Trata-se 
da única forma de individualização precisa de gêmeos idênticos. 
 
Sistema de Vucetich 
 
No Brasil, a datiloscopia emprega o sistema de Vucetich, sistema que classifica as impressões 
datiloscópicas em quatro tipos: 
 
1) Arco: datilograma geralmente adético, formado por linhas que atravessam o campo digital 
apresentando em sua trajetória formas mais ou menos paralelas abauladas ou alterações características; 
 
2) Presilha interna: é o datilograma com um delta à direita do observador, apresentando linhas que, 
partindo da esquerda, curvam-se e volta ou tendem a voltar ao lado de origem, formando laçadas; 
 
3) Presilha externa: é o datilograma com um delta à esquerda do observador, apresentando linhas 
que, partindo da direita, curvam-se e volta ou tendem a voltar ao lado de origem, formando laçadas. 
 
4) Verticilo: é o datilograma com um delta à direita e outro à esquerda do observador, tendo pelo 
menos uma linha livre e curva à frente de cada delta. 
 
Cada uma das classificações acima

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.