A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
ATIVIDADE LINFEDEMA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Linfedema é considerada uma condição em que há o acúmulo de líquido no espaço intersticial do tecido 
subcutâneo. Relacionado a isso, responda: 
1. Aponte a classificação de acordo com a sua etiologia, exemplificando uma condição (patologia) 
(primário e secundário) 
 
 
 
 
 
 
 
2. Como é realizada a avaliação clínica do paciente. Cite os exames complementares mais utilizados, 
justifique. 
 
 
 
 
 
 
3. Como é realizado o diagnóstico do paciente. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Bases Celulares e Moleculares II Data: 21/04/2021 
Atividade – Sistema Linfático - LINFEDEMA 
Aluno: Marília de Araújo Alves 
 
Linfedema 
 
• Primários: são subdivididos em precoce e congênito. O linfedema precoce é de etiologia desconhecida, 
ocorre nos membros inferiores, podendo ser devido a equilíbrios hormonais, ou a falhas no 
desenvolvimento dos vasos linfáticos, ocasionando uma insuficiência de drenagem linfática. O linfedema 
congênito, aparece a partir do nascimento, sendo caracterizado por hipoplasia linfática, e por uma 
estrutura inadequada dos vasos linfáticos, que ocasionam linfangiectasia e conseqüente insuficiência 
valvular. Quando hereditário é denominado doença de Milroy. 
• Secundários: são decorrentes de causas externas. As lesões teciduais graves podem levar ao 
desenvolvimento de linfedema quando afetam a estrutura e/ou funcionamento dos vasos linfáticos. A 
filariose, parasita inoculado pela picada de um mosquito infectado, quando penetra na pele, atinge os 
vasos linfáticos, sanguíneos e os linfonodos, preferencialmente na região inguinal e genitália externa, 
ocasionando um linfedema grave e progressivo. A insuficiência venosa crônica, quando grave, pode 
sobrecarregar o sistema linfático, ou estar associada a uma insuficiência congênita dos vasos linfáticos. 
 
• O linfedema pode ser diagnosticado pela observação dos sintomas. No entanto, alguns exames podem 
ser necessários não só para confirmar o diagnóstico, como também planejar o tratamento: 
 O médico pode medir braços e pernas para o acompanhamento do inchaço e pode calcular o volume 
do líquido acumulado. 
 O ultrassom ajuda na visualização do fluxo do sistema linfático. 
 A linfocintilografia é um procedimento confiável para confirmar o diagnóstico de linfedema, pois avalia 
a dinâmica linfática através dos canais linfáticos e das cadeias linfonodais. 
 A tomografia computadorizada mostra a localização e o padrão do sistema linfático, e se um tumor ou 
outra massa pode estar obstruindo o fluxo do sistema linfático. 
 
 
 
O diagnóstico de linfedema pode ser obtido através de critérios subjetivos e objetivos, sendo realizado, na 
maioria dos casos, através da história e do exame físico. 
• Os critérios subjetivos incluem questionário e entrevistas. A pessoa que apresenta linfedema costuma 
relatar sensação de peso e de tensão no membro afetado. Normalmente, são os pacientes que observam 
as primeiras mudanças, através da dificuldade em colocar joias ou ao vestir roupas, representando o 
inchaço. Outras alterações percebidas se relacionam à aparência da pele, que se torna esticada, com 
ausência de dobras cutâneas, e com sensação de espessamento e tensão. Ocasionalmente, apresentam 
também limitação dos movimentos da mão, cotovelo e ombro. 
• O diagnóstico objetivo do linfedema na avaliação do paciente através do exame físico, tem um peso maior 
e é considerado o padrão ouro do diagnóstico. Entretanto, algumas vezes, se faz necessário o uso de 
investigações diagnósticas para excluir processos malignos, preparar o tratamento cirúrgico, determinar o 
status vascular, e fazer o diagnóstico diferencial com lipoedema, lipolinfedema, síndrome pós trombótica e 
insuficiência venosa crónica. 
• Entre os critérios objetivos usados na determinação do linfedema, podemos citar a perimetria, que 
inclui a medida da circunferencia do membro e em tuberosidades ósseas (processo estilóide da ulna, 
olecrano, articulação metacarpofalangeana), ou a medida de segmentos eqüidistantes do braço. O 
membro contralateral é usado como controle. Também podemos citar a técnica do volume, que pode ser 
obtido de forma direta ou indireta. A maneira direta é através da imersão do membro em um cilindro 
milimetrado, observando-se a diferença da quantidade de água deslocada entre o membro afetado e o 
contralateral. A maneira indireta é mais rápida, barata e simples, podendo o volume ser estimado através 
de medidas de circunferência, tratando cada segmento do membro como um par de circunferencias. 
 
 
4. Cite os estágios para linfedema de membros inferiores. 
 
 
 
 
 
 
 
5. Descreva 3 formas de tratamento (objetivo). 
 
• Estágio 0 (ou IA) - o inchaço ainda não é evidente apesar do transporte linfático deficiente, alterações 
sutis no fluido/composição tecidual e alterações nos sintomas subjetivos. Pode levar meses ou anos para 
que o edema ocorra. 
• Estágio I - o acúmulo de fluido diminui quando você eleva o membro afetado. Quando pressionada pela 
ponta dos dedos, a área afetada recua e inverte com a elevação (“sulco”). 
• Estágio II - significa que a elevação do membro raramente reduz o inchaço dos tecidos. Os sulcos são 
evidentes. Posteriormente, no Estágio II, o membro não pode contrair quando o excesso de gordura 
subcutânea e a fibrose se desenvolvem. 
• Estágio III - representa elefantíase linfostática, onde os sulcos podem estar ausentes e ocorrem 
alterações tróficas na pele, como acantose, alterações na característica e na espessura da pele, 
desenvolvimento adicional de gordura, fibrose e supercrescimento. 
 
 
 
Os tratamentos para o linfedema visam à redução do inchaço, a prevenção da infecção e a melhora da 
aparência e do uso do braço ou perna. Incluem: 
• Exercício - Pode melhorar o fluxo do sistema linfático, fortalecer os músculos e melhorar a capacidade do 
corpo de absorver proteína. O exercício deve ser feito usando uma luva de compressão ou bandagem. 
• Enfaixamento compressivo - é de extrema importância durante a primeira fase do tratamento do 
linfedema, pois ao promover um suporte externo na pele, leva a um aumento da pressão intersticial com 
redução da ultrafiltração, melhora a eficácia do bombeamento muscular levando a um aumento do fluxo 
venoso e linfático, e não permite o refluxo causado pela insuficiência valvular. 
• Drenagem linfática manual - tem como objetivo favorecer as vias secundárias de drenagem linfática 
através de anastomoses linfo-linfáticas superficiais e também remover as áreas de fibrose dos tecidos 
acometidos.