A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Transplantes Dentais

Pré-visualização | Página 1 de 1

TRANSPLANTES DENTAIS
Prognóstico muito bom.
O transplante dentário é a substituição de um dente
comprometido, por um dente transplantado, geralmente um terceiro
molar, para um alvéolo preparado ou já existente ocupado por um dente
perdido.
O transplante dental é o processo de inserção de um dente natural
com vitalidade pulpar ou não, de indivíduos da mesma espécie, no
alvéolo de um dente recém extraído ou não.
Tipos:
→ Transplante autógeno (autotransplante): do indivíduo para ele
mesmo.
O transplante de germe dentário (2/3 a ¾ da raiz formada – melhores
resultados) é melhor do que de dente adulto. Mais comum ser
transplantado o 3º molar inferior para o local do 1º molar inferior.
→ Transplante alógeno (homógeno/homólogo): de um indivíduo para
outro da mesma espécie.
Não é viável na odontologia porque requer resposta imunológica da
pessoa, teria que dar ciclosporina (imunossupressora); e o dente não é
um órgão vital, não há necessidade.
→ Transplante heterógeno (heterólogo/exógeno): de um indivíduo para
outro de outra espécie.
§ Só em trabalhos experimentais.
Critérios de Seleção
1. A existência da semelhança mésio-distal do dente a ser
transplantado e o alvéolo receptor e, o sítio receptor deverá estar
isento de reação inflamatória.
Presença de inflamação aguda, com pus - contra indicado fazer o
transplante;
2. A presença de doença periodontal não contra indica o
autotransplante dental, desde que exista um prévio tratamento,
pois, o sucesso dependerá do estágio de desenvolvimento da raiz
do dente a ser transplantado, da distância mesiodistal da coroa e
da respectiva relação oclusal;
3. Higiene oral do paciente;
4. Interesse e colaboração por parte do paciente;
5. Saúde geral do paciente;
Não vai se fazer em paciente imunodeprimido.
6. Posição favorável do germe ou dente a ser transplantado;
Removê-lo com o menor traumatismo possível - dente sair inteiro
sem odontosecção.
O germe dentário continua a rizogênese no novo local (na maioria das
vezes) e não precisa de tratamento endodôntico depois do transplante,
melhor integração. O dente adulto precisa de tratamento de canal →
raiz formada não revasculariza.
TÉCNICA OPERATÓRIA
IMEDIATA
Realizada em uma única sessão a exodontia do dente a ser
transplantado e o preparo da cavidade óssea alveolar, para a qual esse
dente será transplantado.
→ Alvéolo fresco: acabou de extrair o dente condenado.
O septo inter radicular deve ser removido (pinça goiva, broca ou cinzel)
porque quando colocar o transplante este dente deve penetrar no
alvéolo sem pressão/trauma.
Imobilização do dente transplantado: esplintagem de 3 a 4 semanas
(semi rígida/rígida) com resina, fio de aço com resina ou amarrias
com fio de aço → regeneração da mucosa gengival e regeneração do
ligamento periodontal.
Realizar tratamento de canal 14 dias após o transplante → provisório:
preenchimento do canal radicular com hidróxido de cálcio →
acompanhar: ausência reabsorção por substituição ou inflamatória →
realizar o tratamento permanente com guta percha.
A polpa depende da revascularização para continuar viva e não da
reinervação.
→ Confecção de alvéolo: paciente perdeu há algum tempo o dente.
Fazer um alvéolo artificial: remover o dente a ser transplantado e colocar
no alvéolo.
MEDIATA
Realizada em duas etapas, na qual o alvéolo cirúrgico é preparado
em uma primeira etapa com a extração do dente lesado (se for fazer
retalho apenas em envelope) e, após o período de cicatrização de até 14
dias, o transplante é realizado numa segunda etapa.
Extração do elemento lesado → paciente dispensado → volta daqui uma
ou duas semanas para a remoção do dente a ser transplantado e no
mesmo dia é transplantado para o espaço do elemento lesado que foi
extraído anteriormente.