A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
Aula 10 - Teoria dos Custos de Produção III - Maximizando lucros

Pré-visualização | Página 1 de 1

Custo Médio no 
Longo Prazo
Curva de Custo Médio no Longo Prazo
❑ É um horizonte de planejamento e não o que está sendo
efetivamente realizado.
❑ Os empresários têm um elenco de possibilidades de
produção de curto prazo, com diferentes escalas de
produção que eles podem escolher.
2
Curva de Custo Médio no Longo Prazo
❑ Antes de fazer o investimento, a empresa está numa
situação de longo prazo: o empresário pode selecionar
qualquer uma das alternativas disponíveis para alcançar
a expansão.
❑ Depois do investimento realizado, os recursos são
convertidos em equipamentos (capital fixo) e a empresa
opera em condições de curto prazo.
3
Curva de Custo Médio no Longo Prazo
❑ O mais importante determinante do formato das curvas
de CMeLP e CMgLP é a relação entre a escala de
operação da empresa e os insumos que são necessários
para minimizar seus custos.
4
CMeLP – curva que 
fornece o custo médio 
de produção para cada 
nível de produto quando 
todos os insumos são 
variáveis.
CMgLP – curva que 
fornece a variação no 
custo total no longo 
prazo quando o produto 
aumenta em 1 unidade.
Curva de Custo Médio no Longo Prazo
❑ No início, à medida que a produção se expande, a partir
de níveis muito baixos, os rendimentos crescentes
(economias) de escala causam o declínio da curva
CMeLP.
❑ No entanto, à medida que a produção se torna maior, as
deseconomias de escala passam a prevalecer,
provocando o crescimento da curva.
5
6
Curva de Custo Médio no Longo Prazo
❑ O ponto A representa a combinação de custo mínimo, ou
escala ótima da empresa, que seria o tamanho ideal do
ponto de vista de seus custos, para a empresa.
❑ Até esse ponto, existem rendimentos crescentes de
escala; após o ponto A, temos rendimentos
decrescentes (deseconomias) de escala. Então, a escala
ótima da empresa, do ponto de vista de seus custos, é o
ponto onde CMeLP émínimo.
7
Economias ou Deseconomias de Escala
❑ Economias de escala: Dobrar a produção requer
crescimento dos custos inferior ao dobro.
1. Divisão do trabalho;
2. Flexibilidade da produção - Organização eficaz do
processo de produção;
3. Compra de insumos em grandes quantidades.
8
Economias ou Deseconomias de Escala
❑ Desconomias de escala: Dobrar a produção requer
crescimento dos custos superior ao dobro.
1. Gestão ineficiente;
2. Limite para compra de insumos;
3. Custos de transporte.
9
Relação entre custos no curto e longo prazo
❑ Suponhamos que uma empresa não tenha certeza sobre
a demanda futura de seu produto e esteja considerando
três alternativas de tamanho da fábrica.
❑ Trata-se de uma decisão importante, pois, uma vez
construída a fábrica, a firma não poderá modifica-la
durante certo tempo.
10
11
Relação entre custos no curto e longo prazo
❑ Para qualquer que seja o nível de produção escolhido
pela empresa, ela pode optar por um tamanho de
fábrica (e por uma combinação de capital e trabalho) que
lhe permita obter tal produção com o custo médio
mínimo.
12
Economias de Escopo
❑ Estão vinculadas à redução dos custos totais quando
aumenta a variedade de bens ou serviços produzidos.
1. Existência de fatores comuns;
2. Existência de reserva de capacidade;
3. Complementaridades tecnológicas e comerciais.
13
Maximização de 
Lucros
Maximização dos Lucros
❑ As empresas têm como objetivo maior a maximização
de lucros, seja no curto ou no longo prazo. Define-se
lucro total como:
𝑳𝑻 = 𝑹𝑻 − 𝑪𝑻
𝑳𝑻 = Lucro total;
𝑹𝑻 = Receita total (𝑹𝑻 = 𝒑 ∗ 𝒒);
𝑪𝑻 = Custo total.
15
- Para maximizar
lucros, a empresa opta
pelo nível de produção
para o qual a diferença
entre RT e CT seja a
maior possível.
Maximização dos Lucros
❑ Define-se como receita marginal (RMg) o acréscimo da
receita total da empresa quando essa vende uma
unidade adicional de seu produto.
❑ Custo marginal (CMg), como vimos, é o acréscimo do
custo total de produção da empresa quando essa produz
uma unidade adicional de seu produto.
16
Maximização dos Lucros
❑ Pode-se demonstrar que a empresa maximizará seu
lucro num nível de produção tal que a RMg = CMg. Pois,
nesse ponto um incremento adicional no nível de
produção mantém o lucro inalterado.
❑ Algebricamente:
∆𝑳𝑻
∆𝒒
=
∆𝑹𝑻
∆𝒒
−
∆𝑪𝑻
∆𝒒
= 𝟎
17
Maximização dos Lucros
❑ RMg > CMg [O empresário terá interesse em aumentar a
produção, porque cada unidade adicional fabricada
aumenta os seus lucros].
❑ RMg < CMg [O empresário terá interesse em diminuir a
produção, pois, cada unidade adicional que deixa de ser
fabricada aumenta seus lucros].
18
Maximização dos Lucros
❑ Mercado Perfeitamente competitivo: As empresas são
tomadoras de preço, ou seja, a quantidade que a
empresa deseja vender não terá impacto sobre o preço
de mercado do produto.
❑ Logo, P = RMg, pois, a empresa vende uma unidade
adicional de produto sem que o preço sofra redução.
Consequentemente, a RT aumenta em quantidade igual
ao preço.
19
20
Produção 
total
Custo 
total
Preço 
unitário 
Receita 
total
Lucro 
Total
Custo 
marginal
Receita 
marginal
0 10,00 5,00 0 -10,00 - -
1 15,00 5,00 5,00 -10,00 5,00 5,00
2 18,00 5,00 10,00 -8,00 3,00 5,00
3 20,00 5,00 15,00 -5,00 2,00 5,00
4 21,00 5,00 20,00 -1,00 1,00 5,00
5 23,00 5,00 25,00 2,00 2,00 5,00
6 26,00 5,00 30,00 4,00 3,00 5,00
7 30,00 5,00 35,00 5,00 4,00 5,00
8 35,00 5,00 40,00 5,00 5,00 5,00
9 41,00 5,00 45,00 4,00 6,00 5,00
10 48,00 5,00 50,00 2,00 7,00 5,00
11 56,00 5,00 55,00 -1,00 8,00 5,00
RMg > CMg
RMg < CMg
RMg = CMg
Conceitos de Lucros
❑ Lucro contábil: Diferença entre a receita e os custos
efetivamente incorridos (custos contábeis, explícitos).
21
Lucro econômico: 
Lucro normal 
Lucro extraordinário
Diferença entre a 
receita e o total dos 
custos contábeis e 
custos de oportunidade.
Conceitos de Lucros
22
Lucro 
normal
Leva em conta os custos de oportunidade. Um desses custos é
o retorno que os proprietários da empresa poderiam obter se o 
capital fosse aplicado em outro empreendimento.
Ocorre sempre uma empresa obtém um retorno normal sobre 
os investimentos, quando tem um retorno tão bom quando 
teria se investisse os seus recursos em outra atividade. 
Isso significa que a empresa está obtendo um retorno normal, 
ou seja, competitivo sobre o investimento. No longo prazo, o 
lucro econômico tende a se igualar a zero.
Conceitos de Lucros
23
Lucro 
extraordinário
Se o lucro for RT > CT, a empresa terá 
lucros extraordinários. pois, a empresa 
está obtendo ganhos acima da taxa 
normal de lucro. 
Isso atrairá novos participantes para o 
mercado, devido não haver barreiras à 
entrada. Novos participantes ampliam a 
oferta, trazendo o resultado ao nível de 
lucro normal.
❑ Uma empresa que tenha lucro contábil positivo
não necessariamente tem lucro econômico
positivo?
24
Questões para discussão:
❑ Relacione o comportamento de redes de
hipermercados que adquirem firmas menores
diante do conceito de longo prazo.
25
Questões para discussão:
26
Até a próxima aula!