A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
TCC - MATEMÁTICA - ESTÁCIO DE SÁ

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material TCC - MATEMÁTICA - ESTÁCIO DE SÁ - página 1
Pre-visualização do material TCC - MATEMÁTICA - ESTÁCIO DE SÁ - página 2
Pre-visualização do material TCC - MATEMÁTICA - ESTÁCIO DE SÁ - página 3

TCC - MATEMÁTICA - ESTÁCIO DE SÁ

garantir que haja a relação deste processo com a conceitualização matemática. 
Esses momentos citados pela autora acima foram os tópicos abordados em todos os trabalhos 
dos alunos. Primeiro passo a familiarização com o material do jogo levou aos alunos um contato 
com o material, construindo – o e testando jogadas possíveis ou não. 
 
5º Momento: Registro do jogo 
 
Registrar os pontos, os procedimentos e os cálculos utilizados é uma maneira para sistematizar 
e formalizar por meio da linguagem matemática. Através do registro o professor conhece 
melhor seus alunos. Assim, é importante que o professor estabeleça estratégias de intervenções 
em que haja necessidade do registro escrito do jogo. 
Através do registro podem ser analisadas as jogadas “erradas” e construções de estratégias. 
Sistematizar um raciocínio por escrito contribui para a melhor compreensão do aluno em 
relação a suas próprias formas de raciocínio e também para o aperfeiçoamento de como 
explicitá-lo. 
 
6º Momento: Intervenção escrita 
 
Este é o momento da problematização das situações de jogo. É importante que o professor ou 
mesmo os alunos proponham novas situações problema. Com a resolução dos problemas ocorre 
uma analise mais específica sobre o jogo e aspectos não ocorridos do jogo podem ser abordados. 
Neste momento os limites e possibilidades são registrados pelo professor e este direciona os 
alunos para os conceitos matemáticos trabalhados no jogo. 
 
7º Momento: Jogar com competência 
 
Neste momento o aluno retoma à situações de jogo e executa estratégias definidas e analisadas 
durante a resolução de problemas. 
O processo de análise do jogo e as intervenções obtidas nos momentos anteriores farão sentido 
no contexto do próprio jogo. 
Os sete momentos propostos pela autora possibilitam a estruturação de um trabalho pedagógico 
com jogos nas aulas de Matemática. Porém, é necessário que o professor realize boas 
intervenções pedagógicas durante o jogo para garantir a aprendizagem dos conceitos 
matemáticos pelos alunos. 
Em relação ao conhecimento das regras, cada jogo feito pelos alunos tinha que ter o manual 
(figura 2) aonde deveria conter o memorial descritivo do jogo seguida do seu manual com todas 
as instruções básicas para que todos se divertissem. O manual é importantíssimo para que se 
tenha regularidade na hora da diversão. 
 
Figura 2. Jogo com o manual de instruções. Fonte Propria autoria. 
O jogar para garantir regras e a intervenção pedagógica verbal estão interligados entre si, pois, 
no que diz respeito ao convívio entres os jogadores no caso os alunos, eles irão se interagir para 
que se tenha um resultado eficaz podendo ter observações por eles e uma otimização nas 
jogadas. 
E no caso da intervenção escrita depende do jogo, mas todos tiveram isso por que tiveram que 
elaborar um trabalho escrito contendo as normas e após a criação foi jogar e aprender o material 
exposto em cada jogo. 
 
3 CONCLUSÃO 
 
Ensinar é ir além de fornecer condições para que o aluno construa seu próprio conhecimento. 
Percebemos o dar condições, como o conjunto de práticas que o professor adota práticas que 
devem envolver no ensino da matemática a utilização de materiais concretos, jogos, história da 
matemática, informática, investigações matemáticas, livro didático e quadro negro 
(considerando que a abstração e a realização de exercícios se fazem necessárias para o 
aprendizado de determinados conteúdos), entre outras metodologias. 
Com o uso do jogo o processo de ensino aprendizagem teve uma boa participação no 
desenvolvimento e no conhecimento de cada um, os alunos trabalharam a socialização em sala 
o trabalho em grupo e trabalharam com o cognitivo, pensamento. Com isso eles desenvolveram 
através de estimulações da mente, a efetuação e resoluções de cálculos. 
 
4 REFERÊNCIAS 
A lista de referências é estreitamente relacionada à revisão de literatura da seção 2. Ela deve incluir 
os trabalhos de onde foram extraídos dados, figuras, tabelas, textos etc. Todas as referências citadas 
no texto devem ser incluídas na lista de referências. Por outro lado, a lista não deve incluir trabalhos 
não citados no texto. Sempre voltar ao referencial teórico para montar a seção REFERÊNCIAS do 
artigo. Importante: As Referências devem seguir as normas da ABNT 
 
ACKERMAN, PL. 100 years without resting. In: Ackerman, PL, (Ed.) Cognitive fatigue: 
Multidisciplinary perspectives on current research and future applications. Washington: 
American Psychological Association, 2011. 
AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. Anuário do Transporte Aéreo. Brasília: 
Agência Nacional de Aviação Civil, 2013. 
AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. Dados estatísticos. Disponível em: 
<www.anac.gov.br>. Acesso em: 05 dez. 2012. 
ÅKERSTEDT, T; GILLBERG, M. Subjective and objective sleepiness in the active individual. 
The International journal of neuroscience, Vol. 1-2, No.52 (1-2), p. 29-37, 1990. 
ALMEIDA, C. A. Concepção e desenvolvimento de um protótipo de software genérico 
para avaliar a qualidade em serviços utilizando o método SERVQUAL. 2013. 1 v. 
Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, 
Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2013 
ALVES, MGM; CHOR, D; FAERSTEIN, E; LOPES, CS; WERNECK, GL. Versão resumida 
da job stress scale: adaptação para o português, Short version of the job stress scale: a 
Portuguese language adaptation. Revista de Saúde Pública, Vol 2, No.38, p. 164-171, 2004. 
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR ISO 9001:2008: Sistemas 
de gestão da qualidade - Requisitos. 2 ed. Rio de Janeiro, 2008. 36 p. 
 
 
Obs: No rodapé da primeira página colocar: 
 
1 Aluno concludente do curso de Licenciatura em MATEMÁTICA, Universidade Estácio de Sá. 
2Professor(a) Orientador(a) do artigo Universidade Estácio de Sá. 
 
 
Observação: O artigo deve ter no mínimo 15 páginas sem contar com a bibliografia, e no 
máximo 25 páginas. 
 
O aluno deve postar no ambiente de orientação o trabalho para o professor acompanhar o 
desenvolvimento do mesmo e orientar o aluno. Isso deve ocorrer no mínimo 3 vezes.