A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Resumo sobre direitos fundamentais

Pré-visualização | Página 1 de 1

Tema: Origem dos Direitos Fundamentais:
Direitos Naturais- São direitos que os seres humanos possuem independentemente de organização política.
I: Antiguidade Clássica: Todas as coisas estão ligadas: visão teleológica de universo.
Direito: Os direitos naturais prevalecerão independentemente do Estado.
Origem natural; Origem não é a vontade humana.
II: Cristianismo: Todos somos criados à imagem e semelhança de Deus. 
S Tomás: A racionalidade humana é a mesma de Deus, só varia a quantidade.
Respeitar o outro é respeitar a Deus.
Origem divina;
III: Jusracionalismo: Podemos, a partir de métodos científicos, descobrir o direito natural.
Decorre da natureza humana: invariável.
Origem natural, conhecida pela racionalidade;
Tema: Os Direitos Naturais e o liberalismo político:
I: Liberalismo: Ideia de limitação do Estado. Estado deve respeitar Vida, Liberdade e Bens das pessoas. Surge na luta contra o Estado Absolutista. 
II: As declarações políticas liberais: São documentos em que os Estados se comprometem, POLITICAMENTE, a respeitarem VLB + separação de poderes.
	Bill of Rights (carta de direitos) – O rei aceita limitar seu poder
	Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão – Estrutura em artigos; Direitos são universais, independem de nacionalidade
	Preâmbulo da Contituição dos EUA – Direitos em emendas constitucionais e Suprema Corte, VL, busca a felicidade
	Constituição do Império do Brasil – VLB garantidos no texto
III: Os Direitos Liberais: 1° geração dos Direitos Fundamentais. Buscavam limitar o poder do Estado (escudo contra o Estado – Art. 5)
Características:
	Direitos de proteção do indivíduo contra o Estado
	Direitos de liberdade – públicas
	Direitos negativos – temos direito a um “não agir” do Estado
	Facéis de ser realizados pelo judiriário – Objeto é infinito (não escasso) 
Problemas atuais: são os mais antigos entretanto nem sempre respeitados. EX: Desrespeito aos Dfs por órgãos do Estado feitos para proteger ditaduras; Violência policial
Tema: Direitos Sociais – 2° geração dos Direitos Fundamentais
I: Origem na Revolução Industrial: Miséria para qual o Estado não estava pronto. O Estado passa a garantir saúde, educação, direito de trabalho, previdência... ( Art. 6)
II: Objetivos:
	Histórico: Frear o comunismo: Ameaça o Capitalismo e miséria.
	Realizar a dignidade da pessoa humana: Desenvolvimento das capacidades – Oportunidades ( Art. 1, III)
III: Características: 
	A grande maioria dos Direitos Sociais são prestacionais, positivos de ação.
(Entrega de bem/serviço; Estado tem deveres). Exceto: Direito de greve.
	Objeto escasso: Objeto é limitado; Não se realiza imediatamente, para todos e em toda a extensão.
	Realização dos Direitos Sociais: Todo o Estado, especialmente o executivo e o legislativo (Também o judiciário:É perigoso atingir a universalidade, poder vir a virar previlégio).
Reserva do possível: Não significa ter direito a qualquer prestação, a mais moderna. Viabilidade econômica (universalidade) = depende do executivo e do legislativo. 
Mínimo existencial: Parte da diferença entre âmago e âmbito do direito fundamental. Minimo para realizar o direito, não pode ser relativizado. (advogados da parte= mostrar que tal coisa é o minimo para o caso e portanto é necessário) 
IV: As dificuldades envolvidas na realização dos Direitos Sociais: Planejamento e orçamento
	A implementação pelo judiciário
	Reserva do possível X Mínimo existencial
	A proibição do retrocesso social (efeito cliquet): Pressupõe que os Direitos Sociais são realizados no tempo, a partir da evolução política e econômica. Se não houver motivo orçamentário significativo, programas sociais não podem ser diminuídos ou extintos. (caso aconteça, deverão ser proporcionais).
Educação, saúde, Direito de Trabalho, Direito de Previdência = Custa, orçamento = Impostos.
Tema: Os Direitos de Cooperação – 3° geração dos Direitos Fundamentais (fraternidade)
I: Impossibilidade do Estado, sozinho, realizar seu objeto. Precisa de colaboração dos indivíduos, ou não realiza.
EX: Meio Ambiente (Convenção de Estocolmo)
 Proteção ao patrimônio cultural.
Tema: Internacionalização (Direitos Humanos) e Internalização (Direitos Fundamentais).
I: A visão liberal sobre Direitos Naturais: São auto-executáveis (não dependem de juíz) pois são ciência; Os liberais creem que, descobertos, os Direitos Naturais não serão desrespeitados.
II: A Internacionalização:
	Segunda Guerra: Estados ocidentais, de tradição liberal, organizaram-se p/ desrespeitar os Direitos Naturais (Alemanha e Itália, Rússia, Japão) . Lugares liberais, absurdos aconteceram (EUA e França).
	Declaração Universal dos Direitos Humanos:
1948 – San Francisco (EUA): Acordo mínimo sobre os Direitos que todas as pessoas devem ter no mundo. 
* Não é direito; Nem exigivel; Não é tratado internacional, é resolução da ONU.
	A DUDH (1949): Força política, não juridica.
	Pactos da ONU (1967): Civis e políticos / Sociais e econômicos: Tratados internacionais – Não gera Direito p/ indivíduo e sim pros PAÍSES.
	Tratados regionais: Surgimento das cortes supranacionais – Condena países da EU que desrespeitam o tratado Europeu de Dhs
	Interamericano (São José, Costa Rica) – Organização dos Estados Americanos:
Qualquer juíz pode negar vigência a lei que agride o pacto – Controle de convencionalidade
Feito em 22/11/1969
Ratificado pelo Brasil em 25/09/1992: Virou Direito Fundamental (Internalização)
	Sistema Interamericano de DH: 
I: Comissão Interamericana de DH – Analisa denúncias de violação aos Dhs
II: Corte Americana de Dhs
EX: Maria da Penha, Gomes Lundt (verdade, indenização, julgar)
III: A internalização: Transforma os Direitos Humanos/ Naturais em Direitos Fundamentais (Direito Interno, exigível judicialmente e superior (Constitucionais).
IV: Resumo dos Termos: 
	Direitos Naturais: Teríamos direitos independentemente do Estado, em virtude de nossa natureza humana (EX: Direito do Homem e do Cidadão – 1789)
	Direitos Humanos: Garantidos em tratados internacionais. São deveres dos Estados que firmam tais tratados.
	Direitos Fundamentais: Direito Interno de cada país – são, portanto, exigíveis pelos indivíduos, JUDICIALIZÁVEIS.
EXTERNO – DIREITO HUMANO → INTERNALIZOU: RATIFICOU → DIREITO FUNDAMENTAL (INTERNO)
Tema: A interpretação dos DFS:
I: Constitucionalismo programático (Art. 1 ao 4°): Projeto de sociedade futura (realizada no tempo).
II: Norma e ordenamento, texto e direito: Conhecimento, segurança. 
São coisas diferentes, o direito é muito mais que só o texto.
Norma – Específica. Abstrata: Texto; De decisão: o caso concreto.
Ordenamento: Totalidade das normas (constituição, leis, jurisprudência, doutrina).
Texto: Insuficiência de linguagem, erros de expressão (Art.5 – Matar estrangeiro).
Direito: Fenômeno social que existe independentemente do Estado.
III: 
a: Eficácia das normas constitucionais por Rui Barbosa:
NC auto-executáveis
NC não auto-executáveis: depende de lei infra-constitucionais.
B: Eficácia das normas por José Afonso da Silva
NC de eficácia plena: Geram todos os efeitos pretendidos sem necessidade de lei infra-const. (Ex: Art. 80)
NC limitada: Possui algumas “eficácias”, mas ganham maiores “eficácias” com o surgimento de lei infra (EX: saúde)
NC contida: Perdem “eficácias” com o surgimento de lei infra (Ex: Art. 5, XIII)