A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
GEOBRASIL - CONTINENTE AFRICANO (PARTE 2)

Pré-visualização | Página 1 de 2

CONTINENTE AFRICANO (PARTE 2) 
 
1. (FFFCMPA RS/2008) Em 1994, Ruanda foi palco 
de um terrível genocídio que vitimou mais de um 
milhão de pessoas no confronto entre tutsis e 
hutus e teve um saldo de cerca de dois milhões de 
refugiados em países vizinhos. O conflito é 
desencadeado a partir do atentado aéreo que 
matou o presidente de Ruanda, o hutu Juvenal 
Habyarimana. As raízes históricas desse 
acontecimento estão 
a) na Partilha da África, que dividiu o continente 
segundo os interesses dos europeus sem que 
fossem levadas em consideração as diferenças 
tribais, separando etnias irmãs e reunindo em um 
mesmo país etnias rivais. 
b) nas diferenças étnico-culturais entre a África 
branca muçulmana, ao norte, e a África negra, 
subsaariana, ao sul. 
c) na política segregacionista do apartheid que, a 
partir da primeira metade do século XX, submeteu 
a maioria negra a uma minoria branca, os 
africâneres, privando-os de direitos políticos, 
cidadania e posse de terras no centro-sul da 
África. 
d) no contexto da Guerra Fria, quando EUA e URSS 
incentivaram as diferenças étnicas no continente 
africano para impedir que as guerras de 
independência tivessem êxito, buscando com isso 
aumentar suas respectivas áreas de influência na 
região. 
e) nas lutas partidárias desencadeadas após a 
Segunda Guerra Mundial que colocaram em lados 
opostos grupos que defendiam o desenvolvimento 
do continente a partir do modelo capitalista e os 
que pregavam a revolução comunista como forma 
de superação das principais dificuldades 
econômicas e possibilidade de uma distribuição de 
riquezas mais equitativa. 
 
 
 
 
2. (UDESC SC/2008) No decorrer do século XIX, as 
grandes potências europeias lançaram-se à 
conquista colonial da África e da Ásia. Sobre a 
ocupação da África e suas consequências, é 
incorreto afirmar: 
a) A violência em que se deu a colonização 
provocou grandes distorções nas estruturas 
econômicas, sociais e culturais dos territórios 
dominados. Intrigas entre etnias foram 
estimuladas e antigos reinos destruídos, vencidos 
pela superioridade militar dos colonizadores. 
b) Os europeus demarcaram fronteiras, 
confiscaram terras, forçaram grupos nômades a 
fixar-se em territórios específicos. Em 
consequência disso, os Estados africanos atuais, 
na sua maioria, não têm a mesma unidade 
cultural, linguística e social. 
c) A ocupação do território africano destruiu 
estruturas tradicionais; a economia comunitária 
ou de subsistência foi totalmente desorganizada, 
pela introdução de cultivos e outras atividades, 
destinadas a atender exclusivamente às 
necessidades das metrópoles. 
d) A ocupação europeia beneficiou o continente 
africano, pois possibilitou a inserção da África na 
economia capitalista mundial. Antes da 
colonização europeia, a economia africana 
restringia-se a suprir as necessidades básicas de 
sua população; assim, os africanos viviam sob 
condições de vida bastante atrasadas. 
e) A ocupação das colônias criou sérios problemas 
(muitos ainda não resolvidos, mesmo na 
atualidade). Pode-se dizer que muitos dos 
conflitos étnicos que existem hoje na região são 
consequências da dominação colonial da África. 
 
 
3. (UFSCAR SP/2009) Entre 1957 e 1964, quase 
todos os territórios africanos tornaram-se livres do 
domínio europeu, com exceção dos que estavam 
sob o controle dos 
a) portugueses, que só se tornaram 
independentes a partir de 1974, depois de lutas 
 
 
 
contra os exércitos coloniais e da queda da 
ditadura salazarista. 
b) ingleses, que mantiveram o regime de 
apartheid nas regiões da África do sul, e só se 
tornaram independentes na década de 1990. 
c) franceses, que permaneceram sob o regime 
colonial até as guerras da Argélia e do Congo na 
década de 1970. 
d) belgas, cujos colonizadores permaneceram por 
longos anos na África no controle do processo de 
mudança política, saindo do continente após a 
guerra em Ruanda. 
e) holandeses, que só conseguiram autonomia 
depois da revolta dos Zulus na década de 1970. 
 
 
4. (UFMT/2008) Sobre os processos de 
colonização e descolonização do continente 
africano, marque V para as afirmativas 
verdadeiras e F para as falsas. 
(__) Após o processo de descolonização, vários 
grupos étnicos foram forçados a conviver em um 
mesmo Estado, intensificando os conflitos 
armados como o ocorrido entre as etnias Tutsi e 
Hutus, em Ruanda. 
(__) O critério de regionalização do continente 
africano mais utilizado pós-descolonização, com 
base em elementos étnicos e culturais, classifica-o 
em África Branca ou Setentrional e África Negra 
ou Subsaariana. 
(__) As potências imperialistas europeias reunidas 
na Conferência de Berlim dividiram o espaço da 
África entre si, criando fronteiras sem respeitar a 
antiga organização tribal e a distribuição 
geográfica das etnias no continente. 
Assinale a sequência correta. 
a) VFV 
b) VVF 
c) VVV 
d) FFV 
e) FFF 
 
 
 
5. (UFMT/2008) Na descolonização da África, 
encontram-se casos em que a independência foi 
conquistada com grande violência, assim como 
situações em que a libertação da colônia ocorreu 
de modo mais pacífico. No entanto, em todos os 
processos, pode-se afirmar a existência de uma 
relação entre a situação interna da colônia e 
realidades mais amplas. Sobre a independência de 
Angola, assinale V para as afirmativas verdadeiras 
e F para as falsas. 
(__) Aconteceu no âmbito da Guerra Fria como 
demonstra a guerra civil ocorrida após a 
independência entre o MPLA, apoiado pela União 
Soviética, e a UNITA, apoiada pelos Estados 
Unidos da América. 
(__) Deve ser compreendida no contexto da 
desagregação do Império Português após a 
independência do Brasil e o fim do tráfico 
negreiro, a grande fonte de renda do estado 
lusitano. 
(__) Foi resultado da globalização que, ao permitir 
o maior fluxo comercial e de ideias, fez surgir no 
povo angolano o sentimento de liberdade e o 
desejo de autodeterminação. 
(__) Foi impulsionada pelo fim da ditadura 
salazarista, marcado pela Revolução dos Cravos, 
que significou o abandono da guerra colonial e da 
política imperialista portuguesa. 
Assinale a sequência correta. 
a) VFVF 
b) VFFV 
c) FVFV 
d) FFFV 
 
 
6. (UFRN/2011) Na Copa do Mundo de Futebol de 
2010, realizada na África do Sul, muitos brasileiros 
ficaram surpresos ao saberem que várias nações 
do continente africano, como Costa do Marfim, 
Nigéria, Gana e o próprio país sede do evento, 
apresentavam influências linguísticas europeias. 
Isso ficava evidente, por exemplo, nos nomes dos 
jogadores estampados nas camisetas e nos hinos 
 
 
 
nacionais, cantados em inglês ou francês. 
Essas influências da Inglaterra e da França na 
África são resultantes 
a) da expansão do Cristianismo, estimulado pelos 
propósitos das Cruzadas. 
b) do neocolonialismo do século XIX, no contexto 
da Segunda Revolução Industrial. 
c) da Globalização, que promoveu o intercâmbio 
cultural mundial no século XX. 
d) do tráfico negreiro, que implantou colônias 
europeias no continente africano. 
 
 
7. (IBMEC RJ/2012) A África vive, ainda hoje, uma 
sequência impressionante de golpes militares e 
guerras civis, sendo o recente caso da Guiné-
Bissau um típico exemplo de como esse processo 
continua a ocorrer. Vários são os fatores que 
explicam tal fenômeno, sendo um dos mais 
importantes: 
a) a manutenção de uma política assistencialista 
por parte das antigas potências coloniais, o que 
estimula o caos; 
b) uma disputa entre grupos políticos divergentes, 
favoráveis ou não ao liberalismo econômico; 
c) os resquícios da Guerra Fria, ainda evidentes, 
especialmente na África do Sul e na região central 
do continente; 
d) a ausência de políticas ambientais que 
minimizem os efeitos devastadores da fome e da 
violência; 
e) a execução de uma política colonialista que 
impôs o conceito de Estado-Nação sem levar em 
conta as características locais da sociedade. 
 
 
8. (UEPA/2015) A Conferência de Berlim, realizada 
na Alemanha em 1885, sacralizou o processo de 
partilha da África. Dela fizeram parte