A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
SERVIDOR PÚBLICO NA CF

Pré-visualização | Página 1 de 3

Auditoria Fiscal Isadora Dutra Rebelo
 Servidores Públicos na CF 
 Tipos de vínculo 
Os tipos de vínculo podem ser: função, emprego, ou cargo. 
> Função pública
Exercício de atividades da competência da Administração, 
em nome desta e de acordo com suas finalidades 
(atender ao interesse público). Toda função é atribuída e 
delimitada por norma legal. 
O desempenho da função pública pode ser atribuído à 
pessoa a partir de um cargo público ou não. Assim, a 
expressão ''função pública’' é utilizada para designar o tipo 
de vínculo de trabalho que as atividades são exercidas. 
Pessoas contratadas por tempo determinado, exercem 
função, mas não possuem cargo público. Sua relação com 
o Estado é contratual, mas não é regido pela CLT, portanto 
eventuais demandas contra a Administração são julgadas 
pela Justiça Comum estadual ou federal. 
> Emprego público
Quando a função é exercida com base em contrato de 
trabalho regido pela CLT. Assim, a pessoa tem a função 
(atividade), mas não ocupa cargo. Para a sua investidura 
é necessária a realização de concurso público. 
> Cargo público
Conjunto de atribuições e responsabilidades (exercício de 
função pública), criados por lei, em número determinado, 
com nome certo e remuneração específica. É atribuído a 
uma pessoa a partir de um ato administrativo: nomeação. 
O titular do cargo é caracterizado como servidor público 
estatutário e sua investidura se da a partir da realização 
de concurso público. 
Podem ser isolados ou de carreira: 
Cargos isolados não há progressão ou promoção, o 
servidor permanece no mesmo cargo ou na mesma 
situação funcional até a extinção do vínculo com o cargo. 
Cargos de carreira o servidor percorre diversas classes ou 
categorias da carreira (de mesma natureza) com 
mudança da condição funcional, geralmente com 
acréscimo de remuneração e responsabilidades. 
 Classificação dos cargos 
 Vitalícios 
A vitaliciedade tem previsão constitucional e garantem a 
permanência de seus ocupantes. A única hipótese de 
perda é por meio de processo judicial com decisão 
transitada em julgado. Atualmente, são cargos vitalícios os 
dos Magistrados, membros do MP e membros dos 
Tribunais de Contas. 
 Efetivos (concursados) 
Aprovados em concurso público, possuem uma pretensão 
de definitividade. Adquirem estabilidade se forem 
aprovados no estágio probatório que dura 3 anos de 
efetivo exercício. Podem exercer funções de confiança, 
com atribuições de direção, chefia ou assessoramento. 
A perda de cargo após a aquisição de estabilidade só 
poderá ocorrer (art. 41, parágrafo primeiro e art. 169, 
parágrafo terceiro, ambos da CF): 
- em virtude de sentença judicial transitada em julgado; 
- mediante processo administrativo em que lhe seja 
assegurada ampla defesa; 
- mediante procedimento de avaliação periódica de 
desempenho, na forma de lei complementar, 
assegurada ampla defesa. 
- quando a despesa com pessoal ativo e inativo da União, 
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios 
exceder os limites estabelecidos em lei complementar. 
Quando da perda de cargo a partir das hipóteses acima, 
trata-se de exoneração, não demissão, uma vez que não 
implica penalidade por infração administrativa praticada 
pelo servidor. 
 Comissão 
São servidores de carreira (atribuições de direção, chefia 
ou assessoramento), de livre nomeação e exoneração, não 
necessitando de concurso público. O ocupante tem vínculo 
precário, podendo ser exonerado ad nutum, a juízo da 
autoridade nomeante, e não adquire estabilidade. 
Página de 1 5
Auditoria Fiscal Isadora Dutra Rebelo
 Criação, transformação e 
 extinção dos Cargos Públicos 
A criação ou transformação do cargo publico ocorre por 
meio de lei, de iniciativa privativa do Presidente da 
República quanto aos cargos do Executivo, salvo quanto 
aos cargos do Congresso Nacional e das Casas 
Legislativas, que podem ser criados por resolução. 
Quanto ao Judiciário e aos cargos dos Tribunais de 
Contas, como também aos cargos de magistratura, a 
iniciativa cabe ao Tribunal interessado. No MP e para a 
criação de cargos no TCU, cabe ao seu Procurador-Geral 
propor ao Legislativo a criação de cargos para os 
membros do MP e do quadro de apoio. 
Quanto a criação e extinção de cargos no MPU, e suas 
respectivas remunerações ou subsídios, a iniciativa é 
privativa do próprio MPU por meio do chefe da instituição: 
o Procurador-Geral da República. 
No Poder Legislativo, a criação de cargos pode ser feita 
por Resolução, e a fixação do valor da remuneração e 
extinção de cargos deve ser feita por edição de lei, ou, 
quando os cargos estiverem vagos, poderá ser feito 
mediante decreto pelo Presidente da República. Nos casos 
de criação de cargo por resolução, o cargo só poderá ser 
extinto por resolução (paralelismo das formas). 
 Provimento, demissão 
 e exoneração 
> Provimento
É o preenchimento de um cargo público, feito a partir de 
um ato administrativo de caráter funcional, ato que 
materializa ou formaliza o provimento. 
> Demissão
Extinção do vínculo entre servidor e a Administração em 
virtude de conduta ilegal provocada pelo servidor, 
constituindo penalidade 
> Exoneração
Extinção do vínculo entre servidor e a Administração sem 
caráter punitivo, podendo dar-se a pedido do servidor ou 
por interesse da Administração. 
Quando do interesse da Administração, trata-se de 
exoneração ex officio, podendo ocorrer quando: 
- não aprovação no estágio probatório, no caso de 
servidor efetivo; 
- servidor que toma posse, mas não entra em exercício 
no prazo legal; 
- do cargo em comissão a critério da autoridade 
competente; 
- adequação das despesas de pessoal aos limites fixados 
na LC n. 101/2000. 
Página de 2 5
Auditoria Fiscal Isadora Dutra Rebelo
 Retribuições Pecuniárias 
A retribuição pecuniária devida ao agente público pode ter 
várias denominações e características, a depender de sua 
situação ou do cargo, podem ser: 
* Disponibilidade é a colocação do servidor estável em 
inatividade remunerada até o seu adequado 
aproveitamento em outro cargo, com proventos 
proporcionais ao tempo de serviço. 
* Recebem subsídio os membros dos Poderes, os 
integrantes do MP, Defensorias Públicas, Procuradorias 
dos Estados e do DF, Polícias, Corpo de Bombeiros e 
servidores organizados em carreira. 
* Não existe garantia quanto à irredutibilidade do valor 
real em relação ao vencimento básico e ao subsídio, 
sendo permitido pelo STF que a forma de cálculo seja 
alterada, desde que o valor total da remuneração ou do 
vencimento seja mantido no mesmo montante. Assim, 
pode ser suprida pela lei determinada vantagem e ser 
criada outra ou majorado o vencimento básico sem que 
ocorra ofensa à irredutibilidade que está prevista no art. 
37, XV da CF, desde que mantido o valor global da 
remuneração do servidor. 
* A remuneração dos servidores e o subsídio, somente 
poderão ser fixados ou alterados por lei específica, 
assegurada a revisão geral anual, sempre na mesma 
data e sem distinção de índices (trata-se do direito dos 
servidores públicos de terem as remunerações 
reajustadas anualmente. 
 Normas Constitucionais 
 aplicáveis aos Agentes Públicos 
 Acessibilidade aos Cargos Públicos 
Os cargos, empregos e funções públicas são acessíveis aos 
brasileiros que preencham os requisitos estabelecidos em 
lei, assim como os estrangeiros, na forma da lei. 
A CF não fixa o percentual dos cargos e empregos públicos 
para as pessoas portadoras de deficiência. Ela determina 
que a lei reservará o percentual e definirá os critérios de 
sua admissão. 
 Concurso