A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
12 pág.
Resumo DM

Pré-visualização | Página 1 de 6

1 Clínica Tayana Bastos – ATM 23 
Diabetes Mellitus 
Definição 
Grupo heterogêneo de distúrbios metabólicos que levam a 
hiperglicemia persistente 
Isso é influenciado por fatores genéticos, biológicos e ambientais. 
 
Fisiologia 
Ilhotas de Langerhans: 
- Cél β (55%): insulina, peptídeo C, proinsulina 
- Cél α (25%): glucacon, proglucagon 
- Cél δ (10%): somatostatina 
- Cél ε (3%): Grelina 
- Cél PP (5%): Polipeptídeos pancreáticos 
 
Causas 
- Secreção deficiente de insulina pelas cél β. 
Em geral por processo autoimune 
 
- Resistência a ação da insulina 
Frequentemente associado a síndrome metabólica 
- Combinação de ambos os fatores 
 
Reações de Anabolismo e 
Catabolismo 
Efeitos Metabólicos da Insulina 
Músculo 
- Aumento da captação de glicose e a.a. 
- Síntese proteica e glicogenogênese (estoque de glicose na forma de 
glicogênio). 
 
Tecido adiposo 
- Aumento da captação de glicose e lipogênese 
- Inibição da lipólise, redução da concentração plasmática de ác. 
graxos 
 
Fígado 
- Aumento da captação de glicose e inibição da glicogenólise e 
gliconeogênese 
- Estímulo a glicogenogênese 
- Aumento da síntese de TAG e a formação de VLDL 
 
 
 
Efeitos do Glucagon 
É um hormônio contrainsulínico. 
 
Músculo 
- Proteólise (discreta) 
 
Tecido Adiposo 
- Lipólise: formação de glicerol e ác. graxos 
- Energia, síntese hepática de VLDL e TAG 
- Formação de corpos cetônicos 
 
Fígado 
- Glicogenólise levando a gliconeogênese. 
 
Insulina e Glucagon 
Epidemiologia 
Atlas IDF 2019 
- Dados de prevalência de DM no mundo, em pessoas entre 20 e 79 
anos. 
- Hoje, 1 a cada 11 pessoas são diabéticas no mundo. 
- 1 a cada 2 adultos diabéticos não sabem que tem a doença. 
- 30 a 50% dos DIA são assintomáticos ou oligossintomáticos, por 
causa disso, há um atraso médio no diagnóstico de 4 a 7 anos. 
- Complicações não raramente presentes: Micro e macrovasculares, 
redução na qualidade de vida e aumento da mortalidade. 
- 3 a cada 4 pessoas com DM vivem em países em desenvolvimento. 
 
 
 
 
2 Clínica Tayana Bastos – ATM 23 
Classificação etiológica 
 
Diabetes Mellitus tipo 1 (DM 1) 
 
Déficit na produção da insulina, geralmente de forma absoluta, por 
destruição autoimune das cél. β 
 
Diabetes Mellitus tipo 2 (DM 2) 
 
Perda progressiva da secreção de insulina pelas cél. β 
Background de resistência insulínica 
Deficiência relativa de insulina 
 
Diabetes Mellitus Gestacional (DMG) 
 
Hiperglicemia diagnosticada durante a gestação 
É o estado de resistência insulínica fisiológico na gestação. 
Ausência de critérios claros para diagnóstico de DM antes da gravidez 
(Algumas diretrizes dizem que tem que ocorrer entre o 2º e 3º 
trimestre de gestação). 
 
Tipos específicos de DM por outras causas 
 
Doença do pâncreas exócrino 
- Pancreatite, trauma com lesão pancreática, infecções, fibrose cística 
(principalmente em crianças), pancreatectomia (por tumores, por 
exemplo) ... 
 
Endocrinopatias 
- Síndrome de Cushing, Hipertireoidismo, Acromegalia, insulinoma, 
Feocromocitoma... 
 
Drogas que interferem sobre a produção ou ação da insulina 
- Corticoides, TARV, imunossupressores, tiazídicos... 
 
Infecções e destruição de células β pancreáticas 
 
Monogênicos 
- Diabetes neonatal, MODY (doença autossômica dominante, afeta 
indivíduos com menos de 25 anos, é um defeito genético na secreção 
de insulina, há pelo menos 6 subtipos de MODY e cada um tem suas 
características – heterogeneidade). 
 
Doenças genéticas 
- Síndrome de Prader-Willi e Síndrome de Down (que algumas vezes 
podem estar associadas a DM). 
 
DM tipo 1 x DM tipo 2 
 
O que eles tem em comum? Hiperglicemia 
O que tem de diferente? Quantidade de insulina (DM tipo 2, há uma 
resistência há insulina, então tem insulina mas ela não tem função, 
mas depois as cél. β sofrem falência e tem a redução da produção da 
insulina, dificilmente chega a uma insulinopenia absoluta como na 
DM tipo 1). 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Atenção! 
O fator de idade não é garantia de diagnóstico tipo 1 ou tipo 2 
 
Complicações Agudas 
 
Cetoacidose Diabética (CAD) 
Hiperglicemia + acidose metabólica + cetonemia 
Muitas vezes, é a manifestação inicial da doença em 25-35% dos DM 
tipo 1. Normalmente é uma criança, que chega com queixa de 
desidratação, muitas vezes, comatosa. 
É mais comum em DM tipo 1. 
É um quadro grave, de início rápido. 
Raro em DM tipo 2 (ocorre estado hiperosmolar não cetótico). 
tto: Corrigir desidratação, distúrbios eletrolíticos e acidobásicos 
 Reduzir a hiperglicemia e a osmolaridade sérica. 
 Identificar fator precipitante (infecção, trauma, omissão da 
insulina...) 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
3 Clínica Tayana Bastos – ATM 23 
Diabetes Mellitus Tipo 1 
 
Definição 
Ocorre a destruição seletiva das cél. β pancreáticas 
 
Epidemiologia 
Estima-se mais de 51 mil casos no Brasil 
A prevalência global aumenta +- 3% ao ano. 
A maior taxa de diagnóstico de DM1 e autoimunidade é no outono e 
inverno. 
 
Etiologia 
- Autoimune de origem poligênica (95% dos casos, é a DM tipo 1A) 
- Causa idiopática (5% dos casos, DM tipo 1B). 
 
Etiopatologia 
Pode surgir em qualquer idade: 
- Sem predileção por sexo, predomínio em brancos 
- Mais frequente em crianças e adolescentes (8-13 anos) 
- Instalação mais insidiosa em adultos (LADA – Diabetes autoimune 
“latente” do adulto) 
- Até o momento não existe prevenção para o seu desenvolvimento. 
 
Fisiopatogenia 
Fator Hereditário – Polimorfismos 
- HLA: DR3 e DR4. 
 
Fator Ambiental – “Gatilhos” (o paciente tem a predisposição 
genética e tem o fator ambiental que é um gatilho para se manifestar) 
- Infecções por vírus 
- Microbiota intestinal 
- Teoria da higiene (não expor o paciente a antígenos ambientais, 
seria prejudicial) 
- Componentes dietéticos (leite de vaca precocemente, cereais 
tardiamente) 
- Deficiência de Vitamina D 
- Pesticidas e nitratos 
 
Sintomas clássicos 
 
Poliúria (diurese osmótica), a glicemia > 180 mg/dL causa isso 
Polidipsia 
Polifagia 
Perda de Peso 
 
➔ Principalmente nos DM tipo 1, especialmente em crianças pois a 
doença se instala de forma mais abrupta (insulinopenia). E com 
adultos com DM autoimune (subtipo LADA), visto que costumam 
apresentar destruição mais lenta das cél. B, com o quadro clínico 
mais insidioso. 
 
Outros sintomas 
Enurese Noturna 
Inespecíficos 
- Parestesia transitória, visão turva, fadiga 
- Candidíase, infecções de pele 
 
Estágios da DM tipo 1 
 
- Estágio 1: Detecção de autoanticorpos ANOS antes do diagnóstico 
de DM 1 e normoglicemia. 
 
- Estágio 2: Destruição da Cél. β e declínio da produção de insulina, 
há uma hiperglicemia com o peptídeo C ainda detectável. 
 
- Estágio 3: Hiperglicemia (destruição de 80-90% das cél. β) peptídeo 
C indetectável. 
 
➔ Crianças tem o avanço da doença mais rápida que jovens e 
adultos. 
 
Autoimunidade 
Anticorpos auxiliam no diagnóstico diferencial em casos atípicos 
(dúvida diagnóstica, especialmente > 30 anos) e em pesquisa médica 
(rastreio em alto risco). 
- Antidescarboxilase do ácido glutâmico (anti-GAD) é o que 
normalmente é pedido em exame por ser mais sensível. 
- Anti-ilhota (ICA) 
- Anti-insulina (IAA) 
- Antitirosina-fosfatase (IA-2 e IA-2B) 
- Antitransportador de Zinco (Znt8) 
 
→ Associação com outras doenças autoimunes 
Autoimunidade tireoidiana (Tireoidite de Hashimoto) presente em +- 
20% dos casos, sendo que 2 a 5% desenvolvem hipotireoidismo 
autoimune. 
- É indicado rastreio tireoidiano 
- Dosagem de TSH no diagnóstico de DM tipo 1 +- anticorpos (anti-
TPO e anti-Tg), caso o TSH normal, repetir esse exame a cada 1 a 2 
anos. 
 
Anticorpos antitransgluminase presentes em 10% dos casos (cerca de 
5% apresentam doença celíaca). 
- É indicado rastreio em crianças (IgA e antitransglutaminase IgA), 
caso o exame normal, repetir após 2 a 5 anos (antes, caso siga com