A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Vulgovaginites

Pré-visualização | Página 1 de 1

Ana Barasuol / T3 medicina uffs 
Vulgovaginites 
• Definição: Infecções da vagina, cérvice, trato 
genital superior e causas não infecciosas 
(agentes químicos ou irritantes, deficiência 
hormonal e doenças sistêmicas). 
• Quadro clínico: fluxo vaginal aumentado 
(leucorreia), prurido e irritação, podendo 
estar associados a cheiro desagradável e 
desconforto intenso. 
• Principais causas: vaginose bacteriana, 
candidíase e tricomoníase. 
• A secreção vaginal fisiológica tem predomínio 
de aeróbios (menos de 1% de anaeróbios), pH 
abaixo de 4,5 e menos de um leucócito por 
campo, eventualmente clue cells (célula epitelial 
vaginal escamosa recoberta com cocobacilos). 
Na flora patológica a quantidade de 
lactobacilos é pequena ou inexistente e os 
números de leucócitos e de bactérias 
aumentam. 
• Fluxo anormal sem agente infeccioso: mucorreia 
(aumento da secreção vaginal sem outra 
alteração macro ou microscópica, presente em 
5-10% das mulheres), vaginite atrófica 
(decorrente da deficiência de estrogênio, 
principalmente no pós-parto e menopausa), 
vaginite química, irritativa e alérgica (ex. duchas 
vaginais e espermaticidas). 
VAGINOSE BACTERIANA 
• Síndrome clínica polimicrobiana com ausência 
de lactobacilos e excesso de anaeróbios 
(especialmente Gardnerella vaginallis – bact. 
Cocobacilar). 
Associada à multiplicidade de parceiros e duchas 
vaginais. Não é IST, mas facilita a aquisição dessas. 
50-70% assintomáticas. As sintomáticas referem os 
sintomas após menstruação ou relação sexual. 
Diagnóstico: CRITÉRIOS DE AMSEL 
 
Whiff test: pingar 1 a 2 gotas de hidróxido de 
potássio (KOH) na secreção vaginal. Se surgir 
imediatamente um odor desagradável (peixe podre), 
positivo para vaginoses. 
*Outro escore (Nugent) considera o gram da 
secreção vaginal e do CP, visualizando-se as clue 
cells para diagnóstico. 
Tratamento: para as sintomáticas e assintomáticas 
que passarão por procedimento ginecológico 
(cesariana, histerectomia, inserção de DIU...). 
1ª escolha: METRONIDAZOL VO 12/12h POR 7 
DIAS (400mg). 
Observações: Metronidazol interfere com warfarin, 
então evitar VO / Pctes alérgicas o tto de escolha é 
clindamicina / Pctes com risco de descontinuação de 
tto administrar 2g VO em dose única de 
metronidazol / Em caso de recorrência, repetir os 7 
dias de tto / Actinomyces israeli é uma bactéria gram 
+ associada ao uso de DIU, especialmente os sem 
cobre. Nesse caso o tto é clindamicina ou penicilina 
VO (metronidazol principalmente gram -) / 
Gestantes sintomáticas ou com alto risco de parto 
prematuro, tratar com metronidazol VO 250mg 
8/8h por 7 dias / Durante lactação, medicações 
tópicas (metronidazol gel 0,75% 1 aplicador à noite 
por 5-7 dias). 
TRICOMONÍASE 
• IST causada pelo protozoário Trichomonas 
vaginalis. 
Período de incubação de 4 a 28 dias, alto poder 
infectante (tratar parceiro com mesmo esquema 
terapêutico). 
Clínica: secreção vaginal abundante e bolhosa, de 
coloração amarelo-esverdeada, prurido vulvar 
intenso, hiperemia e edema de vulva e vagina. 
 
Ana Barasuol / T3 medicina uffs 
Em gestantes está associada a ruptura prematura de 
membranas e parto prematuro. 
Diagnóstico: exame a fresco (organismos flagelado, 
ovoides e moveis – a mobilidade aumenta se a 
lâmina estiver aquecida). 
Tratamento: 1ª escolha METRONIDAZOL VO 2g 
DOSE ÚNICA (evitar álcool e relações sexuais por 
24h). 
Obs.: gestantes mesmo esquema terapêutico / 
recorrência metronidazol 500mg VO 12/12h por 7 
dias. 
VULVOVAGINITE FÚNGICA 
A CVV (candidíase vulvovaginal) é causada por 
espécies de Candida (90% C. albicans). 
Diagnóstico: clínico → prurido intenso, edema de 
vulva e/ou vagina e secreção esbranquiçada e 
grumosa. (pH normal (>4,5) e KOH (-)). 
Microscopia: hifas e pseudo-hifas. 
Classificação: 
 
Tratamento: baseado na classificação. 
1ª opção tópica: MICONAZOL creme, via vaginal, 
5g/dia por 7 dias. 
1ª opção sistêmico: FLUCONAZOL cp 150mg VO 
dose única (CVV complicada fazer 2 doses com 
intervalo de 72h). 
Gestação e amamentação: MICONAZOL creme, via 
vaginal, 1 aplicador/dia por 7 dias. 
CVV RECORRENTE: >4 ep de CVV no último ano. 
O tratamento da recorrência é variado. Estudos 
sugerem FLUCONAZOL (150mg, VO 
semanalmente) e CETOCONAZOL (100mg VO 
diário) por seis meses. Higiene cuidadosa da 
região e uso oral de lactobacilos.