A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
194 pág.
Livro - Fundamentos e Metodologia do Ensino da Lingua Portuguesa

Pré-visualização | Página 4 de 39

é uma característica de texto narrativo com sequências temporais.
Podemos analisar o gênero textual diário sob diferentes aspectos:
 2 quem escreve ‒ qualquer pessoa que queira relembrar o que fez em 
determinado dia e escreve para si própria.
 2 por que escreve ‒ para guardar suas memórias na forma de texto.
 2 onde circula o texto ‒ em cadernos específicos para isso. Antiga-
mente os diários eram lidos por amigos e parentes do escritor. Mas, 
geralmente, o diário costuma ser secreto.
 2 o que não pode faltar ‒ o relato das ações cotidianas do autor e 
algumas características formais: data, vocativo, despedida.
– 19 –
Conceitos e Princípios Básicos para o Ensino da Língua Portuguesa
Proposta de trabalho com a turma
Ao propor o trabalho com diário, o professor pode perguntar aos alunos 
como eles fazem para guardar recordações da vida e como o fazem. Podem 
trazer para a sala livros de literatura infantil, como O Diário Secreto de Sera-
fina (Cristina Michele Porto, Editora Ática)
São também famosos entre as crianças os livros da série Diário de um 
Banana (Jeff Kinney, V&R Editoras), elas se divertem com a leitura e se iden-
tificam com as situações e as emoções vividas pelo personagem principal, o 
garoto Greg Heffley. Assim, partindo da leitura dos livros (que poderão estar 
no “Cantinho da Leitura” ou disponíveis na biblioteca), o(a) professor(a) irá 
incentivar os alunos a registrarem, por meio de um diário, coisas do coti-
diano, e assim exercitarem a escrita.
Na proposta, o professor pode disponibilizar aos alunos um caderno 
com uma capa bem bonita e com o título “diário”, para que eles exercitem a 
escrita e registrem suas experiências diárias e os melhores momentos vividos. 
Ao solicitar aos alunos o diário pessoal, o professor pode lembrá-los de:
 2 colocar a data no alto da página;
 2 escolher uma forma de se dirigir ao diário, como por exemplo: que-
rido diário, amigo diário, entre outros;
 2 contar os fatos ocorridos de forma que, passado algum tempo, ao 
reler o seu diário, o aluno lembre dos acontecimentos e sentimen-
tos que a escrita despertou;
 2 usar uma linguagem informal e afetiva, como se estivesse conver-
sando com um amigo.
Atividade prática
Poesia
A poesia é um gênero textual que tem por finalidade despertar a sensibi-
lidade dos alunos para a arte das palavras.
O poeta José Paulo Paes, em seu livro É isso ali (2005, p. 5), diz: “a poe-
sia não é mais do que uma brincadeira com as palavras. Nessa brincadeira, 
Fundamentos e Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa
– 20 –
cada palavra pode e deve significar mais de uma coisa ao mesmo tempo: isso 
aí é também isso ali. Toda poesia tem que ter uma surpresa. Se não tiver, não 
é poesia: é papo furado”. 
Para o desenvolvimento do gênero “poesia”, sugere-se que o professor 
desenvolva uma atividade bem prazerosa, que consiste em:
 2 distribuir aos alunos folhas de papel e tintas guache de cores 
variadas;
 2 fazer com que os alunos ouçam a música Aquarela, de Toquinho;
 2 ao som da música, pedir que os alunos façam uma pintura com 
guache na folha de papel;
 2 cada aluno mostrará seu desenho aos colegas de turma e dirá o que 
a pintura representa (trabalho com oralidade);
 2 em seguida, os alunos serão instigados a escrever um texto que 
represente a pintura por eles realizada;
 2 o professor irá intervir no texto do aluno, sugerir cortes e, junta-
mente com o aluno, transformar o texto de prosa para poesia;
 2 explorar alguns elementos da poesia, como: versos, rimas, estrofes 
e sonoridade;
 2 fazer uma exposição do trabalho dos alunos;
 2 trabalhar outras poesias, de forma que o aluno seja capaz de escutar, 
ler, compreender, interpretar, declamar e produzir poemas.
Atividades complementares
Trabalhar os gêneros textuais
Como professores de língua portuguesa, devemos saber que apenas 
explorar as características de cada gênero textual não é suficiente para que o 
aluno tenha o domínio da escrita em determinado gênero discursivo. Como 
explica a linguista Beth Marcuschi, da Universidade Federal de Pernambuco 
(UFPE), “o que importa é fazer a garotada transitar entre as diferentes estru-
turas e funções dos textos como leitores e escritores” (MOÇO, 2009).
– 21 –
Conceitos e Princípios Básicos para o Ensino da Língua Portuguesa
Na prática, existem muitas formas de trabalhar os gêneros, mas é impor-
tante salientar que qualquer gênero pode ser trabalhado em qualquer ano; o 
que varia é a idade do aluno e a complexidade dos textos.
O desenvolvimento das habilidades de leitura e escrita depende do 
acesso que se oferece às pessoas a ambientes da cultura letrada. Assim sendo, 
atividades realizadas na escola ou na comunidade em que o aluno encontra-se 
inserido, poderão constituir-se elementos para o desenvolvimento da leitura 
e da escrita em práticas sociais. Para tanto, sugere-se o tema festas para que 
se implemente, em sala de aula, atividades de letramento que aproximem o 
aluno dos diferentes gêneros discursivos.
Atividade prática para trabalho com 
diferentes gêneros discursivos
Desenvolver com os alunos uma série de aulas tendo como objetivo 
ensiná-los a organizar o material e o conhecimento necessários para o plane-
jamento de textos sobre o tema festas, que podem ser desde as tradicionais, 
como quermesses, festas juninas, forrós, bailes de carnaval, micareta, bailes 
funk, festas da escola ou do município.
Vários gêneros textuais podem ser explorados a partir do tema festa, 
desde os panfletos distribuídos na época da ocorrência das festas, convites 
e propagandas, textos informativos (pesquisa, notícia, reportagem), den-
tre outros.
Panfleto
Panfleto pode ser definido como um “texto publicitário curto, impresso 
em folha avulsa, com distribuição corpo a corpo feita em locais de grande 
circulação” (COSTA, 2008, p. 146).
O professor poderá explorar o gênero panfleto explorando suas carac-
terísticas organizacionais e mostrar um exemplar do gênero, destacando que 
nele normalmente as frases são simples. Explorar também os elementos grá-
ficos de um panfleto, tais como molduras, imagens e fontes diferentes. Se 
houver possibilidade de manipular o panfleto em seu próprio suporte, os 
alunos devem perceber como o material utilizado geralmente é simples, já 
que panfletos estão associados a uma distribuição em larga escala. Espera-se 
Fundamentos e Metodologia do Ensino da Língua Portuguesa
– 22 –
que os alunos percebam que a função do panfleto é dar informações para o 
público sobre um determinado produto ou evento.
Convite
O aluno poderá aprender com este gênero:
 2 a reconhecer a função social de um convite;
 2 a ler e interpretar convites diversos;
 2 a identificar o objetivo de cada convite, por meio de modelos 
diversos;
 2 a produzir um convite de acordo com a função social proposta;
 2 a confeccionar um mural com os convites produzidos pela turma 
e ilustrá-lo.
Propaganda
O texto publicitário ou propaganda é um dos gêneros mais usados no 
ensino de leitura e produção de textos. Está presente por meio de inúme-
ros portadores, seja na mídia impressa (jornais, revistas, cartazes, prospectos, 
folhetos), seja na eletrônica (cinema, televisão, internet).
O aluno poderá aprender com este gênero:
 2 a identificar os recursos visuais utilizados na propaganda e com-
preender sua função: tipo e tamanho das letras, cores, ilustrações, 
tamanho do papel;
 2 a analisar criticamente mensagens publicitárias;
 2 a dominar o mecanismo e os recursos do sistema de representa-
ção escrita, compreendendo suas funções (persuasão, verbos no 
imperativo);
 2 a produzir textos adequados ao gênero, objetivo e interlocutor.
– 23 –
Conceitos e Princípios Básicos para o Ensino da Língua Portuguesa
Texto informativo
Os textos informativos têm o objetivo de

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.