A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Endócrino - Hipotálamo e Hipófise

Pré-visualização | Página 2 de 5

correspondente. Sua 
degradação é no fígado, com eliminação nas fezes ou urina. 
 
 Do ponto de vista estrutural, classificam-se em derivados de: 
 Aminoácidos, formando pequenos peptídeos ou até proteínas; 
 Esteroides; 
 Especificamente do aminoácido tirosina. 
 
 Do ponto de vista da localização dos receptores, classificam-se em: 
 Lipossolúvel; 
 Hidrossolúvel. 
 
DERIVADOS DOS AMINOÁCIDOS 
Derivados de Aminoácidos Catecolaminas, serotonina 
Dipeptídeos Tiroxina, triiodotironina 
Pequenos Peptídeos TRH, AVP, somatostatina 
Peptídeos de Tamanho Intermediário Insulina, hormônio da paratireóide 
Polipeptídeos Complexos Gonadotrofinas, TSH 
DERIVADOS DE PRECURSORES LIPÍDICOS 
Derivados do Colesterol Cortisol, testosterona, estradiol, vit. D 
Derivados de Ácidos Graxos Prostaglandinas 
 
A depender da composição química e estrutura hormonal, eles terão mecanismos, ações e meia-vida 
diferentes. 
OBS: a insulina é um exemplo de hormônio proteico, pois possui uma estrutura grande de 
aminoácidos. A ocitocina e o ADH são formados por apenas 9 aminoácidos, sendo assim um hormônio 
peptídeo e não proteico. 
 
 Importante! 
Percebe-se também que a tirosina é um aminoácido, mas por quê se faz necessária essa separação? 
A tirosina forma dois grupos diferentes de hormônios – os tireoidianos (T3 e T4) e os que serão 
liberados na suprarrenal (adrenalina e noradrenalina). Quando a tirosina forma a adrenalina e a 
noradrenalina, ela elimina seu radical hidrofóbico, ou seja, eles se tornam hidrofílicos. 
Entretanto, a manutenção do radical hidrofóbico durante a formação dos hormônios tireoidianos 
mantém a hidrofobicidade dos mesmos, de modo que T3 e T4 são lipossolúveis. Por isso ocorre a 
separação de hormônios especificamente derivados do aminoácido tirosina. 
 
É possível observar, na imagem abaixo, os hormônios formados a partir da molécula de colesterol. É 
possível ter a formação de progesterona, e a partir dela tem-se a formação de corticosterona e 
aldosterona. Além disso, a progesterona possibilita a formação de androstenediona, que dá origem à 
testosterona e estradiol (principais esteroides sexuais). 
A estrutura de cada um desses hormônios comprova sua origem a partir do colesterol, visto que 
todos eles possuem três ciclohexilas e uma ciclopentila, de modo que tal conjunto se repete em todos os 
hormônios derivados. Esse conjunto é chamado de ciclopentanoperidrofenantreno. 
 
Propriedades Específicas 
1. Hormônios derivados de esteroides: formados a partir do colesterol, têm dificuldade de circular 
livre no sangue, de modo que os hormônios hidrofóbicos precisam de proteínas de ligação para chegar até 
a célula alvo. Logo, esses hormônios ligados a proteínas plasmáticas possuem dificuldade para serem 
degradados (tudo que está ligado apresenta dificuldade para ser degradado, pois vão sendo liberados aos 
poucos), logo sua meia-vida é grande. Exemplos: cortisol, aldosterona, vitamina D, entre outros. 
 
MEDICAMENTOS A BASE DE HORMÔNIOS DERIVADOS DE ESTEROIDE 
Muitos medicamentos possuem como base o cortisol, outros possuem como base a aldosterona. 
Esses medicamento possuem uma meia-vida altíssima, logo, quem faz uso desses medicamentos receberá 
uma potência muito alta, ou seja, demorará muito para ser metabolizado. 
Isso acontece com os antiinflamatórios hormonais, os corticoides. Por isso os 
corticoides são perigosos e demandam uma observação clínica atenta antes 
de serem prescritos. A meia-vida pode chegar a até 100 minutos, em média. 
 
2. Hormônios derivados de peptídeos: aqueles que possuem origem em aminoácidos são 
hidrossolúveis. Possuem facilidade para transitar no sistema circulatório. Não necessitam de proteínas de 
ligação. Logo, se eles não estão presos a nenhuma estrutura, fica mais fácil para serem metabolizados. 
Exemplos: ACTH, GH, LH, FSH. A meia-vida desses hormônios é de 10 a 30 minutos, bem abaixo da meia-
vida dos hormônios esteroides. 
OBS: Todos os hormônios produzidos pela adenohipófise são hormônios hidrossolúveis, formados por 
aminoácidos. Aqueles produzidos pelo hipotálamo e que são levados até a neuro-hipófise também são 
hidrossolúveis (ADH e ocitocina). 
3. Hormônios derivados do aminoácido tirosina: dois grupos serão formados: 
 hormônios da tireoide - tiroxina (T4) e triiodotironina (T3). São extremamente hidrofóbicos, pois 
conservam o radical hidrofóbico da tirosina. A meia-vida é de uma semana; 
 hormônios liberados pela medula das glândulas suprarrenais – catecolaminas (adrenalina e 
noradrenalina). Não possuem mais o radical hidrofóbico, portanto a meia-vida é menor do que 1 minuto. 
Assim que eles caem na circulação, rapidamente agirão e serão degradados. 
4. Hormônios derivados de ácidos graxos: prostaglandinas e outros. Também possuirão uma meia-
vida relativamente longa. 
 Receptor 
Hormônios lipossolúveis  encontram o seu receptor de ação dentro da célula, pois conseguem 
atravessar a membrana celular. 
Hormônios hidrossolúveis  não vão conseguir atravessar a membrana celular, consequentemente 
vão encontrar o seu receptor na membrana. 
Na tabela abaixo, é evidenciada a localização dos receptores para os hormônios derivados de 
aminoácidos e colesterol. 
 
Como os hormônios derivados de aminoácidos são hidrossolúveis e não conseguem entrar na célula, 
a localização do receptor para esses hormônios será na membrana celular. O sítio de ação, portanto, do 
hormônio derivado de aminoácido, será na própria membrana. Uma vez que o hormônio encontra o 
receptor, tem-se o início da cascata de sinalização e o mecanismo vai ser dado através da formação de 
segundos mensageiros. 
Já os derivados do colesterol irão encontrar seu receptor dentro da célula, no citoplasma ou na 
região nuclear. Ao encontrar o seu receptor no citoplasma ou no núcleo, independente de onde ele esteja, 
o seu sítio de ação será no núcleo e, a partir daí, aumentará a síntese da fabricação de RNAm e, 
consequentemente, de proteínas. 
 Função 
 Crescimento e desenvolvimento: GH, TSH, insulina, hormônios sexuais; 
 Reprodução: LH, FSH, GH; 
 Regulação da disponibilidade energética: insulina, hormônio tireoidiano, glucagon; 
 Modulação do comportamento: corticosteroides. 
Principais funções exercidas pelos hormônios de forma geral: 
 Secreção 
 Exocitose 
 Proliferação 
 Apoptose 
 Fagocitose 
 
 Secreção 
 Parácrina ou autócrina: substância cai no meio intersticial. 
 Neurotransmissão: substância produzida por neurônio que atuará na célula vizinha. 
 Secreção neurohormonal: substância produzida por neurônio que cai na circulação sanguínea. Ex: 
ocitocina, ADH, adrenalina e noradrenalina (quando liberados na medula da glândula suprarrenal). 
 Hormônio: substância produzida por uma célula, a qual cai na corrente sanguínea e atinge uma 
célula alvo (a célula alvo expressa um receptor específico para o hormônio). 
 
 Tipos de Sinalização 
I. Hormônio com base aminoacílica se liga ao receptor na membrana e induz um processo de 
sinalização; 
II. Interação entre células (os receptores das células interagem, induzindo uma sinalização); 
III. Hormônio lipossolúvel penetra a célula e encontra o receptor dentro da mesma, induzindo a 
sinalização; 
IV. Passagem de gases da região extracelular para intracelular, induzindo a sinalização (ex: NO). 
 
 
 Mecanismo de Sinalização para Hormônios Hidrossolúveis (Proteína G) 
Os receptores acoplados à proteína G são chamados de receptores serpenteantes. A proteína G é 
uma proteína trimérica, composta pela subunidade alfa, beta e gama, sendo a primeira a maior delas. 
Quando em repouso, a subunidade alfa está associada ao GDP. Porém, essa configuração se altera pela 
troca de GDP por GTP devido à chegada do hormônio e a subsequente ligação dessa molécula sinalizadora 
ao receptor. A mudança provoca o deslocamento da subunidade alfa juntamente com o GTP e eles, na 
maioria das vezes,