Buscar

ESTUDO DE CASO EM LOGISTICA

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 88 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 88 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 88 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

ESTUDOS DE 
CASO EM 
LOGÍSTICA 
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA 
Apresentação da disciplina
Seja bem-vindo(a) à disciplina Estudo de Caso em Logística. A 
partir de agora, trataremos de conceitos introdutórios da gestão de 
custos, logística reversa, distribuição, transporte e armazenagem, de 
maneira a inseri-lo no contexto dos processos e operações logísticas.
Além disso, serão apresentados aspectos relacionados a compras 
e negociação; o uso da tecnologia da informação, bem como uma 
contextualização da logística no Brasil e no mundo.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA 
Introdução
Caro(a) estudante, seja bem-vindo(a) a esta unidade. Nela, você 
aprenderá sobre a logística, suas principais características e o mercado 
de trabalho para profissionais dessa área. Você pode se perguntar: 
como uma empresa se destaca ao desenvolver sua logística? Os 
profissionais e as organizações estão preparados para atuar na área?
Ao final desta unidade, você será capaz de:
 • conhecer o conceito de logística e sua importância em uma 
organização;
 • identificar as características das atividades.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Logística: conceito, atividades primárias e 
atividades de apoio
Você sabia que a logística teve início há mais de 3.000 a.C., com os egípcios, persas, 
fenícios, romanos, entre outros (RODRIGUES, 2011)? Essas civilizações desenvolveram a 
navegação, que permitiu a ampliação de comércio e fronteiras.
Muito tempo depois, durante o século XX, a Segunda Guerra Mundial (1941-1945) impulsionou 
o avanço das tecnologias. Além disso, a necessidade de reconstrução das cidades forçou 
as companhias a adotarem “novos” métodos de trabalho.
Durante a década de 1950, pesquisas realizadas por universidades levaram à adoção de 
práticas voltadas ao mercado consumidor. Entenda que, nesse período, a logística tinha 
um papel secundário ou atrelado a outros departamentos, como comercial e produção. A 
seguir, temos um resumo do processo de evolução da logística.
Era Período Descrição
1) Da fazenda 
ao mercado
Período anterior 
às guerras 
mundiais
Foco das atividades era simplesmente no 
transporte e armazenagem
2) Funções 
segmentadas
Até o fim da 
década de 50
Aparecem as atividades logísticas, mas elas 
ainda são vistas como funções diferentes 
dentro da organização. A influência militar 
começa a ser mais profunda, levando a 
desenvolvimentos da engenharia com foco 
na logística
3) Funções 
integradas
Início dos anos 
60
Abordagem mais sistêmica da logística e 
o conceito de custo total se popularizam. 
Existem um objeto de integração das 
atividades logística, mesmo que ainda de 
uma forma interna
4) Foco no 
consumidor Nos anos 70
A ideia de serviço ao consumidor passou a 
ser um ponto de debate importante, com o 
aumento da influência do Marketing
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
5) Logística 
como fator de 
diferenciação
No início dos 
anos 80
A logística passou a ser vista como um 
fator de diferenciação na empresa. Neste 
sentido, a visão estratégica da logística 
passou a ter peso dentro da firma. Conceitos 
como cadeia de suprimentos, canais de 
distribuição, eficiência e tecnologia de 
informação ganharam destaque
6) Expansão de 
fronteiras
Essa era diz 
respeito à 
metade da 
década de 90 
até os dias 
atuais
A percepção do cliente e seu 
comportamento diante do sistema logística 
passaram a ser levados em consideração. 
Surgem as redes logísticas, logística 
internacional e atividades multifuncionais
Fonte: Adaptado de Kent e Flint (1997 apud VIEIRA; RODRIGUEZ, 2011).
A logística começou a ganhar espaço dentro das empresas, a partir da década de 1980, 
como um elemento de diferenciação. Isso quer dizer que as empresas passaram a ver a 
necessidade de especializar seus processos, reconfigurando o setor de logística e dando 
nova roupagem a essas atividades.
Você deve entender que, especializando-se, a logística passou a conduzir as empresas a 
um novo patamar frente ao mercado. Nesse cenário, as empresas de transporte passaram 
a operar uma série de serviços especializados na área de distribuição.
Segundo Bowersox e Closs (2004), atualmente, a gestão de logística é uma ferramenta 
que possibilita ligar mercado, rede de distribuição, processo de produção e compras. Isso 
permite aos consumidores obterem um alto nível de serviço a um menor custo total. A 
seguir, trataremos da gestão da cadeia de suprimentos.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Gestão da cadeia de suprimentos: conceito; 
fi nalidades; requisitos e efeitos; tomada de 
decisão; cadeias de suprimentos efi cientes 
e de suprimento de resposta rápida; gestão 
estratégica dos processos (fl uxos puxados, 
empurrados e híbridos)
É fundamental você saber que o processo logístico é dividido em dois grandes grupos 
(BALLOU, 2015):
Administração de materiais Distribuição física
A maior parte dos custos logísticos 
concentra-se na atividade de transporte, 
principalmente na distribuição física. 
Corresponde a um conjunto de atividades 
existentes entre o ponto de fornecimento 
até a unidade industrial, tais como estoque, 
transporte e compras.
É um conjunto de ações 
compreendidas entre a unidade 
produtiva e o consumidor fi nal. 
Entre as principais atividades, 
podemos destacar: estocagem, 
processamento de pedidos e 
transporte.
A logística é responsável pelo gerenciamento de uma cadeia complexa, que vai desde os 
fornecedores, passa pelos processos da empresa e chega ao cliente fi nal. Alguns fl uxos 
importantes compõem essa cadeia, como recursos, informações e materiais (BALLOU, 
2015). É preciso entender que o processo logístico, em cada uma de suas etapas, tem se 
tornado essencial para que as empresas alinhem as demandas do mercado às suas ações.
Dessa forma, Martins e Alt (2006 apud FREITAS et al., 2010), destacam que o gerenciamento 
da cadeia de suprimento ou supply chain manegement revolucionou completamente as 
formas de comprar, produzir e distribuir bens e serviços, conforme fi gura a seguir.
FORNECEDOR
de segunda
camada F2
CLIENTE
de primeira
camada C1
EMPRESA
FOCO EF
CLIENTE
FINAL CF
CLIENTE
de segunda
camada C2
FORNECEDOR
de primeira
camada F1
Fonte: Fernandes (2008, p. 13).
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Segundo Cardoso (2014), hoje, um processo permite total integração entre todos os elos 
da cadeia, desde as fontes de matérias-primas até o consumidor final. Como você pode 
perceber, existe uma série de atores envolvidos no movimento da engrenagem logística. 
Compreenda que esse processo passa por um gerenciamento complexo, apoiado por 
tecnologias da informação, por meio de sistemas integrados, softwares, programas etc. 
Dessa maneira, é possível eleger os processos decisórios mais importantes para se obter 
o máximo desempenho (MAÇADA et al., 2007).
Para começar, compreenda que a busca por resultados e melhores desempenhos faz com 
que muitas empresas alinhem seus processos com foco na qualidade e conformidade, em 
relação ao nível de serviço, ou seja, a forma como atendemos nossos clientes. Por isso, 
é essencial entender como ocorrem os fluxos, suas necessidades e principais demandas.
Atualmente, o foco logístico está em promover processos, integrados de maneira a 
maximizar resultados, reduzir custos e aumentar o nível de serviço. Perceba que isso tem 
relação direta com a chamada cadeia de valor. É possível separar as atividades em duas 
classes (BALLOU, 2014):
Primárias ou principais Secundárias ou de apoio
Responsáveis por grande parte dos 
custos logísticos: armazenagem, 
transporte e gestão de estoque.
Apoiam as atividades primárias. São 
elas: embalagem, manutenção de 
estoque, separação, etiquetagem etc.
Diante do que foi exposto, podemos entender os níveis hierárquicos acerca da tomada 
de decisão: estratégico, tático e operacional. Conheça-os em detalhes na figura a seguir.
Nível organizacional
Alto
Estratégica
Tática
Operacional
Intermediário
Nível de supervisão
Tipo de decisão
Fonte: Adaptada de Montana (2011).
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICAO nível estratégico tem a autoridade da alta gestão, como presidência e diretoria, e é 
responsável pelas decisões de longo prazo, que precisem de altos investimentos, análise 
de mercado, desenvolvimento de novos produtos etc., por exemplo, a aquisição de uma 
nova frota de caminhões (ZOCCHE, 2011).
No nível intermediário, fica a parte tática, que remete a decisões de médio prazo quanto à 
utilização de recursos. Um exemplo prático é a terceirização de um serviço de distribuição, 
tendo em vista a falta de estrutura de transporte. Os envolvidos nesse nível são os gerentes 
e, dependendo da empresa, também inclui as coordenações (TERENCE, 2002).
Por fim, temos o nível operacional, que envolve supervisores, encarregados etc., e é 
responsável por decisões de curto prazo, isto é, as questões da rotina diária. Um exemplo 
é decidir o que deve ser feito quando um colaborador na área de expedição falta, o que 
pode atrasar a saída dos pedidos.
Entenda que esse processo passa a ser integrado a partir do momento que a tomada de 
decisão é delineada entre todos os envolvidos na atividade em questão. Isso significa que, 
quando um problema é detectado, os diferentes níveis hierárquicos buscam uma solução 
específica em conjunto.
Você deve perceber que o fluxo de suprimentos pode ser observado ao longo da cadeia 
logística. Ele começa nas fontes de matérias-primas e vai até uma unidade de negócio, 
como uma indústria. Esse fluxo é responsável pela manutenção dos níveis de produção e/ou 
vendas, e note que ele exerce um papel importante para a produtividade e competitividade 
da empresa. Podemos subdividir os suprimentos em dois tipos (BALLOU, 2014):
 • suprimentos para estoque: são itens de controle da demanda que agem como 
“amortecedores” entre suprimento e necessidades de produção;
 • suprimentos diretos para produção: são pedidos ao fornecedor, somente quando 
necessários. Esses materiais fluem em quantidades pequenas, se comparadas aos 
volumes dos suprimentos para estoques. Eles precisam de maior atenção por parte da 
administração, que deve aumentar comunicações ou acelerar os pedidos.
Sobre a gestão da cadeia de suprimentos também é importante não perder de vista as 
considerações de Cruz (2002), que afirma que o fluxo de materiais também está ligado 
à movimentação e ao armazenamento. Ele observa que as operações logísticas iniciam 
na etapa de carregamento dos materiais ou componentes do fornecedor e finalizam 
somente na entrega ao cliente do produto acabado ou semielaborado. Assim, é possível 
considerar que a logística agrega valor a todo o processo de movimentação, que se inicia 
já na etapa de compras iniciais de matéria-prima, por exemplo.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Gestão de estoques: conceito, finalidade; 
imprecisão, classificação, sistemas de 
controle, de reposição e de revisão 
contínua e periódica; lote econômico de 
compras (LEC); técnicas de administração 
(classificação ABC e contagem cíclica)
É crucial que as empresas planejem adequadamente suas demandas. Por isso, você deve 
entender a importância de uma boa gestão de estoques e armazenagem. Lembre-se, ainda, 
que a manutenção de estoques compõe um rol de atividades de alto custo dentro das 
empresas. É importante citar que, quando bem dimensionados, esses itens agregam valor; 
caso contrário, acarretam altos custos e riscos de perda de capital, como avarias e roubos.
Compreenda que o objetivo de uma boa gestão de estoques é adequar a demanda da 
empresa às aquisições. Sobre isso, Dias (2009, p. 7) destaca que “o objetivo, portanto, é 
otimizar o investimento, aumentando o uso eficiente dos meios financeiros, minimizando 
as necessidades de capital investido em estoques”. 
O planejamento de demanda precisa ser satisfeito, de acordo com um período em 
questão, cabendo, via de regra: curto, médio e longo prazo, de acordo com a política 
da empresa. As técnicas de previsão têm função fundamental para as organizações no 
processo de planejamento dos sistemas de produção, permitindo que os líderes planejem 
ações antecipadas (TUBINO, 2008).
Godinho e Fernandes (2010) afirmam que os métodos de previsão de demanda apresentam 
algumas características comuns e que os líderes devem entendê-las e aplicá-las:
 • comportamentos do passado se refletem no futuro;
 • exatidão de previsões diminui com o aumento do horizonte de planejamento;
 • confiabilidade do sistema de previsões é fundamental;
 • devem-se adotar os métodos mais simples de entender e usar;
 • erros de duas naturezas: inconstância do mercado e de escolha do método (devem 
ser minimizados).
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
O planejamento para curto prazo é baseado em dados operacionais, de acordo com 
as demandas rotineiras. Primeiramente, é importante, uma vez captada essa demanda, 
decompor essas atividades que, por sua vez, darão origem a demandas para várias 
áreas. Esse ponto é importante para a empresa, no sentido de entender se tem ou não 
capacidade de atendimento. Imagine uma empresa de distribuição em que, diariamente, 
ocorrem entregas e estas precisam ser finalizadas; como resultado, temos a garantia da 
manutenção dos níveis de serviços e excelência nos resultados.
Em médio prazo, faz-se necessária uma análise por meio de um planejamento agregado. 
Exemplo: uma transportadora, em período de sazonalidade, que irá exigir uma maior 
cobertura do mercado, a fim de atender total ou parcialmente as demandas do mercado. 
Vale lembrar que isso é algo imutável, ou seja, não podemos ir de encontro às demandas 
do mercado e, sim, satisfazê-las diante de nossas capacidades instaladas. 
Caro(a) estudante, você chegou ao fim desta aula, parabéns! Nela, você pôde ter contato 
com princípios que norteiam a logística em suas atividades básicas, aplicadas às suas 
operações. Para complementar seu aprendizado, não deixe de realizar as atividades que 
acompanham esta aula. Até a próxima!
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
A logística e a atividades operacionais
Objetivo(s)
Este estudo de caso tem por objetivo ajudar a compreender a importância da tecnologia 
aplicada às operações logísticas, além de identificar atividades ao longo da cadeia de 
suprimentos.
Introdução
A logística já é um tema muito difundido no meio empresarial, mas esse assunto remete, 
ainda, às civilizações antigas, em que conceitos rudimentares já eram praticados, como: 
estoque, transporte e movimentação.
Em meio à Segunda Grande Guerra, a logística ganhou notoriedade, associada às 
atividades militares, e muitos conceitos novos foram desenvolvidos, como planejamento 
estratégico e gestão de suprimento. O pós-guerra também é importante, já que as 
grandes potências da época intensificaram suas ações na reconstrução, e as empresas 
adotaram práticas logísticas.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Panorama e cenário
Diante das pressões de mercado, cada vez mais tem-se exigido das empresas novas 
formas de trabalho e posturas diante da sociedade que exerce influência significativa 
no consumo, no poder de influenciar, e isso requer um pensamento diferente e práticas 
condizentes com esses princípios.
Dessa forma, focar no nível de serviço, promovendo um correto transporte, evitando 
desperdícios, além de garantir produtividade, é o desafio de muitas empresas.
Situação inicial
Nesse contexto, uma empresa fabricante de pisos, presente na região nordeste, precisa 
tomar uma decisão sobre que tipo de transporte utilizar para vender determinado 
produto no mercado externo. Os desafios reinantes nessa proposição permeiam fatores 
relacionados com competitividade de diferenciais estratégicos, ou seja, como ofertar 
produto de maneira a atender às necessidades do mercado externo com garantias de 
qualidade e custo. 
Assim, a logística permeia várias áreas e uma decisão como essa deve ser pautada em 
dados, informações e conhecimento. Saber qual produto, a forma de armazenagem, 
aspectos técnicos/especificações, o país de destino etc. é fundamental para o resultado.
Somado a esses aspectos,um diferencial competitivo é a busca por excelência, a exemplo 
de um serviço de entrega que garanta comodidade ao cliente. Na Era da Tecnologia da 
Informação (TI), conectividade e mídias sociais precisam ser incorporadas às empresas 
prestadoras de serviços, saindo dos modelos tradicionais para entrar na vanguarda do 
desenvolvimento.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Dessa forma, o profissional de logística precisa estar atento às novas demandas do 
mercado e se remodelando constantemente, tendo em vista a evolução tecnológica, os 
novos métodos de trabalho e mudanças organizacionais.
Apresentação do problema
Há alguns anos, a logística passou a ser melhor compreendida pelas empresas, e hoje você 
a tem em vários segmentos especializados e, muitas vezes, em determinadas atividades, 
trabalhando em conjunto com outras empresas, até mesmo concorrentes, bem como 
exercendo parcerias em operações com grandes companhias. Um exemplo claro disso 
são os chamados operadores logísticos, que são empresas contratadas por uma indústria 
e, se for o caso, empresas especializadas e que desenvolvem atividades diversas ao longo 
da cadeia.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Imagine a necessidade de uma empresa em desenvolver o processo de distribuição de 
seus produtos ao longo do país. Qual é a melhor escolha, do ponto de vista de distribuição 
de produtos? Como manter-se competitivo no mercado externo? Como estabelecer um 
prazo de entrega condizente com o mercado?
Veja a complexidade de uma operação como essa, na qual você necessita contratar 
uma empresa para desenvolver parte ou o todo de uma atividade pela qual até então 
você era responsável, e precisa alinhar-se com esse prestador de serviços, a fim de 
manter seu nível de excelência - isso permite e continua ampliando os horizontes de 
atuação nesse mercado.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
A logística empresarial
Objetivo(s)
Este estudo de caso tem por objetivo identificar características do processo aplicado à 
gestão logística, bem como elencar as principais atividades de apoio.
Introdução
A visão de um processo logístico de forma global permite que as empresas tenham 
condições de analisar alternativas viáveis econômica e tecnicamente, permitindo a adoção 
de práticas melhores e garantindo competitividade. Essa visão macro das atividades tem 
por objetivo a obtenção de detalhes para uma melhor abordagem. 
Dessa forma, um processo de gestão da cadeia de suprimentos pretende fornecer 
produtos e/ou serviços melhores, com resultados que garantam melhores níveis de 
serviços, qualidade e baixo custo.
Entender o mercado consumidor é o desafio de grande parte das empresas no ambiente 
globalizado. Primeiramente, é importante entender detalhes dessas novas condições de 
consumo, tais como: padrões de escolha, conhecimento de produtos etc. Dessa maneira, 
conseguir operacionalizar essas questões, juntamente com o alinhamento estratégico da 
empresa, permitirá reter e desenvolver novos mercados. A falta de atenção para com o 
mercado consumidor pode ocasionar perda de clientes e até criar uma imagem negativa 
da empresa perante outros clientes e o mercado.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Panorama e cenário
Entender o processo logístico em sua totalidade é essencial para que possamos ajustar 
os processos ao longo da cadeia de suprimentos. As soluções logísticas de produtos e 
serviços precisam estar alinhadas com as especificidades dos clientes, pois, dessa forma, 
a empresa pode ofertar uma atividade customizada. Para cada atividade e/ou processo 
ao longo da cadeia, é importante observar cada etapa em níveis de detalhes, para que 
não ocorram distorções devido à falta de entendimento.
Nesse contexto, uma empresa do segmento industrial também desenvolve atividades 
de transporte e armazenagem. A empresa necessita ampliar suas atividades dentro 
do contexto empresarial. A gestão de estoques é uma das atividades importantíssimas, 
por parte dos gestores, para que se possam equacionar oferta e demanda e o desafio 
empresarial. Trata-se de uma das atividades que mais consomem recursos em uma 
operação logística. 
Situação inicial
Hoje, a empresa apresenta altos gastos relacionados à atividade de transporte, além de 
problemas operacionais. Dessa forma, os gestores observam a necessidade de mudanças 
urgentes, a fim de manter o negócio.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Apresentação do problema
Hoje, são inúmeros os desafios que cercam o profissional de logística em suas áreas de 
atuação, de maneira que as empresas precisam acompanhar as dificuldades de mercado 
a fim de garantir excelência. 
Considerando que você é o gestor da empresa e precisa solucionar essas demandas, o 
que fazer a fim de que a empresa foque na sua atividade-fim? Como o gestor pode atuar 
nesse sentido? Quais as competências necessárias? Então, como trabalhar essa vertente, 
tendo em vista a necessidade de atendermos aos clientes e produzir?
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA 
Introdução
Nesta unidade, estudaremos as estruturas logísticas empresariais, 
seus recursos e a composição de algumas delas. 
Ao final do estudo, você será capaz de:
 • compreender o funcionamento da gestão de armazéns;
 • conhecer os principais modais de transporte e suas características;
 • analisar o processo de gerenciamento da movimentação de 
materiais.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Gestão de armazéns e centro de 
distribuição: objetivo, finalidade, layout de 
armazéns, crossdocking e movimentação 
de materiais (objetivos e equipamentos)
O processo de armazenagem e, consequentemente, o manuseio e o controle dos produtos 
são componentes importantes e essenciais do sistema logístico, pois seus custos envolvem 
elevada porcentagem do investimento total logístico de qualquer empresa. 
A disposição física, ou layout, diz respeito à condição em que os postos de trabalho, 
materiais e equipamentos estão dispostos em espaço destinado à guarda de materiais, 
denominado almoxarifado ou depósito. A elaboração desse layout ou arranjo físico é 
um trabalho que requer entendimento de várias áreas, cujos objetivos são proporcionar 
utilização eficiente do espaço, otimizar o fluxo de materiais e de equipamentos.
Alguns fatores são condicionantes do arranjo físico, como tipo de material (químico, 
explosivo, tóxico, a granel, perecível etc.), tipo de embalagem (empilhamento), giro de 
estoque, volume e peso (próximo ao chão e à saída). Segundo Raiter (2012), otimizar o 
layout de um armazém pode resultar em diferenciais competitivos, desde o aumento da 
eficiência nas operações até a redução de gastos operacionais, além da melhoria dos 
níveis de serviços.
Dessa forma, cada estrutura será adequada em função da utilização, e essa organização 
é extremamente fundamental para o processo logístico. Dentre as principais estruturas de 
armazenagem, podemos citar:
Estruturas de 
armazenagem Vantagens Desvantagens
Infláveis
Vãos livres, sem tirantes 
ou tesouras; prazo de 
entrega curto; boa 
versatilidade; mobilidade; 
de fácil montagem; não 
são considerados edifícios 
construídos.
Custo de energia 
(insuflamento); pé-direito 
limitado; requerem portas 
especiais.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Estruturais
Fácil montagem; não são 
considerados área construída; 
flexibilidade, podem ser 
montados em qualquer 
tipo de solo; não requerem 
geradores nem portas 
especiais.
Controle de temperatura, 
dependendo do produto 
armazenado.
Pré-fabricados/
permanentes
Qualidade; durabilidade; 
baixa manutenção e alto 
valor agregado.
Demora na construção e são 
definitivos.
Os equipamentos de armazenagem devem ser utilizados de acordo com cada tipo 
de produto e usados adequadamente para arrumar mercadorias, matérias-primas e 
produtos acabados.
 • Estantes com prateleiras: são estruturas simples e usuais em diferentes operações; 
dão maior flexibilidade e facilidade em adaptações a diferentes condições de trabalho, 
por se tratarem de sistemas modulares.
 • Montantes (racks): são estruturas metálicas,montadas no próprio pallet, nas laterais 
ou em cruz, que permitem o empilhamento de um pallet sobre o outro, sem que o 
inferior suporte o peso do superior.
 • Porta-paletes seletivo: sistema de armazenagem que permite localização e 
movimentação de produtos com maior rastreabilidade e dinamismo. São estruturas 
modulares que possibilitam mudanças, por exemplo, em altura e dimensões, facilitando 
adequação em diferentes projetos. Vale destacar que esse tipo de estrutura precisa 
estar de acordo com projetos de estrutura, como piso e equipamentos adequados ao 
seu dimensionamento.
O correto dimensionamento de uma área de armazenagem é sinônimo de um correto fluxo 
nas operações de recebimento, armazenagem e expedição. Correia (2005) destaca que o 
êxito de um armazém é resultado de um correto projeto construtivo e dos equipamentos 
dimensionados, pois estão diretamente relacionados às atividades operacionais e aos 
gastos do processo. Desse modo, as seguintes áreas funcionais precisam ser contempladas:
a. recebimento e expedição: trata-se de um setor crucial à operação, pois, na maioria 
dos casos, são áreas comuns a ambas as atividades, requerendo muita atenção nas 
tarefas. Dessa forma, há a necessidade do correto dimensionamento das equipes, 
quantidade de docas, equipamentos utilizados etc;
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
b. armazenagem: compõe grande parte do armazém, ou seja, a área útil é utilizada, 
especificamente, para o processo de guarda de materiais. Nessa área, há necessidade 
de entender o mix de produtos, as formas de estocagem, o giro dos materiais etc. 
Larson (2002) estabelece três tipos de armazenagem: cada uma delas exercendo um 
papel estratégico e coexistindo no mesmo ambiente:
 • armazenagem aleatória: os produtos não têm ponto pré-determinado de guarda 
sendo dispostos onde há espaço;
 • armazenagem dedicada: os produtos são estocados segundo um endereçamento, 
permitindo, assim, rastreabilidade;
 • armazenagem mista: quando os dois processos são simultâneos.
Todas essas análises permitem aos gestores um correto dimensionamento dos espaços 
de armazenagem, porém, alguns aspectos merecem atenção. Segundo Carvalho (2012), 
o dimensionamento do armazém precisa ser pautado em alguns aspectos fundamentais, 
tais como: 
Área de 
armazenagem
Essa área pode ser subdividida em item de armazenagem 
aleatório e dedicado. O primeiro remete a uma 
armazenagem de definição de local ou endereçamento, 
sendo muito comum com produtos de alto giro. Já 
na armazenagem dedicada, os produtos têm locais 
predefinidos, sendo localizados por meio de um 
endereçamento.
Área de 
movimentação
Utilizada para tráfego de veículos usados na 
movimentação de produtos, como empilhadeiras, 
transpaleteiras etc.
Área de recepção
Dimensionada para o recebimento de mercadorias. 
Esse espaço ainda pode ocorrer por conta de diferentes 
processos, como, por exemplo, a repaletização, 
reembalagem, novo endereçamento, separação de 
pedidos etc.
Preparação Local onde os materiais são devidamente separados, seja por cliente, por rota, por volume etc.
Expedição O processo de entrega ao cliente deve seguir uma normativa da empresa, a fim de se evitar desvios.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
A partir dessas definições, são devidamente alinhados os espaços utilizados a fim de 
que a área total seja contabilizada. Um aspecto importante nesse processo é o correto 
parâmetro do que vem a ser área útil e área não útil. A área útil é definida como área de 
armazenagem, não incluindo corredores, áreas de circulação e administrativo. Portanto, 
essas últimas são denominadas áreas não úteis e não podem ser contabilizadas como 
áreas de armazenagem, às custas de graves problemas operacionais.
Um correto sistema de gerenciamento de estoques permitirá, segundo Sucupira (2004):
 • rastreabilidade das operações: por meio de um endereçamento, é possível encontrar a 
localização precisa dos materiais;
 • inventários físicos, rotativos e gerais: agilidade em inventários, sem ocasionar paradas 
no processo;
 • planejamento e controle de capacidades: um correto controle e análise das áreas de 
armazenagem, em especial as posições ociosas ou aguardando abastecimento;
 • definição de características de uso de cada local de armazenagem: esse processo vai 
de acordo com a estrutura e o tipo de material;
 • sistema de classificação dos itens: o uso de alguns sistemas de gestão de materiais é 
fundamental para um correto controle e auxílio à tomada de decisão;
 • controle de lotes, datas de liberação de quarentenas e situações de controle de 
qualidade;
 • separação de pedidos: picking;
 • interface com clientes e fornecedores;
 • cálculo de embalagens de despacho e listas de conteúdo;
 • controle de rotas e carregamento de veículos. 
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
O processo de escolha do local de armazenagem ou centro de distribuição é pautado em 
diferentes fatores condicionantes, a exemplo da proximidade do mercado consumidor, 
arredores de fornecedores, localidades com carga tributária menor, área de incentivos 
fiscais e outros. Alinhada a esses aspectos, há necessidade de um estudo amplo sobre o 
mercado de atuação, concorrência, estratégias empresariais etc. Moreira (1999), enfatiza 
que a localização visa a maximizar o resultado, obedecendo às restrições do problema 
específico em estudo, como, por exemplo, custo de frete. 
Somada a esses parâmetros, existe a necessidade de entender todo o aparato 
logístico que envolve o negócio em relação a transporte, pontos de escoamento de 
carga, distribuição física, atendimento ao cliente e tantos outros. Ballou (2006) destaca 
que gastos associados ao transporte e à distância percorrida têm sido os fatores 
condicionantes mais utilizados nos estudos sobre a seleção dos locais de armazenagem, 
principalmente, dos centros de distribuição.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Subsistemas típicos e sistemas de 
transportes: modais rodoviário, ferroviário, 
aéreo, aquaviário (marítimo e hidroviário), 
e dutoviário; meios de transporte 
(integração); panorama dos transportes no 
contexto nacional
Quando falamos em transporte, estamos dizendo que existem métodos para movimentar 
produtos. Essa operação é de grande relevância nas atividades das empresas de logística, 
bem como daquelas que fazem uso dessa atividade. Uma vez respeitados os parâmetros 
de operação, os modais proporcionam eficácia nas operações com tempo, rapidez e 
consistência na movimentação de produto, consequentemente, cumprindo aspectos 
relacionados à satisfação do cliente e à minimização dos custos.
O sistema de distribuição é composto por diversos tipos de movimentação, denominados 
modais. Vejamos alguns deles:
 • ferroviário: caracterizado por baixo custo para longas distâncias;
 • rodoviário: usado para produtos acabados e semiacabados, movimenta cargas de 
forma razoavelmente rápida, sendo o mais usado no mercado nacional;
 • aeroviário: transporte caro, mas garante mais a integridade da mercadoria e tem 
como característica a velocidade em longas distâncias;
 • hidroviário: usado, em sua maioria, para movimentar produtos a granel;
 • dutoviário: movimentação lenta, mas compensada nas 24 horas de trabalho ao dia.
Apesar dos enormes avanços, é importante entender que a logística brasileira ainda 
apresenta uma série de “gargalos”, ou seja, entraves que geram impactos financeiros 
consideráveis, caso não sejam tratados apropriadamente.
Tenha em mente que um dos grandes problemas do país é a matriz de transporte: cerca 
de 60% da movimentação de carga é realizada por meio do sistema rodoviário (BELÉM 
JÚNIOR, 2007 apud ARAÚJO JÚNIOR, 2010). A falta de infraestrutura das estradas, longas 
distâncias percorridas e a alta no preço dos derivados de petróleo também estão entre 
os problemas.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
0
100
200
300
400
500
Rodoviário
485.625
61,1%
Ferroviário
164.809
20,7%
Aquaviário
108.000
13,6%
Dutoviário
3.300
4,2%
Aéreo
3.169
0,4%
Total: 794.903 milhões(TKU)
Fonte: Confederação Nacional do Transporte – CNT (2018).
Entre as dificuldades, temos ainda o déficit nos investimentos em infraestrutura, que não 
passam da casa de 5% do PIB (CNI, 2014). Além disso, existem alguns problemas crônicos: 
 • falta de informatização de órgãos de fiscalização;
 • necessidade de melhoria das barreiras fiscais;
 • falta de pessoal capacitado;
 • falta de alternativas para transporte de carga, entre outros.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Distribuição física: canais de distribuição 
e níveis (produtor, agente, atacadista, 
varejista e consumidor); distribuição (um 
para um e um para muitos); relações 
entre intermediários e eficiência do canal. 
Avaliação de estoques: conceito, definições, 
métodos e tipos (custo médio, PEPS, UEPS e 
custo de reposição)
O atual cenário colabora para a multiplicação de empresas informais, que submetem 
trabalhadores a cargas de trabalho desumanas, como acontece frequentemente com 
caminhoneiros. A partir disso, pode-se compreender que uma regulação dos setores 
envolvidos nas atividades logísticas é necessária.
O fluxo de transporte é uma das atividades logísticas mais importantes, principalmente 
por consumir quase 2/3 dos custos totais associados à logística. Além de deslocamento, 
o transporte exerce a função de estocagem, em muitos casos permitindo a guarda e a 
conservação dos produtos até seu destino (BALLOU, 2014).
Em uma operação logística, o transporte é responsável pela distribuição de maneira que 
o fluxo começa no produto pronto em estoque até a fase de entrega ao consumidor final 
(LOUREZAN; SILVA, 2004; TEIXEIRA; LACERDA, 2010).
Alguns aspectos econômicos merecem atenção, pois afetam consideravelmente os fluxos 
de transporte (MACHADO, 1999):
 • distância;
 • volume;
 • densidade;
 • acondicionamento;
 • manuseio;
 • responsividade;
 • mercado.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Outro ponto a ser destacado é a escolha da modalidade de transporte. Note que os 
parâmetros comuns de análise para essa escolha são custo, velocidade e confiabilidade.
Nesta aula, foram estudados os principais aspectos relacionados à logística de 
distribuição, compreendendo características de transporte, movimentação e manuseio 
de materiais.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
A logística reversa como fator competitivo
Objetivo
Este estudo de caso tem como objetivo entender a importância da logística reversa e 
compreender a visão da conservação do meio ambiente a partir da logística.
Introdução
A evolução da logística nas empresas passou por uma série de etapas que levaram a 
avanços operacionais e de gestão. Diante desse fato, é preciso estar atento às demandas 
do mercado e às condicionantes de serviço, qualidade e custo. O processo de transporte 
parte de dois pilares importantes: o primeiro ligado à satisfação do cliente e o segundo, 
aos custos. Estes são determinantes para o processo em função dos altos investimentos 
associados ao transporte em comparação às atividades de armazenagem e estoque.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Panorama e cenário
Atualmente, a logística de compras é crucial nas empresas, sendo um fator determinante 
para o desempenho. Há muito tempo ela deixou de ser meramente comercial e passou 
a ser encarada como uma estratégia empresarial. Uma boa estrutura organizacional 
alinhada a um processo bem definido é uma combinação determinante para o resultado. 
Dessa forma, é necessário acompanhar todas as etapas do ciclo desde o recebimento das 
requisições (solicitações) até a avaliação da qualidade dos resultados. Assim, é possível 
garantir o êxito do processo e minimizar problemas como a necessidade de compras 
emergenciais, ingerências, falhas no fornecimento etc.
Situação inicial
O meio ambiente é encarado por muitas companhias como um elemento de diferenciação 
perante a sociedade. O cuidado com essa questão, quando aliado à cadeia de suprimentos, 
é caracterizado como logística reversa. A logística reversa parte da coleta de produtos 
usados, sem uso ou obsoletos, de forma a promover seu retorno à cadeia da forma 
correta, por meio de reciclagem, reúso, reaproveitamento etc.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Apresentação do problema
Nesse sentido, como você acredita que as empresas podem implementar práticas alinhadas 
a processos ambientalmente corretos? Que tipos de estudos podem ser necessários para 
realizar essa adequação?
Imagine uma empresa produtora de equipamentos eletrônicos, como televisores e 
celulares, que têm uma vida útil limitada e são constantemente substituídos pelos 
consumidores. Sugira um esquema de logística reversa para gestão do lixo eletrônico. Uma 
dica é pesquisar a Política Nacional de Resíduos Sólidos, inscrita sob a Lei n. 12.305/2010, 
do Ministério do Meio Ambiente. Lembre-se de que é necessário aperfeiçoar mecanismos 
de controle internos, tais como estoque, armazenagem e inventário. 
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA 
Custos logísticos e logística 
reversa
Introdução 
Nesta unidade, você aprenderá sobre as principais características da 
gestão de custos, assim como será apresentado à logística reversa 
como um diferencial competitivo.
Ao final desta aula, você será capaz de:
 • compreender os conceitos de gastos;
 • conhecer os principais custos logísticos;
 • apresentar a logística reversa e os canais de distribuição.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Custos com transporte
Os custos relacionados com transporte muitas vezes são colocados, por definição, como 
relacionados aos custos totais logísticos. Dessa forma, não está correta a afirmativa de que 
os custos logísticos envolvem apenas os custos de transporte, porém representam uma 
parcela significativa deles, cerca de 2/3 dos custos totais. Os custos com transporte envolvem 
todos os gastos com fretes do fornecedor para a empresa, da empresa para o cliente, e 
podem ser analisados por modal (rodoviário, aéreo, ferroviário, cabotagem, hidroviário), 
transportador, canal ou produto. Assim, a empresa, ao integrar um sistema de controle, 
passa a gerenciar de forma sistemática todos os gastos relacionados à consolidação de 
transportes, de maneira a obter economias de escala, maior competitividade e redução 
dos custos. 
Outra relação importante nos custos de transporte são as possibilidades de trabalhar com 
frota própria ou terceirizada. Muitas empresas optam por transporte terceirizado, tendo 
em vista a redução dos custos fixos, como, por exemplo, mão de obra, encargos, impostos 
etc., além dos custos variáveis do processo, como manutenção, combustível, entre outros.
Compreenda que o fluxo de transporte é uma das atividades logísticas mais importantes, 
principalmente por consumir quase 2/3 dos custos totais associados ao setor. Além de 
deslocamento, o transporte exerce a função de estocagem, em muitos casos, permitindo a 
guarda e conservação dos produtos até seu destino final (BALLOU, 2015). E, também, nas 
operações logísticas, o transporte é responsável por todo o fluxo, que começa no produto 
pronto, em estoque, até a fase de entrega ao consumidor final (LOUREZAN; SILVA, 2004; 
TEIXEIRA et. al, 2004).
Alguns aspectos econômicos merecem sua atenção, pois afetam consideravelmente os 
fluxos de transporte (MACHADO, 1999):
 • distância;
 • volume;
 • densidade;
 • acondicionamento;
 • manuseio;
 • responsividade;
 • mercado.
Outro ponto a ser destacado é a escolha da modalidade de transporte. Note que os 
parâmetros comuns de análise para essa escolha são custo, velocidade e confiabilidade.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
É importante você observar que a logística de transporte apresenta dois pilares importantes: 
o primeiro está ligado à satisfação do cliente, e o segundo, aos custos (VIRGENS, 2012). Note 
que o último é determinante para o processo, tendo em vista os altos custos associados 
ao transporte, em comparação às atividades de armazenagem e estoque.
Fonte: ILOS (2017, p. 74).
Note que os custos de transporte são associados aos principais fatores econômicos:• distância: componente principal, pois exerce influência nos custos variáveis;
 • densidade: tem relação com o espaço ocupado no veículo e peso da carga, a fim de 
maximizar a capacidade;
 • acondicionamento: dimensões e forma de unitização (se for o caso) são consideradas;
 • manuseio: norteia as atividades de carga e descarga.
O processo de transporte apresenta atividades operacionais importantes, que são 
desempenhadas rotineiramente. Entre elas, podemos citar:
 • liberação de carga;
 • expedição;
 • controle de veículos.
Lembre-se de que o passo a passo do desenvolvimento dessas atividades cabe à gestão 
desses processos, que contemplam: contratação de fretes, roteirização, serviço ao cliente 
e canais de distribuição.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Custos com armazenagem
É crucial que as empresas planejem adequadamente suas demandas. Por isso, você deve 
entender a importância de uma boa gestão de estoques e armazenagem.
Lembre-se de que a manutenção de estoques compõe um rol de atividades de alto custo 
dentro das empresas. É importante citar que, quando bem dimensionados, esses itens 
agregam valor; caso contrário, acarretam altos custos e riscos de perda de capital, como 
avarias e roubos.
Compreenda que o objetivo de uma boa gestão de estoques é adequar a demanda da 
empresa às aquisições. Sobre isso, Dias (2009, p. 7) destaca que “o objetivo, portanto, é 
otimizar o investimento, aumentando o uso eficiente dos meios financeiros, minimizando 
as necessidades de capital investido em estoques”. 
Na decisão de localização de instalações de distribuição, diante de diversas alternativas de 
local, de um ou mais CDs e instalações de crossdocking, o que importa é considerar o custo 
total de cada alternativa em exame, o que significa a análise das trocas compensatórias 
de custos entre armazenagem, transportes, manutenção de inventários etc. referenciadas 
a cada alternativa estudada (FARIAS et al, 2010).
Os custos de armazenagem incluem os gastos com abrigo de produtos, consolidação, 
transferência e agrupamento, exceto custos de manutenção de inventários, os quais 
não mudam com o nível de produtos estocados, mas, sim, com o número de armazéns 
utilizados. Esse montante, por sua vez, influirá nos níveis de estocagem. Se as instalações 
são alugadas, os custos são fixos e devem incluir, também, a mão de obra utilizada. Os 
custos de armazenagem incluem os custos de vender um produto em certo mercado, 
por meio da entrada e saída de um determinado armazém, mais os custos fixos das 
instalações (aluguéis, taxas etc.).
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Logística reversa: objetivos; finalidades; pós-
consumo (reciclagem, reúso e desmanche); 
pós-venda (reinserção do produto na 
cadeia produtiva); ganhos de imagem, 
aumento de competividade e redução de 
custos
Logística reversa é o ramo da logística responsável pelo retorno de produtos, embalagens 
ou materiais ao seu centro produtivo. Na década de 1980, o processo era contínuo, mas 
cessou a partir do momento em que os produtos passaram a ser descartáveis. 
Normas como a ISO 14000, voltada para gestão ambiental ou “logística verde”, partiram da 
percepção de que reciclar materiais é um ótimo negócio e estes passaram a se destacar 
como matéria-prima, deixando de ser vistos como lixo. No que diz respeito aos custos, 
as organizações que estimulam esse tipo de processo com novas iniciativas têm obtido 
grande desenvolvimento, melhoria e economia. 
Segundo Lacerda (2002, p. 15), o “processo de logística reversa tem trazido consideráveis 
retornos para as empresas.” Em uma visão mais ampliada, as empresas que possuem 
esse tipo de processo gerencial bem estruturado e organizado tendem a se destacar no 
mercado, pois atender os “ecoconsumidores” pode significar ser uma empresa diferenciada 
entre seus concorrentes.
As empresas preocupadas com as questões ambientais estão acompanhando o processo 
ou ciclo de vida de seus produtos. Exemplo disso é o projeto que consiste em coletar latas 
de alumínio e garrafas PET para reciclagem.
A logística verde ou ecologística age em conjunto com a logística reversa, 
no sentido de minimizar o impacto ambiental, não só dos resíduos na esfera 
da produção e do pós-consumo, mas de todos os impactos ao longo do 
ciclo de vida do produto. (DONATO, 2008, p. 32)
No Brasil, existe a Comanda n. 258, de 26 de agosto de 1999, que estabelece que as 
empresas fabricantes e as importadoras de pneus ficam obrigadas a coletar e a dar 
destino final, ambientalmente adequado, aos pneus inservíveis. Com isso, as organizações 
brasileiras têm que encarar esse processo como um “bem necessário”, pois necessita-se 
gerenciá-lo com um departamento específico.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Esse é um novo processo na área da logística empresarial, que tem como objetivo retirar 
produtos novos ou usados na cadeia de suprimento após sua venda e consumo. Dessa 
forma, agrega-se valor a eles no contexto econômico, social e ambiental. 
Logística reversa no Brasil
Conforme Balducci (2010), o momento atual da logística reversa no Brasil vai propiciar a 
inclusão de novas empresas e serviços nesse segmento de mercado, ampliando a geração 
de empregos e o desenvolvimento de novas ferramentas logísticas especializadas, e 
também incentivará o uso de materiais alternativos, reciclados e reaproveitados nos 
processos produtivos. Ainda, segundo o autor, o tema tem tomado, a cada dia, mais 
importância nas empresas e vários fatores têm estimulado o desenvolvimento da logística 
reversa nas cadeias produtivas, entre eles, podemos destacar os seguintes:
 • Econômico: em que se busca a agregação de valor ao bem, após o seu uso na forma 
original, tentando reaproveitá-lo na mesma cadeia produtiva ou encaminhando para 
mercados secundários que o utilizem como matéria-prima, evitando-se ao máximo os 
custos de preparação, tratamento e descarte.
 • Competitividade: tem permitido às empresas se manterem no mercado e, se possível, 
ampliarem a sua participação nele. Com a escassez de matéria-prima e as indústrias 
cada vez mais distantes das fontes, investimentos em pesquisas e desenvolvimento 
procuram outras formas de abastecimento em subprodutos de outras cadeias 
produtivas, materiais alternativos e resíduos, sem comprometer, no entanto, a qualidade 
dos produtos finais.
 • Imagem corporativa e responsabilidade social: têm obrigado as empresas a evitarem 
impactos na sua marca ou na relação com clientes, fornecedores e comunidades, que 
possam ser causados por um produto que interfira no meio ambiente e na coletividade. 
Também um eficiente e bem estruturado canal reverso pode, rapidamente, coletar e 
substituir mercadorias em desacordo com a expectativa do consumidor.
 • Legislação: deixa a cada dia as empresas mais expostas a uma nova era de mudança 
nos conceitos, obrigações e responsabilidades. Gradativamente, a legislação brasileira 
vai impondo compromissos aos produtores, que em alguns casos, já não se encerra 
nas portas nas lojas, expedições de fábricas ou nos centros de distribuição.
Para Balducci (2008, p. 18), “o produtor é o único responsável por seu produto, 
matérias-primas e embalagens, desde a criação, comercialização, uso, coleta, reutilização 
e, se necessário, o descarte adequado”. 
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
 Fonte: Adaptado de inpEV (2019).
Conforme o Ministério do Meio Ambiente (2010), o Brasil está a um passo de estender a 
responsabilidade sobre a destinação de resíduos sólidos para todos os geradores, como 
indústrias, empresas de construção civil, hospitais, portos e aeroportos. Foi aprovado no 
plenário da Câmara dos Deputados um substitutivo ao Projeto de Lei nº 203/91, do Senado 
Federal, que institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos. 
A política é inovadora por tratar da responsabilidade ambiental sobre os resíduos e ao 
estabelecer a logística reversa, além de trazer um ganho para a agenda da sustentabilidade 
do país. Aquele que gera o resíduo será o responsável por dar a destinaçãofinal, diz 
Teixeira (2010), do MMA.
Nesta unidade, você aprendeu aspectos relacionados aos custos totais logísticos, além 
dos principais pontos associados à logística reversa. Para complementar seu aprendizado, 
realize as atividades propostas.
Agricultor InpEV
InpEV
Postos Centrais Destinação final
Estabelecimento
comercial licenciado
Reciclagem
Incineração
Operador logístico
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Gestão de custos logísticos
Objetivo
Este estudo de caso tem como objetivo apresentar os principais aspectos relacionados 
à gestão de custos e suas definições, com base em um case prático, aplicado a uma 
empresa transportadora, e em como a logística reversa pode auxiliar nesse processo.
Introdução
Hoje, cada cliente precisa ter suas atividades mapeadas para um melhor entendimento das 
operações, bem como é necessário fazer ajustes em relação aos parâmetros contratados. 
Em logística, isso exerce um papel importante no que diz respeito ao nível de serviço. 
Aqui, temos um detalhamento de como são tratados todos os dispêndios financeiros da 
empresa, a fim de identificar essas variáveis associadas a cada operação logística.
Nesse contexto, em se tratando do setor de transporte, que representa mais de 60% 
da matriz, o meio ambiente é encarado por muitas companhias como um elemento 
de diferenciação perante a sociedade. Esse processo, quando desenvolvido em meio 
à cadeia de suprimentos, é caracterizado pela logística reversa. A logística reversa 
parte da coleta de produtos usados, sem uso, obsoletos etc., de forma a promover o 
retorno destes à cadeia com uma destinação correta por meio de reciclagem, reúso, 
reaproveitamento etc.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Panorama e cenário
Imagine, nesse contexto, uma empresa ligada ao segmento de transportes que precisa 
otimizar seus processos de maneira a promover melhor desempenho das atividades. 
Isso envolve diferentes aspectos, desde o retorno de produtos de clientes a sinergias de 
transporte, como a compra de produtos.
No segmento logístico, essa análise de custos e o gerenciamento total dos custos logísticos 
estão associados a diferentes operações e atividades.
Assim, temos os custos fixos e variáveis, bem como os custos diretos e indiretos. Os custos 
fixos não sofrem variações ao longo de um período e se repetem nele. Os custos variáveis 
sofrem com o aumento ou a diminuição de demanda, o que pode ocasionar mudanças 
em seu comportamento. Em outra classificação, temos os custos diretos, que estão 
intimamente ligados a uma atividade-fim; já os custos indiretos não exercem influência 
em um processo, quer seja manufatura ou serviço.
Situação inicial
Os principais custos associados às operações logísticas são custos de armazenagem, 
embalagem, transporte, tecnologia da informação e inventário. Eles precisam ser 
acompanhados, pois exercem influência significativa nas operações, o que denota a sua 
importância e será seu reflexo no final.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Os indicadores de desempenho são utilizados com o objetivo de controlar e monitorar 
processos produtivos. O número de indicadores não é sinônimo de alta gestão, mas, sim, 
a eficiência dessas medidas e a rápida tomada de decisão. Esses indicadores podem ser 
utilizados em diferentes etapas da cadeia logística, e, entre eles, temos indicadores de 
qualidade, produtividade, custos etc.
Hoje, a empresa passa por muitos problemas operacionais relacionados, como falhas, 
perdas e desperdícios, de forma que os custos operacionais têm elevado os gastos 
sistematicamente.
Apresentação do problema
Considerando o caso descrito, você, como gestor, precisa verificar a possibilidade de 
estruturar ações a fim de mitigar ou acabar com os problemas operacionais. Diante disso, 
quais tipos de controles passaria a monitorar? Como a logística reversa pode ser uma 
aliada nas operações de transporte?
Nesse sentido, como as empresas podem implementar indicadores de desempenho de 
forma a controlar melhor suas operações de transporte/frete? 
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA 
Compras e negociação
Introdução
Nesta unidade, você aprenderá que é possível melhorar o desempenho 
de uma empresa por meio do alinhamento dos objetivos da gestão 
de compras com suas estratégias de negócios. 
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Compras-objetivos, função e planejamento 
de aquisições
A gestão de compras é responsável pelo processo que garante o controle dos suprimentos 
necessários para uma empresa funcionar, além de lidar com o estoque dos produtos que 
são disponibilizados ao público.
Também é sua função estabelecer o fluxo dos materiais na empresa, pela relação com o 
fornecedor e a agilização da entrega. Quando um prazo de entrega não é cumprido, uma 
série de problemas é gerada tanto para o setor de produção quanto para o de vendas, e 
a função de compras pode reduzir a ocorrência desses problemas, além de alavancar os 
lucros da empresa. 
Mas o que fazer para otimizar a gestão de compras e estoque? Para isso, é necessário:
 • registrar corretamente as entradas e as saídas;
 • programar as compras;
 • padronizar os produtos e as descrições;
 • conhecer os fornecedores.
Tais atribuições demonstram a importância de ter profissionais qualificados na área para 
que a visão estratégica da empresa esteja de acordo com a gestão de compras.
Da mesma forma, o setor deve visar um processo de compras eficiente e equilibrado. 
Para tanto, são estabelecidas diretrizes conhecidas como os 5 pilares do gerenciamento 
de aquisições:
 • planejamento;
 • cotação de preços;
 • análise de produtos;
 • gestão de fornecedores;
 • análise de resultados.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
O gerenciamento de aquisições deve começar pelo planejamento, que consiste em 
definir o quê, quanto, como e quando adquirir algo dentro do projeto. Além disso, 
essa área atua com problemas que acontecem dentro das empresas, os quais se 
relacionam geralmente com a criação e o gerenciamento de projetos. Nesse contexto, 
para que tudo saia como planejado, a equipe responsável pelo setor deve passar por 
essa etapa de forma mais branda, sempre buscando caminhos que permitem cuidado 
e atenção redobrada.
Assim, para facilitar o processo e torná-lo menos problemático, é essencial, para o 
gerenciamento de aquisições, o detalhamento do escopo e o entendimento do fornecedor 
sobre o serviço contratado e que será entregue, reduz possíveis problemas. Considerando 
esse cenário, temos os seguintes envolvidos no gerenciamento de aquisição:
Vendedor Comprador
Fornecedor, contratada, subcontratada, 
prestador de serviços ou fornecedor.
Cliente, contratante, organização 
compradora, órgão governamental, 
solicitante do serviço.
Ademais, precisamos definir mais alguns objetivos do gerenciamento de aquisição: 
 • aumentar a eficiência em compras/aquisições; 
 • fazer o melhor uso dos recursos internos e externos; 
 • acelerar o cronograma, com a terceirização de um serviço ou a compra de algo pronto, 
em lugar de desenvolver internamente no projeto;
 • gerenciar/melhorar os custos; 
 • reduzir os riscos relacionados, já que podem ser grandes fonte de prejuízos.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
O planejamento das aquisições deve incluir também considerações sobre eventuais 
fornecedores, particularmente se o comprador deseja exercer algum grau de influência 
ou controle sobre as decisões de subcontratação. 
Assim o esquema a seguir demostra:
• Definir o que fazer ou adquirir; 
• Especificar produto/serviço; 
• Estabelecer critérios de avaliação; 
• Preparar pedido (RFP, RFQ, RFI); 
• Solicitar propostas.
Planejar o gerenciamento das aquisições
• Obter respostas dos fornecedores; 
• Selecionar fornecedor;
• Assinar contrato. 
Conduzir as aquisições
• Gerenciar as relações de aquisição; 
• Monitorar o desempenho do contrato; 
• Realizar mudanças e correções
 conforme necessário.
Controlar as aquisições
Fonte: Guia PMBOK® Sexta Edição (2017).
Planejar o 
gerenciamento das 
aquisiçõesConduzir as aquisições Controlar as aquisições
Nessa fase, é preciso 
documentar as decisões 
de compra e venda. 
Também é necessário 
especificar a abordagem 
e identificar os 
fornecedores em 
potencial, solicitando 
propostas a eles.
Depois de receber as 
respostas dos possíveis 
fornecedores, um deles é 
selecionado, e o contrato 
é, então, redigido e 
assinado.
A partir do momento 
em que o fornecedor 
passa a atuar, é feito 
o gerenciamento das 
relações de aquisição 
e o monitoramento do 
desempenho do contrato. 
Dessa forma, é possível 
empreender mudanças 
e correções, caso seja 
necessário.
Fonte: Adaptado de Guia PMBOK® Sexta Edição (2017).
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Seleção de fornecedores, preço de compra 
e garantia de entrega, horizontalização e 
verticalização; controle do processo.
O ato de comprar deixou de ser simplesmente o de efetuar uma cotação de preços. 
Segundo Bertaglia (2006), o processo de seleção de fornecedor não é simples. Uma vez 
que as exigências das empresas aumentaram, esse processo tornou-se mais criterioso, 
sendo ainda dependente das funções e características do item ou serviço. 
Nesse contexto, existem três características básicas a serem consideradas em um processo 
de decisão visando selecionar um fornecedor: preço, qualidade e serviço.
Fornecedores e clientes
A relação entre fornecedor e cliente precisa ser desenvolvida de forma que ambos estejam 
dispostos a planejar um conjunto de operações logísticas e de comercialização (CARLINI, 
2002). Portanto, as empresas precisam ter um desenvolvimento diferenciado para entrar 
no mercado, pois, para sobreviver em um ambiente competitivo, é necessário mudar de 
forma correta. 
A gestão efetiva dessa cadeia consiste em vantagem competitiva para as organizações 
que a compõem, uma vez que a concorrência acontece não mais entre empresas do 
mesmo ramo, mas, sim, entre as cadeias de suprimentos e o seu correto gerenciamento 
(LANGENDYK, 2002).
De acordo com Martins (2005), com o decorrer dos anos, a seleção de fornecedores 
vem ganhando cada vez mais importância. O aumento no valor dos itens comprados 
em relação ao total da receita das empresas, a aquisição de produtos de outros países 
viabilizados pela globalização a preços competitivos e a crescente velocidade de mudança 
de tecnologia, acompanhada por uma redução do ciclo de vida dos produtos, são alguns 
fatores que contribuem para o desenvolvimento do processo de seleção de fornecedores.
A SCM [Supply Chain Management, ou Gestão da Cadeia de Suprimentos] 
pode também ser considerada como a realização prática dos conceitos de 
logística integrada na busca de parcerias entre clientes e fornecedores, 
sincronismo da produção, redução dos estoques da cadeia, reorganização 
do sistema de distribuição e da melhoria dos SI e de gestão da demanda. 
(CARLINI, p. 41, 2002)
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Na hora da compra, a tomada de decisão se baseia na observação de alguns fatores 
cruciais, os quais são orientados em três categorias diferentes:
Quantidade Preço Funcional
Com a evolução dos 
mercados, é possível 
determinar a condição 
que indica a quantidade 
de produto a adquirir e 
como ele será utilizado. 
Dessa forma, o custo de 
produção é altamente 
influenciado pela 
quantidade de produtos 
adquiridos.
O desenvolvimento 
do mercado influencia 
diretamente o valor 
econômico do produto e 
outras exigências sobre 
caraterísticas.
A exigência funcional é a 
responsável por regular 
outras exigências, como 
alienação do produto, 
desempenho, dificuldade 
e aceitação no mercado 
e consumidor final.
Isso se deve ao fato de 
que o produto passará 
por níveis de satisfação 
ou práticos por parte do 
cliente.
O setor de compras evoluiu, e o que antes era apenas um setor que atendia a necessidades 
rotineiras se transformou em parte integrante dos processos logísticos nas empresas. 
Nesse sentido, o cumprimento de prazos em logística é um aspecto fundamental, 
diretamente ligado à necessidade de entregar o produto certo, no tempo estipulado, no 
local combinado e com o menor custo possível.
Dessa forma, embora oferecer prazos pequenos seja uma excelente maneira de conquistar 
clientes, isso também constitui um grande desafio, especialmente quando se fala em 
logística e infraestrutura do país e o modal a ser utilizado.
Fornecer essas informações ao cliente pode ser crucial na hora do fechamento de uma 
compra, por isso, fazer um bom planejamento das entregas pode ser uma das melhores 
formas de se destacar dos concorrentes e ganhar mais clientes.
Verticalização e horizontalização
A verticalização é a estratégia que prevê que uma empresa possa produzir – ou tentar 
produzir – internamente tudo o que puder. Foi predominante no início do século, época em 
que as empresas buscavam produzir tudo o que usavam em seus produtos.
Já a horizontalização usa a estratégia de comprar de terceiros o máximo possível de 
produtos ou serviços necessários para o produto final. Essa é a preferência das empresas 
modernas e vem se tornando um dos setores com maior expansão, já que é crescente o 
número de terceirizações e parcerias.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Vantagens Desvantagens
Horizontalização
Redução de custos.
Foco no principal produto da 
empresa.
Flexibilidade para definir 
volumes de produção.
Menor controle tecnológico.
Verticalização
Maiores lucros.
Maior autonomia.
Independência de terceiros.
Menor flexibilidade.
Fonte: Adaptado de ResearchGate (2012).
Os recentes avanços tecnológicos facilitaram o processo de gestão em uma organização 
e forneceram um sofisticado meio de acompanhar os processos de controle, o qual é 
composto de três etapas:
 • medição do desempenho real;
 • comparação do resultado com padrão;
 • execução da ação corretiva.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Processo de negociações com 
fornecedores: conceito e evolução 
histórica, objetivos, diferencial competitivo 
na gestão de cadeias de abastecimento 
e influência das diferenças culturais; 
técnicas, estratégias de negociação e 
comportamento ético.
A negociação deve ser um processo em que todos os envolvidos saem ganhando. Assim, 
além de se obter o melhor preço, é preciso estabelecer uma parceria de longo prazo, 
que entregará o que a empresa precisa, nas condições preestabelecidas e nos prazos 
combinados. 
Também é importante perceber que o menor preço pode até levar o fornecedor à falência, 
ou tornar a empresa compradora um cliente pouco interessante, pois pode não ser mais 
vantajoso negociar nessas condições. Tendo isso em vista, há ainda algumas orientações 
básicas para melhorar processo de negociação com fornecedores, como as seguintes:
 • não aceitar a primeira oferta;
 • ter contatos com diversos fornecedores;
 • sinalizar a antecipação de depósitos;
 • negociar mais do que somente preços.
O  relacionamento com os fornecedores é tão importante quanto com seus clientes, e 
isso pode ser um dos diferenciais que a organização deve utilizar para se destacar no 
mercado e satisfazer cada um dos seus consumidores, chegando a fidelizá-los antes da 
concorrência. Atualmente, fornecedor e cliente fazem parcerias nas quais se desenvolve 
um clima de confiança entre as partes, gerando vantagens para ambas, além de ganho 
mútuo e satisfação. 
Nessa relação, o fornecedor também pode ajudar no desenvolvimento do projeto de 
determinado produto, fazendo análises e trazendo melhorias para o processo produtivo 
de seu cliente. É possível garantir, dessa forma, a qualidade do produto acabado e, na 
maioria das vezes, pode ser celebrado um contrato de fornecimento mais duradouro.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
No entanto, esse tipo de parceria se exige um alto compromisso entre compradores 
e fornecedores, os quais devem ficar atentos às suas exigências mútuas: do lado 
do comprador, qualidade, preço, tecnologia e cumprimento dos prazos; do lado 
do fornecedor, a confiança em uma relação estável e rica. Além disso, a empresa 
compradora pode ofereceralguns benefícios ao fornecedor, como financiamento de 
projetos tecnológicos e oferta de programas de treinamento em áreas como gestão de 
qualidade e logística integrada.
Cadeia de suprimentos
Na cadeia de suprimentos, é desenvolvido um conjunto de atividades que envolvem 
os processos de compra, transporte, embalagem e distribuição, além de todo suporte 
necessário. 
A logística também faz parte da cadeia de suprimentos, mas, de forma especializada, é 
focada em transporte e armazenamento, além de aspectos de aquisição e fornecimento 
de bens e serviços
Dessa forma, a cadeia de suprimentos fica responsável por tarefas operacionais que se 
relacionam direta ou indiretamente ao produto. Nesse sentido, podemos citar depósitos, 
inventários, compras, entre outros, que são processos que abrangem desde a produção 
até a pesquisa de satisfação do consumidor.
A cadeia de suprimentos e a logística começaram com um projeto estratégico, na década 
de 1980, que envolvia aspectos como fornecimento de matéria-prima e distribuição para 
clientes e revendedores.
Ela abrange, portanto, operações mais específicas que são voltadas somente para a 
etapa logística, ou seja, transporte, execução, armazenagem, e logística reversa. De uma 
forma mais simples, ressaltamos que essa cadeia abarca o gerenciamento dos produtos 
até eles alcançarem o mercado. 
Entre os procedimentos da gestão da cadeia de suprimentos, estão o gerenciamento e a 
organização de todos os processos e fluxos da empresa que lidam com bens, serviço e 
finanças. Além disso, está prevista a intermediação entre o empreendimento com os seus 
parceiros e fornecedores, incluindo a transportadora.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
A cadeia de suprimentos bem organizada traz vários benefícios e, dentre eles, destacamos: 
 • produção otimizada;
 • redução dos custos operacionais;
 • diminuição do tempo do processo;
 • inovação empresarial.
Na cadeia de suprimentos, em que os materiais fluem desde os fornecedores aos clientes 
finais, os gestores medem a eficácia desse fluxo usando a métrica de entrega no prazo. 
Dessa forma, é possível oferecer uma garantia ao consumidor final de uma entrega mais 
rápida e eficiente desde o momento em que o cliente faz o pedido. 
Porém, a missão da cadeia de suprimentos não acaba quando o produto chega ao 
cliente, pois ainda é pedido o feedback sobre o produto e o serviço oferecido, que deve 
ser acompanhado, gerando um retorno significativo. 
Mudanças culturais
O estabelecimento de uma relação de confiança entre as empresas compradoras e 
vendedoras exige profundas mudanças culturais, sendo estabelecido um novo tipo de 
relacionamento, remodelado e distante de certos comportamentos adversativos, que 
possibilita relações colaborativas entre os diversos parceiros da cadeia.
Integrar as áreas de negócios e os parceiros comerciais, assim como a garantia de 
transação de produtos e serviços através das fronteiras nacionais, traz boas soluções, 
mas exige uma abertura diferente e uma abordagem multicultural, que, na maior parte do 
tempo, parece ser desprezada pelos executivos responsáveis pelos processos. 
Na gestão integrada da cadeia de suprimentos, as estruturas competitivas são substituídas 
pelas práticas colaborativas e, com isso, o que traz uma abertura de informações e 
possibilita a tomada de decisão conjunta, mostrando como a cultura organizacional pode 
ser importante e facilitar grandes desafios nessa empreitada. Apesar da dificuldade de 
manter esse tipo de relação, duas abordagens se destacam na literatura sobre o tema: 
cultural fit e competing values framework.
Nessa questão, há evidências suficientes sobre os aspectos comportamentais, moldados 
pela cultura nacional e organizacional e reforçados pelos indicadores de desempenho. 
Com isso, é evidenciada a relevância do sucesso de iniciativas na cadeia de suprimentos 
e sua melhoria nas relações empresariais.
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
A tabela a seguir mostra as principais barreiras encontradas para a integração entre 
as partes, além das peculiaridades que existem em nosso país e podem gerar impactos 
nesse processo.
Barreiras gerais para 
a integração Peculiariedades brasileiras
Culturais 
 • Cultura do país
 • Cultura 
organizacional
 • Indicadores de 
desempenho
 • Valorização da independência
 • Tendência à centralização de 
poder nas Instituições
 • Caráter “aventureiro”
 • Versatilidade e rápida adaptação 
e novas situações
Tecnológicas 
 • Incompatibilidade de 
sistemas
 • Complexibilidade dos 
fluxos de informação
 • Problemas 
na infraestrutura 
tecnológica
 • Falta de padronização na 
codificação
 • Predominância de sistemas 
proprietários
 • Baixa qualidade das conexões de 
internet e meios de telecomunicação
Operacionais
 • Falta de recursos 
humanos qualificados 
nos níveis operacional e 
executivo
 • Legislação 
inadequada
 • Infraestrutura e 
recursos restritos
 • Escassez de talentos
 • Inexperiência dos profissionais de 
logística
 • Complexidade da legislação 
brasileira
 • Prioridade ao planejamento 
tributário
 • Baixa qualidade da infraestrutura 
de transporte
 • Falta de variedade de modais
 • Serviços logísticos ineficientes.
Fonte: Ilos (2014).
ESTUDOS DE CASO 
EM LOGÍSTICA
Comportamento ético
Quando analisamos a ética no contexto das organizações, é importante entender que 
essa análise visa avaliar o quanto um determinado comportamento aproxima-se ou 
afasta-se de um comportamento tido como ideal. Portanto, a observância da ética nas 
empresas tem ligação direta com a tomada de decisões dentro dela. 
Andrade, Alyrio e Macedo (2007) relacionam tipos de comportamentos éticos e legais e 
chegam à seguinte conclusão:
 • há comportamentos que não são nem éticos e nem legais;
 • há comportamentos que são éticos, mas não legais;
 • há comportamentos considerados legais, mas não éticos;
 • há comportamentos legais e éticos, segundo os padrões estabelecidos.
As rotinas logísticas podem causar lucro ou prejuízo, afetando diretamente o bom 
funcionamento de uma empresa e/ou um setor. Por isso, agir com ética é um dos pilares 
para um bom administrador de logística. A ética profissional preza pelo cumprimento das 
obrigações e pelo atendimento correto dos clientes, dentro das normas estabelecidas, e 
traz valores como dignidade humana, autorrealização e sociabilidade.
Tecnologia da informação 
A tecnologia da informação traz algumas soluções voltadas ao ambiente das organizações 
e que estão se desenvolvendo rapidamente, trazendo maior segurança e eficiências para 
as empresas envolvidas. Na logística, existem alguns tipos de sistemas mais utilizados 
para realizar esses elos, controlar as operações e oferecer melhores níveis de serviço para 
os clientes.
Nesta unidade, você aprendeu sobre a gestão de compras e suas funções, além dos seus 
objetivos principais. Conheceu, ainda, quais são os requisitos básicos para a seleção de 
fornecedores; o que é a horizontalização, a verticalização da SCM e como ocorre o seu 
funcionamento; e viu como a tecnologia é importante na área logística. Faça as atividades 
que acompanham esta aula para complementar seu aprendizado.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Estudo do processo de seleção de 
fornecedores
Objetivo(s)
Este estudo de caso tem como objetivo apresentar o processo de seleção de fornecedores. 
Espera-se que os alunos compreendam os principais critérios para a seleção de 
fornecedores parceiros, por meio de entrevistas semiestruturadas, cuja análise deve 
ser realizada com base em dados de natureza qualitativa. Como resultado, espera-se 
contribuir com o processo decisório na escolha de fornecedores qualificados.
Introdução 
Novas formas de relacionamento e de operação entre clientes e fornecedores vêm sendo 
praticadas por empresas em busca de melhorias em suas cadeias, principalmente em 
virtude das mudanças no ambiente competitivo global. 
Segundo Viana e Alencar (2012), devido ao impacto que um fornecedor pode gerar no 
desempenhode uma organização, estas têm dedicado mais atenção aos métodos de 
seleção de seus fornecedores parceiros. As exigências por parte da empresa contratante 
têm se tornado cada vez maiores, ou seja, o processo decisório por um fornecedor parceiro 
é complexo, em razão da quantidade de critérios considerados, durante sua seleção e 
avaliação. Tomando por base esse contexto, veja o quadro a seguir.
Definição do problema
Formulação dos critérios
Qualificação
Seleção Final
Processo Decisório para Seleção de Fornecedores
• Comprar ou produzir internamente?
• Usar mais ou menos fornecedores?
• Substituir fornecedor atual?
• Quantos e quais critérios utilizar?
• Qual o nível de importância relativa desses critérios?
• Como medir as pontuações em relação a cada critério?
• Qual o desempenho mínimo aceitável para cada critério? 
• Quantos fornecedores contratar?
• Como fazer alocação de pedidos entre os selecionados?
Suporte de
Ferramentas
Qualitativas
Suporte de
Ferramentas
Quantitativas
Fonte: ResearchGate (2012).
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Panorama e cenário
A empresa Moriá Móveis e Eletrodomésticos Ltda. tem um faturamento que se enquadra 
na média em relação às outras lojas do mesmo segmento em sua cidade, mas apresenta 
um grande problema para escolher produtos e fornecedores.
O grande desafio, além de escolher produtos bons e com preços aceitáveis, é conhecer 
os fornecedores certos e as suas propostas. A empresa se vê com um grande problema 
quando os produtos começam a faltar na loja e, por isso, as vendas não são realizadas.
Dessa forma, a escolha dos fornecedores é muito importante para o negócio. Para o 
setor de logística de uma empresa, por exemplo, é fundamental considerar a localização 
dos fornecedores, pois ela representa geograficamente o ponto de partida dos bens que 
serão adquiridos. A distância entre o ponto de saída e o de chegada dos bens influencia 
no tempo que a empresa leva para adquirir as mercadorias fisicamente, bem como na 
confiabilidade de entrega (BALLOU, 1993).
Os principais critérios adotados para avaliação de fornecedores, conforme Chang e 
Hung (2010), são: custo, qualidade e desempenho na entrega. Porém, considerando-se 
a resposta dos clientes e o ajuste dinâmico, no ambiente competitivo atual, os critérios 
a serem considerados para a avaliação de fornecedores são: avaliação do serviço de 
atendimento e flexibilidade.
Alto desempenho no 
modelo de avaliação
Baixo desempenho no 
modelo de avaliação
Dimensão do 
modelo de negócio 
(exemplo)
• Prioridade de fornecimento
• Preferência Intermediaria
• Preferência intermediária
• Baixa prioridade
• Agricultura familiar
• Agronegócio
Fonte: Adaptado de Scielo (2011).
Situação inicial
Atualmente, ocorre um processo bem específico e organizado na avaliação de fornecedores 
da empresa Moriá Ltda.
Depois de feita a ordem de compra, existe uma planilha a ser preenchida – a planilha de 
avaliação dos fornecedores –, na qual consta o número de cadastro do fornecedor no 
sistema, o número de ordem de compra, o nome do fornecedor, a data em que a ordem 
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
de compra foi feita e a data a ser entregue (o dia em que a mercadoria foi faturada, pois 
podem ocorrer imprevistos com o transporte).
O responsável pela ordem de compra sempre combina com o fornecedor, por e-mail, 
o dia do faturamento do material, e essa informação é preenchida no campo “data 
programada” na planilha, pois se fosse a data de entrega na empresa, provavelmente 
haveria atrasos causados pelo transporte.
Alguns atributos que normalmente são utilizados
durante o processo de análise e seleção de fornecedores:
1. Pontualidade; 
2. Fornecimento com qualidade; 
3. Preço competitivo; 
4. Antecedente estável e confiável; 
5. Boa prestação de serviço técnico.
Seleção de Fornecedores
Fonte: SlidePlayer (2014).
Para Oliveira (2007), a melhor forma de definir os critérios para a escolha de fornecedor 
é por meio de combinações, dando prioridade àqueles que vão atender as carências do 
comprador. Na intenção de escolher os fornecedores de uma empresa, Martins (1999) 
acredita na capacidade da parte tecnológica, nos custos, no tempo e na forma de entrega, 
além da possibilidade de satisfazer as especificações do produto.
Apresentação do problema
A avaliação de prazos de entrega dos fornecedores é importante não só para a 
produtividade da empresa, mas também para atender o cliente no prazo definido. 
No entanto, isso não é o suficiente para obter satisfação com o fornecedor: é preciso 
qualidade em todos os processos que fazem parte da compra; dessa forma, é necessário, 
por exemplo, obter informações sobre os procedimentos realizados pelo fornecedor ao 
produzir o material que será comprado.
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
É possível citar, como um ponto de melhoria na planilha de avaliação de entregas, um 
gráfico informativo, que aponte os atrasos do fornecedor para ter uma visualização 
mais clara e ampla sobre seu comprometimento, garantindo que fique atento aos seus 
prazos. Para tanto, esse gráfico informativo poderia ser enviado no final de cada mês 
para esses parceiros.
Escolher bons fornecedores é uma tarefa dificil pois, quando se opta por fazer essa seleção, 
além de avaliar fornecedores nacionais, também existe a possibilidade de contratar 
fornecedores estrangeiros, seja pelo preço cobrado e pela qualidade do produto ou, até 
mesmo pela falta do item dentro do território nacional. Mas como manter esses cuidados? 
Como evitar futuros problemas? Vejamos alguns critérios:
 • verificação da idoneidade e da credibilidade do fornecedor;
 • levantamento da estabilidade financeira e da situação fiscal; 
 • análise da capacidade produtiva, ociosa e de instalação;
 • comparação do grau de competitividade da fábrica e do produto.
Portanto, seguindo alguns passos, é possível manter o cuidado na contratação dos 
fornecedores e evitar problemas futuros. 
Nesse contexto, como melhorar a ferramenta utilizada para análise de fornecedores da 
Moriá Ltda., para uma avaliação de fornecedores mais eficaz? Outras questões que surgem, 
nesse cenário: como escolher o fornecedor adequado para móveis e eletrodomésticos? 
Como classificar os fornecedores de acordo com os padrões estabelecidos?
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
A importância do departamento de 
compras para a saúde financeira da 
empresa
Objetivos 
Este estudo de caso tem como objetivo apresentar a importância do departamento de 
compras para a saúde financeira de uma empresa. Espera-se que os alunos compreendam 
as principais pautas apresentadas sobre o assunto, cuja análise deve ser realizada com 
base em dados de natureza qualitativa. Como resultado, espera-se contribuir com o 
entendimento sobre a importância desse setor.
Introdução
Para que administração seja mais eficiente, é necessário que a empresa esteja bem 
organizada. Para que isso ocorra da melhor maneira, o trabalho vem sendo dividido 
de acordo com atividades comuns: grande parte das empresas são estruturadas em 
departamentos e coordenadas por níveis hierárquicos, o que varia de acordo com o 
tamanho de cada organização, em um processo conhecido como departamentalização.
Segundo Lacombe e Heilborn (2006, p. 322), administrar é: 
[...] planejar, organizar, liderar, coordenar e controlar as atividades de uma 
unidade organizacional, empresa ou grupo de empresas, diagnosticando 
suas deficiências e identificando seus aspectos positivos; estabelecendo 
metas, planos e programas para sanar as deficiências e expandir e 
desenvolver os aspectos positivos; tomando, dentro do seu âmbito, as 
decisões e providencias necessárias para transformar em ações e realidade 
esses planos e programas, controlando os seus resultados, visando ao 
cumprimento das metas estabelecidas. 
ESTUDOS DE CASO
EM LOGÍSTICA
Administração de materiais e logística
O processo de compras – operação
Fatores que influenciaram o processo de compras
Informações
internas de
produção
 Departamento

Continue navegando

Outros materiais