A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
11 pág.
Sistema Digestório

Pré-visualização | Página 2 de 2

da lâmina própria 
tendo como continuação as gl intestinas, 
Cripta e gl intestinais estão na lâmina própria 
 
Submucosa - nódulos linfáticos, vasos, gânglio 
Camada serosa (ep pavimentoso simples + TC) ou adventícia (TC) 
Entre as faixas da camada muscular temos o plexo mioentérico. 
 
Diverticulite- alteração no desenvolvimento da parede do intestino grosso, ocorrem 
invaginações da mucosa e parte da submucosa, logo quando as fezes passam elas 
acabam adentrando a região obstruindo esse local causando forte dores – correção 
cirúrgica. 
Apêndice 
Estrutura tubular de fundo cego, 
Copia em menor dimensão do intestino grosso 
Grande quantidade de nódulos linfáticos na submucosa (não é chamado de placa de 
peyer) 
 
Reto e canal anal 
Estrutura tubular com série de pregas transversas, 
Presença de glândulas tubulosas com células caliciforme, 
Epitélio colunar simples revestindo internamente sendo. 
Na porção final do reto, temos uma transição epitelial. 
No canal anal temos as colunas anais e seios anais. 
 
Zonas: 
zona colorretal - colunar simples 
zona anal - entre colunar simples e um epitélio pavimentoso estratificado não 
queratinizado 
zona pavimentosa- pavimentoso estratificado pouco queratinizado 
 
Glândulas anexas 
❖ Pâncreas – porção exócrina 
Glândulas mista com porções bem definidas, 
Função: produz diferentes tipos de hormônio (porção endo – ilhota pancreática) e 
enzimas na porção exócrina. 
Grande produção de enzimas pancreáticas que são formadas por estruturas chamadas 
de ácinos, esses jogam seu conteúdo pra o lúmen, seguindo pra o ducto intercalar 
(entra no ácino seroso) que faz contato direto com a porção secretora. 
 
IMPORTANTE: apenas no pâncreas vemos ácinos serosos apresentando UM NUCLEO 
(diferencial) 
 
Presença de grânulos de zimogênio dando adicional proteico as enzimas produzidas 
As junções de adesão apical entre as células 
Presença de vasos que passam pela glândula e na porção exócrina temos vasos 
passando pelos septos para a nutrição da glândula para a chegada de hormônios, 
nutrientes. 
Conteúdo da porção exócrina não vai pra o sangue, passar por um sistema de ductos. 
Septos de TC dividem os lóbulos. 
 
Tipos de ducto 
Ducto interlobular - maiores e entre os lóbulos que se confluem para irem até o ducto 
pancreático (ducto maior). 
Ducto intercalar – adentra nos ácinos serosos 
 
 
 
Fígado 
Realiza absorção de substâncias, metabolização, 
Hepatócito - unidade celular do fígado (uni ou binuclear), se organizam em cordões de 
células que formam o lóbulo hepático. 
Entre os cordões temos os capilares sinusóides (recebe sangue arterial e venoso - 
maioria) 
Presença da veia centrolobular está na região central, é uma vênula, mas foi consagrada 
como veia. 
Os dois sangues se unem na região periférica, sendo o fluxo sanguíneo desses capilares 
é lento para facilitar a metabolização. 
 
Caminho da bile: A bile produzida pelo hepatócito passa pelo canalículo biliar, o qual 
conflui e forma o dúctulo biliar, os quais confluem formando uma estrutura maior 
presente no espaço porta que é o ducto biliar (epitélio cubico simples geralmente), que 
o leva até a vesícula biliar. 
Trato biliar : canalículo biliar, dúctulo biliar, ducto biliar. 
 
Espaço porta- área de tecido conjuntivo na periferia do lóbulo hepático, temos a 
presença da tríade portal (ducto biliar, ramo da artéria hepática (arteríola) e ramo da 
veia porta (vênula)). Neste espaço também pode aparecer vaso linfático. 
Espaço de disse - onde o sangue entra para ser mais fácil a metabolização dos 
hepatócitos, está entre a célula endotelial do capilar e o hepatócito. 
Macrófago hepático- no interior dos capilares sinusóides 
Capsula hepática - tecido conjuntivo geralmente denso 
 
OBS: sangue flui da periferia pra o centro, e a bile flui do centro pra periferia 
 
 
 
Vesícula biliar 
Órgão oco que armazena a bile, sendo concentrada aqui, possui cerca de 90% da água 
da bile absorvida a deixando concentrada. 
Projeções formam pregas e as invaginações formam seios/divertículos 
As pregas não são vilosidades e estão relacionadas com o aumento da área de retenção 
de bile. 
OBS: Mais bile armazenada menor a altura da prega. 
Canalículos e trato biliar revestido por Epitélio colunar simples – colangiócitos 
Camadas da bile 
 mucosa (ep colunar simples, lâmina própria de TC frouxo), 
 seios, pregas da vesícula biliar. 
 SEM muscular da mucosa 
 camada fibromuscular - TC e fibras musculares lisas, 
 serosa ou adventícia (vesícula em contato com o fígado)