A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
Infecções Respiratórias Agudas na Pediatria

Pré-visualização | Página 1 de 3

Joëlle Moreira - Turma 05
Pediatria
Infecções Respiratórias Agudas na Pediatria
	IMPORTÂNCIA:
· Elevada incidência, sendo a causa mais importante de idas a ambulatório e emergência ⤍ queixa mais importante
· Causa mais importante de causas inespecíficas, absenteísmo escolar
· Importante causa de óbitos no mundo de crianças <5 anos ⤍ Brasil: só perde para causas externas e doenças do período neonatal 
IVA ⤍ DIAGNÓSTICO SINDRÔMICO:
· Dificuldade para respirar
· Tosse
· Coriza
· Dor de ouvido
· Dor de garganta
· Estridor
· Obstrução nasal
· Taquipneia
SINAIS SEMIOLÓGICOS FUNDAMENTAIS:
· Taquipneia: SEMPRE que um paciente chegar com alguma queixa respiratória, a verificação da frequência respiratória deve ser feita!! Sem a FR o médico "não sabe nada" sobre o paciente. 
· Até 2 meses: ≥ 60 irpm
· De 2-12 meses: ≥ 50 irpm
· 1-5 anos: ≥ 40 irpm
· Estridor: não há necessidade de estetoscópio para a ausculta ⤍ ligada à inspiração (obstrução)
>> Localizam a infecção:
· IRA com FR normal ⤍ infecção das vias aéreas superiores
· IRA com estridor + FR variável ⤍ infecção das vias aéreas de condução extrapleurais (intermediárias) ⤍ laringe, traquéia e/ou brônquio
· IRA com FR elevada ⤍ infecção de vias aéreas inferiores (pulmão)
INFECÇÕES DAS VIAS AÉREAS SUPERIORES: .
Resfriado comum (nasofaringite ou rinofaringite aguda):
Etiologia: viral
· Rinovírus* ⤍ termossensível
· Coronavírus ⤍ termossensível
· Outros: influenza (gripe), parainfluenza (laringite aguda) e vírus sincicial respiratório (bronquiolite viral aguda) ⤍ todos esse vírus passam pela via aérea superior antes de chegar ao seu local de acometimento final ⤍ causam o resfriado por isso
Duração: 10-14 dias
>> Criança de creche normalmente tem 10 quadros de rinofaringite durante o ano.
Quadro clínico ⤍ quanto mais jovem a criança for, mais difícil a diferenciação do quadro de gripe x resfriado
· Coriza + obstrução nasal ⤍ cor e espessura da coriza não são indícios de infecção bacteriana ⤍ um muco que fique > 3 dias na via aérea superior já muda de cor (velho) pela presença de leucócitos e descamação epitelial
· Tosse ⤍ pior a noite (ao deitar) ⤍ acometimento da garganta e receptores para tosse (gotejamento pós nasal)
· Dor de garganta ⤍ sinal inicial do resfriado comum
· Febre ⤍ chegando até 40,5oC (graduação de temperatura não é indício de gravidade)
· Sintomas gerais ⤍ mialgia
Tratamento: Paliativo ⤍ sintomático
· Antipiréticos (quando necessário) ⤍ NÃO usar AAS (sd de Reye)
· Aumentar a oferta de líquidos ⤍ água!
· Desobstruir o nariz (soro 0,9%) ⤍ dar conforto e não deixar a secreção acumular ⤍ risco de complicações
· Orientações
· Não dar xarope porque criança < 1 anos NÃO podem consumir mel ⤍ usado no xarope
Prevenção:
· Isolamento respiratório ⤍ máscara
· Lavagem de mãos
Complicações:
⇒ Otite média aguda (5-30%):
Ouvido médio ⤍ cavidade pneumatizada ⤍ ar vindo da cavidade nasal (tuba de Eustáquio). 
Essa tuba também é responsável pela retirada de qualquer secreção que esteja no ouvido médio. Assim, se ela estiver obstruída pela coriza da rinofaringite, esse processo não ocorrer, e o muco ficará "preso" no ouvido. Isso permite a infecção bacteriana.
Manifestação clínica:
· Dor intensa (manifestação inicial) ⤍ aumento da pressão. Na criança pequena temos: resfriado por 3-5 seguido de muita irritação e choro
· Febre
· Otorreia
Inspeção: Otoscópio
>> Membrana timpânica normal: Transparente (ver cabo do martelo), brilhante e côncava
>> Membrana na OMA: hiperemia (aumento do fluxo sanguíneo), abaulamento da membrana timpânica** 
**Dado semiológico fundamental: maior sensibilidade e especificidade
Etiologia: Bactérias 
· Streptococcus pneumoniae (pneumococo)*
· Haemophilus influenzae (não tipável)
· Moraxella catarrhalis
Tratamento: 
· Analgésico + antipirético
· Antibioticoterapia ⤍ 10-14 dias
Uso racional do ATB:
· Idade
· Certeza do diagnóstico ⤍ abaulamento
· Gravidade ⤍ dor intensa, toxemia e febre alta (um pico de ≥ 39oC)
	Idade
	Certeza
	Dúvida
	< 6 meses
	Tratar
	Tratar
	6 meses - 2 anos
	Tratar todos
	Tratar apenas graves
	≥ 2 anos
	Apenas graves
	Observar todos
50% dos casos de OMA se resolvem espontaneamente
>> Se o médico optar por não tratar, ele é obrigado a reavaliar o paciente em 48-72h. Se o paciente manter sinais e sintomas ⤍ tratar!
	Grave
	Escolha
	Alérgico
	SIM
	Amoxicilina-clavulanato
	Ceftriaxona
	NÃO
	
Amoxicilina (2x dose ⤍ 80-90 mg/kg/dia)*
	Cefuroxima (sem reação anafilática)
Azitromicina (reação anafilática)
*criança de maior risco ⤍ que uso ATB em 60-90 dias, doença de base ou que frequente creche (mas não está errado iniciar em outras crianças)
Falha terapêutica
	Inicial
	Trocar por
	Amoxicilina
	Amoxicilina-clavulanato
	Amoxicilina-clavulanato, azitromicina ou cefuroxima
	Ceftriaxona parenteral
	Ceftriaxona
	Clindamicina e timpanocentese
	Efusão persistente
Após o TTO de OMA e retorno do paciente em 3 dias, já assintomático ⤍ membrana com presença de líquido (opaca) + imobilidade 
Após 10 dias ⤍ continua com o líquido ⤍ efusão persiste ⤍ líquido estéreo (ausência de pus e bactérias)
Após 90 dias ⤍ pode utilizar corticóide ou tubo de ventilação
Seguir observando o paciente ⤍ Reflexo de processo anterior
Conduta expectante
Complicação da OMA: Mastoidite ⤍ gravíssima!
É por aí que passam as meninges do SNC
Internamento!
TTO: Amoxicilina-clavulanato parenteral + drenagem
⇒ Sinusite aguda (5-13%):
Rinossinusite bacteriana aguda
Seios da face ⤍ cavidade aerada nos ossos do crânio
Óstio de comunicação da cavidade nasal com os seios da face
A criança já nasce com o seio etmoidal formada e pneumatizado ⤍ células etmoidais. Com o passar dos anos, os outros seios vão se formando
· Até 4-6 anos ⤍ a única sinusite possível é a etmoidal 
· Seio maxilar ⤍ 4-6 anos
· Seio frontal ⤍ Adolescência
Manifestações clínicas:
· Resfriado arrastado
· Coriza abundante e obstrução nasal ⤍ não importa a cor da coriza!
· Febre variável
· Tosse intensa, contínua, diurna e noturna
· NÃO há cefaleia ⤍ o único seio da face é o etmoidal
➺ Paciente que teve resfriado, que não melhora, há 10-14 dias, e que piorou ou manteve a tosse = sinusite bacteriana aguda!
Diagnóstico: CLÍNICO! (não pedir RX de seios da face)
Etiologia: Bacteriana
· Streptococcus pneumoniae
· Haemophilus influenzae (não tipável)
· Moraxella catarrhalis
Tratamento:
· Antipirético
· Solução salina nasal (mais importante ⤍ lavar muito)
· ATB (passado para evitar complicações) ⤍ terminar o TTO 7 dias após o término dos sintomas (total: 14-21 dias) ⤍ Amoxicilina (40-50 mg/kg/dia)
Se não lavar o nariz desse paciente, nem adianta prescrever ATB!!
Complicação da sinusite: 
Celulite orbitária: Infecção dos tecidos da órbita posteriores ao septo orbitário
Dor orbitária intensa + hiperemia e edema palpebral e de tecidos moles adjacentes + hiperemia e quemose conjuntivais + decréscimo da motilidade ocular + diminuição da acuidade visual + dor à movimentação + exoftalmia.
➺ Complicações: Diplopia, cefaléia, meningite, cegueira
Periorbitária ou pré-septal: Infecção da pálpebra e na porção anterior do septo orbitário
Dor à palpação + edema + calor, rubor ou pigmentação (aspecto violáceo no caso de H. influenzae) da pálpebra + febre. O paciente não consegue abrir os olhos
TTO:
Um oftalmologista deve ser consultado em caso de suspeita de celulite orbitária.
INTERNAR!! ATB de amplo espectro e drenagem do seio da face se não houver resposta ao ATB.
⤍ Amoxicilina + clavulanato ou Ampicilina + sulbactam
TC de seios da face ⤍ saber extensão do processo
Faringite aguda bacteriana:
Etiologia:
· Streptococcus beta-hemolíticos do grupo A (S. pyogenes) ⤍ 95% dos casos
· Outros
>> Na pediatria a prevalência da infecção bacteriana é maior em pacientes de 5-15 anos de idade. 
>> Criança < 3 anos é raríssimo haver uma infecção bacteriana da orofaringe.
>> 3 a cada 4 infecções da faringe são causadas por vírus. Ou seja, somente 25% das infecções da orofaringe são bacterianas. 
Manifestações clínicas: TODOS em 48-72h
· Febre + manifestações inespecíficas (dor abdominal