A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
28 pág.
empreendedorismo aula 01

Pré-visualização | Página 9 de 10

de mercado de um empreendedor é falha, ele só pode culpar a si mesmo por não ter 
entendido o mercado corretamente.
15
A Com esforço, as pessoas podem determinar seus próprios destinos.
B
Não há razão para gastar tempo planejando ou fazendo coisas para mudar o destino de uma pessoa: o que vai 
acontecer, acontecerá.
16
A Existem muitos eventos além do controle do empreendedor.
B Empreendedores são os criadores de suas próprias experiências.
17
A Não importa o quão duro trabalhemos, só realizamos o que está em nossos destinos.
B As recompensas que recebemos depende somente dos esforços que fazemos.
18
A A eficácia organizacional pode ser alcançada por meio do emprego de pessoas competentes e eficazes.
B
Não importa o quão competentes sejam as pessoas de uma companhia: se as condições socioeconômicas não 
forem boas, a organização terá problemas.
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., 
mais informações www.iesde.com.br
A Psicologia e os empreendedores
48
19
A
Deixar as coisas ao acaso e deixar o tempo tomar conta delas ajuda as pessoas a relaxarem e aproveitarem a 
vida.
B Sempre é melhor resolver as coisas do que as deixar ao acaso.
20
A O trabalho de uma pessoa competente sempre será reconhecido.
B Não importa o quão competentes sejamos: é praticamente impossível avançar na vida sem contatos.
Tabela de pontuação
1. Transfira seus pontos para a tabela a seguir.
Controle interno (ST) Controle externo (ST)
1 B 1 A 
2 B 2 A 
3 B 3 A 
4 B 4 B 
5 B 5 A 
6 A 6 B 
7 B 7 A 
8 B 8 A 
9 A 9 B 
10 B 10 A 
11 B 11 A 
12 B 12 A 
13 B 13 A 
14 B 14 A 
15 B 15 B 
16 B 16 A 
17 B 17 A 
18 A 18 B 
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., 
mais informações www.iesde.com.br
A Psicologia e os empreendedores
49
19 B 19 A 
20 A 20 B 
Total controle interno: Total controle externo: 
Divida o total do controle interno pelo total do controle externo.
Anote o resultado aqui: 
2. Reflita sobre a seguinte questão: por que você tem (ou pretende 
abrir) uma empresa? Quais são as necessidades pessoais que seriam 
atendidas por meio dessa atividade?
3. Assista ao filme Cidadão Kane (1941), de Orson Welles, e reflita sobre as características da 
personalidade de Charles Foster Kane, considerando os pontos a seguir.
 De que maneira a sua infância pode ter afetado sua vida adulta? Repare na relação da sua 
última palavra no leito de morte (rosebud ou “botão de rosa”) e a cena em que, ainda menino, 
é enviado para estudar ao encargo de um tutor.
 Qual poderia ser o verdadeiro sentido da construção de uma residência/castelo?
 Por que a opção por montar um jornal? Teria sido o personagem motivado por realização 
pessoal, poder ou afiliação? Como você vê a relação entre esses três motivos no personagem 
principal do filme?
Um resultado acima 
de 3,0 indica um alto 
nível de empreendedor 
interno, há elevadas 
chances de tais indi- 
víduos terem sucesso na 
atividade empreendedora. 
Um resultado inferior a 
1,0 indica que o indivíduo 
tem maior orientação de 
controle interno, portanto 
precisa tornar-se mais 
interno para ser capaz 
de iniciar e manter uma 
atividade empreendedora.
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., 
mais informações www.iesde.com.br
A Psicologia e os empreendedores
50
CALDEIRA, Jorge. Mauá: empresário do império. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
Esse livro apresenta a biografia de Irineu Evangelista de Souza, o Barão de Mauá. Trata-se 
de uma obra que permite entender os principais acontecimentos políticos e econômicos do final do 
século XVIII à segunda metade do século XIX, assim como conhecer a trajetória do primeiro grande 
industrial brasileiro.
GARCIA, Luiz Fernando. Pessoas de Resultado. São Paulo: Gente, 2003.
Nessa obra o autor tratou de verter para uma linguagem acessível ao grande público alguns 
conceitos-chave para o sucesso nos negócios.
MCCLELLAND, David C. Human Motivation. Cambridge: Cambridge University Press, 
2000.
Esse livro infelizmente só está disponível em inglês. Nele, o autor resume suas obras anteriores, 
revisa conceitos e permite ao leitor mergulhar em 50 anos de pesquisa sobre quatro tipos de motiva-
ção: realização, afiliação, poder e defesa. Obra fundamental para aqueles que queiram se aprofundar 
no tema da psicologia dos empreendedores.
MORAIS, Fernando. Chatô: o rei do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.
Livro biográfico. Recomendo sua leitura após Mauá: empresário do império. Trata da vida de 
Francisco de Assis Chateaubriand, o Chatô, empreendedor visionário mas de personalidade polêmica. 
Orson Welles chamou Chatô de “cidadão Kane da América do Sul” e este livro permite entender por 
que.
MYERS, Isabel B.; MYERS, Peter B. Ser Humano É Ser Diferente: valorizando as pessoas por seus 
dons especiais. São Paulo: Gente, 1997.
Esse livro possui uma linguagem simples e prática que permite entender a tipologia junguiana.
PINCHOTT III, Gifford. Intrapreneuring. São Paulo: Habra, 1989.
Apesar do título em inglês, o conteúdo foi traduzido para o português. O livro aborda as carac-
terísticas dos empreendedores corporativos ou intraempreendedores.
SCHULTZ, Duane P.; SCHULTZ, Sidney Ellen. Teorias da Personalidade. São Paulo: Pioneira 
Thomson Learning, 2002.
Nessa obra são apresentados, de forma muito clara e didática, os principais pensadores da teoria 
da personalidade humana.
Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., 
mais informações www.iesde.com.br
A Psicologia e os empreendedores
51
ANGELINI, Arrigo Leonardo. Um Novo Método para Avaliar a Motivação Humana. Estudo do 
motivo de realização. 1955. Tese (Doutorado em Psicologia). Universidade de São Paulo.
ANZIEU, Didier. Os Métodos Projetivos. Rio de Janeiro: Campus, 1978.
ATKINSON, John W. (Ed.). Motivational determinants of risk-taking behavior. Psychological Review, 
vol. 64, n. 6, p. 359-372, 1957.
______. Motives in Fantasy, Action and Society. Princeton: D. Van Nostrand Company, 1958.
BIRLEY, Sue; WESTHEAD, Paul. A comparison of new firms in “assisted” and “non assisted” areas 
in Great Britain. Entrepreneurship and Regional Development, v. 4, n. 4, p. 299-338, 1992.
DOLABELA, Fernando. Oficina do Empreendedor: A metodologia de ensino que ajuda a transfor-
mar conhecimento em riqueza. São Paulo: Cultura Editores Associados, 1999.
ENCICLOPÉDIA e Dicionário Koogan Houaiss Digital 2002. São Paulo: Delta, 2002.
GINN, Charles W.; SEXTON, Donald L. Growth: A vocational choice and psychological preference. 
In: VESPER, Karl H. (Ed.). Frontiers of Entrepreneurship Research. Wellesley, Massachusetts: 
Babson College, 1989, p. 1-12.
HIRSH, Sandra Krebs; KUMMEROW, Jean M. Introdução aos Tipos Psicológicos nas Organiza-
ções. São Paulo: Coaching Consultoria Estratégica, 1995.
HOY, Frank; HELLRIEGEL, Don The Killman and Herden model for organizational effectiveness 
criteria for small business managers. Academy of Management Journal, 25 (2), 1982. p. 208-322.
JONES, Edward E. et al. Attribution: perceiving the causes of behavior. Morristown, Nova Jersey: 
General Learning Press, 1974.
JUNG, Carl Gustav. Psicologia do inconsciente. In: ______. Estudos sobre Psicologia Analítica. 
2. ed. Petrópolis: Vozes, 1981. vol. VII.
______. Tipos Psicológicos. Petrópolis: Vozes, 1991.
KEIRSEY, David; BATES, Marilyn. Please Understand me: an essay on temperament styles. Del 
Mar, CA: Prometheus Nemesis Books, 1978.
MANUAL do Programa de Qualificação MBTI. São Paulo: Right Saad Fellipelli Transição de 
Carreira e Consultoria Organizacional, 2003.
MASLOW, Abraham Harold. Motivación y Personalidad. Barcelona: Sagitario, 1954.
______. Toward a Psychology of Being. 2. ed. Nova York: Van Nostrand Reinhold, 1968.
MCCLELLAND, David C. Business drive and national achievement. Harvard Business Review, 
40.4, p. 99-112, 1962.
______. The Achieving Society. Nova York: Free Press, 1967.
______. Testing for competence rather than for intelligence. American