A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
BIOMOLÉCULAS

Pré-visualização | Página 1 de 5

BIOMOLÉCULAS
	Primeiro, responda: que tipo de moléculas encontramos no corpo dos seres vivos? Pois bem, a água é o componente mais abundantes, independentemente da espécie. Mas voltemos nosso foco para os componentes ORGÂNICOS: Figura 1- este é um gráfico meramente ilustrativo, feito por mim, com o intuito de dar uma noção das proporções das biomoléculas.
	Nos ANIMAIS, as proteínas são mais abundantes; em PLANTAS e FUNGOS, carboidratos.
CARBOIDRATOS ou GLICÍDEOS ou HIDRATOS DE CARBONO ou AÇÚCARES
	São assim chamados porque, na sua constituição, possuem carbono, hidrogênio e oxigênio – fazendo existir um carboidrato hidratado – e a proporção entre eles é, respectivamente, 1:2:1 (CH2O)n. OBS: todos os carboidratos têm afinidade com a água.
	Quimicamente falando, os carboidratos são poliálcoois, com carbonila e podem apresentar as funções orgânica aldeído (sendo chamados de aldoses) ou cetona (sendo chamados de cetoses). De acordo com o número de carbonos são classificados em monossacarídeos, dissacarídeos, oligossacarídeos e polissacarídeos.
OBS: NÃO EXISTE CARBOIDRATO ESSENCIAL!!! 
OBS2: não adianta. Mesmo que você consuma carboidrato em excesso, não obterá saciedade.
	
MONOSSACARÍDEOS
	O número de carbonos dos monossacarídeos vai de 3 a 7 (3 ≤ n ≤ 7). A partir disso são divididos em:
· Triose (C3H6O3): #gliceraldeído #diidroxiacetona
· Tetrose (C4H8O4)
· Pentose (C5H10O5): #ribose (ATP contém ribose; encontrado sendo vendido como suplemento) #desoxirribose (C5H10O4 – é o único tipo de monossacarídeo que foge à regra geral de proporção). OBS: os nucleotídeos usados para construir uma cadeia de DNA contêm desoxirribose; já os que são usados para construir uma cadeia de RNA contêm ribose).
· Hexose (C6H12O6): #glicose (substrato energético) #manose (pode ser usada para produzir um adoçante chamado de manitol*, que não conseguimos absorver, no qual, no lugar da carbonila, há uma hidroxila #galactose (comumente encontrada na superfície de membranas, que chamamos de glicocálice) #frutose (é uma cetose; metabolizada rapidamente).
· Heptose (C7H14O7)
*O excesso de manitol pode ter um efeito laxativo, provocando a diarreia. Isso se deve porque ele atrai MUITA água, distendendo a parede abdominal, o que faz aumentar a frequência dos movimentos peristálticos.
DISSACARÍDEOS
	Os dissacarídeos são constituídos por dois resíduos de monossacarídeos – a ligação glicosídica é a que os mantém unidos. OBS: quando os seres vivos precisam romper essa ligação, é mais fácil romper a do tipo alfa α, pois é fácil de digerir/hidrolisar, ao contrário da ligação beta β.
#maltose: carboidrato mais comum do malte (muito utilizado na produção de bebidas alcoólicas, é uma solução rica em carboidratos, obtida ao colocar sementes albuminadas, como as da cevada, em contato com a água, o que estimulará o embrião a germinar e a produzir enzimas que digerem o amido; daí os pedacinhos do amido vão saindo da semente por difusão e ficando na água).
#celobiose: início da formação de celulose.
#sacarose: formada por um resíduo de glicose e outro de frutose; TODO e QUALQUER açúcar é fonte de sacarose; carboidrato mais encontrado na seiva elaborada de plantas. A sacarose é muito utilizada para produzir o adoçante sucralose (possui cloro e não conseguimos absorvê-lo e, por isso, muito usada por diabéticos).
#lactose: a enzima que a digere, lactase, é produzida pelo nosso intestino delgado, é formada por um resíduo de glicose e outro de galactose. OBS: um exame de sangue pode indicar se tenho ou não intolerância à lactose. OBS2: produtos “zero lactose” possuem lactose, sim – apesar de em uma quantidade menor, provavelmente –, mas têm a enzima lactase. OBS3: os queijos curados têm um baixíssimo nível de lactose.INTOLERÂNCIA À LACTOSE
· A lactose é encontrada, naturalmente, no leite materno (feito de pedaços das glândulas mamárias) – sua composição é moldada de acordo o processo evolutivo da espécie;
· Diferentes espécies de mamíferos têm diferentes demandas nutricionais – no caso dos humanos, o carboidrato é de grande importância.
1. Quando a lactose é INGERIDA, é DIGERIDA pela enzima lactase;
2. O intestino delgado de mamíferos tem a capacidade de notar a necessidade de produzir essa enzima em maior ou menor quantidade;
3. O leite materno humano tem a maior concentração de lactose;
4. A medida que envelhecemos, vamos parando de mamar e, assim, deixando de ter contato com a lactose, o que faz com que o nosso intestino delgado diminua ou cesse a produção da lactase;
5. No entanto, os brasileiros têm uma cultura alimentar muito associada aos lácteos – muitos consomem derivados do leite ou até o próprio leite da vaca;
6. Quando éramos selvagens, o único período que tínhamos contato com a lactose era quando mamávamos;
7. Então, nossos genes sofreram processos de adaptação: a norma é reduzir ou cessar a produção de lactase;
8. Mas, à medida que as migrações ocorriam, mutações aconteceram, em que a etnia caucasiana continuou a produzir uma quantidade significativa de lactase. De forma semelhante, aconteceu com a etnia árabe. ISSO não é o caso da maioria das etnias humanas;
9. Lembre-se que o povo brasileiro é miscigenado, e genes caucasiano foram trazidos para cá. É por isso que o percentual de pessoas que conseguem produzir lactase para digerir a lactose é alto.
ESSA REDUÇÃO DA PRODUÇÃO DA LACTASE ACONTECE EM TODOS, O QUE DIFERE É A PORCENTAGEM DE ACORDO COM AS ETNIAS (#MUTAÇÕES) E OS HÁBITOS ALIMENTARES.
OLIGOSSACARÍDEOS
	Os oligossacarídeos são carboidratos na forma de pequenos polímeros.
#rafinose ou trissacarídeo: presente na casca do feijão e no repolho.
#frutooligossacarídeos (FOS): atuam como prebióticos*.
OBS: certas plantas produzem, naturalmente, substâncias que contêm moléculas de oligossacarídeos que têm um gosto adocicado – um exemplo é a planta Stevia rebaudiana, de onde vem o adoçante Stevia.
*Os prebióticos servem de alimentos para os microrganismos que habitam nossa microbiota.
POLISSACARÍDEOS
De acordo com sua função, os polissacarídeos podem ser classificados em energético ou estrutural; de acordo com sua diversidade de monômeros, em homopolissacarídeo (um tipo de monossacarídeo) ou heteropolissacarídeo (dois ou mais tipos de monossacarídeos); de acordo com sua ramificação, ramificado ou não ramificado.
#amido: formado por dois polissacarídeos, amilose (não ramificado) e amilopectina (ramificada), unidos pela ligação glicosídica α, e por isso, demoramos a digerir o amido. OBS: plantas e algas* têm amido, formado no seu plasto, uma organela (ex: cloroplasto, amiloplasto, uma organela especializada em armazenar amido e é abundante no parênquima amilífero).
*No período diurno, plantas e algas produzem MUITO carboidrato, o qual acaba sendo armazenado na forma de amido.
ÍNDICE GLICÊMICO x CARGA GLICÊMICA
O índice glicêmico é a medida da velocidade com que a glicemia (concentração de glicose no sangue) se eleva. Já a carga glicêmica é a quantidade de glicose que uma determinada porção de alimento possui.
OBS: quanto mais subir a glicemia, mais rapidamente cairá e vice-versa, o que chamamos de efeito rebote - e não se engane, o SNC nota essa mudança. 
#glicogênio: homopolissacarídeo ramificado; formado naturalmente nas células dos animais e dos fungos quando chega excesso de glicose; em nós humanos, o glicogênio é formado no fígado e no músculo cardíaco e está dentro do citosol; forma-se ancorado à proteína glicogenina; quanto mais glicogênio, mais água é atraída. OBS: quando estamos nos alimentando, nosso corpo está aumentando os estoques de glicogênio, bem quando estamos em repouso; já quando estamos em jejum, nosso corpo está consumindo os estoques de glicogênio, bem como quando estamos praticando atividade física.
#celulose*: homopolissacarídeo (seu monômero é a glicose) não ramificado; ligação glicosídica β.
#hemicelulose*: homopolissacarídeo ramificado; conecta as fibras celulósicas.
#pectinas*: são como uma gosma, agindo como cimento; heteropolissacarídeos ramificados.
OBS: fibras alimentares solúveis