A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
75 pág.
Cabeamento estruturado

Pré-visualização | Página 19 de 37

colocar a cabeça e um dos braços. Ele só conseguia ver alguns centímetros à frente, e à medida que
sua mão cruzava os raios, tinha a sensação de estar tocando em teias de aranha.
Depois, seus dedos tocaram algo sólido. Um operário do último espaço-porto onde havia parado esquecera
uma ferramenta dentro do buraco, e ela estava flutuando e interrompia o curso dos raios. Mas quando seus
dedos a tocaram, a ferramenta se distanciou ainda mais. Wirejack estava indo o mais longe que podia dentro
do buraco, e sua respiração era ofegante. Sua consciência parecia desaparecer enquanto tentava agarrar o
objeto flutuante.
"Willy? Willy? Você está se sentindo bem?" Bill perguntou. Bill agarrou a mão de Willy ao vê-la próxima a
seu rosto. Bill falava muito alto, o que fez Willy recuperar a consciência ao mesmo tempo em que respirava
fundo aquele ar artificialmente resfriado.
"Ah, sim. O que aconteceu?" Willy perguntou.
"O calor no gabinete de fiação fez mal a você." Bill respondeu. Deve estar fazendo uns 120 graus lá, e você
estava praticamente dentro do gabinete tentando pegar aquela chave de parafuso que deixei cair. Tive que
puxá-lo."
Esse gabinete de fiação tinha sido muito mal planejado. Tratava-se de um antigo armário de serviço de um
prédio remodelado. No entanto, a remodelação não havia incluído a instalação de conduítes nas paredes
nem de um gabinete de fiação com condicionador de ar. A única qualidade do gabinete era sua localização
central. O gabinete continha um hub de fiação para 128 portas, um grande painel de derivação horizontal,
um painel de derivação vertical e uma fonte de alimentação permanente para o hub. O gabinete estava cheio
de fios e era muito quente.
"Vamos pegar alguns ventiladores." Willy disse com a voz ainda trêmula. "Vamos ventilar isso aqui até que
os raios mesônios fiquem alinhados."
Bill olhou para Willy de forma estranha enquanto ele bebia um copo com água e voltava para encontrar a
chave de parafusos perdida. 
O gabinete de fiação é um ponto muito importante para um sistema de cabeamento de rede, apesar de
muitas redes bem-sucedidas não o utilizarem. Em um pequeno escritório, a extensão total do sistema de
cabeamento pode ser um hub de fiação pendurado atrás de uma mesa, com os cabos indo diretamente
para as placas adaptadoras de rede local de cada nó. Mas em uma instalação com mais de doze nós, é
uma ótima idéia ter a flexibilidade de um gabinete de fiação como o mostrado na Figura 6.1. Em geral,
dentre os equipamentos contidos em um gabinete de fiação estão os seguintes: painéis de derivação apra
a fiação vertical, painéis de derivação para a fiação horizontal, hubs de fiação e outros dispositivos,
como fontes de alimentação permanentes.
Um gabinete de fiação pode ser do tamanho de um armário ou pode ocupar parte de uma sala de
equipamentos. Ele deverá ser facilmente acessível, mas como é um ponto vulnerável da rede, deverá
estar muito bem protegido. Alguém interessado em prejudicar a sua empresa pode desativar toda a
rede mexendo alguns segundos no gabinete de fiação. Independente de seu um armário ou parte do
escritório de alguém, um gabinete de fiação deverá ter uma excelente segurança física.
Em uma instalação ideal, cada gabinete de fiação é conectado a um ponto de conexão cruzada - uma
série de painéis com jumpers plugáveis. A conexão cruzada principal, também conhecida como quadro
de distribuição principal (MDF), normalmente faz parte de uma sala maior que contém servidores de
comunicação, servidores de arquivos e às vezes até mesmo as mesas das pessoas que trabalham nas
equipes de gerenciamento e de assistência técnica da rede. Obviamente, em muitas instalações a
conexão cruzada principal também é o único gabinete de fiação.
Neste capítulo, apresentaremos a relação existente entre os gabinetes de fiação e os outros elementos de
um esquema de fiação estruturado, mostraremos como planejar a localização e determinar o tamanho
de um gabinete de fiação, e descrevemos não só o equipamento contido no gabinete como também suas
funções. Apresentaremos detalhes sobre as diversas opções associadas aos diferentes esquemas de
cabeamento de rede, pois, apesar de a maioria das instalações serem superficialmente semelhantes, suas
características específicas variam muito.
Incluímos algumas observações práticas nas recomendações feitas nos seguintes padrões EIA/TIA:
• EIA/TIA 568. Commercial Building Telecommunications Wiring Standard. Padrão para fios
de telecomunicação em prédios comerciais. 
• EIA/TIA 569. Commercial Building Standard for Telecommunications Pathways and Spaces.
Padrão para espaços e áreas comuns de prédios comerciais. 
• EIA/TIA 570. Residential and Light Commercial Telecommunications Wiring Standard.
Padrão para fios de telecomunicação em prédios residenciais e comerciais de pequeno porte. 
No entanto, vale a pena lembrar que quando este livro ainda estava em fase de impressão, a EIA/TIA
planejava substituir esses documentos por uma série de padrões que utilizavam o prefixo SP. Por
exemplo, o EIA/TIA SP 2840 foi projetado para substituir o EIA/TIA 568. Entretanto, as descrições
técnicas são iguais, e as especificações antigas continuarão sendo aceitas durante muito tempo.
Esses padrões são importantíssimos para a sua biblioteca técnica. Você pode obter cópias deles através
da seguinte organização:
Global Engineering Documents
15 Inverness Way East
Englewood, CO 80112
800/854-7179 ou 303/267-147
Você irá pagar de US$ 50 a US$ 100 por esses documentos.
DICA
Se o seu técnico em instalação não estiver familiarizado com esses padrões, entre em contato com outro
profissional.
Um sistema estruturado de cabeamento, como os projetados pela AT&T, Northern Telecom, Amp,
Mod-Tap e outras empresas, contém uma descrição estruturada de cada centímetro de cabo, de todos
os conectores e de todos os equipamentos incluídos no sistema. Um sistema de cabeamento estruturado
começa com o cabo que conecta a tomada da parede à placa adaptadora de rede local. O sistema de
tomada de parede (conhecido em descrições mais sofisticadas como "saída de telecomunicação") é uma
parte importante da instalação, pois deve proporcionar as características elétricas corretas e deve ser
confiável para as centenas de conexões e desconexões que serão estabelecidas. Além desses requisitos,
esse sistema também deverá ser modular para que você possa mudar de opção de cabeamento à medida
que o sistema crescer.
O cabo que percorre cada tomada e o gabinete de fiação associado é chamado de fiação horizontal,
principalmente para diferenciá-lo da fiação vertical, que contém o cabo central existente entre os
gabinetes de fiação e o ponto de conexão cruzada principal do prédio. Obviamente esses termos são
genéricos - a fiação vertical na verdade pode ser horizontal como o restante do cabeamento. Em geral, a
fiação horizontal é formada por cabos de cobre, enquanto a fiação vertical central contém cabos de
fibra ótica.
O equipamento específico contido no gabinete de fiação deverá atender aos requisitos do tipo de
arquitetura de rede que está sendo utilizado, como Ethernet, ARCnet, token-ring, de telefone, IBM
3270 ou qualquer um dos diversos esquemas de fiação da Digital Equipment Corporation.
CONDUÍTES E CANAIS DE SUPERFÍCIE
Se tiver a sorte de estar trabalhando em um prédio projetado para acomodar uma rede, provavelmente
você terá conduítes - em geral tubos plásticos - entre as tomadas e o gabinete de fiação e entre os próprios
gabinetes de fiação. Esse conduíte tem muitas vantagens e desvantagens. Do lado positivo, se houver
espaço no conduíte, serão necessários apenas alguns minutos para instalar um cabo, cujo objetivo poderá
ser a substituição de outro mais antigo ou a melhoria da capacidade do sistema. Os conduítes, quando
novos, contém um cordão que ajuda o técnico a instalar o cabo. Alguns técnicos mais espertos conseguem
recolocar esse cordão depois que o cabo é instalado. A fita-guia também facilita a instalação do cabo.
Do lado negativo, os conduítes nunca têm espaço. À medida que as necessidades