Aula_14
3 pág.

Aula_14


DisciplinaPsicologia Jurídica9.492 materiais85.202 seguidores
Pré-visualização1 página
Universidade Estácio de Sá
Professora Antonia de La Cruz
 Curso de Direito
AULA 14
Objetivos: Rever a importância da Psicologia para a área do Direito;
Compreender os fenômenos psicológicos nas diferentes situações ligadas aos comportamentos intra e interpessoais;
Esclarecer dúvidas sobre o conteúdo das aulas ministradas até o momento.
"A MENTE" ou a "ALMA" ou a "PSIQUÊ" são imateriais demais para serem investigadas por algum método científico. Aquilo com que os psicólogos lidam de fato é o comportamento, que é bastante palpável para ser observado, registrado e analisado. Este ponto de vista é muitas vezes criticado por pessoas que dizem que esta maneira de ver as coisas omite importantes qualidades e aspectos da natureza humana. Tal objeção pode ou não ser verdadeira a longo prazo, e se transforma quase numa questão mais filosófica que científica. Não adianta discuti-la aqui. Vamos simplesmente concordar em que poderemos avançar até certo ponto, considerando apenas o comportamento, deixando para depois a demonstração das possíveis limitações dessa posição."
1.O texto só nos apresenta elementos suficientes para afirmarmos que:
(a)Não há método científico aplicável em psicologia, porque a MENTE é material e não pode ser sujeita a experimentos materiais;
(b)Não podendo estudar cientificamente a "PSIQUÊ", os psicólogos estudam o comportamento; mas o comportamento não é a pessoa toda, por isso a psicologia não pode ser científica;
(c)A psicologia não tem por objeto o estudo da ALMA, mas sim do comportamento, que é mensurável;
(d)Para haver ciência, é preciso haver observação e medida; não se pode medir diretamente a MENTE, logo, não há CIÊNCIA DA MENTE;
(e)É suficientemente conhecido pela maioria das pessoas que o estudo do comportamento não abrange importantes qualidades da natureza humana; a Psicologia é, pois, questão mais filosófica que científica.
2.Assinale a alternativa que se baseia exclusivamente nas informações que otexto lhe dá:
(a) A objeção de que o estudo do comportamento não abrange todos os aspectos da natureza humana pode ser verdadeira por muito tempo ainda;
(b) Se é verdade que o estudo do comportamento não abrange todos os aspectos da natureza, a psicologia pode ser considerada de natureza mais filosófica do que científica;
(c) Não adianta discutir se a psicologia é filosófica ou ciência; o melhor é concordar que há limitações no estudo do comportamento;
(d) Verdadeiro ou não o estudo do comportamento impõe limitações ao conhecimento da natureza humana, certo é que há muito campo para estudo científico, considerando-se apenas o comportamento;
(e) Muitas pessoas não acreditam na psicologia porque ela não consegue estudar importantes qualidades e aspectos da natureza humana.
3. Na nossa vida consciente estamos expostos a todos os tipos de influência. As pessoas estimulam-nos ou deprimem-nos, ocorrências na vida profissional ou social desviam a nossa atenção. Todas essas influências podem levar-nos a caminhos opostos à nossa individualidade; e quer percebamos ou não o seu efeito, nossa consciência é perturbada e exposta, quase sem defesas, a estes incidentes. Isto ocorre em especial com pessoas de atitude mental extrovertida, que dão todo relevo a objetos exteriores, ou com as que abrigam sentimentos de inferioridade e de dúvida, envolvendo o mais íntimo de sua personalidade. O texto enfatiza que os elementos externos:
(a) Podem abalar a personalidade do ser humano;
(b) Podem tornar o homem inconsciente;
(c) Possibilitam uma atitude mental voltada para fora;
(d) Podem comprometer a moral humana;
(e) São capazes de expor a mente a lesões internas.
4. Susana Muszkat afirma que, na violência doméstica, nãohá vencedores e que a tendência natural é a de se isolar osujeito identificado como \u201cagressor\u201d a fim de poupar maiorsofrimento àqueles identificados como vítimas. Acreditaque, como o \u201cagressor\u201d é parte ativa e operante dentro deum sistema vivo de interações afetivas, ao simplesmenteretirá-lo, impedimos que a família possa refletir sobre seufuncionamento de maneira global; que o padrão de relacionamentodeve ser compreendido como uma forma decomunicação; e que a escolha de parceiros não é aleatória,mas calcada em estruturas
(a) conscientes;
(b) inconscientes;
(c) transacionais;
(d) mediadas; (e) situacionais.
5. Para que o psicólogo trabalhe com pessoas em grupo, é necessário que ele reconheça suas características.Sobre grupos, a alternativaCORRETAé:
(a) Em um grupo existe, ao mesmo tempo, uma tendência à coesão e uma tendência à desintegração;
(b) As ansiedades despertadas em um grupo estão sempre relacionadas às características individuais de um dos elementos do grupo;
(c)Em um grupo o papel de \u201cbode expiatório\u201d é o papel desempenhado pelo seu coordenador;
(d)Como o grupo se constitui de um somatório de indivíduos, ele se comporta como uma estrutura que corresponde à soma de seus componentes.
GABARITO:
1-C 
2- D
3- A
4- B
5- A