A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
Direito e moral – Wikipédia  a enciclopédia livre

Pré-visualização | Página 1 de 1

Direito e moral
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Direito e Moral)
Direito e Moral podem ser facilmente associados se pensarmos o direito como sendo o conjunto de normas
que tentam regular e organizar a vida em sociedade, solucionando os conflitos entre os indivíduos, visto que a
moral é um ramo das Ciências Sociais que também se preocupa com o estudo de normas reguladoras da vida
social.
Nem sempre é fácil diferenciar as normas do direito das normas da moral, em face de semelhança entre elas em
muitos aspectos. Por exemplo, ambos os sistemas de normas, direito e moral, valorizam princípios como o
respeito à vida, à liberdade, à integridade física, psicológica e espiritual dos homens, à propriedade
legitimamente obtida, à igualdade de direitos, entre outros.
Diferença
A palavra direito possui mais de um significado correlato:
sistema de normas de conduta imposto por um conjunto de instituições para regular as relações sociais:
[1] o que os juristas chamam de direito objetivo, a que os leigos se referem quando dizem "o direito
proíbe a poligamia". Neste sentido, equivale ao conceito de "ordem jurídica". Este significado da palavra
pode ter outras ramificações:
 o como o sistema ou conjunto de normas jurídicas de um determinado país ou jurisdição ("o direito português"); ou
 o como o conjunto de normas jurídicas de um determinado ramo do direito ("o direito penal", "o direito de família").
faculdade concedida a uma pessoa para mover a ordem jurídica a favor de seus interesses:[1] o que os
juristas chamam de direitos subjetivos, a que os leigos se referem quando dizem "eu tenho o direito de
falar o que eu quiser" ou "ele tinha direito àquelas terras".
ramo das ciências sociais que estuda o sistema de normas que regulam as relações sociais: o que os
juristas chamam de ciência do direito, a que os leigos se referem quando dizem "eu preciso estudar
direito comercial para conseguir um bom emprego".
Apesar da existência milenar do direito nas sociedades humanas e de sua estreita relação com a civilização[2].
Costuma-se dizer que "onde está a sociedade, ali está o direito" (Ubi societas, ibi jus), há um grande debate
entre os filósofos do direito acerca do seu conceito e de sua natureza. Mas, qualquer que sejam estes últimos, o
direito é essencial à vida em sociedade, ao definir direitos e obrigações entre as pessoas e ao resolver os
conflitos de interesse. Seus efeitos sobre o cotidiano das pessoas vão desde uma simples corrida de táxi até a
compra de um imóvel, desde uma eleição presidencial até a punição de um crime, dentre outros exemplos.
O direito é tradicionalmente dividido em ramos, como o direito civil, direito penal, direito comercial, direito
constitucional, direito administrativo e outros, cada um destes responsável por regular as relações interpessoais
nos diversos aspectos da vida em sociedade. A divisão do direito em ramos decorre da importância do método
sistemático (metodologia científica) não significando que na realidade do fato jurídico as normas sejam
estanques uma das outras. A realidade é que o direito forma um sistema jurídico, assim considerando seu
aspecto dogmático.
No mundo, cada Estado adota um direito próprio ao seu país, donde se fala em "direito brasileiro", direito
português", "direito chinês" e outros. Aqueles "direitos nacionais" costumam ser reunidos pelos juristas em
grandes grupos: os principais são o grupo dos direitos de origem romano-germânica (com base no antigo direito
romano; o direito português e o direito brasileiro fazem parte deste grupo) e o grupo dos direitos de origem
anglo-saxã (Common Law, como o inglês e o estadunidense), embora também haja grupos de direitos com
base religiosa, dentre outras (ver Direito comparado). Há também direitos supranacionais, como o direito da
União Européia. Por sua vez, o direito internacional regula as relações entre Estados no plano internacional.A
seguir são apresentadas algumas definições e considerações de diferentes autores sobre o significado da palavra
Moral. Vale destacar que alguns a igualam a Ética, mas o importante é saber que atualmente ambas tem
significados e usos diferentes entre si.
A palavra Moral tem origem no latim - morus - significando os usos e costumes.
Moral é o conjunto das normas para o agir específico ou concreto. A Moral está contida nos códigos, que
tendem a regulamentar o agir das pessoas.
 Segunto Augusto Comte (1798-1857), "a Moral consiste em fazer prevalecer os instintos simpáticos sobre os impulsos egoístas." Entende-se por instintos simpáticos aqueles que aproximam o indivíduo dos outros.
Roux A. La pensée d'Auguste Comte. Paris: Chiron, 1920:254.
 Moral: (substantivo) 1. o mesmo que Ética. 2. O objeto da Ética, a conduta enquanto dirigida ou disciplinada por normas, o conjunto dos mores. Neste significado a palavra é usada nas seguintes expressões: "a moral dos primitivos", "a moral contemporânea" etc.
Abbagnano N. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1970:652.
 Para Piaget, toda Moral é um sistema de regras e a essência de toda a moralidade consiste no respeito que o indivíduo sente por tais regras.
Piaget J. El juicio moral en el niño. Madrid: Beltrán, 1935:9-11.
 Eu sei o que é moral apenas quando você se sente bem após fazê-lo e o que é imoral é quando você se sente mal após. A diferença fundamental entre o direito e a moral reside na 
As regras do direito têm caráter obrigatório, impostas pelos poderes competentes de uma sociedade e, quando
descumpridas, dão origem a sanções para coagir os homens e reprimir novos atos da mesma natureza.
Já as regras da moral, quando descumpridas, ensejam sentimentos de natureza íntima em cada indivíduo, ou
seja, arrependimento, vergonha, censura pessoal e mesmo social, mas não geram sanções de ordem pública,
aplicadas por autoridades legalmente constituídas.
Mas é inegável que, apesar dessa diferença, as normas da moral e do direito se entrelaçam de muitas formas
diferentes e, pode-se afirmar que as normas da moral e as normas de direito são conjuntos que têm uma grande
área de intersecção considerável, ainda que cada um deles possua partes não comuns.
'nem tudo o que é moral é Direito, e nem tudo o que é Direito é moral'
Inúmeras vezes, as normas morais tornam-se normas de direito por desejo da sociedade, que adota as referidas
normas da moral, que a elas atribui tanta importância que opta por torná-las normas obrigatórias, cujo
descumprimento é passível de sanção.
Pode haver, contudo, normas de direito que não tenham origem em normas morais, uma vez que a produção de
normas jurídicas não requer necessariamente que seja conhecida como norma moral.
A moral vem de encontro com a negação da coação e da influencia de terceiros, a ordenação entre adequar o
pensamento e o modo de agir, que no Direito não acompanha o mesmo raciocínio moral. Afinal, nem tudo que
se passa no mundo jurídico é considerado de ordem moral e sim mais técnica. Além de visar à prevalência
individual, sendo um foro íntimo, a relação de ética nas relações subjetivas.
Obtida de "http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Direito_e_moral&oldid=30435953"
Categoria: Direito
Esta página foi modificada pela última vez à(s) 10h53min de 28 de maio de 2012.
Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-Partilha nos Mesmos Termos 3.0 não
Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a condições adicionais. Consulte as condições de uso
para mais detalhes.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.