A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Modelo Entidade-Relacionamento (ME-R)

Pré-visualização | Página 1 de 4

1 
 
Independente do SGBD 
Específico do SGBD 
Projeto 
Lógico 
 
Mini-Mundo 
BANCO DE DADOS 
 
Modelo Entidade-Relacionamento (ME-R) 
 
 
 
1 Conceitos 
 
O Modelo Entidade-Relacionamento (ME-R) foi definido por Peter Chen em 1976. 
Desde então várias modificações foram sugeridas para o modelo. 
O ME-R é um modelo de dados de alto-nível, classificado como conceitual (ou 
semântico) e muito utilizado como ferramenta conceitual de modelagem de dados. De acordo 
com as fases de projeto de bases de dados, o ME-R deve ser aplicado na fase de Projeto 
Conceitual da BD. 
 
 
Requisitos de Dados 
 
 
 
 
Esquema Conceitual de Dados 
 
 
 
 
Esquema Lógico de Dados 
ME-R 
 
 
 
 
Esquema Físico de Dados 
 
Objetivo da utilização do ME-R: representar a semântica (significado) que os dados 
possuem no mundo real, desconsiderando a forma como esses dados serão fisicamente 
armazenados. 
O ME-R possui quatro construtores para a representação da semântica dos dados 
(construtores semânticos): 
1) Conjunto de Entidades 
2) Conjunto de Relacionamentos 
3) Atributos de Conjunto de Entidades 
4) Atributos de Conjunto de Relacionamentos 
Projeto 
Conceitual 
Coletae Análise de 
Requisitos 
Projeto 
Físico 
2 
f1 f3 
t2 t4 d1 d3 
f2 f4 d2 d4 
CE 
CR 
 Trabalhar Departamento Funcionário 
1.1 Conjuntos de Entidades 
Uma Entidade representa um objeto sobre o qual deseja-se manter informações. Um 
objeto representado por uma entidade pode ter existência: 
- física: pessoa, carro, casa, funcionário, etc. 
- conceitual: departamento de uma empresa, curso de uma universidade, etc 
 
Um Conjunto de Entidades (CE) é uma coleção de entidades que possuem 
propriedades semelhantes. 
Representação de CEs: retângulo com o nome da entidade em seu interior. 
 
Exemplos: 
 
 
Representa umconjunto de entidades funcionários 
 
 
Representa umconjunto de entidades departamentos 
 
 
1.2 Conjunto de Relacionamentos 
Um Relacionamento é uma associação entre entidades, representando uma associação 
entre objetos da realidade que está sendo modelada. Exemplos: 
 
Funcionário.................Trabalhar ................. Departamento 
Aluno.................Matricular ................. Disciplina 
 
Um Conjunto de Relacionamentos (CR) é uma coleção de relacionamentos que 
possuem propriedades semelhantes. 
Representação de CRs: losango com o nome do relacionamento em seu interior. 
 
Exemplos: 
 
Significa que: 
t1 t3 
Departamento 
Funcionário 
3 
Matricular 
Auxiliar Professor 
Disciplina Aluno 
Matricular 
Fazer 
prova 
Disciplina Aluno 
Podem existir um ou mais CRs envolvendo um mesmo CE. Por exemplo: 
 
 
Podem existir um ou mais CRs envolvendo os mesmos CEs. Por exemplo: 
 
 
Papéis nos Relacionamentos 
Uma entidade cumpre um papel em um relacionamento. Por exemplo: 
 
 
 
Curso 
contratado 
por 
contrata: papel de empresa; 
contratado por: papel de curso. 
 
A indicação de cada papel deve ser feita sempre que possa existir ambiguidade na 
interpretação do CR. Por exemplo: 
 
 
 
Curso 
contratado 
 
Ou então: 
por 
 
 
Curso 
contrata 
Contratar 
contrata 
Empresa 
Contratar 
contrata 
Empresa 
contratada 
por 
Contratar Empresa 
4 
compra 
 assessora Promover 
venda 
é vendida 
Empresa 
Auto-Relacionamento 
Um auto-relacionamento ocorre quando um mesmo CE pode assumir mais de um 
papel em um CR. Exemplos: 
 
é pré-requisito de 
 
 
pré-requisita 
 
Pré- 
requisitar 
 
Uma Disciplina Pré-requisita outra Disciplina (que é pré-requisito). 
 
 
negociado Produto 
 
 
Uma Empresa (vendedora) Negocia Produtos com outra Empresa 
(compradora). 
 
 
Uma Empresa (assessora) Promove a venda de uma outra Empresa 
(vendida) para outra terceira Empresa (compradora). 
 
 
Grau de Relacionamentos 
O grau de um relacionamento é determinado pelo número de papéis que os CEs 
assumem em um CR. 
Grau 2 – Relacionamento Binário: dois papéis; 
Grau 3 – Relacionamento Ternário: três papéis; 
Grau 4 – Relacionamento Quaternário: quatro papéis; 
etc 
 
Exemplos de relacionamentos binários: 
 
 
 
Departamento 
tem 
 
 
 
é pré-requisito de 
 
 
pré-requisita 
 
Pré- 
requisitar Disciplina 
Disciplina 
compra 
Negociar 
vende 
Empresa 
Trabalhar 
trabalha 
Funcionário 
5 
monitora 
Monitorar 
supervisiona 
Professor 
Aluno 
compra 
 assessora Promover 
venda 
é vendida 
Empresa 
a1 
a2 
a3 
a4 
b1 
b2 
b3 
b4 
Exemplos de relacionamentos ternários: 
 
 
 
Disciplina 
monitorada 
por 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
negociado Produto 
 
 
 
 
 
Cardinalidade de CRs 
A quantidade máxima de vezes que uma entidade de um CE pode assumir um mesmo 
papel em um determinado CR é chamada de multiplicidade do CE no CR, podendo ser 1 ou 
N (mais de um). 
A cardinalidade de um CR é dada pelo conjunto de todas as multiplicidades dos CEs 
envolvidos no CR. Para relacionamentos binários, as seguintes opções de cardinalidade são 
possíveis: 
 
1:1 (um para um) 
A B 
 
 
Exemplo: 
 
 
1 
Departamento 
renciado 
por 
compra 
Negociar 
vende 
Empresa 
1 
Gerenciar 
gerencia ge 
Funcionário 
6 
a1 
a2 
a3 
a4 
b1 
b2 
b3 
b4 
b 5 
b6 
a5 
 
a6 
a1 
a2 
a3 
a 4 
b1 
b2 
b3 
b4 
1:N (um para muitos)/N:1 (muitos para um) 
 
A B 
 
Exemplo: 
 
N 
Dependente 
depende de 
 
Ou então: 
A B 
 
Exemplo: 
 
1 
Departamento 
tem 
 
Deve-se observar que a ordem em que as entidades são representadas 
em um relacionamento pode ser trocada, ou seja, um relacionamento 
N:1 pode ser transformado em 1:N e vice-versa. A escolha é intuitiva. 
Por exemplo, o CR Ter (1:N) mostrado a seguir tem o mesmo efeito do 
CR Trabalhar (N:1) anterior. 
 
 
N 
Funcionário 
trabalha 
1 
possui 
Possuir Funcionário 
N 
Trabalhar 
trabalha 
Funcionário 
1 
tem 
Ter Departamento 
7 
N 
Matricular 
matricula-se 
em 
Aluno 
? 
monitora 
Monitorar 
p 
? supervisiona 
Professor 
Aluno 
a5 
a1 
a2 
a3 
a 
b1 
b2 
b3 
b5 
a6 b6 
4 
 b 4 
N:M (muitos para muitos) 
A B 
 
 
Exemplos: 
 
M 
Projeto 
senvolvido 
por 
 
 
M 
Disciplina 
tem 
 
 
 
Para relacionamentos ternários, as opções de cardinalidade possíveis são: 
1:1:1 
1:1:N 
1:N:M 
N:M:P 
 
Como determinar a cardinalidade de relacionamentos ternários? 
 
 
? 
Disciplina 
monitorada 
or 
N 
Desenvolver 
desenvolve de 
Funcionário 
8 
N 
Monitorar 
? 
Professor 
Aluno 
N 
Monitorar 
? 
Professor 
Aluno 
N 
Monitorar 
1 
Professor 
Aluno 
Deve-se isolar de dois em dois CEs, descobrindo a multiplicidade do terceiro. Por 
exemplo: 
1) Dado um professor e uma disciplina, quantos alunos podem monitorar? 
 
? Disciplina 
 
 
 
 
 
 
2) Dado um professor e um aluno, quantas disciplinas esse aluno pode monitorar? 
 
1 Disciplina 
 
 
 
 
 
 
3) Dada uma disciplina e um aluno, quantos professores podem supervisionar? 
 
1 Disciplina 
 
 
 
 
 
 
 
Outro exemplo: 
 
N Produto 
produzido 
 
 
 
P 
 
usado 
Componente 
1) Dada uma máquina e um produto, quantos componentes são usados para produzir 
o produto? 
2) Dado um produto e um componente, quantas máquinas podem produzir o produto? 
3) Dada uma máquina e um componente, quantos produtos podem ser produzidos? 
M 
produz 
Usar/ 
Produzir 
Máquina 
9 
Aluno 
CE fraco 
 Possuir 
 Propor Professor 
Ementa Disciplina 
Conceito de CE fraco 
Um CE fraco é um CE em que cada entidade somente é preservada se assume ao 
menos uma vez um papel em um CR que torna fraco esse CE – CR total para esse CE. Em 
outras palavras, sempre que desaparecer o último relacionamento que envolve uma entidade 
de um CE fraco, ela desaparece também. 
Representação de CEs fracos: 
 
Exemplo: 
 
 
Ementa é um CE fraco para o CR Possuir. Isso significa que: não interessa guardar as 
ementas de disciplinas que não existem mais ou ementas que não são de nenhuma disciplina.