A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
31 pág.
AULA 11 - METODOS PROPEDEUTICOS

Pré-visualização | Página 1 de 1

*
Profª Ms. CAMILLA PONTES
Disciplina: Sistematização do Cuidar I
Métodos Propedêuticos 
Técnicas e Procedimentos Básicos para o Exame Físico
*
FINALIDADE 
Exame físico, para quê?
É realmente necessário? 
Obter informações sobre a saúde do cliente;
Suplementar, completar ou refutar dados obtidos na entrevista;
Julgar clinicamente alteração do estado de saúde e tratamento do cliente;
Confirmar e identificar Diagnósticos de Enfermagem;
Identificar necessidades de saúde do cliente;
Favorecer a implementação do plano terapêutico.
*
CONSIDERAÇÕES
Antes de iniciar o exame físico, é necessário:
Estabelecer uma boa relação com o cliente;
Proporcionar ambiente tranquilo;
Manter postura e apresentação pessoal do enfermeiro;
Demonstrar respeito e confiança (mútuos);
Lavar as mãos.
*
Boca, nariz, olho e ouvido
Membros
Cardíaca e pulmonar
Musculoesquelética
Pele, cabelo e unhas
Cabeça e pescoço
Tórax e abdome
EXAME FÍSICO
*
Inspeção
Palpação
Ausculta
Percussão
MÉTODOS PROPEDÊUTICOS
*
INSPEÇÃO
Definição: 
 Consiste no processo de observação e em usar os sentidos de visão, olfato e audição para avaliar a condição de várias partes do corpo, incluindo quaisquer desvios da normalidade.
Atentar para: 
 Observação completa e sistemática de cada parte do corpo (expostas) não esquecendo de atentar para a privacidade;
 Sempre observe antes de tocar; 
 Boa iluminação, procure luz natural (se possível);
 Local reservado, aquecido (evite local frio);
 Observação acurada (coloração, forma, tamanho, localização, textura, simetria, posições, odores, sons e presença de anormalidades;
 Verificar simetria. 
*
O QUE VEMOS?
*
*
As mãos do examinador devem estar aquecidas e as unhas curtas!
Se preciso use tecnologias acessórias.
*
PALPAÇÃO
Definição: 
 Consiste em tocar e sentir as partes do corpo com suas mãos para determinar algumas características.
Atentar para: 
 Textura (aspereza/suavidade);
 Temperatura (aquecido, quente, frio);
 Umidade (seco, úmido, molhado);
 Mobilidade (imobilidade, vibração);
 Consistência de estruturas (sólido, líquido);
 Resistência e elasticidade. 
Não esqueça: lavar as mãos!
 Palpar a área mais sensível por último.
*
PALPAÇÃO
Superficial:
 Para determinar as variações em uma superfície (textura, sensibilidade, temperatura,umidade, pulsações...).
 Deprima entre 1 e 2 cm com a polpa dos dedos
*
PALPAÇÃO
Profunda:
 Sentir órgãos e massas internas.
 Deprima entre 3 e 5 cm com a polpa dos dedos
*
REGIÕES DO ABDOME
*
*
PALPAÇÃO
Bimanual:
 Palpar mamas e órgãos abdominais profundos.
 Use as duas mãos, uma de cada lado da parte do corpo ou dos órgãos que se deseja sentir. A mão que fica por cima é aplicada para fazer pressão e a de baixo para detectar estruturas profundas. 
*
MÃOS SUPERPOSTAS
MÃOS ESPALMADAS
DIGITAL
UNI-MANUAL
EM PINÇA
DIGITOPRESSÃO
PALPAÇÃO
*
PERCUSSÃO
Definição: 
 Consiste em “bater” em uma parte do corpo para identificar sensibilidade ou sons que variam com a densidade das estruturas adjacentes.
Atentar para: 
 Tipos de percussão (Direta e indireta);
 Sons obtidos na percussão (ressonante, timpânico, maciço).
 
*
EM CUTELO
DIGITAL
DIGITO-DIGITAL
PUNHOPERCUSSÃO
PERCUSSÃO
*
SONS OBTIDOS NA PERCUSSÃO
ANTERIOR
Ressonância
Ressonância
Submacicez 
(fígado)
Submacicez 
(cardíaca)
Timpanismo (estômago)
Macicez 
(músculo e osso)
*
Ressonância
Ressonância
Macicez 
(escápula)
Submacicez 
(fígado)
Submacicez 
(visceral)
POSTERIOR
*
AUSCULTA
Definição: 
 Consiste em escutar os vários sons do corpo provenientes da respiração, do coração e das alças intestinais com o uso do estetoscópio.
Atentar para: 
 Estetoscópio adequado ao cliente e de boa qualidade.
*
PARTES DO ESTETOSCÓPIO
Olivas auriculares: 
 Peças em formato anatômico, que se encaixam ao canal auditivo do examinador.
Tubos de condução:
 Haste(s) em forma de Y que permitem a transmissão do som com pouca distorção da campânula ou diafragma aos ouvidos do examinador.
Campânula:
 Peça de contato com o corpo do examinado, com formato de campânula, mais apropriado para percepção de sons graves (baixos).
Diafragma:
 Peça de contato com o corpo do examinado, com formato de campânula, mas limitada por uma membrana, mais apropriado para percepção de sons agudos (altos).
*
AUSCULTA PULMONAR
Roncos: 
 São sons grosseiros, podendo ocorrer tanto na inspiração como na expiração, e é típico de secreção (catarro) solta em uma área de grande calibre, e essa secreção se move de acordo com a entrada e saída de ar nos pulmões.
Sibilos:
 São sons mais agudos, são chiados semelhantes ao som de uma bexiga de ar esvaziando lentamente, muito comum em indivíduos asmáticos, significa que o alvéolo está cheio de ar, broncoespasmo, mas podem também ser audíveis em indivíduos com congestão pulmonar, obstrução por corpo estranho ou secreção.
Murmúrios Vesiculares: 
 Sons normais ouvidos sobre a maioria dos campos pulmonares periféricos, descrito como suave, baixo, e com um discreto sussurro. 
*
AUSCULTA
Extertores/Creptações:
 São sons semelhantes ao atrito entre um chumaço de cabelo ou rádio fora da estação, são pequenos estalidos e pode ser devido a quadros de hiperinsuflação alveolar ou secreção em vias aéreas inferiores. Quando a creptação ocorre ao final da inspiração, ou é dificuldade de expansão ou é secreção. Para saber se é secreção ou hiperventilação, pede-se para o paciente respirar fundo, se for secreção vai melhorar. 
Estridor:
 È um som mais grosseiro, particularmente alto, de timbre constante, mais proeminente durante a inspiração, que pode ser ouvido muito bem a certa distância do paciente. O termo é amplamente utilizado quando há suspeita ou conhecida obstrução de laringe ou de traquéia como fonte sonora.
*
VERIFICANDO A ALTURA
Altura
 Posição de pé
 Sem sapatos
 Encostado em uma parede 
*
VEIRIFICANDO O PESO
Peso
Balança adequada ao cliente
Mesmo período e roupas e sem sapatos
*
ÍNDICE DE MASSA CORPORAL (IMC)
IMC = Peso (Kg) / Altura2 (m2)
Desenvolvido por Lambert Quételet no fim do século XIX. 
Trata-se de um método fácil e rápido para a avaliação do nível de gordura de cada pessoa. É um preditor internacional de obesidade adotado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).
IMC = massa
 (altura . altura)
Para uma pessoa com 72 quilogramas de massa e 1,70 metros de altura teremos: .                                                 
*
ÍNDICE DE MASSA CORPORAL
Como classificar uma pessoa com IMC = 25,91m2? .                                              
*
Há alguns problemas em usar o IMC para determinar se uma pessoa está acima do peso. 
Pessoas musculosas podem ter um Índice de Massa Corporal alto e não serem gordas. 
O IMC também não é aplicável para crianças, sendo que precisa de gráficos específicos.
Além disso, não é aplicável para idosos, para os quais se aplica classificação diferenciada. 
*
PERDA DE PESO
*
Obrigada
*