A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
46 pág.
LIGAÇÕES QUÍMICAS

Pré-visualização | Página 1 de 3

LIGAÇÕES QUÍMICAS
Beatriz dos Santos
UNEB 2020
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA MOLECULAR
POLARIDADE
ÍNDICE
TEORIAS: TLV e TOM
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
GEOMETRIA
PORQUE OS ÁTOMOS SE UNEM?
As propriedades das substâncias são relacionadas com o tipo de ligação existente entre seus átomos.
Pode-se entender a ligação química como uma busca pela estabilidade onde os átomos dos gases nobres funcionam como padrão a ser imitado.
Na natureza, a maior parte dos elementos químicos encontra-se ligada a outros, onde somente alguns desses elementos (os gases nobres) estão no estado atômico isolado.
Os cientistas concluíram que os átomos de gases nobres apresentam uma configuração eletrônica que lhes assegura estabilidade.
Os gases nobres apresentam 8 elétrons na última camada eletrônica, com exceção do hélio, que possui 2 elétrons, já que a camada K comporta, no máximo, 2 elétrons.
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÕES METÁLICAS
INTRODUÇÃO
PORQUE OS ÁTOMOS SE UNEM?
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
TEORIA OU REGRA DO OCTETO:
Segundo Gilbert Lewis, os átomos combinam de forma que atinja a configuração mais estável, geralmente com 8 elétrons em sua última camada (ou camada de valência).
Os átomos estáveis são os gases nobres, que tem seus orbitais totalmente preenchidos.
O átomo ao fazer uma ligação química irá se tornar estável tornando-se isoeletrônico com o gás nobre.
Os átomos, ao se ligarem, fazem-no por meio dos elétrons da última camada (camada de valência), podendo perder, ganhar ou compartilhar os elétrons até atingirem a configuração estável. 
A partir disso surgem, assim, as ligações químicas.
Essa teoria não explica a ligação metálica.
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
EXCEÇÕES DA REGRA DO OCTETO:
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
TEORIA OU REGRA DO DUETO:
O
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
TIPOS DE LIGAÇÕES:
LIGAÇÃO COVALENTE
	LIGAÇÃO SIMPLES 	
	LIGAÇÃO DUPLA	
	LIGAÇÃO TRIPLA	
EM LIGAÇÕES COVALENTES
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
A ligação simples é maior que a ligação dupla e tripla e menos estáveis.
σ
σ
σ
π
π
π
π – Pi
σ - Sigma
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
FÓRMULAS MOLECULARES
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
9
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
FÓRMULAS MOLECULARES
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
EXEMPLO:
ÁCIDO ACÉTICO
(C2H4O2)
FÓRMULA ESTRUTURAL 
DA AMÔNA (NH3)
BIDIMENSIONAL
TRIDIMENSIONAL
(MOSTRA A GEOMETRIA
DA MOLÉCULA)
O traçado projeta o átomo para trás e os
dois pontos a cima do nitrogênio é o par de
elétrons livres)
10
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
ESTRUTURA DE LEWIS
Representa a quantidade de elétrons presente na camada de valência com pontos (.).
CH4 NH3 H2O HF
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
ESTRUTURA DE RESSONÂNCIA
É o uso de duas ou mais estruturas de Lewis para representar uma única molécula.
Explica o porque a ligação simples e dupla tem o mesmo comprimento. 
Ex: Ozônio (O3)
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO IÔNICA
É a ligação que se estabelece entre os íons, unidos por fortes forças eletrostáticas.
Ocorre entre elementos com alta diferença de eletronegatividade (Metal + Ametal/Hidrogênio).
Ocorre a transferência de elétrons do metal para o ametal ou para o hidrogênio, formando cátions e ânions.
Os compostos iônicos (compostos que apresentam ligação iônica) são eletricamente neutros, ou seja, a soma total das cargas positivas é igual à soma total das cargas negativas. 
A maioria dos compostos iônicos é um sólido cristalino.
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÃO IÔNICA
Na última camada do sódio (Na) tem apenas 1 elétron e na ultima camada do cloro (Cl) tem 7 elétrons. Devido a essa instabilidade ocorre a transferência de elétrons.
Com isso, é mais fácil o sódio doar o único elétron da última camada para o sódio, por ser eletropositivo (tende a doar elétrons.
Dessa forma, ambos terão 8 elétrons em sua última camada, tornado estáveis.
Observação: O total de e- cedidos deve ser igual ao total de e- recebidos.
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÃO IÔNICA
O cloro (Cl) é mais eletronegativo do que o sódio (Na), por isso que sua carga é negativa (-) e o sódio tem carga positiva (+).
Devido a essa diferença de cargas os dois conseguem se manter unidos em virtude da força de atração eletrostática. Formando o composto Na+Cl- .
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
ESTRUTURA CRISTALINA DOS 
COMPOSTOS IÔNICOS
A ligação iônica não envolve apenas dois átomos (NaCl), mas é formada por uma quantidade enorme de átomos ligados (vários NaCl), já que íons positivos sempre atraem íons negativos e vise versa.
Os íons, portanto, dispõe-se de forma ordenada, formando o chamado retículo cristalino.
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
CARACTERÍSTICAS DOS 
COMPOSTOS IÔNICOS
Em condições ambientes, são sólidos, cristalinos, duros e quebradiços.
Apresentam elevados pontos de fusão e de ebulição.
Como sólidos, não conduzem eletricidade, pois os íons se encontram presos ao retículo cristalino.
Quando fundidos (estado líquido) tornam-se bons condutores, já que os íons ficam livres para se moverem.
Em solução aquosa, também são bons condutores, pois a água separa os íons do retículo cristalino.
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
NOMENCLATURA
FÓRMULA QUÍMICA: 1° cátion 2° ânion. EX:
Nomeie 1° o ânion e depois o cátions.
Ao nomear um composto iônico não usa a palavra “íon”.
Coloca a carga em íons polivalentes.
Os cátions e ânions devem se combinar de forma que suas cargas se neutralizem usando o menor valor inteiro possível.
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
EX: CLORETO DE SÓDIO 
 Na+Cl- ou NaCl
2° cátion
G: 1
Na +
1° ânion
G: 17
Cl -
EX: Mg3​P2
Fosfeto de Magnésio
2° ânion
G: 15
P 3-
1° cátion
G: 2
Mg 2+
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
NOMENCLATURA EM ÍONS POLIVALENTES
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
- Íons com carga menor:
Sufixo –oso
- Íons com carga maior:
Sufixo: -ico
Usa o algarismo romano do n° subscrito do ânion.
Ex: PbCl4​
Pb – G14 (carga +4)
Cl – G17 (carga -1x4 = -4)
Cloreto de Chumbo (IV)
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÃO COVALENTE
Tipo de ligação que ocorre quando os átomos envolvidos tendem a compartilhar pares de elétrons.
Cada par eletrônico é constituído por um elétron de cada átomo e pertence simultaneamente aos dois átomos.
Como não ocorrem ganho nem perda de elétrons, formam-se estruturas eletronicamente neutras, de grandeza limitada, denominadas moléculas.
Sua estabilidade vem da atração eletrostática entre os núcleos atômicos carregados positivamente e os elétrons negativamente carregados compartilhados entre eles.
Os outros elétrons não ligantes, são chamados de pares isolados (não estão envolvidos na formação da ligação covalente).
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÃO COVALENTE
O Hidrogênio obedece a regra do dueto. 
O H tem apenas 1 elétron, e precisa de mais 1 elétron para se tornar estável (atingindo a configuração do gás nobre Hélio).
Por isso, que o H compartilha o seu único elétron com outro H. Tornando os dois estáveis.
1 s1
1 s1
LIGAÇÕES METÁLICAS
GEOMETRIA
INTRODUÇÃO
LIGAÇÃO IÔNICA
LIGAÇÃO COVALENTE
LIGAÇÕES METÁLICAS
PORQUE O HCl É LIGAÇÃO COVALENTE
E NÃO LIGAÇÃO IÔNICA?
Para atingir estabilidade, o hidrogênio e o cloro necessitam ganhar