Sociologia J. - Anotação (18)
8 pág.

Sociologia J. - Anotação (18)

Disciplina:Sociologia Jurídica e Judiciária1.772 materiais14.409 seguidores
Pré-visualização2 páginas
PREPARATÓRIO PARA OAB

Professor: Dr. Carlos Toledo

DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO

Capítulo 10 Aula 1

AGENTES PÚBLICOS CATEGORIAS

E ADMISSÃO NO SERVIÇO PÚBLICO

Coordenação: Dr. Carlos Toledo

01

Tema 1: Conceito de Agente Público

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A

violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do

material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”

www.r2direito.com.br

O Estado é um ente abstrato, uma criação cultural, cuja atuação se faz por meio de pessoas físicas que

executam suas tarefas e tomam as decisões que lhe são atribuídas.

Os agentes públicos são justamente as pessoas físicas que atuam em nome do Estado, exercendo os poderes

e prerrogativas estatais.

É importante definir o que são agentes públicos, pois tal categoria está submetida a uma série de regras que

regulam o exercício dessa atividade de natureza pública e sobre tais pessoas recai também um regime

especial de responsabilidade. Além disso, como os agentes públicos atuam em nome do Estado, os danos

que causarem às pessoas, no exercício dessas atividades serão suportados também pelo Estado.

Vamos oferecer uma definição, inspirada na Lei 8.429/92, (Lei de improbidade administrativa):

CONCEITO: Agente público é todo aquele que exerce, ainda que transitoriamente ou sem remuneração,

por eleição, nomeação, designação, contratação ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo,

mandato, cargo, emprego ou função nas entidades da administração direta e indireta.

Observe que, por esse conceito, mesmo aquele que desempenha eventualmente e sem remuneração uma

atividade que é de competência estatal será considerado agente público.

Outra definição, mais simples é oferecida por Marçal Justen Filho:

"Agente público é toda pessoa física que atua como órgão estatal, produzindo ou manifestando a vontade do

Estado" (Marçal Justen Filho).

TEMA 2: CATEGORIAS DE AGENTES PÚBLICOS

Veja o seguinte quadro, que representa as categorias de agentes públicos:

- Agentes políticos

AGENTES PÚBLICOS - Agentes administrativos ou servidores públicos

- Particulares em colaboração com a Administração

Aula 1

{

02

Agentes políticos: são aqueles que exercem uma função política, especialmente aqueles que exercem

mandato eletivo, tanto no Executivo como no Legislativo. Também são considerados agentes políticos os

colaboradores imediatos da Chefia do Executivo: os Ministros e Secretários de Estado. Porém, há autores

que incluem nessa categoria também os membros do Poder Judiciário e do Ministério Público, que embora

não sejam políticos no sentido comum da palavra, exercem poderes de natureza constitucional, com

independência funcional o que, segundo esses autores, seria razão para colocá-los nessa categoria.

Agentes administrativos ou servidores públicos: são aqueles que exercem a função administrativa em caráter

profissional, ou seja, todos os que têm um vínculo de trabalho com as entidades estatais.

Particulares em colaboração com a Administração: São particulares que agem por delegação estatal.

Exemplos: mesários em eleição, jurados no júri popular, funcionários das concessionárias e permissionárias

de serviços públicos, etc.

TEMA 3: OS AGENTES ADMINISTRATIVOS

Trata-se da categoria mais relevante para o Direito Administrativo, pois é composta dos agentes que

movimentam a máquina administrativa de maneira continuada.

Essa categoria também possui uma subdivisão:

- servidores estatutários

AGENTES ADMINISTRATIVOS - empregados públicos (celetistas)

 - servidores temporários

Servidores estatutários: é a espécie mais típica de agente administrativos. Os servidores estatutários seguem

um regramento especial, estabelecido por lei e baseado inteiramente nas regras do Direito Público. A essa lei

se costuma dar o nome de Estatuto, daí porque são chamados de servidores estatutários.

O que caracteriza o regime estatutário é a possibilidade que a Administração tem de modificar,

unilateralmente, os direitos e deveres relativos ao cargo, por meio da modificação das leis que se aplicam ao

cargo e ao servidor. Evidente que essas modificações encontram limites nos direitos e garantias previstos na

Constituição, por exemplo, na irredutibilidade de vencimentos.

Cada ente político a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios edita suas próprias normas para

os seus servidores estatutários.

É o regime mais apropriado para o exercício das atividades típicas da Administração e por essa razão é o

regime recomendado para a Administração Direta e para as entidades regidas pelo direito público como as

autarquias.

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A

violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do

material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”

www.r2direito.com.br

{

03

Empregados públicos (celetistas): recebem tratamento mais aproximado daqueles que trabalham na

iniciativa privada, pois seu vínculo é de natureza contratual, baseado nas regras da CLT.

O regime celetista é mais apropriado para o exercício de funções que não são tipicamente estatais, sendo

que ele é obrigatório para aquelas entidades estatais que são regidas predominantemente pelas regras do

direito privado empresas públicas, sociedades de economia mista e fundações de direito privado instituídas

pelo Poder Público.

Servidores temporários: Essa classe existe em razão de uma necessidade temporária, circunstancial, sendo

que, cessando essa circunstância, eles serão desligados da Administração. O regime a que eles se submetem

pode ser tanto baseado nas regras da CLT, como também é comum que a Administração estabeleça por lei

um regime especial para esses servidores, aproximando-os mais do regime estatutário. Mas, de toda a

forma, é uma classe especial de servidores, em razão da precariedade, isto é, instabilidade do vínculo que

têm com a Administração.

Esse tipo de servidor é utilizado para atender, por exemplo, situações emergenciais, como combate a

calamidades públicas e epidemias . Também para atender situações temporárias, como a realização de

censo ou a contratação de um professor substituto.

Resumindo, observe o quadro abaixo:

TEMA 4: CARGO, EMPREGO E FUNÇÃO PÚBLICA

A Constituição Federal diferencia as posições jurídicas que um agente administrativo pode assumir em três

espécies: cargos, empregos e funções públicas.

Cargo público: cargo público é a posição jurídica criada e disciplinada por lei, com denominação própria,

fixação de atribuições, direitos e responsabilidades para o seu titular e sujeita a regulação especial pelo

direito público (regime estatutário)

"Proibida a reprodução total ou parcial, por qualquer meio ou processo, assim como a inclusão em qualquer sistema de processamento de dados. A

violação do direito autoral é crime punido com prisão e multa (art. 184 do Código Penal), sem prejuízo da busca e apreensão do

material e indenizações patrimoniais e morais cabíveis (arts. 101 a 110 da lei 9.610/98 - Lei dos Direitos Autorais).”

www.r2direito.com.br

Servidor Natureza do vínculo Uso apropriado

Estatutário – titular

de cargo público

Estatutário – estabelecido

por lei

Nas atividades tipicamente

administrativas – na

Administração Direta e entidades

de direito público.

Empregado público Contratual – regido pela

CLT

Nas atividades não típicas –

obrigatório nas entidades de

direito privado

Servidor temporário De natureza especial,

podendo estar submetido

à CLT ou a uma

legislação própria