A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
RESPOSTAS PROCESSO CONSTITUCIONAL

Pré-visualização | Página 1 de 2

AULA 01 
1. Assinale a alternativa em que constam as diferenças entre as leis ordinárias e as leis complementares.
R= Material e formal.
De acordo com Moraes (2014), são duas as diferenças existentes entre as leis ordinárias e as leis complementares. A primeira corresponde a uma diferença material, isto é, apenas as matérias previstas de modo taxativo na Constituição podem ser objeto de lei complementar, o que justifica por que determinadas matérias, devidamente elencadas pela Carta Magna, só podem ser regulamentadas por meio desse tipo de lei. Já a segunda é uma diferença formal, uma vez que se relaciona com o processo de formação das leis, ou seja, com o seu processo legislativo, mais especificamente no que tange à votação.
2. Com relação ao quorum de aprovação das leis, assinale a alternativa correta.
R= Para a aprovação de lei complementar exige-se a maioria absoluta dos votos.
O quorum para a aprovação de uma lei ordinária é de maioria simples, de acordo com a previsão do art. 47 da Constituição; para a aprovação de uma lei complementar, é de maioria absoluta, nos termos do art. 69 do mesmo diploma legal. 
3. A espécie normativa que ocupa um campo residual é a:
R= lei ordinária.
O campo ocupado pelas leis ordinárias é residual, ou seja, remete a tudo o que não for regulamentado por leis complementares, decretos legislativos ou resoluções.
4. Assinale a alternativa que aponta um exemplo de limitação circunstancial à emenda constitucional.
 R=Intervenção federal
A intervenção federal é um exemplo de limitação circunstancial à emenda constitucional, pois, nesse caso, a Constituição não pode ser alterada por meio de emenda.
5. A fase do processo legislativo ordinário, na qual há deliberação parlamentar executiva é a:
R= constitutiva.
Existem três fases no processo legislativo ordinário, quais sejam: a iniciativa, a constitutiva e a complementar. A fase iniciativa é aquela que, como o próprio nome sugere, dá início ao processo legislativo. A fase seguinte é a constitutiva, na qual ocorre a deliberação parlamentar (discussão e votação) e a executiva (sanção e veto). Por fim, tem-se a fase complementar, a qual acontece após a elaboração da lei e na qual se dá a promulgação e a publicação desta. Portanto, a alternativa correta, isto é, a que menciona a fase em que ocorre a deliberação parlamentar e a executiva é a fase constitutiva.
AULA 02
1. Sobre o controle de constitucionalidade, pode-se afirmar que:
R= a inconstitucionalidade por omissão é uma inovação constitucional de 1988.
O controle de constitucionalidade inovou ao dispor sobre a inconstitucionalidade por omissão em seu texto de 1988.
2. Acerca das espécies de inconstitucionalidade, é correto afirmar que:
R= os vícios materiais e formais podem coexistir em um ato ou uma lei, sendo que ambos, via de regra, conduzem à nulidade.
Uma lei ou um ato normativo pode conter diversos vícios simultaneamente, por exemplo, pode existir um erro material e um erro formal, sendo que ambos são muitos graves, conduzindo à nulidade, na maioria das vezes.
3. No que diz respeito às classificações do controle de constitucionalidade e suas características, é correto que:
R= o controle direto é exercido de forma concentrada, por isso tem a constitucionalidade como o próprio pedido e o STF como competente para julgá-lo.
O controle direto é exercido de forma concentrada (STF); o controle concreto ou incidental é exercido de forma difusa (por qualquer magistrado).
 
4. Sobre as ações de controle concentrado, assinale a alternativa correta.
R= ADIn, ADC, ADPF e ADIn por omissão são competência do STF e todas têm como legitimados ativos o rol apresentado no art. 103 da CF.
É o STF que julga cada uma das ações de controle concentrado (ADIn, ADC, ADPF e ADIn por omissão) e os legitimados ativos estão dispostos no art. 103 da CF.
5. Tendo em mente os fundamentos, os objetos, os legitimados ativos, as competências e os efeitos das ações constitucionais de controle concentrado, é correto afirmar que:​​​​​​​
R= a ADPF é a ação que abarca maior leque de leis e atos normativos, é regida pela Lei n.º 9.882/99 e tem aplicação residual, com base no princípio da subsidiariedade.
A ADPF tem aplicação residual, quando as outras ações não forem aplicáveis, provavelmente será esta a opção a ser processada. Além disso, ela tem como objeto leis e atos normativos federais, estaduais, distritais e municipais, mesmo os que sejam anteriores à CF/88, desde que haja ofensa ou lesão a algum preceito fundamental. O objeto é mais abrangente do que todas as outras ações do tipo.
 
AULA 03
1- Conforme o histórico das Constituições brasileiras, o Controle de Constitucionalidade é um instituto que ao longo do tempo foi sendo criado (sob a influência de outros países), bem como aperfeiçoado. No que tange ao controle de Constitucionalidade Difuso, foi adotado em qual Constituição?​​​​​
R= De 1891, sob influência norte-americana.
A Constituição de 1891, por ter recebido forte influência norte-americana, passou a adotar o controle de Constitucionalidade Difuso.
2- O Poder Judiciário detém a jurisdição na República Federativa do Brasil, e nesse sentido, o art. 5º, inciso XXXV, dispõe: "a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito". No que tange ao Controle de Constitucionalidade, na Constituição Federal de 1988, é certo 
que:​​​​​​
R=  o Presidente da República, quando veta parcialmente o projeto de lei, considerando contrário ao interesse público, faz Controle de Constitucionalidade.
O artigo 66, §1º da CF, estabelece que: “§ 1º Se o Presidente da República considerar o projeto, no todo ou em parte, inconstitucional ou contrário ao interesse público, vetá-lo-á total ou parcialmente [...] A Letra “A, B e E” estão incorretas, uma vez que os demais poderes podem realizar Controle de Constitucionalidade. A letra “C” também está incorreta, uma vez que é o Poder Legislativo que pode sustar ato, conforme artigo 49: “É da competência exclusiva do Congresso Nacional: V - sustar os atos normativos do Poder Executivo que exorbitem do poder regulamentar ou dos limites de delegação legislativa”.​​​​​​​
3- Controle de Constitucionalidade que pode ser realizado por qualquer órgão judicial e também é conhecido como sistema aberto, trata-se:​​​​​​​
R= Controle Difuso.
Conforme disposto na doutrina, o Controle Difuso pode ser realizado por qualquer órgão judicial e também é denominado de sistema aberto. As letras “C, D e E” citam espécies de inconstitucionalidades.
4- No que tange ao Controle de Constitucionalidade exercida pelo Poder Executivo, a Constituição Federal de 1988 determina que se o Presidente da República considerar o projeto, no todo ou em parte, inconstitucional ou contrário ao interesse público, vetá-lo-á total ou parcialmente, no prazo de quinze dias úteis, contados da data do recebimento, e comunicará, dentro de 
quarenta e oito horas, ao:​​​​​​​
R=  Presidente do Senado Federal
O artigo 66, §1º. da CF, determina que: se o Presidente da República considerar o projeto, no todo ou em parte, inconstitucional ou contrário ao interesse público, vetá-lo-á total ou parcialmente, no prazo de quinze dias úteis, contados da data do recebimento, e comunicará, dentro de quarenta e oito horas, ao Presidente do Senado Federal os motivos do veto.​​​​​​​
5- A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 determina que o Presidente da República, em casos de relevância e urgência, pode adotar Medidas Provisórias. A Medida Provisória, após expedida, é encaminhada e passa por Controle:​​​​​​​ 
R= Constitucional pelo Congresso Nacional.
Estabelece o artigo 62, § 5º A deliberação de cada uma das Casas do Congresso Nacional sobre o mérito das medidas provisórias dependerá de juízo prévio sobre o atendimento de seus pressupostos constitucionais
DESAFIO
A Constituição da República Federativa de 1988 é a lei maior do Brasil e, nesse sentido, qualquer norma infraconstitucional deve, obrigatoriamente, respeitar o texto constitucional.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.