A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
Relatorio 1 - Lab Máquinas II - Caio e Lucas Simões_correção

Pré-visualização | Página 1 de 2

LABORATÓRIO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS II
RELATÓRIO PRÁTICA 1 - IDENTIFICAÇÃO TERMINAIS DE MIT
6 PONTAS, FECHAMENTO E MEDIÇÕES
Caio César Branco Nunes1, Lucas Simões Borges2
1Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Minas Gerais
Campus Formiga – Engenharia Elétrica – 9° Período
São Luiz Gonzaga, s/n – Bairro São Luiz– Formiga - Minas Gerais – CEP: 35.577-010
Resumo. Este documento apresenta um relatório técnico referente a uma
prática realizada em laboratório de fechamento de terminais em um motor de
indução trifásico, realizando as análises e testes para identificação correta dos
terminais.
Ana Paula
Nota
85%
1. Introdução
Motor Elétrico é uma máquina destinada a transformar energia elétrica em
energia mecânica. Assim, ao ligarmos um motor à rede elétrica, ele irá absorver uma
dada quantidade de energia elétrica e, em troca, acionará uma carga. Motor de indução é
um motor elétrico construído de tal maneira que se têm dois campos magnéticos
girantes. Este motor é composto basicamente de duas partes: Estator e Rotor[1].
Figura 1: motor de indução trifásico.
Fonte:Portal Eletricista
● Estator: é a parte do motor que se mantém fixo à carcaça e tem por função
conduzir energia elétrica nos motores para rotacionar.
● Rotor: é a parte móvel, é tudo que gira em torno de seu próprio eixo produzindo
movimentos de rotação. Possui o enrolamento composto por barras de cobre ou
alumínio, conectadas nas extremidades. A corrente que surge no rotor é induzida
pelo campo girante do estator.
O motor trifásico tem as bobinas distribuídas no estator e ligadas de modo a
formar três circuitos simétricos distintos, chamados de fase de enrolamento. Essas fases
são interligadas, formando ligações em estrela [Y = 380 V] ou em delta [Δ= 220 V] para
o acoplamento a uma rede trifásica. Para isso, deve-se levar em conta a tensão na qual
irá operar. Na ligação em estrela (380 V) os terminais 4, 5 e 6 são interligados e os
terminais 1, 2 e 3 são ligados à rede, como demonstrado na figura 1 [1].
http://www.portaleletricista.com.br/motor-de-inducao-funcionalidade-significado-dicas-passo-a-passo/
Ana Paula
Realce
escrever de forma impessoal
Ana Paula
Realce
isso se o MIT for de 6 pontas e dupla tensão
Figura 2:Esquema de ligação em estrela.
Fonte: [1]
Na ligação em delta (220V), o início de uma fase é fechado com o final da outra
e essa junção é ligada à rede.
Figura 3: Esquema de ligação em delta.
Fonte:[1].
Os motores trifásicos com seis terminais só tem condição de ligação em 2
tensões: 220/380V, ou 440/760V. Esses motores são ligados em triângulo na menor
tensão e em estrela, na maior tensão. A figura a seguir mostra uma placa de ligação
desse tipo de motor.
Ana Paula
Realce
esse nível de tensão é apenas para motores de 12 pontas
Figura 4: Esquema de ligação MIT.
Fonte: [1].
Nos motores de seis terminais, é comum encontrarmos as marcações U, V W, X,
Y, e Z, ao invés de 1, 2, 3, 4, 5, e 6, respectivamente.
A partida de um motor elétrico é um evento que necessita planejamento e
manutenção. Do contrário, há diminuição da eficiência energética deste e gastos
desnecessários, podendo ocasionar inclusive problemas nas instalações.
2. Objetivos
Descrever o procedimento necessário para a identificação dos terminais de um
motor de indução trifásico de 6 terminais.
3. Referencial Teórico
● LIGAÇÃO ESTRELA
A ligação estrela ocorre quando um fio (muitas vezes, o neutro) de cada sistema
monofásico é conectado a um ponto comum aos três. Assim, eles passam a ter uma
forma semelhante a uma estrela. Para criar uma ligação estrela, é preciso fazer um
círculo de potência com três contadores, tendo um fusível de proteção para cada fase.
Também é necessário um disjuntor de proteção que seja compatível com a carga que
será gerada.
Ela é considerada uma das partidas de motores mais utilizadas, principalmente,
por ter um custo baixo e um bom desempenho em diferentes aplicações. Também é
possível encontrar sua versão com reversão. Indústrias que necessitam de um trabalho
rápido e potente das suas máquinas são um exemplo de onde a ligação trifásica estrela
pode ser aplicada. Assim, na hora da partida, os equipamentos terão uma carga plena e
poderão atuar de maneira máxima.
● LIGAÇÃO ESTRELA
Ana Paula
Realce
encontrar
Ana Paula
Nota
Realizar o fechamento em delta e estrela, medir e comparar os valores medidos com os dados de placa do motor.
Ana Paula
Realce
Isso não tem relação com o fechamento do motor, pois nele não é utilizado o neuro. Para energização de motores são usados 3 fios.
Ana Paula
Nota
Esse referencial teórico não tem correlação com a prática realizada. 
Também chamada de ligação delta, ela é formada pela ligação de cada um dos
condutores de fase da fonte aos vértices do triângulo formados pela carga elétrica. Tem
sua forma final parecida com a de um triângulo equilátero. Neste tipo de condução, o
condutor neutro é desligado. Além disso, o motor recebe uma tensão menor (220/380V).
Sua principal função é reduzir o valor da sua corrente de pico no momento da partida.
Ela é uma das partidas indiretas mais usadas, já que é mais suave, além de
também ter um baixo custo e reduzir em 33% da corrente nominal utilizada. Carros
mais potentes poderão utilizar ligações trifásicas triangulares, pois o motor precisa ser
ligado de maneira mais suave. Então, acelerado para a sua potência máxima,
proporciona melhor conforto ao motorista e menos riscos de acidentes.
4. Materiais e Métodos
Para realização desta prática foi utilizado um MIT de 6 terminais da marca
VOGES, o qual apresenta os dados de placa mostrados na Figura 1.
Figura 5: Dados de placa MIT VOGES.
Fonte: Autor
Como pode ser visto nos dados de placa disponibilizado pelo fabricante, este
motor pode operar em dois níveis de tensão. Para cada nível de tensão é definido um
esquema de ligação específico de suas bobinas. Os dois esquemas de ligação são
mostrados abaixo nas figuras 6 e 7 onde as fases R, S e T correspondem
respectivamente às fases de ligação do MIT .
Figura 6: Esquema de ligação do MIT em delta (220V)
Ana Paula
Realce
Como assim??? a partida delta?
Fonte: Autor
Figura 7: Esquema de ligação do MIT em estrela (380 V)
Fonte: Autor
Quando não é possível identificar a numeração correta dos cabos do motor, para
assim realizar o esquema de ligação desejado, torna-se necessário identificar os pares de
cabos que compõem cada bobina e ainda fazer a sua enumeração correta de forma a
respeitar o sentido de fluxo magnético nas mesmas.
Para que seja possível realizar a identificação das bobinas do motor, em um
primeiro instante deve ser aberta a caixa de ligação do mesmo, local onde se encontram
os cabos. Em seguida, utilizando um multímetro deve ser realizado o teste de
continuidade. Para isso, é escolhido arbitrariamente um cabo como referência, e após
isso os demais cabos são testados até que seja possível determinar seu par. O mesmo
procedimento é seguido para as outras duas bobinas.
Determinadas as bobinas, é necessário fazer a correta enumeração das mesmas
para realizar a correta ligação do MIT, como mostrado nas Figuras 6 e 7. Para isso, é
escolhida de forma aleatória uma bobina como referência. A bobina escolhida é
associada em série com outra bobina. Feito isso, a mesma é alimentada com tensão
nominal, enquanto com o uso do multímetro, na escala de tensão alternada, mede-se a
queda de tensão na bobina restante. Essa ligação é representada pela Figura 8.
Figura 8: Identificação das bobinas
Fonte: Roteiro 01.
Ana Paula
Nota
Ligação subtrativa.
Se as bobinas estiverem numeradas de forma correta, o voltímetro irá mostrar
um valor próximo de zero volts. Entretanto, caso o mesmo mostre um valor alto (maior
que dez volts), indica que a numeração adotada é incorreta, sendo necessário a inversão
da numeração que não é a de referência. É importante que o processo de energização
seja feito de forma rápida, apenas o tempo suficiente para verificação da queda de tensão
na bobina, evitando danos ao motor.
Após a correta numeração

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.