A maior rede de estudos do Brasil

descreva a classificaçao dos diferentes procedimentos e instrumentos quanto aos cuidados no controle a infecçao cruzadas

Radiologia Odontológica

UNIGRAN CAPITAL


1 resposta(s)

User badge image

Andressa Lima

Há mais de um mês

Procedimentos segundo o risco de contaminação:

  • Procedimentos críticos: quando há penetração no sistema vascular (cirurgia e raspagens sub-gengivais). -sangue.
  • Procedimentos semi-críticos: quando entram em contato com secreções orgânicas (saliva), sem invadir o sistema vascular (inserção de material restaurador, aparelho ortodôntico).
  • Procedimentos não críticos: quando não há contato com secreções orgânicas nem penetração no sistema vascular. Na odontologia não existe nenhum procedimento que possa ser classificado nessa categoria.

Instrumentos segundo o risco de contaminação:

  • Instrumentos críticos: são instrumentos de corte ou ponta que penetram nos tecidos sub-epiteliais. Devem ser obrigatoriamente esterelizados e autoclavados.
  • Instrumentos semi-criticos: são instrumentos que entram em contato com a mucosa e pele integra (moldeiras, espelhos, instrumentais para restaurações). Podem ser desinfetados, mas preferencialmente esterelizados e até autoclavados.
  • Instrumentais não críticos: entram em contato, apenas com a pele íntegra ou não entram em contato com o paciente (perfuradora de lençol de borracha, cadeira odontológica, arco de Young, mufla...). Devem ser desinfetados.

Procedimentos segundo o risco de contaminação:

  • Procedimentos críticos: quando há penetração no sistema vascular (cirurgia e raspagens sub-gengivais). -sangue.
  • Procedimentos semi-críticos: quando entram em contato com secreções orgânicas (saliva), sem invadir o sistema vascular (inserção de material restaurador, aparelho ortodôntico).
  • Procedimentos não críticos: quando não há contato com secreções orgânicas nem penetração no sistema vascular. Na odontologia não existe nenhum procedimento que possa ser classificado nessa categoria.

Instrumentos segundo o risco de contaminação:

  • Instrumentos críticos: são instrumentos de corte ou ponta que penetram nos tecidos sub-epiteliais. Devem ser obrigatoriamente esterelizados e autoclavados.
  • Instrumentos semi-criticos: são instrumentos que entram em contato com a mucosa e pele integra (moldeiras, espelhos, instrumentais para restaurações). Podem ser desinfetados, mas preferencialmente esterelizados e até autoclavados.
  • Instrumentais não críticos: entram em contato, apenas com a pele íntegra ou não entram em contato com o paciente (perfuradora de lençol de borracha, cadeira odontológica, arco de Young, mufla...). Devem ser desinfetados.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes