A maior rede de estudos do Brasil

Ato Ilícito

Discorra sobre ato ilícito abordando: noções introdutórias e conceituais; inexistência da diferença ontológica entre ilícito civil e penal; tratamento sobre o tema no Códgio Civil atual; abuso se direito e causas excludentes de ilicitude.


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Carlos Eduardo Ferreira de Souza Verified user icon

Há mais de um mês

Atos ilícitos são aqueles praticados mediante ação ou omissão, com dolo ou culpa, aptos a gerar danos a outrem, seja da ordem que for: patrimonial, moral, estético.

Ademais, o Código Civil informa que aquele que exerce um direito que de fato titulariza, mas excedendo os limites impostos também comete ato ilícito (in casu, seria ilícito por abuso de direito).

É o que nos diz os arts. 186 e 187, do CC:

"Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.

Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes."

Na regra do Código Civil, que traz a responsabilidade civil subjetiva, os elementos são quatro:

1) Conduta culposa ou dolosa contrária à norma jurídica: é toda ação ou omissão aptas a gerar danos a terceiros.

2) Dano: é qualquer prejuízo causado a alguém, seja de ordem patrimonial, moral, estético, dentre outros.

3) Nexo de causalidade: é o liame subjetivo; o elemento de ligação entre a conduta e o dano causado.

4) Dolo ou culpa: é a vontade direta de causar o dano (dolo direto), a assunção dos riscos de causá-lo (dolo eventual) ou a ação sem os cuidados necessários (imprudência), sem domínio da técnica (imperícia) ou com desleixo por parte daquele que inicialmente possuía conhecimento para tanto (negligência).

Sabemos, ainda, que a responsabilidade civil objetiva é trazida como exceção pelo Código Civil e como regra por outros ramos do direito, como o Direito Consumerista e o Direito Administrativo. Nestes casos, serão apenas os três primeiros requisitos, excluído o elemento volitivo (dolo ou culpa).

São três as hipóteses de excludente de ilicitude, que ensejam a eliminação do nexo de causalidade:

  1. Caso fortuito ou força maior: nas hipóteses que independem de qualquer conduta do agente, tampouco de situação que poderia evitar;
  2. Culpa exclusiva da vítima: se a vítima age de modo a não deixar aquele que causa o dano alternativa para que possa evitar, então se excluirá o nexo de causalidade (e.g. em uma via expressa, José trafega com seu caminhão na velocidade adequada - cerca de 110 km/h, quando Berenice se atira de uma passarela e acerta o veículo).
  3. Culpa exclusiva de terceiro: nesse caso, rompe-se o nexo de causalidade entre a vítima e aquele inicialmente acusado, mas é mantido em relação à vítima e aquele terceiro.

Por fim, temos que o ilícito civil e o ilícito penal constituem-se como violação ao ordenamento jurídico, mas devem ser vistos sob prismas diversos.

Primeiramente, o ilícito civil foca na vítima, enquanto o penal foca no autor. Ademais, a regra naquele primeiro é a sanção patrimonial, enquanto neste segundo é a sanção pessoal.

Além disso, são, em regra, independentes, sendo certo, contudo, que no Direito Civil não poderá ser rediscutida a autoria e materialidade quando já houver condenação criminal transitada em julgado que as reconheça.

Ademais, o Direito Civil admitirá a culpa concorrente, ainda que haja condenação criminal, o que nunca ocorrerá no Direito Penal, pois a vítima não concorre para a prática de crimes.

Atos ilícitos são aqueles praticados mediante ação ou omissão, com dolo ou culpa, aptos a gerar danos a outrem, seja da ordem que for: patrimonial, moral, estético.

Ademais, o Código Civil informa que aquele que exerce um direito que de fato titulariza, mas excedendo os limites impostos também comete ato ilícito (in casu, seria ilícito por abuso de direito).

É o que nos diz os arts. 186 e 187, do CC:

"Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.

Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifestamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes."

Na regra do Código Civil, que traz a responsabilidade civil subjetiva, os elementos são quatro:

1) Conduta culposa ou dolosa contrária à norma jurídica: é toda ação ou omissão aptas a gerar danos a terceiros.

2) Dano: é qualquer prejuízo causado a alguém, seja de ordem patrimonial, moral, estético, dentre outros.

3) Nexo de causalidade: é o liame subjetivo; o elemento de ligação entre a conduta e o dano causado.

4) Dolo ou culpa: é a vontade direta de causar o dano (dolo direto), a assunção dos riscos de causá-lo (dolo eventual) ou a ação sem os cuidados necessários (imprudência), sem domínio da técnica (imperícia) ou com desleixo por parte daquele que inicialmente possuía conhecimento para tanto (negligência).

Sabemos, ainda, que a responsabilidade civil objetiva é trazida como exceção pelo Código Civil e como regra por outros ramos do direito, como o Direito Consumerista e o Direito Administrativo. Nestes casos, serão apenas os três primeiros requisitos, excluído o elemento volitivo (dolo ou culpa).

São três as hipóteses de excludente de ilicitude, que ensejam a eliminação do nexo de causalidade:

  1. Caso fortuito ou força maior: nas hipóteses que independem de qualquer conduta do agente, tampouco de situação que poderia evitar;
  2. Culpa exclusiva da vítima: se a vítima age de modo a não deixar aquele que causa o dano alternativa para que possa evitar, então se excluirá o nexo de causalidade (e.g. em uma via expressa, José trafega com seu caminhão na velocidade adequada - cerca de 110 km/h, quando Berenice se atira de uma passarela e acerta o veículo).
  3. Culpa exclusiva de terceiro: nesse caso, rompe-se o nexo de causalidade entre a vítima e aquele inicialmente acusado, mas é mantido em relação à vítima e aquele terceiro.

Por fim, temos que o ilícito civil e o ilícito penal constituem-se como violação ao ordenamento jurídico, mas devem ser vistos sob prismas diversos.

Primeiramente, o ilícito civil foca na vítima, enquanto o penal foca no autor. Ademais, a regra naquele primeiro é a sanção patrimonial, enquanto neste segundo é a sanção pessoal.

Além disso, são, em regra, independentes, sendo certo, contudo, que no Direito Civil não poderá ser rediscutida a autoria e materialidade quando já houver condenação criminal transitada em julgado que as reconheça.

Ademais, o Direito Civil admitirá a culpa concorrente, ainda que haja condenação criminal, o que nunca ocorrerá no Direito Penal, pois a vítima não concorre para a prática de crimes.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas