A maior rede de estudos do Brasil

Como desenvolver os calculos de Luminotecnica e Projetos referentes ao dimensionamento das cargas de iluminação e tomadas

Preciso de alguma base para que eu possa realizar os calculos de Luminotecnica e dimensionamento de cabos, proteção e circuitos 


6 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Iluminação

  • Para recintos com área igual ou inferior a 6m², atribuir um mínimo de 100VA.

  • Para recintos com área superior a 6m², atribuir um mínimo de 100VA para os primeiros 6m², acrescidos de 60VA para cada aumento de 4m² inteiros.

  • Tomadas

  • Condições para estabelecer a quantidade mínima de tomadas de uso geral (TUGs):

  • Em salas e dormitórios: um ponto de tomada para cada 5m, ou fração, de perímetro, espaçados tão uniformemente quanto possível.

  • Cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, cozinha-área de serviço, lavanderias e locais análogos: uma tomada para cada 3,5m ou fração de perímetro, independente da área, sendo que acima da bancada da pia devem ser previstas no mínimo duas tomadas de corrente.

  • Banheiros: no mínimo uma tomada perto do lavatório, com uma distância mínima de 60 cm do box, independente da área.

  • Subsolos, varandas, garagens ou sótãos: no mínimo uma tomada, independente da área.

  • Em cada um dos demais cômodos e dependência prever no mínimo.

  • Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for inferior ou igual a 2,25m² (esse ponto pode ser posicionado externamente, a até 0,80m da porta de acesso).

  • Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for superior a 2,25m² e igual ou inferior a 6m².

  • Um ponto de tomada para cada 5m, ou fração de perímetro, se a área do cômodo ou dependência for superior a 6m².

  • Condições para estabelecer a potência mínima de tomadas de uso geral (TUGs):

  • Banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais semelhantes: atribuir 600VA por tomada, para as três primeiras tomadas, e 100VA para cada um dos excedentes, considerando cada um dos ambientes separadamente.

  • Demais cômodos ou dependências: atribuir 100VA por tomada.

  • Condições para estabelecer a quantidade de tomadas de uso específico (TUEs):

  • Tomadas de uso específico são aquelas destinadas à ligação de equipamentos fixos ou estacionários, como, por exemplo, chuveiros elétricos, torneiras elétricas, aparelhos de ar-condicionado, secadoras e lavadoras de roupa, etc.

  • A quantidade de tomadas de uso específico (TUEs) é estabelecida de acordo com o número de aparelhos de utilização. Os pontos de TUEs devem ser localizados no máximo a 1,5m do ponto previsto para a localização do equipamento.

  • Condições para estabelecer a potência de tomadas de uso específico (TUEs):

  • Atribuir, para cada TUE, a potência nominal do equipamento a ser utilizado.

  • Dimensionamento de condutores

  • Seção mínima

  • Condutor de cobre para circuitos de iluminação é de 1,5 mm2;

  • Condutor de cobre para circuitos de força, que incluem TUG’s, é de 2,5 mm2;

  • Neutro: deve possuir a mesma seção do condutor fase nos seguintes casos:

  • a) Circuitos monofásicos e bifásicos neutro;

  • b) Circuitos trifásicos, quando a seção do condutor fase for igual ou inferior a 25 mm2 em cobre ou alumínio.

  • c) Circuitos trifásicos, quando for prevista a presença de harmônicos com taxas até 15% qualquer que seja a seção.

  • d) Em nenhuma circunstância, o condutor neutro pode ser comum a mais de um circuito.

  • Cálculo da corrente de fase (corrente de projeto):

  • FP= \cos(β.n)

  • $$I_{CIRC}= \frac{P_{CIRC}}{V_{CIRC}XFP}= \frac{S_{CIRC}}{V_{CIRC}}$$

  • I_{CIRC}= \frac{P_{CIRC}}{V_{CIRC}XFP}= \frac{S_{CIRC}}{V_{CIRC}}

  • Cálculo da corrente corrigida:

  • $$I_{PROJ}= \frac{I_{CIRC}}{FCT X FCNC}$$

  • Tabela para a determinação do condutor que atenda à corrente de projeto definida:

  • (tabs. de 31 a 34 da NBR 5410-2004)

  • A queda de tensão unitária, Δvunit, em volts/ampere.km, do circuito, é calculada pela expressão:

  • $$∆Vunit= \frac{e\%.V}{Ip.l}$$

  • e(%) – queda de tensão admissivel

  • v – tensão

  • Ip – corrente de projeto

  • l – comprimento do circuito

  • O método VA*m quando se tratar de circuitos com cargas pequenas

  • Tabela com as seções padrões dos condutores:

Iluminação

  • Para recintos com área igual ou inferior a 6m², atribuir um mínimo de 100VA.

  • Para recintos com área superior a 6m², atribuir um mínimo de 100VA para os primeiros 6m², acrescidos de 60VA para cada aumento de 4m² inteiros.

  • Tomadas

  • Condições para estabelecer a quantidade mínima de tomadas de uso geral (TUGs):

  • Em salas e dormitórios: um ponto de tomada para cada 5m, ou fração, de perímetro, espaçados tão uniformemente quanto possível.

  • Cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, cozinha-área de serviço, lavanderias e locais análogos: uma tomada para cada 3,5m ou fração de perímetro, independente da área, sendo que acima da bancada da pia devem ser previstas no mínimo duas tomadas de corrente.

  • Banheiros: no mínimo uma tomada perto do lavatório, com uma distância mínima de 60 cm do box, independente da área.

  • Subsolos, varandas, garagens ou sótãos: no mínimo uma tomada, independente da área.

  • Em cada um dos demais cômodos e dependência prever no mínimo.

  • Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for inferior ou igual a 2,25m² (esse ponto pode ser posicionado externamente, a até 0,80m da porta de acesso).

  • Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for superior a 2,25m² e igual ou inferior a 6m².

  • Um ponto de tomada para cada 5m, ou fração de perímetro, se a área do cômodo ou dependência for superior a 6m².

  • Condições para estabelecer a potência mínima de tomadas de uso geral (TUGs):

  • Banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais semelhantes: atribuir 600VA por tomada, para as três primeiras tomadas, e 100VA para cada um dos excedentes, considerando cada um dos ambientes separadamente.

  • Demais cômodos ou dependências: atribuir 100VA por tomada.

  • Condições para estabelecer a quantidade de tomadas de uso específico (TUEs):

  • Tomadas de uso específico são aquelas destinadas à ligação de equipamentos fixos ou estacionários, como, por exemplo, chuveiros elétricos, torneiras elétricas, aparelhos de ar-condicionado, secadoras e lavadoras de roupa, etc.

  • A quantidade de tomadas de uso específico (TUEs) é estabelecida de acordo com o número de aparelhos de utilização. Os pontos de TUEs devem ser localizados no máximo a 1,5m do ponto previsto para a localização do equipamento.

  • Condições para estabelecer a potência de tomadas de uso específico (TUEs):

  • Atribuir, para cada TUE, a potência nominal do equipamento a ser utilizado.

  • Dimensionamento de condutores

  • Seção mínima

  • Condutor de cobre para circuitos de iluminação é de 1,5 mm2;

  • Condutor de cobre para circuitos de força, que incluem TUG’s, é de 2,5 mm2;

  • Neutro: deve possuir a mesma seção do condutor fase nos seguintes casos:

  • a) Circuitos monofásicos e bifásicos neutro;

  • b) Circuitos trifásicos, quando a seção do condutor fase for igual ou inferior a 25 mm2 em cobre ou alumínio.

  • c) Circuitos trifásicos, quando for prevista a presença de harmônicos com taxas até 15% qualquer que seja a seção.

  • d) Em nenhuma circunstância, o condutor neutro pode ser comum a mais de um circuito.

  • Cálculo da corrente de fase (corrente de projeto):

  • FP= \cos(β.n)

  • $$I_{CIRC}= \frac{P_{CIRC}}{V_{CIRC}XFP}= \frac{S_{CIRC}}{V_{CIRC}}$$

  • I_{CIRC}= \frac{P_{CIRC}}{V_{CIRC}XFP}= \frac{S_{CIRC}}{V_{CIRC}}

  • Cálculo da corrente corrigida:

  • $$I_{PROJ}= \frac{I_{CIRC}}{FCT X FCNC}$$

  • Tabela para a determinação do condutor que atenda à corrente de projeto definida:

  • (tabs. de 31 a 34 da NBR 5410-2004)

  • A queda de tensão unitária, Δvunit, em volts/ampere.km, do circuito, é calculada pela expressão:

  • $$∆Vunit= \frac{e\%.V}{Ip.l}$$

  • e(%) – queda de tensão admissivel

  • v – tensão

  • Ip – corrente de projeto

  • l – comprimento do circuito

  • O método VA*m quando se tratar de circuitos com cargas pequenas

  • Tabela com as seções padrões dos condutores:

User badge image

Cloves Gregorio

Há mais de um mês

Para que possamos fazer os cálculos luminotécnicos, devemos conhecer as grandezas fundamentais como a luz, cor, intensidade, fluxo luminoso e etc. Pode se determinar o nº de luminárias necessárias para produzir e determinado iluminamento das seguintes maneiras:

1º- Carga por m² (Este calculo não é muito importante pois dispensam fatores importantes ao calculo)

Exemplo:

Salas = 20W/m²

Quartos=15W/m²

Banheiros 10W/m²

Cozinhas=10W/m²

Depósitos=5W/m²

Lojas=30W/m²

Obs.: estes valores se aplicam à iluminação incandescente

Ex: vamos supor que temos um conjugado com quarto (10m²), cozinha(10m²) e Banheiro(6m²). a conta ficaria:
cozinha 10W x 10m²=100W

quarto  15W x 10m²=150W

banheiro 10W x 6m² = 60W

Então somaremos essas potencias e teremos 310W, Precisaremos de uma carga elétrica dimensionada para está potencia.


Você pode pesquisar sobre todos os outros métodos nessa apostila on line http://www2.eeemba.br/tecnico/home/download/eletrotecnica/edj102.pdf

Att

Cloves Gregorio

User badge image

Osmar Fonteles Albuquerque

Há mais de um mês

Pelo que aprendi o cálculo de luninotécnica é dado pela área:

área menor ou igual a 6m² 100VA

área maior a 6m² 100VA para os primeiros 6m² e 60VA a cada 4m² restantes, lembrando que o cosseno de fi ou fator de potência de iluminação é =1, ou seja, para transformar uma potência aparente (VA) em potência ativa (W) é só dividir o valor em VA pelo fator 1  VA= W/fi   

 

A parte que era mais dificil foi encontrar o fluxo luninoso através dos fatores ( idade, precisao e velocidade) e utilizando as fórmulas para encontrar o K(índice do local) que é dado pelo fluxo luminoso X área/área x h(altura de trabalho entre luminária e local de trabalho). A partir disso usar as tabelas para encontrar os demais itens.

User badge image

Paulo Botelho

Há mais de um mês

Existe vários softwares gratuítos na internet, para cálculos luminotécnicos, disponibilizados pelos fabricantes de luminárias, por exemplo o disponibizado pela Lumicenter.

O livro Instalações Elétricas, do autor Hélio Creder, é uma boa fonte de consulta.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas