A maior rede de estudos do Brasil

Como desenvolver os calculos de Luminotecnica e Projetos referentes ao dimensionamento das cargas de iluminação e tomadas

Preciso de alguma base para que eu possa realizar os calculos de Luminotecnica e dimensionamento de cabos, proteção e circuitos 


6 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Iluminação

  • Para recintos com área igual ou inferior a 6m², atribuir um mínimo de 100VA.

  • Para recintos com área superior a 6m², atribuir um mínimo de 100VA para os primeiros 6m², acrescidos de 60VA para cada aumento de 4m² inteiros.

  • Tomadas

  • Condições para estabelecer a quantidade mínima de tomadas de uso geral (TUGs):

  • Em salas e dormitórios: um ponto de tomada para cada 5m, ou fração, de perímetro, espaçados tão uniformemente quanto possível.

  • Cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, cozinha-área de serviço, lavanderias e locais análogos: uma tomada para cada 3,5m ou fração de perímetro, independente da área, sendo que acima da bancada da pia devem ser previstas no mínimo duas tomadas de corrente.

  • Banheiros: no mínimo uma tomada perto do lavatório, com uma distância mínima de 60 cm do box, independente da área.

  • Subsolos, varandas, garagens ou sótãos: no mínimo uma tomada, independente da área.

  • Em cada um dos demais cômodos e dependência prever no mínimo.

  • Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for inferior ou igual a 2,25m² (esse ponto pode ser posicionado externamente, a até 0,80m da porta de acesso).

  • Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for superior a 2,25m² e igual ou inferior a 6m².

  • Um ponto de tomada para cada 5m, ou fração de perímetro, se a área do cômodo ou dependência for superior a 6m².

  • Condições para estabelecer a potência mínima de tomadas de uso geral (TUGs):

  • Banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais semelhantes: atribuir 600VA por tomada, para as três primeiras tomadas, e 100VA para cada um dos excedentes, considerando cada um dos ambientes separadamente.

  • Demais cômodos ou dependências: atribuir 100VA por tomada.

  • Condições para estabelecer a quantidade de tomadas de uso específico (TUEs):

  • Tomadas de uso específico são aquelas destinadas à ligação de equipamentos fixos ou estacionários, como, por exemplo, chuveiros elétricos, torneiras elétricas, aparelhos de ar-condicionado, secadoras e lavadoras de roupa, etc.

  • A quantidade de tomadas de uso específico (TUEs) é estabelecida de acordo com o número de aparelhos de utilização. Os pontos de TUEs devem ser localizados no máximo a 1,5m do ponto previsto para a localização do equipamento.

  • Condições para estabelecer a potência de tomadas de uso específico (TUEs):

  • Atribuir, para cada TUE, a potência nominal do equipamento a ser utilizado.

  • Dimensionamento de condutores

  • Seção mínima

  • Condutor de cobre para circuitos de iluminação é de 1,5 mm2;

  • Condutor de cobre para circuitos de força, que incluem TUG’s, é de 2,5 mm2;

  • Neutro: deve possuir a mesma seção do condutor fase nos seguintes casos:

  • a) Circuitos monofásicos e bifásicos neutro;

  • b) Circuitos trifásicos, quando a seção do condutor fase for igual ou inferior a 25 mm2 em cobre ou alumínio.

  • c) Circuitos trifásicos, quando for prevista a presença de harmônicos com taxas até 15% qualquer que seja a seção.

  • d) Em nenhuma circunstância, o condutor neutro pode ser comum a mais de um circuito.

  • Cálculo da corrente de fase (corrente de projeto):

  • FP= \cos(β.n)

  • $$I_{CIRC}= \frac{P_{CIRC}}{V_{CIRC}XFP}= \frac{S_{CIRC}}{V_{CIRC}}$$

  • I_{CIRC}= \frac{P_{CIRC}}{V_{CIRC}XFP}= \frac{S_{CIRC}}{V_{CIRC}}

  • Cálculo da corrente corrigida:

  • $$I_{PROJ}= \frac{I_{CIRC}}{FCT X FCNC}$$

  • Tabela para a determinação do condutor que atenda à corrente de projeto definida:

  • (tabs. de 31 a 34 da NBR 5410-2004)

  • A queda de tensão unitária, Δvunit, em volts/ampere.km, do circuito, é calculada pela expressão:

  • $$∆Vunit= \frac{e\%.V}{Ip.l}$$

  • e(%) – queda de tensão admissivel

  • v – tensão

  • Ip – corrente de projeto

  • l – comprimento do circuito

  • O método VA*m quando se tratar de circuitos com cargas pequenas

  • Tabela com as seções padrões dos condutores:

Iluminação

  • Para recintos com área igual ou inferior a 6m², atribuir um mínimo de 100VA.

  • Para recintos com área superior a 6m², atribuir um mínimo de 100VA para os primeiros 6m², acrescidos de 60VA para cada aumento de 4m² inteiros.

  • Tomadas

  • Condições para estabelecer a quantidade mínima de tomadas de uso geral (TUGs):

  • Em salas e dormitórios: um ponto de tomada para cada 5m, ou fração, de perímetro, espaçados tão uniformemente quanto possível.

  • Cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, cozinha-área de serviço, lavanderias e locais análogos: uma tomada para cada 3,5m ou fração de perímetro, independente da área, sendo que acima da bancada da pia devem ser previstas no mínimo duas tomadas de corrente.

  • Banheiros: no mínimo uma tomada perto do lavatório, com uma distância mínima de 60 cm do box, independente da área.

  • Subsolos, varandas, garagens ou sótãos: no mínimo uma tomada, independente da área.

  • Em cada um dos demais cômodos e dependência prever no mínimo.

  • Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for inferior ou igual a 2,25m² (esse ponto pode ser posicionado externamente, a até 0,80m da porta de acesso).

  • Um ponto de tomada, se a área do cômodo ou dependência for superior a 2,25m² e igual ou inferior a 6m².

  • Um ponto de tomada para cada 5m, ou fração de perímetro, se a área do cômodo ou dependência for superior a 6m².

  • Condições para estabelecer a potência mínima de tomadas de uso geral (TUGs):

  • Banheiros, cozinhas, copas, copas-cozinhas, áreas de serviço, lavanderias e locais semelhantes: atribuir 600VA por tomada, para as três primeiras tomadas, e 100VA para cada um dos excedentes, considerando cada um dos ambientes separadamente.

  • Demais cômodos ou dependências: atribuir 100VA por tomada.

  • Condições para estabelecer a quantidade de tomadas de uso específico (TUEs):

  • Tomadas de uso específico são aquelas destinadas à ligação de equipamentos fixos ou estacionários, como, por exemplo, chuveiros elétricos, torneiras elétricas, aparelhos de ar-condicionado, secadoras e lavadoras de roupa, etc.

  • A quantidade de tomadas de uso específico (TUEs) é estabelecida de acordo com o número de aparelhos de utilização. Os pontos de TUEs devem ser localizados no máximo a 1,5m do ponto previsto para a localização do equipamento.

  • Condições para estabelecer a potência de tomadas de uso específico (TUEs):

  • Atribuir, para cada TUE, a potência nominal do equipamento a ser utilizado.

  • Dimensionamento de condutores

  • Seção mínima

  • Condutor de cobre para circuitos de iluminação é de 1,5 mm2;

  • Condutor de cobre para circuitos de força, que incluem TUG’s, é de 2,5 mm2;

  • Neutro: deve possuir a mesma seção do condutor fase nos seguintes casos:

  • a) Circuitos monofásicos e bifásicos neutro;

  • b) Circuitos trifásicos, quando a seção do condutor fase for igual ou inferior a 25 mm2 em cobre ou alumínio.

  • c) Circuitos trifásicos, quando for prevista a presença de harmônicos com taxas até 15% qualquer que seja a seção.

  • d) Em nenhuma circunstância, o condutor neutro pode ser comum a mais de um circuito.

  • Cálculo da corrente de fase (corrente de projeto):

  • FP= \cos(β.n)

  • $$I_{CIRC}= \frac{P_{CIRC}}{V_{CIRC}XFP}= \frac{S_{CIRC}}{V_{CIRC}}$$

  • I_{CIRC}= \frac{P_{CIRC}}{V_{CIRC}XFP}= \frac{S_{CIRC}}{V_{CIRC}}

  • Cálculo da corrente corrigida:

  • $$I_{PROJ}= \frac{I_{CIRC}}{FCT X FCNC}$$

  • Tabela para a determinação do condutor que atenda à corrente de projeto definida:

  • (tabs. de 31 a 34 da NBR 5410-2004)

  • A queda de tensão unitária, Δvunit, em volts/ampere.km, do circuito, é calculada pela expressão:

  • $$∆Vunit= \frac{e\%.V}{Ip.l}$$

  • e(%) – queda de tensão admissivel

  • v – tensão

  • Ip – corrente de projeto

  • l – comprimento do circuito

  • O método VA*m quando se tratar de circuitos com cargas pequenas

  • Tabela com as seções padrões dos condutores:

User badge image

Cloves Gregorio

Há mais de um mês

Para que possamos fazer os cálculos luminotécnicos, devemos conhecer as grandezas fundamentais como a luz, cor, intensidade, fluxo luminoso e etc. Pode se determinar o nº de luminárias necessárias para produzir e determinado iluminamento das seguintes maneiras:

1º- Carga por m² (Este calculo não é muito importante pois dispensam fatores importantes ao calculo)

Exemplo:

Salas = 20W/m²

Quartos=15W/m²

Banheiros 10W/m²

Cozinhas=10W/m²

Depósitos=5W/m²

Lojas=30W/m²

Obs.: estes valores se aplicam à iluminação incandescente

Ex: vamos supor que temos um conjugado com quarto (10m²), cozinha(10m²) e Banheiro(6m²). a conta ficaria:
cozinha 10W x 10m²=100W

quarto  15W x 10m²=150W

banheiro 10W x 6m² = 60W

Então somaremos essas potencias e teremos 310W, Precisaremos de uma carga elétrica dimensionada para está potencia.


Você pode pesquisar sobre todos os outros métodos nessa apostila on line http://www2.eeemba.br/tecnico/home/download/eletrotecnica/edj102.pdf

Att

Cloves Gregorio

User badge image

Osmar Fonteles Albuquerque

Há mais de um mês

Pelo que aprendi o cálculo de luninotécnica é dado pela área:

área menor ou igual a 6m² 100VA

área maior a 6m² 100VA para os primeiros 6m² e 60VA a cada 4m² restantes, lembrando que o cosseno de fi ou fator de potência de iluminação é =1, ou seja, para transformar uma potência aparente (VA) em potência ativa (W) é só dividir o valor em VA pelo fator 1  VA= W/fi   

 

A parte que era mais dificil foi encontrar o fluxo luninoso através dos fatores ( idade, precisao e velocidade) e utilizando as fórmulas para encontrar o K(índice do local) que é dado pelo fluxo luminoso X área/área x h(altura de trabalho entre luminária e local de trabalho). A partir disso usar as tabelas para encontrar os demais itens.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas