A maior rede de estudos do Brasil

deescreva como se forma a placa de ateroma e qual o seu significado clinico?

Patologia IUNIGRANRIO

2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Podemos começar dizendo que evidências recentes mostram que a camada externa dos vasos sangüíneos, composta pela camada adventícia e vasa vasorum, não apenas desempenha um papel significativo na manutenção da integridade do vaso, mas também reage ao ateroma.


É bem conhecido que um processo inflamatório ocorre dentro da parede arterial no local de uma placa em desenvolvimento [ 9 - 11 ], e o mecanismo de lesão da infiltração íntima e lipídica da mídia é a via aterogênica aceita, o que é considerado reativo ao ateroma. Há evidências de que a tensão de cisalhamento do fluxo decorre de fluxo perturbado de placa protuberante com vacuolação e turbulência que causam ruptura da íntima posterior, e isso tem sido sugerido como um mecanismo para excesso de lipídios no sangue para alimentar a deposição em placas do lúmen do vaso.


Dessa forma, a hipótese do início do processo iniciando na parede da artéria e do ciclo cicatricial de lesão em um local vulnerável, fornecendo o estímulo em curso que perpetua a formação das placas ateroscleróticas, merece ser investigada. Os mecanismos aceitos para aterogênese não explicam por que o ateroma é unicamente uma lesão arterial que não envolve as veias, a menos que sejam arterializadas; isto é, não é uma doença dos jovens e, se todos vivermos o suficiente, cada um de nós desenvolverá uma lesão ateromatosa.

Podemos começar dizendo que evidências recentes mostram que a camada externa dos vasos sangüíneos, composta pela camada adventícia e vasa vasorum, não apenas desempenha um papel significativo na manutenção da integridade do vaso, mas também reage ao ateroma.


É bem conhecido que um processo inflamatório ocorre dentro da parede arterial no local de uma placa em desenvolvimento [ 9 - 11 ], e o mecanismo de lesão da infiltração íntima e lipídica da mídia é a via aterogênica aceita, o que é considerado reativo ao ateroma. Há evidências de que a tensão de cisalhamento do fluxo decorre de fluxo perturbado de placa protuberante com vacuolação e turbulência que causam ruptura da íntima posterior, e isso tem sido sugerido como um mecanismo para excesso de lipídios no sangue para alimentar a deposição em placas do lúmen do vaso.


Dessa forma, a hipótese do início do processo iniciando na parede da artéria e do ciclo cicatricial de lesão em um local vulnerável, fornecendo o estímulo em curso que perpetua a formação das placas ateroscleróticas, merece ser investigada. Os mecanismos aceitos para aterogênese não explicam por que o ateroma é unicamente uma lesão arterial que não envolve as veias, a menos que sejam arterializadas; isto é, não é uma doença dos jovens e, se todos vivermos o suficiente, cada um de nós desenvolverá uma lesão ateromatosa.

User badge image

Junior

Há mais de um mês

Os fatores de risco de formação de placas aterogênicas têm relação com o estilo de vida (dieta aterogênica, sedentarismo, obesidade, tabagismo, etilismo) e outros fatores como a resistência a insulina, a hipertensão arterial, os baixos níveis de HDL-c e LDL-c oxidado, e as alterações nos valores de homocisteína.

Já a placa ateromatosa que possui o centro rico em células necróticas ou lipídeos, em derredor células espumosas, bem como, linfócitos e demais células implicadas no regime inflamatório além dos cristais de colesterol. Estes últimos tem sua gênese a partir da liberação de colesterol no interstício pelas células espumosas. A doença ainda é acompanhada pelo estoque no tecido conjuntivo subendotelial, fluxo proteoglicano que permite a ação de colágeno na camada íntima e por fim a calcificação.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas