Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

diferenca entre bacterias gram positivas e gram negativas


4 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

As gram - negativas aquelas que não mancha azul escuro ou violeta pela coloração de Gram, essa característica está intimamente ligada à estrutura dimérica dada pelo envelope celular, pois possui uma membrana celular dupla (uma externa e outra citoplasmática), que reflete um tipo natural de organização bacteriana.

As bactérias gram-positivas, são coradas azul escuro ou violeta por coloração de Gram, essa característica química está intimamente ligada à estrutura do envelope celular, refletindo um tipo natural de organização bacteriana. O envelope celular das bactérias gram-positivas compreende a membrana citoplasmática e uma parede celular composta por uma espessa camada de peptidoglicano, que envolve a anterior.

As gram - negativas aquelas que não mancha azul escuro ou violeta pela coloração de Gram, essa característica está intimamente ligada à estrutura dimérica dada pelo envelope celular, pois possui uma membrana celular dupla (uma externa e outra citoplasmática), que reflete um tipo natural de organização bacteriana.

As bactérias gram-positivas, são coradas azul escuro ou violeta por coloração de Gram, essa característica química está intimamente ligada à estrutura do envelope celular, refletindo um tipo natural de organização bacteriana. O envelope celular das bactérias gram-positivas compreende a membrana citoplasmática e uma parede celular composta por uma espessa camada de peptidoglicano, que envolve a anterior.

User badge image

Hassan Martins

Há mais de um mês

  • Gram-positivas: bactérias que possuem parede celular com uma única e espessa camada de peptidoglicanos. Pelo emprego da coloração de Gram, tingem-se na cor púrpura ou azul quando fixadas com cristal violeta, porque retêm esse corante mesmo sendo expostas a álcool.
  • Gram-negativas: bactérias que possuem uma parede celular mais delgada e uma segunda membrana lipídica - distinta quimicamente da membrana plasmática - no exterior desta parede celular. No processo de coloração o lipídio dessa membrana mais externa é dissolvido pelo álcool e libera o primeiro corante: cristal violeta. Ao término da coloração, essa células são visualizadas com a tonalidade rosa-avermelhada do segundo corante, safranina que lhes confere apenas a coloração vermelha.

 

Sendo assim, a principal diferença entre as duas está na parede celular: as gram-positivas apresentam uma espessa camada de peptideoglicanos na parede celular, enquanto as gram-negativas uma parede celular dupla, externamente formada de carboidratos, proteínas e fosfolipídeos e, internamente, constituída de peptideoglicanos. 

User badge image

Kelly Mendes

Há mais de um mês

As bastérias gram-positivas possuem cerca de 90% da parede celular composta por peptideoglicano, muitas exibem várias camadas sobrepostas. Apresentam moléculas ácidas, chamadas ácido tecoicos em sua parede celular.

Em bactérias gram-negativas, apenas uma pequena quantidade da parece celular total consiste em peptideoglicano, enquanto a maior parte é composta pela membrana externa, frequentemente chamada de camada lipopolissacarídica (LPS) devido às suas carcterísticas. Além do seu papel em fornecer rigidez à parede das células gram-negativas, uma importante propriedade biológica do LPS está relacionado com sua toxicidade aos animais.

As diferenças estruturais entre as paredes de bactérias gram-positivas e gram-negativas são responsáveis pelas diferenças obtidas na coloração de gram. Durante a coloração de gram, a parede celular gram-positiva é desidratada pelo álcool, promovendo o fechamento dos poros na parede e impedindo a remoção do complexo insolúvel de cristal violeta-iodo da célula. Por outro lado, nas bactérias gram-negativas, o álcool penetra rapidamente na membrana externa rica em lipídeos, extraindo o complexo cristal vioeleta-iodo da célula. 

Observação: utilizei trechos integrais tirados do livro Microbiologia de Brock, então atente-se ao plágio.

MADIGAN, Michael T. et al. Microbiologia de Brock. 14. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2016.

Essa pergunta já foi respondida!