A maior rede de estudos do Brasil

quantos dias o acusado pode ficar preso preventivamente ? cabe relaxamento de prisão ? em qual situação ?

Direito Penal I

ESTÁCIO


3 resposta(s)

User badge image

AMARILDO

Há mais de um mês

Art. 313. Nos termos do art. 312 deste Código, será admitida a decretação da prisão preventiva: (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

- nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade máxima superior a 4 (quatro) anos; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

II - se tiver sido condenado por outro crime doloso, em sentença transitada em julgado, ressalvado o disposto no inciso I do caput do art. 64 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

III - se o crime envolver violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

IV - (Revogado pela Lei nº 12.403, de 2011).

Parágrafo único. Também será admitida a prisão preventiva quando houver dúvida sobre a identidade civil da pessoa ou quando esta não fornecer elementos suficientes para esclarecê-la, devendo o preso ser colocado imediatamente em liberdade após a identificação, salvo se outra hipótese recomendar a manutenção da medida. (Incluído pela Lei nº 12.403, de 2011).

- nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade máxima superior a 4 (quatro) anos; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

II - se tiver sido condenado por outro crime doloso, em sentença transitada em julgado, ressalvado o disposto no inciso I do caput do art. 64 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

III - se o crime envolver violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

IV - (revogado).

(Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

(Revogado pela Lei nº 12.403, de 2011).

Parágrafo único. Também será admitida a prisão preventiva quando houver dúvida sobre a identidade civil da pessoa ou quando esta não fornecer elementos suficientes para esclarecê-la, devendo o preso ser colocado imediatamente em liberdade após a identificação, salvo se outra hipótese recomendar a manutenção da medida. (Incluído pela Lei nº 12.403, de 2011).

Art. 313. Nos termos do art. 312 deste Código, será admitida a decretação da prisão preventiva: (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

- nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade máxima superior a 4 (quatro) anos; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

II - se tiver sido condenado por outro crime doloso, em sentença transitada em julgado, ressalvado o disposto no inciso I do caput do art. 64 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

III - se o crime envolver violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

IV - (Revogado pela Lei nº 12.403, de 2011).

Parágrafo único. Também será admitida a prisão preventiva quando houver dúvida sobre a identidade civil da pessoa ou quando esta não fornecer elementos suficientes para esclarecê-la, devendo o preso ser colocado imediatamente em liberdade após a identificação, salvo se outra hipótese recomendar a manutenção da medida. (Incluído pela Lei nº 12.403, de 2011).

- nos crimes dolosos punidos com pena privativa de liberdade máxima superior a 4 (quatro) anos; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

II - se tiver sido condenado por outro crime doloso, em sentença transitada em julgado, ressalvado o disposto no inciso I do caput do art. 64 do Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 - Código Penal; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

III - se o crime envolver violência doméstica e familiar contra a mulher, criança, adolescente, idoso, enfermo ou pessoa com deficiência, para garantir a execução das medidas protetivas de urgência; (Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

IV - (revogado).

(Redação dada pela Lei nº 12.403, de 2011).

(Revogado pela Lei nº 12.403, de 2011).

Parágrafo único. Também será admitida a prisão preventiva quando houver dúvida sobre a identidade civil da pessoa ou quando esta não fornecer elementos suficientes para esclarecê-la, devendo o preso ser colocado imediatamente em liberdade após a identificação, salvo se outra hipótese recomendar a manutenção da medida. (Incluído pela Lei nº 12.403, de 2011).

User badge image

Clerton

Há mais de um mês

Na prisão preventiva, diferente da prisão temporária, não há um prazo exato para findar-se. O que ocorre é o dever de observar a necessidade da mesma, é dizer que, enquanto houver razão para que o investigado/réu/suspeito esteja preso, assim deverá permanecer. Entretanto tal medida é algo extremo, e deve, de fato, ser entendido como algo excepcional, pois trata-se da restrinção ao direito de liberdade. Todavia jurisprudencias vem apontando casos de relaxamento de prisão por excesso de culpa, leia-se, a demora do Ministério Público em formar sua "opinio delicti", ou no bom pertuguês, oferecer a denúncia. Casos assim adimitem o ingresso com pedido de relaxamento de prisão, que ao entender dos tribunais, não há razão plausível para que a prisão preventiva da época do fato até o oferecimento da denúncia extrapolem um período de 80 dias.

User badge image

Estudante

Há mais de um mês

Segundo o artigo 311 do Código de Processo Penal não tem prazo determinado (diferentemente da prisão temporária que tem o prazo de 5 dias prorrogável por mais 5 e no caso de crimes hediondos o prazo é de 30 dias prorrogáveis por igual período). Cabe relaxamento se a prisão for abusiva ou ilegal, isto é, o preso está encarcerado preventivamente por mais de 2 anos, por exemplo, e seu processo ainda não está concluso para o juiz em virtude de pedidos de diligências protelatórios feito pela acusação. Cabe a revogação quando não existir mais os requisitos para a prisão preventiva conforme o artigo 316 do Código de Processo Penal que dispõe: O juiz poderá revogar a prisão preventiva se, no correr do processo, verificar a falta de motivo para que subsista, bem como de novo decretá-la, se sobrevierem razões que a justifiquem. Lembre-se a prisão preventiva tem natureza rebus sic stantibus, isto é, fica em vigor enquanto tiver presente os requisitos legais (indícios suficientes de autoria, prova da materialidade, garantia da ordem pública, garantia da ordem econômica, aplicação da lei penal, conveniência da instrução penal).  

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes