A maior rede de estudos do Brasil

identificar e minutar a medida judicial a ser tomada para tutelar o direito de Godofredo

Godofredo estava participando de uma partida de futebol quando fraturou uma costela, vindo a necessitar de uma intervenção cirúrgica, realizada em hospital Viver Melhor. Dois anos após a realização da cirurgia, Godofredo ainda sofria com muitas dores no local, o que o impossibilitava de exercer sua profissão como motorista. Descobre, então, que a equipe médica havia esquecido uma pinça cirúrgica dentro do seu corpo. Realizada nova cirurgia no mesmo hospital, o problema foi resolvido.

Direito Civil III

UNINASSAU SALVADOR


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

Carlos Eduardo Ferreira de Souza Verified user icon

Há mais de um mês

Em razão de ter ocorrido nova cirurgia que solucionou o problema, não haveria necessidade de requerer obrigação de fazer, tampouco urgência para tutela de urgência.

Entretanto, seria adequada propositura de ação de reparação de danos morais e materiais, sendo estes últimos no tocante aos danos emergentes (o que foi gasto com tratamento) e lucros cessantes (o que deixou de ganhar, por não conseguir exercer seu ofício de motorista). Segue passo a passo:

1) A ação deve ser dirigida à vara cível da comarca do domicílio do autor (art. 101, I, do CDC).

2) Deve constar qualificação do autor, nos termos do art. 319, II, do CPC:

"Art. 319, do CPC [...]

II - os nomes, os prenomes, o estado civil, a existência de união estável, a profissão, o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica, o endereço eletrônico, o domicílio e a residência do autor e do réu;"

3) Nome da ação (reparação por danos materiais e morais);

4) Qualificação do réu, com mesmos requisitos da parte autora. O réu deve ser o Hospital Viva Bem, em litisconsórcio com o médico. Na prática jurídica, costuma ser proposta em face da empresa quando há relação de consumo, pois atrai a responsabilidade objetiva, que independe de culpa (art. 14, caput e §4º, do CDC):

"Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.

 § 4° A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa"

5) Realizar exposição dos fatos, que devem ser logicamente organizados para atingir a conclusão e os pedidos;

6) Do Direito:

- Relação de consumo (arts. 1º e 2º do CDC);

- Dever de indenizar (art. 927, do CC e art. 6º, VI);

- Ocorrência de danos materiais, nos termos comprovados, em relação ao tratamento e aos dias que ficou impossibilitado de exercer a profissão (danos emergentes e lucros cessantes, portanto);

- Ocorrência de danos morais, em razão de ferimento de direitos da personalidade, como direito ao corpo, à integrida física, psíquica, dentre outros (larga jurisprudência a respeito, dando de R$ 30 mil a R$ 100 mil).

- Eventual cumulação em razão de danos estéticos (Súmula 387 do STJ)

7) Pedidos:

- Gratuidade de justiça, na forma do art. 98, do CPC (se for o caso)

- Citação do réu, sob pena de revelia;

- Condenação ao pagamento dos valores gastos com tratamento;

- Condenação ao pagamento de valores referentes a lucros cessantes;

- Condenação ao pagamento a título de danos morais, no montante de R$ 100.000,00

8) Protesto pela produção de todas as provas em direito admitidas;

9) Termos em que pede deferimento.

10) Data

11) Assinatura.

Em razão de ter ocorrido nova cirurgia que solucionou o problema, não haveria necessidade de requerer obrigação de fazer, tampouco urgência para tutela de urgência.

Entretanto, seria adequada propositura de ação de reparação de danos morais e materiais, sendo estes últimos no tocante aos danos emergentes (o que foi gasto com tratamento) e lucros cessantes (o que deixou de ganhar, por não conseguir exercer seu ofício de motorista). Segue passo a passo:

1) A ação deve ser dirigida à vara cível da comarca do domicílio do autor (art. 101, I, do CDC).

2) Deve constar qualificação do autor, nos termos do art. 319, II, do CPC:

"Art. 319, do CPC [...]

II - os nomes, os prenomes, o estado civil, a existência de união estável, a profissão, o número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica, o endereço eletrônico, o domicílio e a residência do autor e do réu;"

3) Nome da ação (reparação por danos materiais e morais);

4) Qualificação do réu, com mesmos requisitos da parte autora. O réu deve ser o Hospital Viva Bem, em litisconsórcio com o médico. Na prática jurídica, costuma ser proposta em face da empresa quando há relação de consumo, pois atrai a responsabilidade objetiva, que independe de culpa (art. 14, caput e §4º, do CDC):

"Art. 14. O fornecedor de serviços responde, independentemente da existência de culpa, pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços, bem como por informações insuficientes ou inadequadas sobre sua fruição e riscos.

 § 4° A responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa"

5) Realizar exposição dos fatos, que devem ser logicamente organizados para atingir a conclusão e os pedidos;

6) Do Direito:

- Relação de consumo (arts. 1º e 2º do CDC);

- Dever de indenizar (art. 927, do CC e art. 6º, VI);

- Ocorrência de danos materiais, nos termos comprovados, em relação ao tratamento e aos dias que ficou impossibilitado de exercer a profissão (danos emergentes e lucros cessantes, portanto);

- Ocorrência de danos morais, em razão de ferimento de direitos da personalidade, como direito ao corpo, à integrida física, psíquica, dentre outros (larga jurisprudência a respeito, dando de R$ 30 mil a R$ 100 mil).

- Eventual cumulação em razão de danos estéticos (Súmula 387 do STJ)

7) Pedidos:

- Gratuidade de justiça, na forma do art. 98, do CPC (se for o caso)

- Citação do réu, sob pena de revelia;

- Condenação ao pagamento dos valores gastos com tratamento;

- Condenação ao pagamento de valores referentes a lucros cessantes;

- Condenação ao pagamento a título de danos morais, no montante de R$ 100.000,00

8) Protesto pela produção de todas as provas em direito admitidas;

9) Termos em que pede deferimento.

10) Data

11) Assinatura.

User badge image

Regina

Há mais de um mês

Mariana emprestou a título gratuito o seu apartamento para Sandra

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas