A maior rede de estudos do Brasil

como ocorre a participação do hipotálamo no controle do sistema cardiovascular?


1 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

O hipotálamo, também constituído por substância cinzenta, é o principal centro integrador das atividades dos órgãos viscerais, sendo um dos principais responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz ligação entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, atuando na ativação de diversas glândulas endócrinas. Tem por função manter a temperatura corporal, regula as emoções (especificamente, as partes laterais parecem envolvidas com o prazer e a raiva, enquanto que a porção mediana parece mais ligada à aversão, ao desprazer e à tendência ao riso), a fome, a sede, o sono e os ritmos biológicos.


Como podemos ver o hipotálamo esta ligado a diversas funções do organismo humano, uma delas é a regulação cardiovascular. 

Em geral, a estimulação do hipotálamo posterior ou lateral aumenta a pressão arterial e a frequência cardíaca, enquanto que a estimulação da área pré-óptica produz efeitos opostos, como diminuição da frequência cardíaca e da pressão arterial. Esses efeitos são mediados, na maior parte, pelos centros de controlo cardiovascular nas regiões reticulares da ponte e do bolbo.
O controlo autónomo do ritmo cardíaco e do fluxo sanguíneo está constantemente em acção, regulando minuto a minuto as variações na pressão sanguínea. Na artéria aorta e nas artérias carótidas, que se dirigem para o cérebro, encontram-se uma série de receptores de tensão conhecidos como barorreceptores. Estes receptores enviam mensagem para o centro autónomo na base do cérebro, informando há cerca do grau de tensão das artérias. Quando a tensão não é muito elevada a pressão sanguínea é baixa. Assim, a base do cérebro envia uma mensagem para aumentar o ritmo cardíaco e restringir o fluxo de sangue para os órgãos viscerais até que se restabeleça a pressão sanguínea normal. Por exemplo, o problema imediato que se levanta perante uma hemorragia é uma rápida queda de pressão sanguínea. Devido a uma estimulação reflexa simpática ocasionada pelos barorreceptores, o paciente sente-se frio e torna-se extremamente pálido. Flui muito pouco sangue para a pele e, proporcionalmente, torna-se disponível uma maior quantidade de sangue para os órgãos vitais, como o coração e o cérebro.
Quando a pressão sanguínea é alta, há maior pressão nas artérias, e os barorreceptores estimulam, reflexivamente, o nervo vago para que diminua o ritmo cardíaco, enquanto que a estimulação simpática dilata algumas veias e diminui a resistência à passagem de sangue.
Embora não tenham sido identificados centros anatomicamente distintos, as áreas posterolateral e dorsomedial do hipotálamo funcionam como região activadora simpática, enquanto uma área anterior funciona como região activadora parassimpatica.


 

O hipotálamo, também constituído por substância cinzenta, é o principal centro integrador das atividades dos órgãos viscerais, sendo um dos principais responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz ligação entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, atuando na ativação de diversas glândulas endócrinas. Tem por função manter a temperatura corporal, regula as emoções (especificamente, as partes laterais parecem envolvidas com o prazer e a raiva, enquanto que a porção mediana parece mais ligada à aversão, ao desprazer e à tendência ao riso), a fome, a sede, o sono e os ritmos biológicos.


Como podemos ver o hipotálamo esta ligado a diversas funções do organismo humano, uma delas é a regulação cardiovascular. 

Em geral, a estimulação do hipotálamo posterior ou lateral aumenta a pressão arterial e a frequência cardíaca, enquanto que a estimulação da área pré-óptica produz efeitos opostos, como diminuição da frequência cardíaca e da pressão arterial. Esses efeitos são mediados, na maior parte, pelos centros de controlo cardiovascular nas regiões reticulares da ponte e do bolbo.
O controlo autónomo do ritmo cardíaco e do fluxo sanguíneo está constantemente em acção, regulando minuto a minuto as variações na pressão sanguínea. Na artéria aorta e nas artérias carótidas, que se dirigem para o cérebro, encontram-se uma série de receptores de tensão conhecidos como barorreceptores. Estes receptores enviam mensagem para o centro autónomo na base do cérebro, informando há cerca do grau de tensão das artérias. Quando a tensão não é muito elevada a pressão sanguínea é baixa. Assim, a base do cérebro envia uma mensagem para aumentar o ritmo cardíaco e restringir o fluxo de sangue para os órgãos viscerais até que se restabeleça a pressão sanguínea normal. Por exemplo, o problema imediato que se levanta perante uma hemorragia é uma rápida queda de pressão sanguínea. Devido a uma estimulação reflexa simpática ocasionada pelos barorreceptores, o paciente sente-se frio e torna-se extremamente pálido. Flui muito pouco sangue para a pele e, proporcionalmente, torna-se disponível uma maior quantidade de sangue para os órgãos vitais, como o coração e o cérebro.
Quando a pressão sanguínea é alta, há maior pressão nas artérias, e os barorreceptores estimulam, reflexivamente, o nervo vago para que diminua o ritmo cardíaco, enquanto que a estimulação simpática dilata algumas veias e diminui a resistência à passagem de sangue.
Embora não tenham sido identificados centros anatomicamente distintos, as áreas posterolateral e dorsomedial do hipotálamo funcionam como região activadora simpática, enquanto uma área anterior funciona como região activadora parassimpatica.


 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas