A maior rede de estudos do Brasil

explique os fatores que dirigem movimento do ar nas células de Hadley, nas células ferrel e nas células solares


5 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

A principal força motriz da circulação atmosférica é a distribuição desigual do aquecimento solar em toda a Terra, que é maior perto do equador e menor nos pólos. A circulação atmosférica transporta energia em direção aos polos, reduzindo assim o gradiente de temperatura equador a polo resultante. Os mecanismos pelos quais isso é realizado diferem em latitudes tropicais e extratropicais.


Células Hadley existem em ambos os lados do equador. Cada célula envolve o globo latitudinalmente e atua para transportar energia do equador para a 30ª latitude. A circulação exibe os seguintes fenômenos:

  • Ar quente e úmido que converge perto do equador causa precipitação intensa. Isso libera o calor latente, impulsionando fortes movimentos ascendentes.

  • Esse ar sobe para a tropopausa, cerca de 10 a 15 quilômetros acima do nível do mar, onde o ar não é mais flutuante.

  • Incapaz de continuar subindo, este ar sub-estratosférico é forçado ao invés pelo aumento contínuo do ar abaixo.

  • À medida que o ar se desloca para o pólo, ele resfria e ganha um forte componente para o leste, devido ao efeito de Coriolis e à conservação do momento angular. Os ventos resultantes formam os fluxos de jato subtropicais.


A circulação de Hadley exibe variação sazonal. Durante as estações do solstício, no ramo ascendente da célula de Hadley não ocorre diretamente sobre o equador, mas sim no hemisfério de verão.


Na média anual, o ramo ascendente é ligeiramente deslocado para o hemisfério norte, abrindo caminho para uma célula Hadley mais forte no hemisfério sul. Isto evidencia um pequeno transporte de energia líquido do hemisfério norte para o hemisfério sul.

A principal força motriz da circulação atmosférica é a distribuição desigual do aquecimento solar em toda a Terra, que é maior perto do equador e menor nos pólos. A circulação atmosférica transporta energia em direção aos polos, reduzindo assim o gradiente de temperatura equador a polo resultante. Os mecanismos pelos quais isso é realizado diferem em latitudes tropicais e extratropicais.


Células Hadley existem em ambos os lados do equador. Cada célula envolve o globo latitudinalmente e atua para transportar energia do equador para a 30ª latitude. A circulação exibe os seguintes fenômenos:

  • Ar quente e úmido que converge perto do equador causa precipitação intensa. Isso libera o calor latente, impulsionando fortes movimentos ascendentes.

  • Esse ar sobe para a tropopausa, cerca de 10 a 15 quilômetros acima do nível do mar, onde o ar não é mais flutuante.

  • Incapaz de continuar subindo, este ar sub-estratosférico é forçado ao invés pelo aumento contínuo do ar abaixo.

  • À medida que o ar se desloca para o pólo, ele resfria e ganha um forte componente para o leste, devido ao efeito de Coriolis e à conservação do momento angular. Os ventos resultantes formam os fluxos de jato subtropicais.


A circulação de Hadley exibe variação sazonal. Durante as estações do solstício, no ramo ascendente da célula de Hadley não ocorre diretamente sobre o equador, mas sim no hemisfério de verão.


Na média anual, o ramo ascendente é ligeiramente deslocado para o hemisfério norte, abrindo caminho para uma célula Hadley mais forte no hemisfério sul. Isto evidencia um pequeno transporte de energia líquido do hemisfério norte para o hemisfério sul.

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

A principal força motriz da circulação atmosférica é a distribuição desigual do aquecimento solar em toda a Terra, que é maior perto do equador e menor nos pólos. A circulação atmosférica transporta energia em direção aos polos, reduzindo assim o gradiente de temperatura equador a polo resultante. Os mecanismos pelos quais isso é realizado diferem em latitudes tropicais e extratropicais.


Células Hadley existem em ambos os lados do equador. Cada célula envolve o globo latitudinalmente e atua para transportar energia do equador para a 30ª latitude. A circulação exibe os seguintes fenômenos:

  • Ar quente e úmido que converge perto do equador causa precipitação intensa. Isso libera o calor latente, impulsionando fortes movimentos ascendentes.

  • Esse ar sobe para a tropopausa, cerca de 10 a 15 quilômetros acima do nível do mar, onde o ar não é mais flutuante.

  • Incapaz de continuar subindo, este ar sub-estratosférico é forçado ao invés pelo aumento contínuo do ar abaixo.

  • À medida que o ar se desloca para o pólo, ele resfria e ganha um forte componente para o leste, devido ao efeito de Coriolis e à conservação do momento angular. Os ventos resultantes formam os fluxos de jato subtropicais.


A circulação de Hadley exibe variação sazonal. Durante as estações do solstício, no ramo ascendente da célula de Hadley não ocorre diretamente sobre o equador, mas sim no hemisfério de verão.


Na média anual, o ramo ascendente é ligeiramente deslocado para o hemisfério norte, abrindo caminho para uma célula Hadley mais forte no hemisfério sul. Isto evidencia um pequeno transporte de energia líquido do hemisfério norte para o hemisfério sul.

User badge image

Andre Smaira

Há mais de um mês

A principal força motriz da circulação atmosférica é a distribuição desigual do aquecimento solar em toda a Terra, que é maior perto do equador e menor nos pólos. A circulação atmosférica transporta energia em direção aos polos, reduzindo assim o gradiente de temperatura equador a polo resultante. Os mecanismos pelos quais isso é realizado diferem em latitudes tropicais e extratropicais.


Células Hadley existem em ambos os lados do equador. Cada célula envolve o globo latitudinalmente e atua para transportar energia do equador para a 30ª latitude. A circulação exibe os seguintes fenômenos:

  • Ar quente e úmido que converge perto do equador causa precipitação intensa. Isso libera o calor latente, impulsionando fortes movimentos ascendentes.

  • Esse ar sobe para a tropopausa, cerca de 10 a 15 quilômetros acima do nível do mar, onde o ar não é mais flutuante.

  • Incapaz de continuar subindo, este ar sub-estratosférico é forçado ao invés pelo aumento contínuo do ar abaixo.

  • À medida que o ar se desloca para o pólo, ele resfria e ganha um forte componente para o leste, devido ao efeito de Coriolis e à conservação do momento angular. Os ventos resultantes formam os fluxos de jato subtropicais.


A circulação de Hadley exibe variação sazonal. Durante as estações do solstício, no ramo ascendente da célula de Hadley não ocorre diretamente sobre o equador, mas sim no hemisfério de verão.


Na média anual, o ramo ascendente é ligeiramente deslocado para o hemisfério norte, abrindo caminho para uma célula Hadley mais forte no hemisfério sul. Isto evidencia um pequeno transporte de energia líquido do hemisfério norte para o hemisfério sul.

User badge image

Nete Rodrigues

Há mais de um mês

Célula de Hadley é um modelo de circulação fechada da atmosfera terrestre predominante nas latitudes equatoriais e tropicais. Esta circulação está intimamente relacionada aos ventos alísios, às zonas tropicais úmidas, desertos subtropicais e correntes de jato. Há três células de circulação primárias, conhecidas como célula de Hadley, célula de Ferrel e célula Polar.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas