A maior rede de estudos do Brasil

Meio de identificação de streptococcus pyogenes em Sulfametaxazol + Trimetropim, como realizar esse método e os resultados?


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Acredita-se que o Streptococcus pyogenes seja resistente ao trimetoprim-sulfametoxazol (SXT), resultando em reservas sobre o uso do SXT para infecções de pele e tecidos moles (SSTI) nas quais S. pyogenes está envolvido. S. pyogenes ' in vitro de susceptibilidade ao SXT depende do conteúdo de timidina do meio.

A timidina permite que S. pyogenes contorne a inibição do metabolismo do folato mediada por enxofre e, historicamente, resultou em uma susceptibilidade aparentemente reduzida de S. pyogenes a antibacterianos de enxofre

O Streptococcus pyogenes foi uma das primeiras infecções bacterianas a serem tratadas com antibacterianos de enxofre na década de 1930 e provou ser clinicamente eficaz no tratamento e profilaxia das infecções por S. pyogenes.

No entanto, quando a sulfadiazina, um antibacteriano precoce de enxofre de ação curta, foi usada em programas de profilaxia em massa para prevenir amigdalite por S. pyogenes e febre reumática aguda (IRA) em recrutas militares na década de 1940, a eficácia clínica desse antibacteriano foi limitada devido à desenvolvimento presumido de resistência entre algumas cepas.

Acredita-se que o Streptococcus pyogenes seja resistente ao trimetoprim-sulfametoxazol (SXT), resultando em reservas sobre o uso do SXT para infecções de pele e tecidos moles (SSTI) nas quais S. pyogenes está envolvido. S. pyogenes ' in vitro de susceptibilidade ao SXT depende do conteúdo de timidina do meio.

A timidina permite que S. pyogenes contorne a inibição do metabolismo do folato mediada por enxofre e, historicamente, resultou em uma susceptibilidade aparentemente reduzida de S. pyogenes a antibacterianos de enxofre

O Streptococcus pyogenes foi uma das primeiras infecções bacterianas a serem tratadas com antibacterianos de enxofre na década de 1930 e provou ser clinicamente eficaz no tratamento e profilaxia das infecções por S. pyogenes.

No entanto, quando a sulfadiazina, um antibacteriano precoce de enxofre de ação curta, foi usada em programas de profilaxia em massa para prevenir amigdalite por S. pyogenes e febre reumática aguda (IRA) em recrutas militares na década de 1940, a eficácia clínica desse antibacteriano foi limitada devido à desenvolvimento presumido de resistência entre algumas cepas.

User badge image

Elisa Reis

Há mais de um mês

Sulfametaxazol+Trimetropim é um antibiótico utilizado em tratamentos de combate a algumas infecções bacterianas, porém algumas bactérias possuem resistência intríseca a esse antibiótico, como é o caso do Streptococcus pyogenes, que é um estreptococo beta hemolítico do grupo A.

Por causa disso, o disco de SXT é utilizado no antibiograma para auxiliar na identificação bacteriana, mas não é examatemente um meio de identificação, e sim um teste.

O meio de identificação é a cultura, seguida pela bacterioscopia pelo método de Gram e, por fim, o Antibiograma, que é onde será utilizado o disco de SXT, juntamente com outros, a exemplo da Bacitracina, que é um antibiótico a que os estreptococo beta hemolíticos do grupo A possuem sensibilidade intríseca.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas